Preço de Doriless (Comprimido) em Fairfield/SP: R$ 0,00

Doriless (Comprimido)

CIFARMA CIENTÍFICA FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 24/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Doriless
dipirona monoidratada + cloridrato de prometazina + cloridrato de adifenina
Comprimidos

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Comprimido
Embalagem contendo 12 ou 200 comprimidos

Solução oral
Embalagem contendo 1 frasco de 15 mL

USO ORAL
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada comprimido de Doriless contém:

dipirona monoidratada 500 mg
cloridrato de prometazina 5 mg
cloridrato de adifenina 10 mg
excipientes q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: celulose microcristalina, croscarmelose sódica, álcool etílico, povidona, carmelose, estearato de magnésio, dióxido de silício.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

Doriless possui em sua composição dipirona monoidratada, cloridrato de prometazina e cloridrato de adifenina, proporcionando alívio da dor, da febre1 e dos espasmos2 e cólicas3 do trato gastrintestinal, das vias biliares4 e urinárias.

Doriless deve ser protegido do calor excessivo, da luz e da umidade. Deve ser conservado na sua embalagem original mesmo depois de aberta. Mantenha o frasco (gotas) bem fechado, para melhor conservação do produto.

Doriless possui prazo de validade de 24 meses após a data de fabricação, desde que observados os cuidados de conservação. Ao adquirir o medicamento confira sempre o prazo de validade impresso na embalagem do produto.

Não use o produto se o prazo de validade estiver vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

Como não há dados suficientes sobre o uso deste medicamento na gravidez5 e na lactação6, ele somente deve ser usado nesses períodos sob orientação médica.

Informe ao seu médico ou cirurgião dentista a ocorrência de gravidez5 na vigência do tratamento ou após seu término.

Informe também se está amamentando.

Doriless não deve ser usado simultaneamente com bebidas alcoólicas e com alguns medicamentos que têm ação no sistema nervoso central7.

Informe ao seu médico ou cirurgião dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Doriless não deve ser usado por pacientes sabidamente alérgicos ao medicamento, assim como por pacientes com doenças renais e hepáticas8 graves.

O uso de Doriless é contraindicado para crianças com menos de 2 anos de idade.

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Informe ao seu médico ou cirurgião dentista o aparecimento de reações indesejáveis.

Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas9, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

As reações adversas mais comuns com o uso de Doriless são sonolência, tontura10, cansaço e palpitações11. Algumas pessoas mais sensíveis podem ter reações alérgicas do tipo erupção12 de pele13, urticária14 ou lesões15 da mucosa16, como aftas. Neste caso interrompa o uso do produto e avise imediatamente ao seu médico, bem como se surgir qualquer reação considerada relacionada com o medicamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

AÇÃO DO MEDICAMENTO

Doriless apresenta ação analgésica, antiespasmódica e antipirética exercidas através de seus três princípios ativos: a dipirona, a adifenina e a prometazina. A associação destas drogas permite uma potencialização dos efeitos, observando-se resposta rápida com qualquer das formas de apresentação.

INDICAÇÕES

Doriless está indicado para manifestações dolorosas em geral; como antitérmico17; nas dores espásticas em geral como cólicas3 do trato gastrintestinal, cólicas3 renais e hepáticas8; cefaleia18; nevralgias, mialgias19, artralgias20 e dores pós-operatórias.

CONTRAINDICAÇÕES

Doriless é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade conhecida a qualquer um dos componentes da fórmula. Também é contraindicado em pacientes que apresentam discrasias sanguíneas, lesões15 hepáticas8 ou renais graves, púrpura21 trombocitopênica.

Doriless é contraindicado para crianças com menos de 2 anos de idade.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

Gravidez5 e Lactação6

Seu uso deve ser evitado no primeiro trimestre e nas últimas seis semanas de gestação. Mesmo fora destes períodos seu uso deve ser evitado e, se absolutamente necessário, deve ser administrado sob rigoroso controle médico. Não há dados suficientes sobre sua excreção no leite materno, portanto, durante a lactação6, devem ser considerados os riscos e benefícios de sua administração.

PRECAUÇÕES

Nos tratamentos prolongados, Doriless deve ser administrado com cuidado, avaliando-se periodicamente a crase sanguínea. Nos casos de amidalite e outras afecções22 da orofaringe23 o paciente deve ser cuidadosamente controlado, pois a dipirona, embora raramente, pode causar granulocitopenia ou agranulocitose24 com angina25 agraculocítica, que é um quadro grave, requerendo imediata suspensão do tratamento e medidas adequadas. Não se recomenda o uso de Doriless em crianças abaixo de 2 anos de idade devido ao potencial efeito depressor respiratório do cloridrato de prometazina. Para crianças acima de 2 anos de idade deve ser usada a menor dose eficaz de Doriless.

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Durante o uso de Doriless não devem ser ingeridas bebidas alcoólicas e/ou administrados outros depressores do SNC26, pois pode haver potencialização de efeitos. O uso concomitante de Doriless com a ciclosporina pode ocasionar redução dos níveis desta.

REAÇÕES ADVERSAS

Pacientes sensíveis podem apresentar reações de hipersensibilidade com o uso de Doriless, em geral devido à dipirona. A forma mais grave, embora bastante rara, é a agranulocitose24 ou granulocitopenia. Assim, se surgirem lesões15 das mucosas27, principalmente da cavidade oral28, o médico deve ser imediatamente notificado e o uso de Doriless suspenso. Pacientes com antecedentes de sensibilidade a outras drogas podem ter risco maior de reação alérgica29 à dipirona.

Outras reações adversas que podem ocorrer com o uso de Doriless são sonolência, cansaço e efeito sedativo, devido à prometazina. Ela pode ser responsável por outras reações adversas comuns aos anti-histamínicos em geral.

A adifenina pode causar reações do tipo antimuscarínico que incluem boca30 seca e redução das secreções de modo geral, bem como efeitos oculares que incluem fotofobia31 e dificuldade de acomodação visual.

POSOLOGIA

Adultos:

Dose média: 1 a 2 comprimidos ou 30 a 60 gotas, a intervalos mínimos de 6 horas. Doses maiores somente a critério médico.

Crianças:

Acima de 2 anos: 8 a 16 gotas, a intervalos mínimos de 6 horas. Doses maiores somente a critério médico.

Não administre medicamentos diretamente na boca30, utilize uma colher para pingar as gotinhas.

SUPERDOSE

Recomenda-se aspiração e lavagem gástrica32 ou indução de êmese33. Se não for possível, pode ser administrado carvão ativado para diminuir a absorção. As duas medidas podem ser tomadas simultaneamente, além das medidas gerais que se façam necessárias.

PACIENTES IDOSOS

Doriless pode ser utilizado em pacientes acima de 65 anos de idade, desde que observadas as contraindicações, precauções, interações medicamentosas e reações adversas.

DIZERES LEGAIS


Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas9 procure orientação médica.

Reg. MS 1.1560. 0059
Farm. Resp.: Dra. Michele Caldeira Landim - CRF/GO: 5122

Fabricado por:
Doriless comprimido: CIFARMA – Científica Farmacêutica Ltda.
Av. das Indústrias, 3651 – Bicas – CEP: 33040-130 – Santa Luzia/MG
CNPJ: 17.562.075/0003-20 – Indústria Brasileira

Registrado por:
CIFARMA – Científica Farmacêutica Ltda.
Rod. BR 153 Km 5,5 – Jardim Guanabara – CEP: 74675-090 – Goiânia / GO
CNPJ: 17.562.075/0001-69 – Indústria Brasileira


SAC 0800 707 1212

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
2 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
3 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
4 Vias biliares: Conjunto de condutos orgânicos que conectam o fígado e a vesícula biliar ao duodeno. Sua função é conduzir a bile produzida no fígado, para ser armazenada na vesícula biliar e posteriormente ser liberada no duodeno.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
7 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
8 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
9 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
11 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
12 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
13 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
14 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
15 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
16 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
17 Antitérmico: Medicamento que combate a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
18 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
19 Mialgias: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
20 Artralgias: Dor em articulações.
21 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
22 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
23 Orofaringe: Parte mediana da faringe, entre a boca e a rinofaringe.
24 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
25 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
26 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
27 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
28 Cavidade Oral: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
29 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
30 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
31 Fotofobia: Dor ocular ou cefaléia produzida perante estímulos visuais. É um sintoma freqüente na meningite, hemorragia subaracnóidea, enxaqueca, etc.
32 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
33 Êmese: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Sinônimo de vômito. Pode ser classificada como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.

Tem alguma dúvida sobre Doriless (Comprimido)?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.