CIMETINA

HEXAL

Atualizado em 08/12/2014

CIMETINA

Cimetidina

Registro M.S. n° 1.0047.0213

Apresentações da Cimetina

20 comprimidos 200 mg

Indicações da Cimetina


Na redução da acidez da secreção gástrica, sendo eficaz no tratamento de úlcera gástrica1 e duodenal.

Contra-Indicações da Cimetina

Hipersensibilidade conhecida a qualquer componente da fórmula, gravidez2 e lactação3.

Cuidados e Advertências da Cimetina

Antes da instituição do tratamento de uma úlcera gástrica1, é preciso excluir sua possível malignidade, pois seus sintomas4 podem responder à terapia com os antagonistas H2. O uso de anti-secretores dessa classe favorece o desenvolvimento bacteriano intragástrico pela
diminuição da acidez gástrica5. A CIMETINA inibe certos mecanismos enzimáticos hepáticos e pode
aumentar a ação de certas drogas, em poucos casos isto tem significado clínica. Incluem-se nestes
casos os anticoagulantes6 do tipo varfarina, a fenitoína, a teofilina e a lidocaína, drogas metabolizadas
no fígado7. Recomenda-se rígida vigilância do tempo de protrombina8, na introdução e na interrupção do
tratamento com CIMETINA, quando o paciente faz uso concomitante de anticoagulantes6, pode ser
necessária redução da dose do anticoagulante9. Para fenitoína e teofilina, pode ser necessário ajuste
posológico quando da instituição ou interrupção do uso concomitante de CIMETINA de modo a manter
níveis séricos terapêuticos ideais e seguros. A absorção da CIMETINA não é prejudicada pela
alimentação ou pelo uso associado de antiácido10 nas doses usuais. Têm-se relatado interações de
mínimo valor clínico com o diazepam e o clordiazepóxido. Não há interação significante com
benzodiazepínicos como oxazepam e lorazepam. A CIMETINA não apresenta interações clinicamente
significativas com beta-bloqueadores. A CIMETINA reduz o clearance do propranolol e de outros betabloqueadores
intravenosos, e também diminui seu metabolismo11 por via oral, aumentando o risco de
bradicardia12. A ação hipotensora do nifedipino é potencializada. Em poucos casos, algumas leves
reações adversas foram registradas: diarréia13 leve e transitória, cansaço e tonteira.

Posologia da Cimetina


Adultos: a dose recomendada no tratamento da úlcera duodenal14 ativa é de 800 mg/dia em dose única ou em 2 doses de 400 mg. A completa cicatrização ocorre geralmente em 4 semanas, e o alívio sintomático15 surge comumente dentro de poucos dias. Em pacientes, cujas úlceras16 não tenham cicatrizado em 4 semanas, isto geralmente é obtido quando o tratamento é mantido por mais 2 ou 4 semanas. Após a remissão da úlcera17, em pacientes com história de recorrência18, recomenda-se a
manutenção do tratamento com dose menor (400 mg) para impedir a recidiva19. CIMETINA tem sido usada com segurança nestes pacientes, por de até 5 anos. A posologia usual de CIMETINA para esta condição é de 400 mg 2 vezes ao dia ou 200 mg 3 vezes ao dia e mais 400 mg ao deitar. Na maioria dos pacientes, a cicatrização completa ocorre em 4 semanas, mas o alívio da dor ocorre mais
rapidamente. Após a remissão do quadro ulceroso, o tratamento de manutenção de 400 mg, reduziu
significativamente as recidivas20.
Nos casos leves e moderados da esofagite21 péptica a dose é de 400 mg 2 vezes ao dia. A dose usual varia de 800-1600 mg/dia, em 2 ou 4 tomadas em até 12 semanas. O tratamento dos distúrbios patológicos de hipersecreção deve ser ajustado individualmente, mas a posologia inicial é geralmente de 200 mg 3 vezes ao dia e 400 mg ao deitar.
A posologia recomendada para condições não ulcerosas relacionadas com acidez gástrica5 é de 200 mg 4 vezes ao dia. O alívio da sintomatologia dispéptica surge geralmente dentro de um período de tratamento de 1 a 4 semanas. A
dose total diária não deve exceder a 2400 mg. A dose deve ser diminuída em pacientes com
insuficiência renal22. As doses recomendadas estão correlacionadas ao clearance ou à depuração
plasmática da creatinina23.
Em pacientes submetidos à diálise24 CIMETINA deve ser administrada assim que termine a hemodiálise25.
Os níveis não são alterados por diálise peritoneal26.

Crianças: recomenda-se o seguinte esquema posológico dividido em tomadas a cada 4 ou 6 horas.

Recém-nascidos: 10-15 mg/kg/dia.
Menores de 1 ano: 20 mg/kg/dia.
De 1 a 12 anos: 20-25 mg/kg/dia.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

ESTE TEXTO É UM RESUMO, PARA INFORMAÇÕES DETALHADAS CONSULTE A BULA DO
PRODUTO.

CIMETINA - Laboratório

HEXAL
Av. Itaboraí, 1425
São Paulo/SP - CEP: 04135-001
Tel: 5585-9090
Fax: 5594-3665

Ver outros medicamentos do laboratório "HEXAL"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Úlcera gástrica: Lesão na mucosa do estômago. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100 % dos casos.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Acidez gástrica: Estado normal do conteúdo do estômago caracterizado por uma elevada quantidade de íons hidrogênio, quantidade esta que pode ser medida através de uma escala logarítmica denominada pH.
6 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
9 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
10 Antiácido: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
11 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
12 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
13 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
14 Úlcera duodenal: Lesão na mucosa do duodeno – parte inicial do intestino delgado.
15 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
16 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
17 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
18 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
19 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
20 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
21 Esofagite: Inflamação da mucosa esofágica. Pode ser produzida pelo refluxo do conteúdo ácido estomacal (esofagite de refluxo), por ingestão acidental ou intencional de uma substância tóxica (esofagite cáustica), etc.
22 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
23 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
24 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
25 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
26 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.

Tem alguma dúvida sobre CIMETINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.