TRIFEDRIN

FARMOQUIMICA

Atualizado em 09/12/2014

TRIFEDRIN®

(Sulfoguaiacolato de potássio/ Cloridrato de triprolidina/ Cloridrato de pseudoefedrina)

Classe de Trifedrin

Descongestionante nasal sistêmico1

Fórmula de Trifedrin

Cada 5ml (01 colher das de chá) contém:
Cloridrato de triprolidina.................... 0,5mg
Cloridrato de pseudoefedrina.................... 10,0mg
Sulfoguaiacolato de potássio....................50,0mg

Excipientes: açúcar2 diamantino, aroma artificial de abacaxi, benzoato de sódio, corante ponceau, metilparabeno, mentol, sacarina3 sódica, sorbitol4 solução 70%, água deionizada.

O QUE É Xarope Infantil de grande valor no alívio de tosses, tanto de origem alérgica quanto infecciosa. É particularmente útil contra tosses e espirros de alergias respiratórias. Usualmente, certos graus de congestão da mucosa5 e de broncoespasmo6 estão presentes em todas as tosses. Em crianças e em pacientes com componente asmático, a via aérea pode estar estreitada significativamente por esse motivo. O efeito broncodilatador7 e descongestionante do cloridrato de pseudoefedrina oferece um grande
alívio para muitos desses pacientes.

Mecanismo de Ação de Trifedrin

•  A triprolidina propicia alívio sintomático8 das condições que se acredita serem dependentes, da liberação de histamina9. É um potente antagonista10 competitivo dos receptores H1 histamínicos, com discretas propriedades depressoras do sistema nervoso central11 que podem causar sonolência.•  A pseudoefedrina têm atividade simpaticomimética sendo um eficaz descongestionante do trato superior. A pseudoefedrina é substancialmente menos potente que a efedrina na produção de taquicardia12 e na elevação da pressão arterial sistólica13, e consideravelmente menos potente como estimulante do Sistema Nervoso Central11.
•  O sulfoguaiacolato de potássio reduz a viscosidade14 das secreções, aumenta a eficiência do reflexo da tosse e a ação dos cílios15 na remoção das secreções acumuladas na traquéia16 e brônquios17.

Farmacocinética de Trifedrin

•  Após a administração oral da droga, a concentração plasmática da triprolidina ocorre mais ou menos dentro de 1,5h a 2,0h (Tmáx ).
•  A meia-vida plasmática da triprolidina é de aproximadamente 3,2h e da pseudoefedrina é de aproximadamente 5,5h (o ph da urina18 mantido entre 5,0 - 7,0).
•  A pseudoefedrina é parcialmente metabolizada no fígado19, num metabolito20 ativo. A triprolidina é um produto oxidado por enzima21 microssômica hepática22.
•  A pseudoefedrina e seu metabolito20 são excretados na urina18.
•  A taxa de excreção urinária da pseudoefedrina é acelerada, quando a urina18 é acidificada. Inversamente ao aumento do pH da urina18, a taxa de excreção urinária é diminuída.

Indicações de Trifedrin

TRIFEDRIN® Xarope Infantil é indicado para o alívio sintomático8 da tosse em lactentes23 e crianças, nas seguintes condições: resfriados comuns, bronquite aguda24 e crônica, asma25 alérgica, bronquiolite, "crupe" e traqueobronquite26.

Contra-Indicações de Trifedrin

•  Pacientes com conhecida hipersensibilidade à pseudoefedrina ou triprolidina, ou qualquer outro componente da fórmula.
•  Pacientes portadores de hipertensão27 ou doença arterial coronariana grave.
•  Pacientes em tratamento com furazolidona.
•  Pacientes que estejam tomando ou tenham tomado, nas duas semanas precedentes, inibidores da monoaminoxidase28.

Interações Medicamentosas de Trifedrin

•  O uso concomitante com outros agentes simpaticomiméticos, tais como os descongestionantes, os antidepressivos tricíclicos, os supressores do apetite e os psico-estimulantes do tipo das anfetaminas, ou com os inibidores da monoaminoxidase28 que interferem no catabolismo29 das aminas simpaticomiméticas, pode ocasionalmente causar uma elevação na pressão arterial30.•  A pseudoefedrina, pode parcialmente reverter a ação hipotensiva de drogas que interferem na atividade simpática, incluindo-se o bretílio, a betanidina, a guanetidina, a debrisoquina, a metildopa e os alfa e betabloqueadores.

Precauções de Trifedrin

•  Devido ao seu efeito sedativo, deve-se ter cautela ao conduzir veículos e/ou operar máquinas potencialmente perigosas.
•  Evitar a ingestão de bebidas alcoólicas e outros sedativos de ação central.
•  Deve-se tomar cuidado quando houver a presença de insuficiência renal31 ou hepática22 grave.
•  Não deve ser usado para tosse crônica ou persistente que ocorre em pacientes fumantes, asmáticos, com enfisema32 ou quando a tosse for acompanhada por secreções excessivas, a não ser que seja indicado pelo médico.
•  Só deve ser usado durante a gravidez33 e a lactação34 se o benefício para a mãe justificar o possível risco para o bebê.

Reações Adversas de Trifedrin

•  Pode ocorrer tanto depressão como excitação do sistema nervoso central11, sendo que sonolência ocorre com maior freqüência. Distúrbios do sono e raramente alucinações35, foram relatados.•  Ocasionalmente, relataram-se "rashes" cutâneos, com ou sem irritação, taquicardia12 e boca36, nariz37 e garganta38 secos.
•  Ocasionalmente, relatou-se retenção urinária39 em homens que tomavam pseudoefedrina; o aumento prostático pode ter sido um importante fator predisponente.

Posologia de Trifedrin

Crianças de 2 - 5 anos de idade: 5 ml (½ copo medida) de xarope três ou quatro vezes ao dia.
Crianças de 6 - 12 anos de idade: 10ml (1 copo medida) de xarope três ou quatro vezes ao dia.

Posologia de Trifedrin

Crianças com menos de 2 anos de idade: Uso somente sob orientação médica.

Apresentações de Trifedrin

É apresentado em embalagem contendo 1 frasco de 100ml.

TRIFEDRIN - Laboratório

FARMOQUIMICA
Rua General Polidoro, 105
Rio de Janeiro/RJ - CEP: 22280-001
Tel: 55 (021 )275-3548
Fax: 55 (021) 542-6747
Site: http://www.farmoquimica.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "FARMOQUIMICA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
4 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
5 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
6 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
7 Broncodilatador: Substância farmacologicamente ativa que promove a dilatação dos brônquios.
8 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
9 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
10 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
11 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
12 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
13 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
14 Viscosidade: 1. Atributo ou condição do que é viscoso; viscidez. 2. Resistência que um fluido oferece ao escoamento e que se deve ao movimento relativo entre suas partes; atrito interno de um fluido.
15 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
16 Traquéia: Tubo cartilaginoso e membranoso que desce a partir da laringe e ramifica-se em brônquios direito e esquerdo.
17 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
18 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
19 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
20 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
21 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
22 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
23 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
24 Bronquite aguda: Inflamação dos brônquios produzida em geral por diferentes vírus respiratórios, que se manifesta por febre, tosse e expectoração de muco à tosse.
25 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
26 Traqueobronquite: Inflamação dos canais que levam o ar para dentro e para fora dos pulmões, os brônquios. Nessa doença, há um acúmulo de secreção nos brônquios, estreitando-os, em geral causado pelo excesso de produção de muco e pela diminuição na ação dos minúsculos cílios locais, os quais não eliminam adequadamente esse muco.
27 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
28 Inibidores da monoaminoxidase: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
29 Catabolismo: Parte do metabolismo que se refere à assimilação ou processamento da matéria adquirida para fins de obtenção de energia. Diz respeito às vias de degradação, ou seja, de quebra das substâncias. Parte sempre de moléculas grandes, que contêm quantidades importantes de energia (glicose, triclicerídeos, etc). Estas substâncias são transformadas de modo a que restem, no final, moléculas pequenas, pobres em energia ( H2O, CO2, NH3 ), aproveitando o organismo a libertação de energia resultante deste processo. É o contrário de anabolismo.
30 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
31 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
32 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
33 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
34 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
35 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
36 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
37 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
38 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
39 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.

Tem alguma dúvida sobre TRIFEDRIN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.