FLUMAZIL

CRISTALIA

Atualizado em 08/12/2014

FLUMAZIL

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

Composição de Flumazil

Cada ml da Solução Injetável contém:Flumazenil (DCB 1527.01-0) .................... 0,1 mg
Veículo estéril q.s.p. .................... 1,0 ml
(Veículo: Edetato dissódico, ácido acético, cloreto de sódio, ácido clorídrico1, hidróxido de sódio e Água para Injetáveis)

Informações Técnicas de Flumazil

Conservar o produto em temperatura ambiente, entre 15 e 30°C, protegido da luz.

O prazo de validade do produto é de 24 meses a partir da data de fabricação impressa na embalagem. Não utilize medicamento vencido.

O médico deve estar informado sobre a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término, e se a paciente estiver amamentando.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

-DESCRIÇÃO:
O FLUMAZIL, quimicamente corresponde ao 8-flúor-5,6-diidro-5-metil-6-oxo-4H-imidazo[1,5-a][1,4]benzodiazepina-3-carboxilato de etila, com peso molecular de 303,3.

O Flumazenil é um pó cristalino3, branco ou quase branco. Ele é muito pouco solúvel em água, pouco solúvel em álcool metílico, muito solúvel em cloreto de metileno.

Farmacologia4 Clínica
O Flumazenil, uma imidazo-benzodiazepina, é um antagonista5 benzodiazepínico que bloqueia especificamente, por inibição competitiva, os efeitos centrais das substâncias que agem ao nível dos receptores benzodiazepínicos. Em experimentação animal, o Flumazenil não influenciou os efeitos de substâncias que não demonstram afinidade pelos receptores benzodiazepínicos, como por exemplo, barbitúricos, meprobamato, etanol, GABA6-miméticos e agonistas de receptores de adenosina.

Entretanto, são bloqueados os efeitos de agonistas não benzodiazepínicos dos receptores benzodiazepínicos, tais como as ciclopirrolonas (zopiclone, por exemplo) e as triazolopiridazinas.

Os efeitos hipnótico, sedativo e de inibição psicomotora7 dos benzodiazepínicos são rapidamente neutralizados após administração intravenosa (30 segundos a 2 minutos) de Flumazenil. Esses efeitos podem reaparecer em poucas horas, dependendo da meia-vida das substâncias benzodiazepínicas utilizadas e da relação existente entre as doses de agonista8 e antagonista5 administradas.

O Flumazenil é bem tolerado mesmo em elevadas doses.

Estudos toxicológicos em animais demonstraram que o Flumazenil apresenta baixa toxicidade9 sendo desprovido de atividade mutagênica.

O Flumazenil pode apresentar uma fraca atividade agonista8 intrínseca, como por exemplo, atividade anticonvulsivante. Em animais tratados com elevadas doses de benzodiazepínicos, por várias semanas, o Flumazenil produziu sintomas10 de abstinência. Efeito similar foi observado em humanos adultos.

Farmacocinética
A farmacocinética do Flumazenil é dose-dependente até 100 mg.

Distribuição
O Flumazenil, base levemente lipofílica, apresenta taxa de ligação às proteínas11 plasmáticas na ordem de 50%. Cerca de dois terços ligam-se à albumina12. O Flumazenil é extensivamente distribuído no espaço extravascular13. A concentração plasmática de Flumazenil, durante a fase de distribuição, decresce com a meia-vida de 4 a 11 minutos. O volume de distribuição no estado de equilíbrio é de 0,9 a 1,1 litros/kg, e é próximo ao das benzodiazepinas de estrutura química semelhante e indica fixação tissular14 e/ou repartição tissular14 da substância.

Metabolismo15
O Flumazenil é extensivamente metabolizado no fígado16. O ácido carboxílico é seu principal metabólito17 no plasma18 (forma livre) e na urina19 (forma livre e seu glicuronato). Este metabólito17 não apresenta atividade agonista8 nem antagonista5 de benzodiazepínicos nos testes farmacológicos.

Eliminação
O Flumazenil é eliminado quase que completamente (99%) por via extra-renal20. Praticamente não ocorre excreção de Flumazenil inalterado na urina19 (menos que 0,2% da dose administrada é eliminada inalterada na urina19), sugerindo degradação completa da droga. A eliminação da droga marcada por radioatividade é essencialmente completa dentro de 72 horas, com 90 a 95% da radioatividade total aparecendo na urina19 e 5 a 10% nas fezes. A eliminação é rápida como mostra sua baixa meia-vida de 40 a 80 minutos. O clearance plasmático total do Flumazenil é 0,8 a 1,0 litros/h/kg e pode ser atribuído quase inteiramente ao clearance hepático. O baixo índice de clearance renal20 sugere uma reabsorção eficaz da droga após filtração glomerular. A administração de alimentos durante uma infusão intravenosa de Flumazenil resultou em aumento de 50% do clearance, principalmente devido ao incremento do fluxo sanguíneo hepático que acompanha a refeição.

Os parâmetros farmacocinéticos básicos de Flumazenil não foram alterados quando da administração concomitante com midazolam, flunitrazepam ou lormetazepam.

Farmacocinética em populações especiais
Em indivíduos com função hepática21 prejudicada, a meia-vida de eliminação do Flumazenil é maior e o clearance sanguíneo total é menor do que em indivíduos sadios. A farmacocinética da droga não é significantemente afetada nos idosos, por sexo, em pacientes em hemodiálise22, ou falência renal20. A meia-vida de eliminação em crianças acima de 1 ano de vida é mais variável que em adultos, em média 40 minutos, e geralmente variando entre 20 e 75 min. O clearance e o volume de distribuição, normatizados por peso corpóreo, são os mesmos que os de adultos.

Indicações de Flumazil

O FLUMAZIL (Flumazenil) é indicado para reversão da sedação23 consciente induzida por benzodiazepínicos em crianças maiores que 1 (um) ano de idade.

O FLUMAZIL (Flumazenil) está indicado na reversão completa ou parcial dos efeitos sedativos dos benzodiazepínicos sobre o sistema nervoso central24. Assim, é usado em anestesia25 e em unidades de terapia intensiva26 nas seguintes indicações.

Em anestesiologiaEncerramento de anestesia25 geral induzida e mantida com benzodiazepinas em pacientes hospitalizados.

Neutralização do efeito sedativo dos benzodiazepínicos em procedimentos diagnósticos e terapêuticos de curta duração em pacientes hospitalizados e de ambulatório.

Neutralização de reações paradoxais dos benzodiazepínicos.

Em terapia intensiva26
Diagnóstico27 e tratamento de superdosagem com benzodiazepinas.

Para determinar, nos casos de inconsciência28 de causa desconhecida, se a droga envolvida é um benzodiazepínico, outro medicamento ou ainda se é devida à lesão29 cerebral.

Para neutralizar, especificamente, os efeitos exercidos sobre o sistema nervoso central24 por doses excessivas de benzodiazepínicos (restabelecimento da respiração espontânea e da consciência a fim de evitar a intubação e extubação consequentes).

Contra-Indicações de Flumazil

O FLUMAZIL está contra-indicado em pacientes com reconhecida hipersensibilidade ao Flumazenil ou a qualquer um dos componentes da fórmula.

O FLUMAZIL está contra-indicado em pacientes que recebem benzodiazepínicos para controle de condições que potencialmente representem risco de vida (ex: controle de pressão intracraniana ou controle do estado epiléptico).

O LUMAZIL está contra-indicado em pacientes epilépticos que estão em tratamento com benzodiazepínicos por um período prolongado; a supressão abrupta do efeito protetor das benzodiazepinas pode induzir convulsões em pacientes epilépticos.

O LUMAZIL está contra-indicado em pacientes que estejam apresentando sinais30 de superdosagem séria com antidepressivos cíclicos.

Precauções e Advertências de Flumazil

O uso de FLUMAZIL não é recomendado em pacientes epilépticos que venham recebendo tratamento benzodiazepínico por um período prolongado. Apesar de FLUMAZIL exercer um leve efeito intrínseco anticonvulsivante, a supressão abrupta dos efeitos protetores de um agonista8 benzodiazepínico pode levar a quadros de convulsão31 em pacientes epilépticos.

Em intoxicações mistas com benzodiazepínicos e antidepressivos cíclicos, a toxicidade9 dos antidepressivos pode ser mascarada pelos efeitos protetores dos benzodiazepínicos. Na presença de sintomas10 autonômicos (anticolinérgicos), neurológicos (anormalidades motoras) ou cardiovasculares causados por uma intoxicação severa com tricíclicos/tetracíclicos, a administração deve ser cuidadosa.

Quando FLUMAZIL for usado com bloqueadores neuromusculares, ele não deve ser injetado até que os efeitos destes últimos estejam completamente revertidos.

O FLUMAZIL deve ser usado com precaução em pacientes com traumatismo32 craniano em uso de benzodiazepínicos, pois pode desencadear convulsões ou alterar o fluxo sanguíneo cerebral.

Pacientes com traumatismo32 craniano severo (e/ou pressão intracraniana instável) tratados com FLUMAZIL para reverter os efeitos dos benzodiazepínicos, poderão desenvolver um aumento da pressão intracraniana.

Pacientes que receberam FLUMAZIL para reversão dos efeitos de benzodiazepínicos devem ser monitorizados para ressedação, depressão respiratória ou outro efeito residual do benzodiazepínico, por um período apropriado, dependendo da dose e da duração dos efeitos do benzodiazepínico empregado.

O FLUMAZIL não é recomendado para o tratamento de dependência dos benzodiazepínicos, nem para o tratamento da síndrome33 de abstinência dos benzodiazepínicos.

O LUMAZIL deve ser usado com cuidado para a reversão da sedação23 consciente em crianças menores que 1 (um) ano, para o tratamento de superdosagem em crianças, para a ressuscitação em recém-nascidos, e para a reversão dos efeitos sedativos dos benzodiazepínicos usados para indução de anestesia25 geral em crianças.

Efeitos na capacidade de dirigir e operar máquinas:Interfere na capacidade de dirigir e outras atividades psicomotoras de ambulatório. Embora após administração intravenosa de FLUMAZIL, os pacientes tornem-se despertos e conscientes, eles devem ser alertados para que não dirijam nem manuseiem máquinas perigosas durante as primeiras 24 horas, pois os efeitos dos benzodiazepínicos inicialmente ingeridos podem reaparecer.

Gravidez2 e Lactação34 de Flumazil

Embora estudos em animais tratados com altas doses de FLUMAZIL não tenham revelado evidência de mutagenicidade, teratogenicidade ou prejuízo da fertilidade, deve-se observar o princípio médico de não se administrar medicamentos nos primeiros meses da gravidez2, exceto quando absolutamente necessário. A administração de FLUMAZIL em situações de emergência35 não está contra-indicada durante a lactação34.

Interações Medicamentosas de Flumazil

O Flumazenil bloqueia os efeitos centrais das benzodiazepinas por interação competitiva ao nível de receptor. Os efeitos de agonistas não benzodiazepínicos, tais como o zopiclone, triazolopiridazinas e outros, são igualmente bloqueados pelo Flumazenil.

Não foram observadas interações com outros depressores do SNC36.

A farmacocinética das benzodiazepinas permanece inalterada em presença do Flumazenil e vice-versa.

Não há interação farmacocinética entre Flumazenil e etanol, midazolam ou diazepam.

Cuidado especial é necessário quando da utilização de Flumazenil em casos de superdosagem por uma mistura de medicamentos, uma vez que os efeitos tóxicos (como as convulsões e disritmias cardíacas) de outros medicamentos tomados na superdosagem (especialmente antidepressivos cíclicos) poderão aparecer com a reversão do efeito benzodiazepínico pelo Flumazenil.

Reações Adversas / Colaterais de Flumazil

O FLUMAZIL é bem tolerado em adultos e crianças. Em adultos é bem tolerado mesmo quando excede a dosagem recomendada.

Queixas de ansiedade, palpitações37 e medo foram observadas após injeção38 rápida de FLUMAZIL. Estes efeitos indesejáveis geralmente não necessitam de tratamento específico.

Em casos de intoxicação mista, especialmente com antidepressivo cíclico, cuidados especiais são necessários, uma vez que os efeitos tóxicos (como convulsões e arritmia39 cardíaca) destas drogas associadas na superdosagem podem surgir com a reversão dos efeitos dos benzodiazepínicos pelo FLUMAZIL.

Há relatos de crise convulsiva em pacientes epilépticos ou com severo prejuízo da função hepática21, particularmente após longo período de tratamento com benzodiazepínicos ou em caso de intoxicações mistas.

Injeções rápidas de FLUMAZIL devem ser evitadas em pacientes expostos a altas doses e/ou por longos períodos aos benzodiazepínicos, nas semanas anteriores ou até uma semana antes do uso do FLUMAZIL, pois pode desencadear síndrome33 de abstinência, incluindo agitação, ansiedade, labilidade emocional, leve confusão, distorções sensoriais e convulsões (Vide Posologia). No caso do aparecimento desses sintomas10, injeções de pequenas doses de benzodiazepínicos revertem o quadro. Esses efeitos colaterais40 podem ser evitados com a utilização lenta de pequenas doses de Flumazil, que serão aumentadas cautelosamente, dependendo da necessidade do paciente.

Há casos de ataque de pânico com o uso de FLUMAZIL em pacientes com história de Síndrome33 do Pânico.

Em alguns casos foram relatadas ocorrências de náusea41 e/ou vômitos42 durante o uso em anestesiologia.

Nenhuma alteração de função hepática21 ou renal20 foi observada.

Posologia de Flumazil

O FLUMAZIL (Flumazenil) deve ser administrado por via intravenosa por anestesiologista ou médico experiente. O FLUMAZIL (Flumazenil) pode ser administrado por infusão I.V. diluído em solução de glicose43 a 5%, cloreto de sódio a 0,45% + glicose43 a 2,5%, ou de cloreto de sódio a 0,9%, concomitantemente com outros procedimentos de reanimação.

Se o FLUMAZIL (Flumazenil) for aspirado para a seringa44 ou misturado com qualquer uma das soluções acima citadas, a porção que não for utilizada deve ser descartada em 24 horas. A dose deve ser titulada para obter-se o efeito desejado.

Em anestesiologiaA dose inicial recomendada é de 0,2 mg administrada por via I.V. em 15 segundos. Se o grau desejado de consciência não é obtido em 60 segundos, uma segunda dose de 0,1 mg pode ser administrada. Doses subsequentes de 0,1 mg podem ser repetidas a intervalos de 60 segundos, se necessário, até a dose total de 1 mg. A dose usual é de 0,3 a 0,6 mg, mas a necessidade individual pode variar, dependendo da dose e duração dos efeitos do benzodiazepínico administrado e das características do paciente.

A administração de FLUMAZIL (Flumazenil) em pacientes tratados durante várias semanas com benzodiazepinas deve ser lenta, pois podem surgir sintomas10 de abstinência. Em casos de surgimento desses sintomas10, deve-se administrar diazepam (5 mg) ou midazolam (5 mg) por via intravenosa, lentamente, titulando-se a dosagem de acordo com a resposta do paciente.

Em Unidade de Terapia Intensiva26 ou abordagem de inconsciência28 de causa desconhecida:
A dose inicial recomendada é de 0,3 mg por via I.V. Se o grau desejado de consciência não é obtido em 60 segundos, doses subsequentes de FLUMAZIL (Flumazenil) podem ser feitas até o paciente ficar desperto ou até a dose total de 2 mg. Se a sonolência retornar, tem se mostrado útil infusão de 0,1 a 0,4 mg/hora. A velocidade de infusão deve ser ajustada individualmente até o desejável nível de despertar.

Em unidade de tratamento intensivo, não se observaram sintomas10 de abstinência quando o FLUMAZIL (Flumazenil) foi administrado lentamente a pacientes tratados durante várias semanas com elevadas doses de benzodiazepinas.

Se ocorrerem sintomas10 inesperados, deve-se titular cuidadosamente diazepam (5 mg) ou midazolam (5 mg) por via intravenosa, de acordo com a resposta do paciente.

Caso uma melhora significativa no estado de consciência e na função respiratória não for obtida após doses repetidas de FLUMAZIL (Flumazenil), deve-se pensar numa etiologia45 não benzodiazepínica.

Crianças com mais de 1 (um) ano de idade:
Para reversão da sedação23 consciente induzida por benzodiazepínicos em crianças com mais de 1 ano de idade, a dose inicial recomendada é de 0,01 mg/kg (até 0,2 mg) com administração intravenosa em 15 segundos. Se o grau de consciência desejado não for obtido após 45 segundos, nova dose de 0,01 mg/kg (até 0,2 mg) pode ser administrada e repetida em intervalos de 60 segundos (até no máximo 4 vezes mais) ou até dose total máxima de 0,05 mg/kg, ou 1 mg, aquela que for menor. A dose deve ser individualizada baseada na resposta do paciente.

Superdosagem de Flumazil

Não foram observados sintomas10 de superdosagem mesmo quando administrado em doses de até 100 mg. Quanto aos sintomas10 de retirada atribuídos ao agonista8, vide Posologia.

Atenção: Quando usado em anestesiologia ao final da cirurgia, o FLUMAZIL (Flumazenil) não deve ser administrado antes do desaparecimento do efeito miorrelaxante46 periférico.

Pacientes Idosos de Flumazil

O Flumazenil parece ser seguro e eficaz em pacientes geriátricos em ensaios clínicos47, que incluem pacientes acima de 91 anos de idade. Outros estudos têm demonstrado que a farmacocinética do Flumazenil, não é alterada, não necessitando de ajuste de dosagem em pacientes geriátricos.

Entretanto, particularmente nestes pacientes deverá ser realizado um cuidadoso monitoramento, devido à sedação23 induzida por benzodiazepínicos tender ser mais profunda e prolongada do que em adultos jovens.

USO RESTRITO A HOSPITAIS

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

N.º do lote, data de fabricação e prazo de validade: Vide Rótulo/Caixa

Reg. MS N.º 1.0298.0287
Farm. Resp.: Dr. Joaquim A. dos Reis - CRF-SP N.º 5061

SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente): 0800 701 19 18

CRISTÁLIA - Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda.
Rod. Itapira-Lindóia, km 14 - Itapira-SP
CNPJ N.º 44.734.671/0001-51
Indústria Brasileira

FLUMAZIL - Laboratório

CRISTALIA
Escritório central - Unidade II: Av. Paoletti, 363 - Nova Itapira
Itapira/SP - CEP: 13970-000
Tel: (19) 3863-9500
Fax: (19) 3863-9500
Site: http://www.2cristalia.com.br/fale_conosco.php
Escritório comercial
Av. Corifeu de Azevedo Marques, 1847 - Butantã
São Paulo /SP
CEP: 05581-001
Tel./Fax: (11) 3723-6400

Unidade I
Rod. Itapira-Lindóia, Km 14 - Ponte Preta
Itapira /SP
CEP: 13970-000
Tel./Fax: (19) 3843-9500

Unidade III
Av. Nossa Senhora Assunção, 574 - Butantã
São Paulo /SP
CEP: 05359-001
Tel./Fax: (11) 3732-2250

Ver outros medicamentos do laboratório "CRISTALIA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
4 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
5 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
6 GABA: GABA ou Ácido gama-aminobutírico é o neurotransmissor inibitório mais comum no sistema nervoso central.
7 Psicomotora: Própria ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
8 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
9 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
12 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
13 Extravascular: Relativo ao exterior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
14 Tissular: Relativo a tecido orgânico.
15 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
16 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
17 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
18 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
19 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
20 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
21 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
22 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
23 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
24 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
25 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
26 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
27 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
28 Inconsciência: Distúrbio no estado de alerta, no qual existe uma incapacidade de reconhecer e reagir perante estímulos externos. Pode apresentar-se em tumores, infecções e infartos do sistema nervoso central, assim como também em intoxicações por substâncias endógenas ou exógenas.
29 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
30 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
31 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
32 Traumatismo: Lesão produzida pela ação de um agente vulnerante físico, químico ou biológico e etc. sobre uma ou várias partes do organismo.
33 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
34 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
35 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
36 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
37 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
38 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
39 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
40 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
41 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
44 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
45 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
46 Miorrelaxante: Produto farmacológico com função de reduzir contratura muscular.
47 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.

Tem alguma dúvida sobre FLUMAZIL?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.