Preço de Duo-travatan em Ann Arbor/SP: R$ 132,22

Duo-travatan

NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A

Atualizado em 24/09/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Duo-Travatan®
travoprosta + maleato de timolol
Solução Oftálmica Estéril

APRESENTAÇÕES

Solução oftálmica estéril
Frasco plástico conta-gotas contendo 2,5 mL ou 5 mL de solução oftálmica

VIA TÓPICA OCULAR
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada mL contém:

travoprosta 0,04 mg
maleato de timolol (equivalente a 5 mg de maleato base) 6,8 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Veículo: manitol, óleo de rícino polioxil 40 hidrogenado, propilenoglicol, cloreto de sódio, ácido bórico, hidróxido de sódio e/ou ácido clorídrico1, poliquaternium-1 como conservante e água purificada.

Cada mL corresponde a 36 gotas. Cada gota2 contém 1,12 µg de travoprosta e 0,140 mg de timolol base.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Duo-Travatan® é indicado para reduzir a alta pressão intraocular3 (PIO) em pacientes adultos com glaucoma4 de ângulo aberto ou hipertensão5 (alta pressão) ocular que não tiveram tratamento efetivo com outros medicamentos. Duo-Travatan® é prescrito se seu médico considerar apropriado para você e sua condição.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Duo-Travatan® é a combinação de duas substâncias ativas, travoprosta e timolol. Travoprosta diminui a pressão

ocular por meio do aumento da saída do líquido chamado humor aquoso6. Timolol reduz a produção do fluido ocular. As duas substâncias trabalham em conjunto para reduzir a pressão ocular.

Se você tem alguma dúvida de como Duo-Travatan® funciona ou porque este medicamento está sendo prescrito para você, consulte seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde7.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

  • Se você for alérgico (hipersensibilidade) a travoprosta, timolol ou a qualquer outro componente deste produto. Se você acha que pode ser alérgico, consulte seu médico.
  • Se você tem ou teve no passado problemas respiratórios, como asma8, bronquite obstrutiva crônica grave (doença pulmonar que pode causar chiado, dificuldade em respirar e/ou tosse longa).
  • Se você tiver batimentos cardíacos lentos, insuficiência cardíaca9, ou distúrbios do rítmico cardíaco (batimentos cardíacos irregulares).
  • Bradicardia10 sinusal (quando o ritmo do coração11, em repouso, é mais lento que o normal), doença do nó sinusal12 (ampla variedade de anomalias do funcionamento do marcapasso13 cardíaco natural), incluindo bloqueio sinoatrial (tipo de bloqueio na propagação dos impulsos elétricos no coração11), bloqueio atrioventricular de segundo ou terceiro grau, insuficiência cardíaca9 manifesta ou choque14 cardiogênico (incapacidade de o coração11 bombear uma quantidade adequada de sangue15 para os órgãos.

Se você apresentar alguma dessas condições, não utilize Duo-Travatan® e converse com seu médico.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga cuidadosamente todas as instruções de seu médico. Elas podem diferir das instruções contidas na bula.

Fale com seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde7 antes de utilizar Duo-Travatan® se você tem ou teve:

  • Doença cardíaca coronariana (sintomas16 podem incluir dor ou aperto no peito17, falta de ar ou sufocamento), insuficiência cardíaca9, pressão arterial18 baixa;
  • Problemas respiratórios, asma8 ou doença pulmonar obstrutiva crônica;
  • Problemas na circulação19 sanguínea (como a doença de Raynaud20 ou síndrome21 de Raynaud);
  • Diabetes22, já que timolol pode mascarar sintomas16 de baixo açúcar23 no sangue15;
  • Hiperatividade da glândula24 tireoidiana, já que timolol pode mascarar sinais25 e sintomas16;
  • Miastenia26 grave (fraqueza muscular crônica).
  • Se você tiver alguma reação alérgica27 grave (erupção28 cutânea29, vermelhidão e/ou prurido30 nos olhos31) enquanto estiver utilizando Duo-Travatan®, seja qual for a causa, o tratamento usual para tal reação (adrenalina32) pode não ser tão eficaz. Então, ao receber qualquer outro tratamento, informe o médico que você está fazendo uso de Duo-Travatan®.
  • Duo-Travatan® pode alterar a cor de sua íris33 (a parte colorida de seu olho34). Esta alteração pode ser permanente. Também pode ocorrer uma alteração da pele35 ao redor do olho34.
  • Duo-Travatan® pode aumentar o comprimento, espessura, pigmentação e/ou número de seus cílios36.
  • Se você já realizou cirurgia de catarata37, fale com seu médico antes de usar Duo-Travatan®.
  • Se você está com alguma inflamação38 ocular ou já teve no passado, fale com seu médico antes de usar Duo-Travatan®.
  • Alteração da pálpebra ou nos tecidos ao redor dos olhos31 foram observadas com travoprosta e medicamentos similares.
  • Fale com seu médico antes de anestesia39 cirúrgica que você faz uso de Duo-Travatan®, pois isso poderá alterar o efeito de alguns medicamentos utilizados durante a anestesia39.
  • Se você tem uma doença na superfície do seu olho34 (córnea40), fale com seu médico, pois Duo-Travatan® pode causar olhos31 secos.

Crianças e adolescentes (menores de 18 anos)

Duo-Travatan® não pode ser utilizado em menores de 18 anos (crianças e adolescentes).

Gerais

Como outros agentes oftálmicos aplicados topicamente, travoprosta e timolol são absorvidos sistemicamente (pelo organismo). Devido ao componente beta-adrenérgico41 no timolol oftálmico, os mesmos tipos de doenças cardiovasculares42, pulmonares e outras reações adversas podem ocorrer como observado com bloqueadores beta-adrenérgicos43 sistêmicos44.

Distúrbios cardíacos (do coração11)

Caso você tenha doenças cardiovasculares42 (por exemplo, doença coronária cardíaca, angina45 de Prinzmetal e insuficiência cardíaca9) e hipotensão46 (pressão baixa), a terapia com betabloqueadores deve ser criticamente avaliada e a terapia com outras substâncias ativas deve ser considerada. Caso você tenha doenças cardiovasculares42 deve ser observado em relação a sinais25 de deterioração dessas doenças e de reações adversas.

Distúrbios vasculares47 (nos vasos sanguíneos48)

Se você apresenta graves distúrbios/doenças circulatórias periféricas (ou seja, as formas graves da doença de Raynaud20 ou síndrome21 de Raynaud), você deve ser tratado com precaução.

Distúrbios respiratórios

Reações respiratórias, incluindo morte devido a broncoespasmo49 (contração dos brônquios50) em pacientes com asma8 têm sido relatadas após a administração de alguns betabloqueadores oftálmicos.

Hipoglicemia51 (diminuição da taxa de açúcar23 no sangue15) / diabetes22

Os betabloqueadores devem ser administrados com precaução caso você esteja sujeito a hipoglicemia51 espontânea ou caso você tenha diabetes22 lábil, uma vez que os beta-bloqueadores podem mascarar os sinais25 e sintomas16 da hipoglicemia51 aguda.

Hipertireoidismo52 (produção excessiva de hormônio53 pela glândula24 tireoide54)

Os betabloqueadores podem também mascarar os sinais25 do hipertireoidismo52.

Fraqueza muscular

Agentes bloqueadores beta-adrenérgicos43 têm sido relatados por potencializar a fraqueza muscular consistente com certos sintomas16 miastênicos (por exemplo, diplopia55visão56 dupla, ptose57 – queda - e fraqueza generalizada).

Outros agentes betabloqueadores

  • O efeito sobe a pressão intraocular3 (dentro do olho34) ou os efeitos conhecidos dos betabloqueadores sistêmicos44 podem ser potencializados quando timolol é administrado a pacientes que já recebem um agente betabloqueador por via sistêmica. A resposta destes pacientes deve ser cuidadosamente observada. A utilização de dois agentes bloqueadores beta-adrenérgicos43 tópicos não é recomendada (vide “Interações medicamentosas”).
  • Edema macular58 (ocorre quando depósitos de fluidos e proteínas59 se acumulam na mácula60 do olho34, uma região da retina61, tornando-a mais espessa e inchada. Isso pode prejudicar a visão56) tem sido relatado durante o tratamento com análogos da prostaglandina62 F2a. A travoprosta deve ser utilizada com precaução caso você seja afácico (falta do cristalino63 no olho34), pseudofácicos com danos na cápsula posterior ou anterior do cristalino63, ou com fatores de risco conhecidos para edema macular58.
  • Duo-Travatan® Solução Oftálmica deve ser usado com precaução caso você apresente inflamação38 intraocular ativa, bem como fatores de risco com predisposição para uveíte64 (inflamação38 da úvea65 - parte do olho34).
  • Alterações periorbital e na pálpebra incluindo o aprofundamento dos sulcos palpebrais foram observadas com análogos de prostaglandinas66.
  • Descolamento da coroide67 foi relatado com a administração de terapia supressora de humor aquoso6 (por exemplo, timolol, acetazolamida) após procedimentos de filtração.

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas

Turvação transitória da visão56 ou outros distúrbios visuais podem afetar a capacidade de dirigir ou operar máquinas. Se a visão56 turvar após a instilação, você deve esperar até que a visão56 normalize antes de dirigir ou operar máquinas.

Fertilidade, gravidez68 e lactação69

Se você está grávida ou amamentando, ou acha que poderá está grávida, ou está planejando ter um bebê, informe ao seu médico ou farmacêutico antes de utilizar este medicamento.

Duo-Travatan® não é recomendado durante a gravidez68 ou amamentação70.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Interações medicamentosas (incluindo vacinas ou biológicos)

Duo-Travatan® pode ser afetado por outros medicamentos que você esteja fazendo uso. Fale com seu médico se você está utilizando ou pretende utilizar:

  • Medicamentos para reduzir a pressão arterial18, para controlar a frequência cardíaca, tratar a insuficiência cardíaca9 ou aqueles que estimulam o sistema nervoso71 parassimpático. Isto pode levar à diminuição da pressão arterial18 ou frequência cardíaca.
  • Medicamentos que afetam o metabolismo72 de Duo-Travatan® incluindo quinidina (usado para tratar doenças cardíacas e alguns tipos de malária), ou antidepressivos conhecidos como fluoxetina e paroxetina. Isto pode levar um maior efeito sistêmico73 de bloqueio beta, incluindo diminuição da frequência cardíaca ou depressão.
  • A dilatação da pupila foi relatada ocasionalmente quando usado concomitantemente com adrenalina32 (epinefrina).
  • Da mesma forma, Duo-Travatan® pode afetar o tratamento com outros medicamentos. Os beta-bloqueadores podem diminuir a resposta à adrenalina32 para tratamento de reações alérgicas graves.

Fale com seu médico ou farmacêutico se você estiver usando ou tiver usado recentemente, ou irá utilizar outros medicamentos.

Se você estiver fazendo uso de algum outro colírio74 ou medicamento para os olhos31, deixe pelo menos 5 minutos de intervalo entre os medicamentos. As pomadas oftálmicas devem ser administradas por último.

Informação importante sobre alguns dos ingredientes de Duo-Travatan®

Um preservativo de Duo-Travatan® (cloreto de benzalcônio) pode causar irritação ocular e também é conhecido por descolorir as lentes de contato macias. Se você utilizar lentes de contato, deve removê-las antes de utilizar Duo-Travatan® e aguardar por pelo menos 15 minutos antes de colocar suas lentes de volta.

Este medicamento pode causar doping.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde7.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O medicamento Duo-Travatan® deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC). Após aberto, a apresentação 5 mL é válida por 120 dias e as apresentações 1,5 mL e 2,5 mL são válidas por 30 dias.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

O medicamento Duo-Travatan® é uma solução incolor a amarelo claro.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Sempre utilize este medicamento exatamente como seu médico ou farmacêutico prescreveu. Verifique com seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde7 se você não tiver certeza. Não exceda a dose recomendada pelo seu médico.

A dose usual recomendada é 1 gota2 no canto interno do (s) olho34 (s) afetado (s), 1 vez ao dia, de manhã ou à noite. Duo-Travatan® deve ser administrado todos os dias no mesmo horário.

  • Você deve usar este medicamento exclusivamente nos olhos31.- Antes de utilizar o medicamento, confira o nome no rótulo, para não haver enganos. Não utilize Duo-Travatan® caso haja sinais25 de violação e/ou danificações do frasco.
  • O medicamento já vem pronto para uso. Não encoste a ponta do frasco nos olhos31, nos dedos e nem em outra superfície qualquer, para evitar a contaminação do frasco e do colírio74.
  • Feche bem o frasco depois de usar.
  • A seguinte medida é útil para limitar a quantidade de medicamento que entrará na corrente sanguínea após a aplicação das gotas nos olhos31: mantenha a pálpebra fechada e, ao mesmo tempo, pressione o canto interno do olho34 gentilmente como a ponta do dedo por pelo menos 1 minuto.

Continue utilizando Duo-Travatan® pelo tempo que o médico recomendar. Se você tiver dúvidas sobre quanto tempo utilizar, fale com seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde7.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se esquecer uma dose, aplique o medicamento o quanto antes. No entanto, se estiver perto do horário da próxima dose, ignore a dose esquecida e volte ao esquema regular. A dose não deve exceder uma gota2 no olho34 afetado uma vez ao dia.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, pacientes que tratados com Duo-Travatan® podem apresentar efeitos adversos, embora nem todos apresentem.

Se você apresentar algum desses efeitos, informe seu médico, farmacêutico ou profissional de saúde7.

As seguintes reações adversas foram reportadas durante estudos clínicos com Duo-Travatan® Solução Oftálmica e

são classificadas de acordo com a seguinte convenção: muito comum (≥ 1/10), comum (≥ 1/100 a < 1/10), incomum (≥ 1/1.000 a < 1/100), rara (≥ 1/10.000 a < 1/1.000), ou muito rara (< 1/10.000). Dentro de cada grupo de frequência, as reações adversas são apresentadas por ordem decrescente de gravidade.

Algumas reações são muito comuns (≥ 1/10)

  • Efeitos oculares: vermelhidão nos olhos31.

Algumas reações são comuns (≥ 1/100 a < 1/10)

  • Efeitos oculares: inflamação38 com dano na superfície do olho34, visão56 turva, olho34 seco, dor nos olhos31, coceira ocular, desconforto ocular, irritação ocular.

Algumas reações são incomuns (≥ 1/1.000 a < 1/100)

  • Efeitos oculares: inflamação38 na superfície do olho34, inflamação38 na íris33, inflamação38 da conjuntiva75, inflamação38 ocular, inflamação38 das pálpebras76, sensibilidade à luz, visão56 reduzida, olhos31 cansados, inchaço77 dos olhos31, aumento na produção da lágrima, vermelhidão na pálpebra, crescimento de cílios36.
  • Efeitos gerais: alergia78, tonturas79, dor de cabeça80, diminuição da frequência cardíaca, aumento da pressão sanguínea, diminuição da pressão sanguínea, falta de ar, inflamação38 na pele35, crescimento excessivo do cabelo81, escurecimento da pele35 (ao redor do olho34).

Algumas reações são raras (≥ 1/10.000 a < 1/1.000)

  • Efeitos oculares: rompimento de vaso sanguíneo ocular, erosão na córnea40, inflamação38 das glândulas82 nas pálpebras76, crostas nas pálpebras76, posição anormal dos cílios36, crescimento anormal dos cílios36.
  • Efeitos gerais: distúrbios da voz, dificuldade em respirar, tosse, irritação na garganta83, urticária84, descoloração na pele35.

A frequência de algumas reações não é conhecida (não é possível estimar a frequência a partir dos dados disponíveis)

  • Efeitos oculares: queda da pálpebra, olhos31 afundados (olhos31 aparecem inseridos), alteração na cor da íris33 (parte colorida do olho34).
  • Efeitos gerais: depressão, dor torácica, palpitação85, queda de cabelo81, inchaço77 nos membros inferiores, alteração do paladar86, asma8 e erupção28 cutânea29.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também a empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não se esperam reações específicas com uma superdose ocular do produto. Em caso de ingestão acidental, sintomas16 de superdose de um betabloqueio sistêmico73 podem incluir bradicardia10, hipotensão46, insuficiência cardíaca9 e broncoespasmo49.

O tratamento de uma ingestão acidental deve ser sintomático87 e de suporte.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS – 1.0068.1104
Farm. Resp.: Tatiana Torres Pubill – CRF-SP 41.752

Fabricado por:
Alcon Laboratories, Inc., Texas, EUA.

Registrado e importado por:
Novartis Biociências S.A.
Av. Prof. Vicente Rao, 90
São Paulo - SP
CNPJ: 56.994.502/0001-30
Indústria Brasileira


SAC 0800 888 3003

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
3 Pressão intraocular: É a medida da pressão dos olhos. É a pressão do líquido dentro do olho.
4 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Humor aquoso: Fluido aquosa e claro que preenche as câmaras anterior e posterior do olho. Apresenta um índice de refração menor que o cristalino, o qual está envolvido pelo humor aquoso, e está relacionado com o metabolismo da córnea e do cristalino.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
9 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
10 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
12 Nó sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
13 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
14 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
18 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
19 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
20 Doença de Raynaud: Condição hereditária, não associada a outras doenças (Raynaud primário), que afeta o fluxo sanguíneo nas extremidades do corpo humano quando submetido a baixas temperaturas ou estresse. Ocorre pela redução do suprimento de oxigênio. A pele fica esbranquiçada, empalidecida, fria e pode ficar dormente. Quando o oxigênio é totalmente consumido pelas células, a pele começa a adquirir uma coloração azulada ou roxa (chamada cianose). Estes eventos são episódicos, com duração variável de acordo com a gravidade da doença. No final do episódio, a pele é aquecida e volta a ficar avermelhada por vasodilatação. Na variação mais comum da doença de Raynaud há três mudanças de cores (branca ou pálida; azul, roxa ou cianótica; e avermelhada ou rubra). Alguns pacientes não apresentam todas as fases de mudanças de cores.
21 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
22 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
23 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
24 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
25 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
26 Miastenia: Perda das forças musculares ocasionada por doenças musculares inflamatórias. Por ex. Miastenia Gravis. A debilidade pode predominar em diferentes grupos musculares segundo o tipo de afecção (debilidade nos músculos extrínsecos do olho, da pelve, ou dos ombros, etc.).
27 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
28 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
29 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
30 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
31 Olhos:
32 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
33 Íris: Membrana arredondada, retrátil, diversamente pigmentada, com um orifício central, a pupila, que se situa na parte anterior do olho, por trás da córnea e à frente do cristalino. A íris é a estrutura que dá a cor ao olho. Ela controla a abertura da pupila, regulando a quantidade de luz que entra no olho.
34 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
35 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
36 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
37 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
38 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
39 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
40 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
41 Adrenérgico: Que age sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
42 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
43 Adrenérgicos: Que agem sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
44 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
45 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
46 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
47 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
48 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
49 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
50 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
51 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
52 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
53 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
54 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
55 Diplopia: Visão dupla.
56 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
57 Ptose: Literalmente significa “queda” e aplica-se em distintas situações para significar uma localização inferior de um órgão ou parte dele (ptose renal, ptose palpebral, etc.).
58 Edema macular: Inchaço na mácula.
59 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
60 Mácula: Mácula ou mancha é uma lesão plana, não palpável, constituída por uma alteração circunscrita da cor da pele.
61 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
62 Prostaglandina: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
63 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
64 Uveíte: Uveíte é uma inflamação intraocular que compromete total ou parcialmente a íris, o corpo ciliar e a coroide (o conjunto dos três forma a úvea), com envolvimento frequente do vítreo, retina e vasos sanguíneos.
65 Úvea: A úvea, também chamada trato uveal, consta de três estruturas: a íris, o corpo ciliar e a coroide. A íris, o anel colorido que rodeia a pupila negra, abre-se e fecha-se como a lente de uma câmara fotográfica. O corpo ciliar é o conjunto de músculos que dilatam o cristalino para que o olho possa focar os objetos próximos e que o tornam mais fino ao focar os mais distantes. A coroide é o revestimento interior do olho que se estende desde a extremidade dos músculos ciliares até ao nervo óptico, localizado na parte posterior do olho.
66 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
67 Coroide: 1. Que se assemelha a qualquer membrana e especialmente ao cório. 2. Na oftalmologia, diz-se de ou membrana que envolve o olho, situada entre a esclera e a retina.
68 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
69 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
70 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
71 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
72 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
73 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
74 Colírio: Preparação farmacológica líquida na qual se encontram dissolvidas diferentes drogas que atuam na conjuntiva ocular.
75 Conjuntiva: Membrana mucosa que reveste a superfície posterior das pálpebras e a superfície pericorneal anterior do globo ocular.
76 Pálpebras:
77 Inchaço: Inchação, edema.
78 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
79 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
80 Cabeça:
81 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
82 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
83 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
84 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
85 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
86 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
87 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre Duo-travatan?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.