Preço de Mevatyl em Fairfield/SP: R$ 2896,70

Mevatyl

BEAUFOUR IPSEN FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 03/12/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Mevatyl®
tetraidrocanabinol + canabidiol
Spray

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

Solução spray para pulverização bucal
Frasco de 10 mL. Caixa com 3 frascos

USO ORAL
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada mL de solução spray contém:

tetraidrocanabinol (THC) 27 mg
canabidiol (CBD) 25 mg
excipiente q.s.p. 1 mL

Excipientes: propilenoglicol, óleo de hortelã-pimenta, etanol anidro.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

O Mevatyl® é indicado para tratar os sintomas1 de pacientes adultos que apresentam espasmos2 de moderados a graves, por causa da esclerose múltipla3 (EM). O medicamento deve ser usado por pacientes que não apresentaram bons resultados após a utilização de outras medicações antiespásticas e que demonstraram melhora significativa dos sintomas1 relacionados à espasticidade4 na fase incial do tratamento com o Mevatyl®.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

O Mevatyl® atua na melhora da rigidez dos membros relacionada à esclerose múltipla3 e também na melhora da função motora, devido à atuação deste medicamento em receptores específicos no sistema nervoso5, denominados receptores canabinoides.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Mevatyl® é contraindicado para pacientes6 com hipersensibilidade a canabinóides ou a qualquer outro componente da formulação. Também é contraindicado para pacientes6 com histórico pessoal suspeito ou conhecido, ou histórico familiar de esquizofrenia7 ou outra doença psicótica, histórico de transtorno de personalidade grave, ou outros transtornos psiquiátricos significativos, exceto depressão.

Este medicamento é contraindicado para uso por lactantes8. Este medicamento é contraindicado para menores de 18 anos.

Este medicamento é contraindicado para uso por idosos (devido ao risco de quedas).

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Este medicamento é contraindicado para usuários regulares de cigarro de Cannabis sativa ou com histórico de dependência.

Este medicamento é contraindicado para o tratamento de epilepsia9.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Precauções/Advertências

Mevatyl® não é recomendado para uso em crianças ou adolescentes com menos de 18 anos de idade por não haver dados de segurança e eficácia.

Nas primeiras semanas do tratamento o paciente pode apresentar tontura10 leve ou moderada. Alguns episódios de desmaio foram observados com o uso do medicamento. Não é recomendado o uso de Mevatyl® em pacientes com doença cardiovascular séria.

Pacientes com histórico de epilepsia9 ou convulsões recorrentes devem ser tratados com cautela.

Durante o tratamento com Mevatyl® foram relatados sintomas1 psiquiátricos como ansiedade, delírios, alterações de humor e paranoia que geralmente tem intensidade leve a moderada e são bem tolerados.

O tratamento com o Mevatyl® deve ser interrompido imediatamente e o paciente deve ser monitorado, caso apresente sintomas1 como desorientação (confusão), alucinações11 e delírios.

O efeito do Mevatyl® pode ser exagerado ou prolongado em pacientes com comprometimento na função dos rins12 ou do fígado13, por este motivo recomenda-se que seja feita avaliação clínica frequente nesses pacientes.

Pacientes cuja força muscular e coordenação motora não seja suficiente para manter a postura podem ter o risco de quedas aumentado assim que houver diminuição da espasticidade4 decorrente do uso de Mevatyl®. Por isso, recomenda-se avaliação médica adequada para uso da medicação. Além deste risco, as reações adversas do Mevatyl® podem ter impacto em alguns aspectos da segurança pessoal, como por exemplo, a preparação de bebidas e alimentos quentes, especialmente no caso de pacientes idosos.

Embora não tenham sido observados efeitos na fertilidade, recomenda-se que sejam mantidas precauções contraceptivas confiáveis durante todo o tratamento com o produto e durante três meses após o encerramento desta terapia.

Se o tratamento de longo prazo com o Mevatyl® for interrompido repentinamente, as consequências prováveis serão limitadas ao surgimento de perturbações transitórias do sono, emocionais e do apetite. A dependência de Mevatyl® é improvável.

Caso você sinta desconforto ou ulceração14 no local da aplicação do medicamento, é aconselhado alternar o local de aplicação dentro da boca15 e não pulverizar o produto novamente na membrana mucosa16 ferida ou inflamada. A inspeção17 regular da mucosa18 oral também é aconselhada na administração prolongada. Se forem observadas lesões19 ou dores persistentes, a medicação deve ser suspensa até que esse desconforto desapareça.

Se você for viajar para outro país, pode ser ilegal levar este medicamento. Verifique o status legal desse medicamento antes de viajar com o Mevatyl®.

O Abuso deste Medicamento pode causar Dependência. Não é indicado para o tratamento de epilepsia9.

Não é indicado o uso por pacientes menores de 18 anos. Não é indicado para idosos (devido ao risco de quedas).

Não é indicado para usuários regulares de cigarro de Cannabis sativa ou com histórico de dependência.

Gravidez20

Categoria de risco C. Como não existem dados sobre a segurança do uso desse medicamento em mulheres grávidas ou que estejam amamentando, Mevatyl® somente deverá ser administrado a gestantes se for estritamente indispensável.

Portanto, homens e mulheres com potencial para engravidar devem tomar precauções contraceptivas confiáveis durante a duração da terapia e por três meses após o encerramento da terapia.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião- dentista.

Não é indicado o seu uso na gravidez20.

Amamentação21

Os dados disponíveis em animais demonstraram excreção de Mevatyl® no leite. O risco à criança amamentada não pode ser excluído, dessa forma, o Mevatyl® é contraindicado durante a amamentação21.

Posso dirigir ou operar máquinas após a administração de Mevatyl®?

Mevatyl® pode produzir efeitos indesejáveis como tonturas22 e sonolência que podem comprometer a capacidade de decisão e o desempenho de tarefas específicas. Você não deve dirigir, operar máquinas ou realizar qualquer atividade perigosa caso sinta quaisquer efeitos significativos, como tonturas22 ou sonolência. Você deve estar ciente de que Mevatyl® é conhecido por levar a alguns casos de perda de consciência.

Não é recomendável dirigir ou operar máquinas utilizando o medicamento.

Interações medicamentosas

Se o tratamento com inibidores da enzima23 CYP3A4, por exemplo, cetoconazol, ritonavir, claritromicina, for iniciado ou interrompido durante o tratamento com Mevatyl®, um novo ajuste de dose pode ser necessário.

O uso simultâneo de Mevatyl® com indutores enzimáticos potentes, como rifampicina, carbamazepina, fenitoína, fenobarbital e erva de São João devem ser evitados sempre que possível. Caso necessário, seu médico deve ajustar a dose cuidadosamente dentro de duas semanas após a interrupção desses indutores.

Devido a um aumento do efeito de sedação24 e de relaxamento muscular, você deve usar com cautela os medicamentos hipnóticos e sedativos.

Se você já faz uso de medicamentos antiespásticos, tenha cuidado ao administrar Mevatyl® juntamente com estes medicamentos, uma vez que uma redução da força muscular pode ocorrer, levando a um risco maior de quedas.

Em geral, as bebidas alcoólicas devem ser evitadas durante a utilização desse medicamento, principalmente no início do tratamento ou quando se altera a dose. Se você ingerir bebida alcoólica durante o uso de Mevatyl®, os efeitos do álcool e do medicamento podem se somar , comprometendo, assim, a capacidade de dirigir ou operar máquinas e aumentando o risco de quedas.

Interação com exames laboratoriais

Até o momento, não há dados sobre a ocorrência de interferência do uso de Mevatyl® em exames laboratoriais.

Interação com alimentos

Mevatyl® pode ser administrado com ou sem alimentos. Entretanto, a administração desse medicamento com alimentos pode afetar a quantidade que o organismo absorve. Para minimizar a variabilidade de biodisponibilidade no paciente individual, a administração de Mevatyl® deve ser padronizada o máximo possível em relação ao consumo de alimento. Além disso, iniciar ou suspender alguns dos medicamentos concomitantes podem exigir um novo ajuste de dose.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde25.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Conservar entre +2°C e +8°C (sob refrigeração).

Ao abrir e utilizar o frasco spray, não é necessário armazenamento refrigerado, mas não se deve armazenar em temperatura superior a 25ºC. O medicamento deve ser armazenado na posição vertical.

Após aberto, este medicamento é válido por 28 dias em temperatura ambiente. Prazo de validade: 24 meses contados a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas

Mevatyl® é uma solução amarela/marrom em um frasco spray de vidro âmbar (o frasco de 10 ml tem vidro âmbar revestido por plástico) equipado com bomba dosadora que possui um tubo de imersão de polipropileno e gargalo de elastômero coberto por uma tampa de polietileno. A bomba dosadora libera 100 µl por pulverização. A apresentação de 10 ml possibilita a liberação após a ativação de até 90 acionamentos (pulverizações) de 100 µl.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Aspecto físico do medicamento: Mevatyl® é uma solução amarela/marrom.

Posologia

Mevatyl® é somente para uso bucal, não devendo ser inalado. O tratamento deve ser iniciado e supervisionado por um médico especializado.

Um frasco spray equipado com bomba dosadora libera 100 microlitros por pulverização. A apresentação de 10 mL possibilita a liberação de até 90 pulverizações de 100 µl.

Cada pulverização de 100 µl são liberados 2,7 mg de tetraidrocanabinol (THC) e 2,5mg de canabidiol (CBD).

Você deve estar ciente de que pode levar até duas semanas para atingir a dose ideal e que efeitos indesejáveis podem ocorrer durante este tempo, principalmente tontura10. Estes efeitos indesejáveis são geralmente leves e desaparecem em poucos dias.

Período de ajuste de dose: A dose deve ser ajustada para cada paciente. O horário e a quantidade de pulverizações podem variar entre os pacientes. A dose matutina deve ser administrada entre o despertar e o meio-dia. A dose vespertina/noturna deve ser administrada entre 16h e a hora de se deitar. O paciente deve administrar por dia até no máximo 12 pulverizações, distribuídos em doses matutina e vespertina, conforme orientação médica. É necessário um intervalo de pelo menos 15 minutos entre as pulverizações.

 

Número de pulverizações

Dia

Dose matinal
(entre o despertar e o meio- dia)

Dose vespertina/noturna
(entre 16h e a hora de se deitar)

Total de pulverizações por dia

Dia 1

0

1

1

Dia 2

0

1

1

Dia 3

0

2

2

Dia 4

0

2

2

Dia 5

1

2

3

Dia 6

1

3

4

Dia 7

1

4

5

Dia 8

2

4

6

Dia 9

2

5

7

Dia 10

3

5

8

Dia 11

3

6

9

Dia 12

4

6

10

Dia 13

4

7

11

Dia 14

5

7

12

Se for preciso obter melhora da rigidez muscular após o dia 10, adicione uma pulverização por dia, ou de manhã ou à noite. Por exemplo, no dia 11 você usaria nove pulverizações e no dia 12, você usaria dez pulverizações. Você não deve usar mais de 12 pulverizações em um dia sem a orientação do seu médico.

Período de manutenção: Depois do período de ajuste de dose, assim que a dose ideal for atingida, você pode distribuir as doses ao longo do dia de acordo com a sua tolerabilidade. É necessário um intervalo de pelo menos 15 minutos entre as pulverizações. Doses superiores a 12 pulverizações por dia não são recomendadas.

Análise pelo médico: A resposta ao tratamento deve ser analisada pelo médico após quatro semanas de tratamento. Caso não haja melhora significativa dos sintomas1 relacionados à espasticidade4 durante o período inicial da terapia, o tratamento deve ser interrompido. Após um longo período de uso, o tratamento deve ser reavaliado pelo médico periodicamente.

Crianças: Mevatyl® não é recomendado para uso em crianças ou adolescentes com menos de 18 anos de idade devido à ausência de dados de segurança e eficácia.

Como usar

Utilize o Mevatyl® sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

O frasco spray deve ser agitado antes do uso e a pulverização deve ser direcionada em locais diferentes na superfície da boca15 (do lado de dentro da bochecha26 ou sob a língua27), alternando o local de aplicação em cada uso do produto.

Abertura do seu nebulizador e preparação para a utilização

  1. Retire o frasco da geladeira (veja o item “5. Onde, como e por quanto tempo posso guardar este medicamento?” Para obter instruções de como armazenar o medicamento)
  2. Não utilize o frasco se tiverem decorrido mais de 4 semanas (28 dias) depois da sua abertura.
  3. Agite o frasco spray cuidadosamente antes de utilizar.
  4. Remova o lacre de proteção.
  5. Segure o spray entre o polegar e o dedo médio. Coloque o dedo indicador sobre o acionador de spray.
  6. Mantendo-o na vertical, pratique efetuando 2 ou 3 pulverizações num lenço de papel até aparecer uma névoa fina. Estas pulverizações preparam a bomba e garantem o funcionamento correto.
  7. O frasco spray está agora pronto para uso. Não é necessário realizar mais pulverizações de preparação até abrir um novo frasco.

Utilização do seu frasco spray

  1. Segure o frasco entre o polegar e o dedo médio. Coloque o dedo indicador sobre o acionador de spray.
  2. Segure-o na vertical e aponte-o para a sua boca15. Aponte o bocal para debaixo da língua27 ou para o lado de dentro da bochecha26. Mude o local de aplicação da boca15 sempre que realizar uma pulverização. Assim ajudará a não ter desconforto no local.
  3. Pressione o acionador com firmeza. Não efetue mais do que uma pulverização de cada vez, mesmo se pensar que só recebeu uma pequena quantidade da pulverização.
  4. Tampe o produto.

 

Se a solução pulverizada entrar em contato com os seus olhos28 por acidente, lave-os com água assim que possível.

  • Não inale a solução pulverizada.
  • Não efetue pulverizações perto de crianças ou animais domésticos.
  • Não utilize o spray próximo de chamas vivas ou de fontes de calor.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não tome uma dose em dobro para compensar uma dose que se esqueceu. Prossiga com a próxima dose imediatamente e continue como recomendado pelo seu médico ou farmacêutico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações adversas mais comumente relatadas nas primeiras quatro semanas de exposição foram tonturas22, que ocorrem principalmente durante o período inicial do tratamento, e fadiga29. Estas reações são geralmente leves a moderadas e desaparecem em poucos dias, mesmo com a continuação do tratamento. Quando o cronograma de ajuste de dose recomendado foi utilizado, a incidência30 de tonturas22 e fadiga29 nas primeiras quatro semanas foi muito reduzida.

Os eventos adversos relatados foram:

Reação muito comum (ocorre em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • Tontura10

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • Aumento ou diminuição do apetite
  • Depressão, desorientação, dissociação, humor eufórico
  • Amnésia31, distúrbio de equilíbrio, distúrbio de atenção, má coordenação dos músculos32 da fala, alteração ou diminuição do paladar33, extrema falta de energia, comprometimento da memória, sonolência
  • Visão34 embaçada
  • Vertigem35
  • Constipação36, diarreia37, boca15 seca, ardência bucal, ulceração14 bucal, náuseas38, desconforto oral, dor oral, vômitos39

Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento):

  • Faringite40
  • Alucinação41, delírios, paranoia, ideação suicida
  • Desmaio
  • Palpitação42, taquicardia43
  • Hipertensão44
  • Irritação na garganta45
  • Dor abdominal (superior), descoloração da mucosa18 oral*, disfunção da mucosa18 oral, esfoliação da mucosa18 oral*, estomatite46, descoloração dos dentes

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe também à empresa através de seu serviço de atendimento.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ou desconhecidas. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não existe experiência de superdosagem deliberada com Mevatyl® nos pacientes. No entanto, alguns estudos realizados mostraram que com 18 pulverizações durante um período de 20 minutos duas vezes ao dia, foram observados sinais47 e sintomas1 de superdosagem/intoxicação. Esses consistiram em reações semelhantes à intoxicação aguda, incluindo tonturas22, alucinações11, confusão, paranoia, taquicardia43 ou bradicardia48 com pressão baixa. Em outro estudo, com 18 pulverizações duas vezes ao dia, a superdose se manifestou como uma psicose49 tóxica transitória que foi resolvida após a suspensão do tratamento.

Em caso de superdosagem, o tratamento deve ser sintomático50 e de suporte.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
ATENÇÃO: ESSE MEDICAMENTO PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA
 

MS - 1.6977.0003.001-4
Farmacêutica Responsável: Dra. Heloisa Zeringota CRF - SP nº 10.078

Importado por:
Beaufour Ipsen Farmacêutica Ltda.
Avenida Eng. Luiz Carlos Berrini, 1297 cj 62, 04571-010 – São Paulo - SP
CNPJ nº 07.718.721/0001-80

Fabricado por:
GW Pharma Ltd
Histon
Cambridge
CB24 9BZ
Reino Unido


SAC 0800 770 1820

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
3 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
4 Espasticidade: Hipertonia exagerada dos músculos esqueléticos com rigidez e hiperreflexia osteotendinosa.
5 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
6 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
7 Esquizofrenia: Doença mental do grupo das Psicoses, caracterizada por alterações emocionais, de conduta e intelectuais, caracterizadas por uma relação pobre com o meio social, desorganização do pensamento, alucinações auditivas, etc.
8 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
9 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
10 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
11 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
12 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
13 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
14 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
15 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
16 Membrana Mucosa: EPITÉLIO com células secretoras de MUCOS, como as CÉLULAS CALICIFORMES. Forma o revestimento de muitas cavidades do corpo, como TRATO GASTROINTESTINAL, TRATO RESPIRATÓRIO e trato reprodutivo. Mucosa, rica em sangue e em vasos linfáticos, compreende um epitélio interno, uma camada média (lâmina própria) do TECIDO CONJUNTIVO frouxo e uma camada externa (muscularis mucosae) de células musculares lisas que separam a mucosa da submucosa.
17 Inspeção: 1. Ato ou efeito de inspecionar; exame, vistoria, inspecionamento. 2. Ato ou efeito de fiscalizar; fiscalização, supervisão, observação. 3. Exame feito por inspetor (es).
18 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
19 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
20 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
21 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
22 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
23 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
24 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
25 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
26 Bochecha:
27 Língua:
28 Olhos:
29 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
30 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
31 Amnésia: Perda parcial ou total da memória.
32 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
33 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
34 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
35 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
36 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
37 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
38 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
39 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
40 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
41 Alucinação: Perturbação mental que se caracteriza pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensação sem objeto. Impressão ou noção falsa, sem fundamento na realidade; devaneio, delírio, engano, ilusão.
42 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
43 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
44 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
45 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
46 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
47 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
48 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
49 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
50 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre Mevatyl?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.