VINCRISTINA

ZODIAC

Atualizado em 09/12/2014

Composição da Vincristina

cada ml de solução injetável contém: sulfato devincristina 1 mg, veículo q.s.p. 1 ml.

Posologia e Administração da Vincristina

a vincristina deve ser administrada unicamente por via endovenosa. A utilização da via intratecal geralmente é fatal. Deve-se tomar muito cuidado no preparo da dose, pois a superdose geralmente acarreta efeitos muito graves e até fatais. A droga deve ser administrada por via EV em intervalos semanais. Vincristina não deve ser administrada a pacientes em radioterapia1, incluindo a hepática2. Quando associada à L-asparginase, a dose de vincristina deverá ser administrada entre 12 e 24 horas antes da enzima3, com o objetivo de evitar-se uma diminuição da excreção hepática2 da vincristina, com conseqüente aumento de sua toxicidade4. A diluição deve ser feita em água bacteriostática para injeção5; a solução resultante poderá ser armazenada em geladeira por 14 dias sem perda significativa de sua ação. Vincristina também pode ser diluída em água destilada ou soro6 fisiológico7 em concentrações de 0,01 a 1 mg/ml. A solução de vincristina poderá ser administrada diretamente na veia ou venóclise da infusão endovenosa em curso. Vincristina não deverá ser misturada no mesmo recipiente com qualquer outra medicação antes ou durante sua aplicação. A injeção5 da solução deve ser completada dentro de aproximadamente 1 minuto. Cuidado especial deve-se ter para que a agulha esteja corretamente colocada na veia, pois o extravasamento de vincristina pode acarretar grande irritação tecidual. Nesta situação, a injeção5 local de hialuronidase e a aplicação de calor local moderado na área do extravasamento, ajudam a dispersar a droga minimizando o desconforto e a possibilidade de celulite8. O produto deve ser inspecionado visualmente antes da administração, com o objetivo de detectar-se precipitados ou mudanças de coloração que inviabilizem a sua administração. As práticas usuais de quimioterapia9 antineoplásica envolvem o uso simultâneo de várias drogas. Portanto, para obter-se o efeito terapêutico desejado sem aumentar os efeitos tóxicos, deve-se selecionar drogas com diferentes mecanismos de ação e diferentes graus de toxicidade4 clínica. Crianças: a dose usual é de 1,5 a 2 mg/m2/semana. Para crianças com 10 kg ou menos a dose é de 0,05 mg/kg/semana. Adultos: a dose usual é de 0,4 a 1,4 mg/m2/semana. Em pacientes com insuficiência hepática10 a dose inicial deve ser de 0,05 a 1mg/m2, as doses seguintes serão ajustadas de acordo com a tolerância do paciente. - Superdosagem: a superdosagem de vincristina pode acarretar uma exacerbação, às vezes fatal, das reações mencionadas anteriormente, uma vez que estas reações tóxicas são dose-relacionadas. Em caso de superdosagem as seguintes medidas devem ser tomadas: prevenir a síndrome11 da secreção inapropriada do hormônio12 antidiurético, diminuindo a oferta de líquidos e, nos casos indicados, usando diuréticos13 que atuem sobre o túbulo distal14 ou alça de Henle15; prevenção da convulsão16 pela administração de fenobarbital em doses anticonvulsivantes; prevenção do íleo paralítico17 através de enemas18; em alguns casos torna-se necessária a descompressão19 do trato gastrintestinal; controle cuidadoso do sistema cardiovascular20; realização de hemograma diário para controle e verificação da necessidade de transfusões; administração de ácido folínico, 50 a 100 mg, por via EV a cada 3 horas por um período de 48 horas, a seguir a cada 6 horas por mais um período mínimo de 48 horas. O uso do ácido folínico não dispensa as medidas de apoio mencionadas acima.

Precauções da Vincristina

após a administração de drogas antineoplásicas pode ocorrer uma nefropatia21 úrica aguda, que pode ocorrer também com o uso de vincristina. Como a vincristina parece não atravessar a barreira hematoencefálica em concentrações adequadas, aconselha-se a utilização de drogas mais específicas no caso de leucemia22 do Sistema Nervoso Central23. Em caso de leucopenia24 ou infecção25 concomitante, aconselha-se um minucioso exame clínico antes de se administrar a próxima dose. Em pacientes com distúrbios neurológicos concomitantes, deve-se dar atenção especial à posologia, objetivando minimizar possíveis reações adversas; o mesmo se aplica quando da utilização concomitante de drogas potencialmente neurotóxicas. O uso associado de mitomicina-C com os alcalóides da vincristina podem desencadear reações de broncospasmo e dispnéia26 aguda, que podem ocorrer dentro de minutos ou várias horas após a administração da droga. Em caso de contato acidental dos olhos27 com vincristina, pode ocorrer irritação grave e mesmo ulceração28 de córnea29; recomenda-se, portanto, que o olho30 atingido seja lavado imediatamente com água. - Advertências: a administração de vincristina é feita unicamente por via endovenosa; a administração intratecal é geralmente fatal. O uso durante a gravidez31 e lactação32 ainda não foi estabelecido, uma vez que não se dispõe de informações seguras sobre a sua ação sobre a fertilidade e sobre o feto33. A sua utilização durante a gravidez31 fica, portanto, a critério do médico, que se encarregará de avaliar os riscos e benefícios de tal conduta. Interações medicamentosas: a vincristina pode interagir com os seguintes medicamentos: alopurinol, colchicina, probenecida e sulfimpirazona: acarretando um aumento de concentração sérica de ácido úrico. Torna-se necessário, portanto, um ajuste da dose dessas substâncias para se evitar uma possível nefropatia21. Asparginase: pode acarretar neurotoxidade. Aconselha-se que, quando da necessidade de associação com vincristina, a asparginase seja administrada após a vincristina. Bleomicina: uso de vincristina associado com a bleomicina facilita a ação da bleomicina, pois interrompe o ciclo celular na fase de mitose. Medicamentos que produzem discrasia sangüínea, depressores da medula óssea34 e radioterapia1: o uso simultâneo com a vincristina pode potencializar a ação depressora sobre a medula óssea34. Doxorrubicina: o uso com vincristina e prednisona acarreta maior depressão medular, não sendo aconselhável esta combinação. Medicamentos neurotóxicos e irradiação da medula35: pode levar a uma neurotoxicidade auditiva. Vacinas com vírus36 vivos: como os mecanismos de defesa estão diminuídos, o uso simultâneo de vacinas com vírus36 vivos pode acarretar uma replicação desses vírus36, aumentar os efeitos secundários/adversos da vacina37 e/ou diminuir a resposta humoral38 do paciente à vacina37. A imunização39 de pacientes em tratamento com vincristina só deverá ser realizada com a autorização do médico quimioterapeuta responsável e após uma avaliação do quadro hematológico do paciente. O intervalo de tempo entre a interrupção dos medicamentos que produzem imunossupressão40 e a recuperação da capacidade de resposta à vacina37 depende do agente utilizado, de sua intensidade e da enfermidade subjacente, entre outros fatores e estima-se em aproximadamente 3 meses a 1 ano. Os pacientes com leucemia22 em fase de remissão não devem receber vacinas com vírus36 vivos até pelo menos 3 meses após a última quimioterapia9. Além disso, a imunização39 com vacinas orais de poliovírus devem ser adiadas naquelas pessoas em contato direto com o paciente, especialmente os membros da família.

Reações Adversas da Vincristina

geralmente as reações são reversíveis e dose-dependentes. A reação adversa mais freqüente é a alopecia41 e as mais desagradáveis são os distúrbios neuromusculares. Quando são utilizadas doses únicas semanais, as reações adversas tipo leucopenia24, dor neurítica, constipação42 e dificuldade para caminhar são geralmente de curta duração (i.e., menos do que 7 dias). Quando a dose é reduzida, estas reações diminuem de intensidade ou desaparecem. Elas parecem aumentar quando o total da droga é administrado em doses fracionadas. Outras reações como perda de cabelo43, parestesia44, descoordenação motora, diminuição das sensações, diminuição dos reflexos tendinosos profundos e cansaço muscular podem persistir durante todo o período de tratamento. Em alguns casos os distúrbios neuromusculares desapareceram na 6ª semana após a interrupção da droga, mas, em outros casos, permaneceram por longos períodos. Normalmente existe uma seqüência para o desenvolvimento das reações adversas do tipo neuromuscular. Inicialmente são observadas somente alterações sensoriais e parestesias45. Com a continuidade do tratamento aparecem neuralgias e, posteriormente, dificuldades motoras. Ainda não foi descoberta nenhuma droga que possa anular este tipo de reação adversa à vincristina. Convulsões, freqüentemente associadas com hipotensão46, têm sido referidas por poucos pacientes, assim como ataxia47, paralisia48 do pé, parestesia44 e entorpecimento dos dedos. A constipação42 pode tomar a forma de bloqueio do colo ascendente49, e ao exame físico o reto50 pode encontrar-se vazio; raios X simples do abdômen demonstram claramente esta situação que pode ser solucionada pelo uso de laxativos51 e enemas18. Recomenda-se um regime profilático rotineiro contra a constipação42 para todos os pacientes fazendo uso de vincristina. Além da constipação42 também pode ocorrer íleo paralítico17, principalmente em pacientes idosos e em crianças. Isto pode simular um quadro de abdômen agudo52 cirúrgico e o seu tratamento é puramente sintomático53, além da interrupção do tratamento com vincristina. Cólicas54, diarréia55, vômitos56 e necrose57 ou perfuração intestinal também têm sido relatados. Raras ocorrências de uma síndrome11 associada à secreção inapropriada do hormônio12 antidiurético têm sido observadas em pacientes por tratamento com vincristina, caracterizada por uma elevação na excreção de sódio urinário na presença de hiponatremia58 e na ausência de enfermidade renal59 ou supra-renal60, hipotensão46, desidratação61, azotemia e edema62 clínico. Com a restrição hídrica consegue-se uma melhora do quadro, isto é, da hiponatremia58 e da perda de sódio. Também tem sido observado um aumento da retenção urinária63 principalmente em pacientes idosos e com graus diversos de uropatias obstrutivas, e que pode ser devido ao uso concomitante de outros medicamentos; poliúria64 e disúria65 também têm sido referidas. A vincristina parece não exercer qualquer ação lesiva sobre as plaquetas66 e hemácias67. A trombocitopenia68, quando presente no início do tratamento com vincristina, pode regredir antes da ocorrência de remissão medular. A função medular não é afetada por doses usuais de vincristina. Outras reações adversas relacionadas com a droga são: perda de peso, febre69, manifestações de nervos cranianos, ulceração28 oral, cefaléia70 e atrofia71 do nervo óptico com cegueira. Todos os graus de toxicidade4 são dose-relacionados, à exceção dos neurológicos, que parecem ser cumulativos. Hematológica: leucopenia24, trombocitopenia68. Neurológica: disestesia72, parestesia44, perda dos reflexos, fraqueza muscular, dor de cabeça73, ptose74 e diplopia75. Digestivas: constipação42 severa. Outros: alopecia41, náusea76, febre69, cansaço, poliúria64, dor difusa, tromboflebites77 e necrose57 de pele78 no caso de extravasamento. Carcinogenicidade/Mutagenicidade: tem sido demonstrado que a vincristina é carcinogênica em animais e pode estar associada a um maior risco de desenvolvimento de carcinomas secundários em seres humanos. Pacientes idosos: apesar de ainda não haver estudos específicos e bem controlados na população geriátrica, existem evidências de que os pacientes idosos são mais sensíveis aos efeitos neurotóxicos da vincristina. Fertilidade: em pacientes submetidos à terapia antineoplásica, especialmente com agentes alquilantes, pode ocorrer uma supressão gonadal, levando à azoospermia79 ou amenorréia80, geralmente relacionadas com a dose e a duração da terapia, podendo ser irreversíveis em alguns casos. Devido ao fato deste efeito geralmente vir associado à utilização combinada de vários agentes antineoplásicos, torna-se muito difícil a valorização dos efeitos de cada fármaco81 individualmente. Podem ocorrer elevações do ácido úrico sérico devido à ação citotóxica da vincristina sobre a função renal59.

Contra-Indicações da Vincristina

não existem contra-indicações absolutas ao uso da vincristina, mas atenção especial deve ser dada para as contra-indicações relativas mencionadas sob o título de Precauções/Advertências.

Indicações da Vincristina

tratamento da leucemia22 aguda como agente único. Pode ser utilizado como quimioterapia9 combinada na doença de Hodgkin82, linfomas malignos não Hodgkin (tipos linfocíticos, de células83 mistas, histiocíticos, não diferenciados, nodulares e difusos), rabdomiossarcoma84, neuroblastoma, tumor85 de Wilms, sarcoma86 osteogênico, micose87 fungóide, sarcoma86 de Ewing, carcinoma88 de cérvix uterino, câncer89 de mama90, melanoma91 maligno, carcinoma88 de pulmão92 de células83 em grão de aveia e tumores ginecológicos de infância. Pacientes com púrpura93 trombocitopênica idiopática94 verdadeira, resistentes ao tratamento convencional, podem ser beneficiados com o uso de vincristina. Vincristina também poderá ser utilizada nos esquemas de múltiplas drogas para o tratamento de algumas neoplasias95 pediátricas, tais como: neuroblastoma, sarcoma86 osteogênico, sarcoma86 de Ewing, rabdomiossarcoma84, tumor85 de Wilms, doença de Hodgkin82, linfomas não Hodgkin, carcinoma88 embrionário de ovário96 e rabdomiossarcoma84 de útero97.

Apresentação da Vincristina

caixa contendo 1 frasco-ampola com 1 ml.


VINCRISTINA - Laboratório

ZODIAC
Rua Traipu, 755
São Paulo/SP - CEP: 01235-000
Tel: (11 )263-6166
Fax: (11 3)676-0524

Ver outros medicamentos do laboratório "ZODIAC"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
2 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
3 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
4 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
5 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
6 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
7 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
8 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
9 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
10 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
11 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
12 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
13 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
14 Distal: 1. Que se localiza longe do centro, do ponto de origem ou do ponto de união. 2. Espacialmente distante; remoto. 3. Em anatomia geral, é o mais afastado do tronco (diz-se de membro) ou do ponto de origem (diz-se de vasos ou nervos). Ou também o que é voltado para a direção oposta à cabeça. 4. Em odontologia, é o mais distante do ponto médio do arco dental.
15 Alça de Henle: Porção do tubo renal (em forma de U), na MEDULA RENAL, constituída por uma alça descendente e uma ascendente. Situada entre o TÚBULO RENAL PROXIMAL e o TÚBULOS RENAL DISTAL.
16 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
17 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
18 Enemas: Introdução de substâncias líquidas ou semilíquidas através do esfíncter anal, com o objetivo de induzir a defecação ou administrar medicamentos.
19 Descompressão: Ato ou efeito de descomprimir, de aliviar o que está sob efeito de pressão ou de compressão.
20 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
21 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
22 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
23 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
24 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
25 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
26 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
27 Olhos:
28 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
29 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
30 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
31 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
32 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
33 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
34 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
35 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
36 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
37 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
38 Humoral: 1. Relativo a humor. 2. Em fisiologia, relativo a ou próprio do conjunto de líquidos do organismo (sangue, linfa, líquido cefalorraquidiano).
39 Imunização: Processo mediante o qual se adquire, de forma natural ou artificial, a capacidade de defender-se perante uma determinada agressão bacteriana, viral ou parasitária. O exemplo mais comum de imunização é a vacinação contra diversas doenças (sarampo, coqueluche, gripe, etc.).
40 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
41 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
42 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
43 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
44 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
45 Parestesias: São sensações cutâneas subjetivas (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação.
46 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
47 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
48 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
49 Colo Ascendente: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o COLO TRANSVERSO. Possui trajeto ascendente desde o ceco à superfície caudal do lóbulo direito do FÍGADO onde se dobra pronunciadamente à esquerda, formando a flexura cólica direita
50 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
51 Laxativos: Mesmo que laxantes. Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
52 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
53 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
54 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
55 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
56 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
57 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
58 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
59 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
60 Supra-renal:
61 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
62 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
63 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
64 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
65 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
66 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
67 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
68 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
69 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
70 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
71 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.
72 Disestesia: Distúrbio da sensibilidade superficial tátil.
73 Cabeça:
74 Ptose: Literalmente significa “queda” e aplica-se em distintas situações para significar uma localização inferior de um órgão ou parte dele (ptose renal, ptose palpebral, etc.).
75 Diplopia: Visão dupla.
76 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
77 Tromboflebites: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
78 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
79 Azoospermia: Ausência de espermatozódes no líquido seminal.
80 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
81 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
82 Doença de Hodgkin: Doença neoplásica que afeta o tecido linfático, caracterizada por aumento doloroso dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas, mediastino, etc., juntamente com astenia, prurido (coceira) e febre. Atualmente pode ter uma taxa de cura superior a 80%.
83 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
84 Rabdomiossarcoma: Rabdomiossarcoma é um câncer de origem embrionária que atinge as células que se tornam os músculos do corpo.
85 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
86 Sarcoma: Neoplasia maligna originada de células do tecido conjuntivo. Podem aparecer no tecido adiposo (lipossarcoma), muscular (miossarcoma), ósseo (osteosarcoma), etc.
87 Micose: Infecção produzida por fungos. Pode ser superficial, quando afeta apenas pele, mucosas e seus anexos, ou profunda, quando acomete órgãos profundos como pulmões, intestinos, etc.
88 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
89 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
90 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
91 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
92 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
93 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
94 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
95 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
96 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
97 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.

Tem alguma dúvida sobre VINCRISTINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.