Preço de Creon em Fairfield/SP: R$ 62,61

Creon

ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA

Atualizado em 07/07/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Creon®
pancreatina
Cápsulas 10.000 U.F.E. e 25.000 U.F.E.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Cápsula sob a forma de minimicroesferas com revestimento acidorresistente
Cartuchos com 20 ou 30 cápsulas

VIA ORAL
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÕES:

Cada cápsula de Creon® 10.000 contém:

  U.F.Eur.1/FIP2 U.USP3
lipase 10.000 10.000
amilase 8.000 33.200
protease 600 37.500
excipiente q.s.p. 1 cápsula

Excipientes: macrogol, ftalato de hipromelose, álcool cetílico, citrato de trietila, dimeticona, gelatina, óxido de ferro anidro (III), óxido de ferro hidratado (III), óxido de ferro (II, III), dióxido de titânio, laurilsulfato de sódio.

1 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a European Pharmacopoeia.
2 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a Fédération Internationale Pharmaceutique.
3 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a United States Pharmacopoeia.


Cada cápsula de Creon® 25.000 contém:

  U.F.Eur.1/FIP2 U.USP3
lipase 25.000 25.000
amilase 18.000 74.700
protease 1.000 62.500
excipiente q.s.p. 1 cápsula

Excipientes: macrogol, ftalato de hipromelose, álcool cetílico, citrato de trietila, dimeticona, gelatina, óxido de ferro anidro (III), óxido de ferro hidratado (III), dióxido de titânio, laurilsulfato de sódio.

1 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a European Pharmacopoeia.
2 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a Fédération Internationale Pharmaceutique.
3 Unidade de atividade enzimática determinada conforme a United States Pharmacopoeia.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Creon® contém uma mistura de enzimas chamada pancreatina. A pancreatina ajuda na digestão1 da comida. As enzimas são recolhidas de glândulas2 do pâncreas3 do porco. Creon® cápsulas contém microgrânulos que liberam a pancreatina devagar no seu intestino (os microgrânulos são chamados de minimicroesferas).

Creon® é usado por crianças e adultos com insuficiência4 exócrina do pâncreas3 (quando as glândulas2 pancreáticas não produzem enzimas em quantidade suficiente para a digestão1 dos alimentos). Esta condição costuma estar associada, mas não exclusivamente, às seguintes situações: fibrose cística5, uma rara doença genética; obstrução dos tubos do pâncreas3 ou da vesícula biliar6 (ductos pancreáticos7 e ducto biliar comum); inflamação8 crônica do pâncreas3 (pancreatite9 crônica); retirada de parte ou de todo o pâncreas3 (pancreatectomia parcial ou total); retirada de parte ou de todo o estômago10 (gastrectomia parcial ou total); câncer11 no pâncreas3; cirurgia de bypass gastrointestinal; síndrome12 de Shwachman- Diamond, uma doença hereditária rara.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A enzima13 de Creon® age digerindo a comida quando ela passa pelo intestino. Você deve ingerir Creon® durante ou após as refeições e lanches. Isto irá permitir que as enzimas se misturem com a comida. O início da ação farmacológica é esperado tão logo as enzimas cheguem junto ao quimo no duodeno14 (pH >5,5).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não tome este medicamento caso você seja alérgico (hipersensível) a pancreatina obtida a partir de porco ou aos demais componentes do medicamento (vide excipientes no item “Composições”).

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Uma rara condição chamada colonopatia fibrosante, que é o estreitamento do intestino, foi relatada por pacientes com fibrose cística5 tratados com altas doses de preparações contendo pancreatina. Portanto, se você apresenta fibrose cística5 e ingere mais do que 10.000 unidades de lipase/kg/dia e tem apresentado sintomas15 abdominais incomuns ou alterações nos sintomas15 abdominais, entre em contato com seu médico.

Gravidez16 e Lactação17

Se você está grávida ou tentando engravidar, informe o seu médico. Ele decidirá sobre a administração do medicamento e a respectiva dose.

Creon® pode ser usado durante a amamentação18.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Creon® (pancreatina) não altera ou altera de forma não significativa sua habilidade de dirigir ou operar máquinas e ferramentas.

Interações medicamentosas

Até o momento, não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. A ingestão de medicamentos sem prescrição também deve ser informada.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde19.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Conservar em temperatura ambiente (entre 15–30°C).

Se armazenado nas condições indicadas, o medicamento se manterá próprio para consumo pelo prazo de validade impresso na embalagem externa

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

A cápsula de Creon® 10.000 é bicolor, com corpo transparente e tampa marrom opaco, preenchida com minimicroesferas acidorresistentes marrons.

A cápsula de Creon® 25.000 é bicolor com corpo transparente e tampa laranja opaco, preenchida com minimicroesferas acidorresistentes marrons.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Uso oral (pela boca20). Tome ou administre Creon® exatamente como seu médico prescreveu.

Sua dose é medida em unidades de lipase. Lipase é uma enzima13 da pancreatina. Diferentes concentrações de Creon® contêm diferentes quantidades de lipase.

Sempre siga a recomendação do seu médico sobre a dose de Creon® a ser tomada/administrada. O seu médico ajustará a dose às suas necessidades, que vão depender da sua doença, do seu peso, da sua dieta e quantidade de gordura21 nas suas fezes. Caso você note fezes gordurosas ou outros problemas no estômago10 ou intestino (sintomas15 gastrointestinais), converse com seu médico sobre um possível ajuste de dose.

Administre/tome as cápsulas de Creon® durante as refeições ou lanches, com o auxílio de um líquido. Isso irá permitir que as enzimas se misturem com a comida e façam a sua digestão1 quando passarem pelo intestino.

Engula as cápsulas inteiras, sem mastigá-las nem amassá-las.

Se for difícil de engolir as cápsulas (por exemplo, crianças muito pequenas ou idosos) você pode abrir cuidadosamente as cápsulas e adicionar as minimicroesferas em pequenas quantidades de alimentos pastosos, levemente ácidos, tais como creme de maçã ou iogurte, ou você pode ingerir as minimicroesferas com o auxílio de um líquido ácido, por exemplo, suco de maçã, laranja ou abacaxi. A mistura das minimicroesferas com o alimento deve ser ingerida imediatamente, sem mastigá-la nem amassá-la, e com a ajuda de água ou suco. Não armazene a mistura.

Misturar Creon® com comida ou líquidos não ácidos, amassar ou mastigar as minimicroesferas pode causar irritação na sua boca20 ou mudar a forma que Creon® atua no seu corpo. Certifique-se que nenhuma cápsula do Creon® permaneceu na boca20.

É importante sempre garantir adequada hidratação, especialmente em períodos de grande perda de líquidos (por exemplo, diarreia22 ou vômito23). Uma hidratação inadequada pode piorar a constipação24. Beba bastante líquido todos os dias.

Você deve tomar este medicamento até que o seu médico o suspenda. Muitos pacientes necessitam do medicamento durante toda a vida.

Não interrompa o tratamento com Creon® antes de conversar com seu médico.

Posologia na fibrose cística5 (FC):

A dose geralmente recomendada para crianças, adolescentes e adultos com fibrose cística5 é baseada no peso do paciente:

  • A dose deve começar com 1000 unidades de lipase/kg/refeição para crianças com menos de 4 anos de idade, e com 500 unidades de lipase/kg/refeição para crianças com mais de 4 anos;
  • O seu médico ajustará a dose de acordo com a gravidade da doença, o controle da esteatorreia25 (gordura21 nas fezes) e a manutenção de um bom estado nutricional.
  • De um modo geral, os pacientes não devem exceder a dose de 10.000 unidades de lipase/kg de peso por dia.

Posologia na insuficiência4 exócrina do pâncreas3:

A sua dose individual será determinada conforme o grau de má absorção e o conteúdo de gordura21 das refeições.

A dose requerida por refeição pode variar de 25.000 a 80.000 unidades de lipase U. F. Eur/FIP e metade da dose individual para lanches.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Caso você se esqueça de tomar uma dose deste medicamento, aguarde até sua próxima refeição e tome a sua dose usual. Nunca tome o medicamento em dobro para compensar a dose esquecida.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião- dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Assim como todos os medicamentos, este pode causar efeitos adversos, embora nem todos os pacientes os apresentem.

Caso você apresente alguma reação adversa não mencionada nesta bula, ou caso alguma das reações adversas se agrave, entre em contato com seu médico ou farmacêutico.

As reações adversas mais comuns foram alterações gastrointestinais leves ou moderadas.

As reações adversas apresentadas por pacientes tratados com Creon® (pancreatina) durante os estudos clínicos foram as descritas abaixo, que estão ordenadas e agrupadas por frequência conforme segue:

Alterações gastrointestinais

Muito comum (ocorrem mais de 10 casos em 100 pacientes tratados): dor abdominal.

Comum (ocorrem entre 1 e 10 casos em 100 pacientes tratados): náusea26, vômito23, constipação24, distensão abdominal (inchaço27) e diarreia22.

Essas alterações gastrointestinais podem ocorrer devido à condição pela qual você está tomando Creon®.

Durante os estudos, o número de pacientes recebendo Creon® que sentiram dores no estômago10 ou diarreia22 foi similar ou menor do que os pacientes que não receberam Creon®.

Alterações da pele28 e de tecidos subcutâneos

Incomum (ocorre menos de 1 caso em 100 pacientes tratados): erupções na pele28.

Frequência desconhecida: prurido29 (coceira intensa) e urticária30 (erupção31 na pele28) foram adicionalmente identificadas como reações adversas durante a fase pós-comercialização.

Alterações do sistema imune32

Reações de hipersensibilidade (alergia33) podem ser causadas por Creon® (pancreatina), incluindo dificuldade na respiração ou lábios inchados.

O estreitamento da região íleo34-cecal e do intestino grosso35 (colonopatia fibrosante) foi relatado por pacientes com fibrose cística5 tratados com altas doses de preparações contendo pancreatina.

Múltiplos estudos clínicos foram conduzidos em outras populações

Portadores de HIV36, de pancreatite9 aguda (inflamação8 do pâncreas3) e de diabetes mellitus37. Nenhuma reação adversa relacionada ao medicamento foi identificada nestes três grupos de pacientes.

Crianças

Nenhum efeito adverso específico foi identificado. Em crianças com fibrose cística5, a frequência, tipo e gravidade dos efeitos adversos foram semelhantes aos apresentados pelos adultos. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Doses excessivas de pancreatina podem desencadear hiperuricosúria e hiperuricemia (excesso de ácido úrico na urina38 e no sangue39).

Se você tiver ingerido uma grande dose de Creon®, beba bastante água e contate seu médico imediatamente.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS: 1.0553.0337
Farm. Resp.: Graziela Fiorini Soares - CRF-RJ nº 7475

Fabricado por:
Abbott Laboratories GmbH Neustadt - Alemanha

Embalado por:
Abbott Laboratórios do Brasil Ltda. Rio de Janeiro - RJ
Indústria Brasileira

Registrado e Importado por:
Abbott Laboratórios do Brasil Ltda. Rua Michigan, 735
São Paulo – SP
CNPJ: 56.998.701/0001-16 (BU32)


SAC 0800 7031050

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
2 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
3 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
4 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
5 Fibrose cística: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
6 Vesícula Biliar: Reservatório para armazenar secreção da BILE. Através do DUCTO CÍSTICO, a vesícula libera para o DUODENO ácidos biliares em alta concentração (e de maneira controlada), que degradam os lipídeos da dieta.
7 Ductos Pancreáticos: Ductos que coletam SUCO PANCREÁTICO do PÂNCREAS e o fornecem ao DUODENO
8 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
9 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
10 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
11 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
12 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
13 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
14 Duodeno: Parte inicial do intestino delgado que se estende do piloro até o jejuno.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
17 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
18 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
21 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
22 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
23 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
24 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
25 Esteatorreia: Presença excessiva de gordura nas fezes, o que torna as fezes brilhantes.
26 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
27 Inchaço: Inchação, edema.
28 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
29 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
30 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
31 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
32 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
33 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
34 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
35 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
36 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
37 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
38 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
39 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.

Tem alguma dúvida sobre Creon?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.