Preço de Muphoran em Fairfield/SP: R$ 5298,61

Muphoran

LABORATÓRIOS SERVIER DO BRASIL LTDA

Atualizado em 22/08/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Muphoran 
fotemustina
Solução injetável

APRESENTAÇÕES

Pó para solução injetável
Embalagem contendo 01 frasco de pó para solução injetável contendo 208 mg de fotemustina e 01 ampola de diluente.

VIA INTRAVENOSA
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada frasco do pó contém:

fotemustina 208 mg

Cada ampola contém:

álcool etílico 3,35 mL
água para injetáveis q.s.p. 4,00 mL

A solução reconstituída representa um volume de 4,16 mL, ou seja, 200 mg de fotemustina em 4 mL de solução.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Muphoran® é um medicamento indicado no tratamento do melanona maligno disseminado (inclusive nas localizações cerebrais) e de tumores cerebrais malignos primitivos. O melanoma1 maligno é o câncer2 de pele3 de pior prognóstico4. É um tumor5 muito grave devido ao seu alto potencial de produzir metástases6 enviando células7 tumorais para outros órgãos, onde se desenvolvem. Origina-se dos melanócitos8, células7 que produzem o pigmento que dá a cor da pele3. Pode se originar da pele3 sã ou de lesões9 pigmentadas pré-existentes, os nervos pigmentados ("sinais" escuros).

De ocorrência mais frequente em pessoas de pele3 clara, fototipos I ou II, o melanoma1 pode surgir em área de pele3 não exposta ao sol, porém, o maior número de lesões9 aparece nas áreas da pele3 que ficam expostas à radiação solar.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Muphoran® é um agente anticancerígeno que age inibindo a proliferação das células7 tumorais.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Muphoran® não deve ser utilizado nas seguintes situações:

  • Se você estiver grávida ou amamentando;
  • Se você for alérgico (hipersensibilidade) à fotemustina ou nitrosoureia ou a qualquer outro excipiente do Muphoran®;
  • Em associação com a vacina10 da febre amarela11 (ver seção “Interações Medicamentosas”). Em caso de dúvida é essencial que você procure seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento é contraindicado para menores de 18 anos.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez12.

O QUE DEVO SABER ANTES USAR ESTE MEDICAMENTO?

ADVERTÊNCIAS

Evitar qualquer contato de Muphoran® com as mãos13, olhos14 e demais partes do corpo. Em caso de contato lave abundantemente com água.

O uso deste medicamento não é recomendado em combinação com vacinas vivas atenuadas (sarampo15, rubéola16, caxumba17, poliomielite18, tuberculose19, varicela20) (exceto a vacina10 da febre amarela11, ver seção “Quando não devo usar este medicamento?”), fenitoína e fosfenitoína (medicamentos usados no tratamento de epilepsia21) (ver seção “Interações Medicamentosas”).

Este medicamento pode causar doping.

População pediátrica

Muphoran® não é recomendado em crianças e adolescentes, pois a relação risco/benefício não foi estabelecida nessa população.

Idosos

Uma diminuição do número de plaquetas22 e glóbulos brancos, bem como o aparecimento de distúrbios gastrintestinais são significativamente mais comuns em pessoas com mais de 60 anos de idade.

PRECAUÇÕES DE USO

O tratamento só pode ser administrado sob rigoroso monitoramento médico. Isso usualmente inclui:

  • Exame médico;
  • Exames laboratoriais detalhados sobre a condição sanguínea (hemograma) e a função hepática23. Esse monitoramento é particularmente rigoroso no caso de alterações no hemograma ou tratamentos citostáticos24 prévios ou combinados.

Informe ao seu médico, qual foi a sua última sessão de quimioterapia25, pois este medicamento não poderá ser utilizado em um prazo inferior a 4 semanas ou 6 semanas no caso de tratamento anterior com outros quimioterápicos pertencentes a família de Muphoran®.

Este medicamento contém 80% de volume de etanol (álcool), o que equivale a 1,3 g de álcool por 100 mg de fotemustina, o equivalente a 32 ml de cerveja ou 13,3 ml de vinho. Esta quantidade pode ser prejudicial para pacientes26 alcoólatras. Isso também deve ser levado em consideração nos pacientes de alto risco, tais como aqueles que sofrem de distúrbios hepáticos ou epilepsia21.

Em caso de dúvida, não hesite em procurar seu médico ou farmacêutico. Efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas:

Não foram realizados estudos sobre efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas. Porém, não é recomendado dirigir imediatamente após a administração de Muphoran®.

Gravidez12, Lactação27 e Fertilidade

Não existe ou há uma quantidade limitada de dados do uso de Muphoran® em mulheres grávidas. Estudos conduzidos em animais são insuficientes para permitir uma conclusão a respeito da toxicidade28 reprodutiva.

Muphoran® é contraindicado durante a gravidez12 e em mulheres na idade fértil que não usam contraceptivos (ver seção “Quando não devo usar este medicamento?”).

Muphoran® deve ser administrado em conjunto com um método contraceptivo eficiente em mulheres em idade fértil potencial. Pacientes do sexo masculino devem ser aconselhados a usar medidas contraceptivas adequadas.

É desconhecido se a fotemustina ou seus metabólitos29 são excretados no leite materno. Um risco para recém- nascidos/crianças não pode ser excluído. Muphoran® é contraindicado durante a lactação27 (ver seção “Quando não devo usar este medicamento?”).

Estudos de toxicidade28 de dose repetida em animais com fotemustina revelaram que a fertilidade foi afetada no sexo masculino.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez12.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Interação específica com fotemustina

Associações que requerem precaução de uso: Dacarbazina

Com altas doses de dacarbazina: Risco de toxicidade28 pulmonar (síndrome30 de angústia respiratória aguda do adulto). Não utilize esses produtos simultaneamente. Ao invés, utilize um intervalo de uma semana entre a última administração de fotemustina e o primeiro dia do curso da dacarbazina.

Interações comuns a todos os citotóxicos31

Devido ao aumento do risco trombótico32 durante afetos tumoral, um tratamento anti-coagulante é frequentemente utilizado. A grande variabilidade de coagulabilidade durante esses afetos, adicionado à eventualidade de uma interação entre os anticoagulantes33 orais e a quimioterapia25 anti-câncer2, requer, se for decidido administrar anticoagulantes33 orais, um aumento na frequência dos testes de INR.

Associações contraindicadas:

  • Vacina10 da febre amarela11. Risco de doença sistêmica fatal induzida pela vacina10.

Associações não recomendadas:

  • Fenitoína (E por extrapolação, fosfenitoína). Risco de convulsões através da diminuição da absorção gastrointestinal da fenitoína causada pelo agente citotóxico34. Risco de toxicidade28 aumentada ou perda da eficácia do agente citotóxico34 através de um aumento em seu metabolismo35 hepático pela fenitoína ou fosfenitoina.
  • Vacinas vivas atenuadas (exceto febre amarela11). Risco de doença induzida pela vacina10, que pode ser fatal. Este risco é aumentado em indivíduos que já estão imunodeprimidos devido à doença subjacente. Use uma vacina10 inactivada quando tal vacina10 existir (poliomelite).

Associações a considerar:

  • Imunossupressores. Imunossupressão36 excessiva com risco de linfoproliferação.

Informe seu médico ou farmacêutico se você está tomando ou tomou recentemente algum outro medicamento, incluindo medicamentos sem prescrição médica.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde37.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Muphoran® deve ser guardado na sua embalagem original, no refrigerador (entre 2 e 8ºC), protegido da luz. Nestas condições, este medicamento possui prazo de validade de 24 (vinte e quatro) meses, a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido.

Medicamentos não devem ser descartados no lixo domiciliar ou através das águas do esgoto. Informe-se com seu farmacêutico como você pode descartar os medicamentos que você não irá utilizar. Essa medida vai ajudar a proteger o meio ambiente.

Características físicas e organolépticas

Muphoran® é apresentado sob a forma de pó amarelo claro e solução injetável límpida incolor e com odor alcóolico.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Muphoran® é um medicamento de uso restrito a hospitais, portanto um profissional habilitado irá prepará-lo para sua administração.

Seu médico irá esclarecer quanto ao esquema de doses que será administrada, assim como o espaçamento entre as doses.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Muphoran® é um medicamento de uso restrito a hospitais, portanto se você não puder comparecer à sessão de quimioterapia25 seguinte, entre em contato imediatamente com seu médico, pois o mesmo irá avaliar a data mais adequada para a próxima sessão.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?

Como todos os medicamentos, Muphoran® pode causar eventos adversos, embora nem todos os pacientes irão apresentá-los.

Os seguintes eventos podem ocorrer durante o tratamento:

Reações muito comuns (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam o medicamento):

  • Diminuição dos glóbulos brancos e plaquetas22. Esta diminuição geralmente ocorre entre 4 a 6 semanas após o início do tratamento). A diminuição dos glóbulos brancos pode estar acompanhada por tremores e febre38 o que pode requerer contato com o seu médico.
  • Anemia39 (diminuição do número de glóbulos vermelhos).
  • Náusea40 e vômitos41 dentro de duas horas após a injeção42.
  • Elevações moderadas, transitórias e reversíveis no nível das transaminases, fosfatases alcalinas e bilirrubina43 (resultados anormais dos testes de função hepática23).

Reações Comuns (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam o medicamento):

  • Episódios de febre38, flebite44 (inchaço45, dor, vermelhidão da veia) no local da injeção42 no caso de extravasamento.
  • Diarreia46, dor abdominal.

Reações Incomuns (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam o medicamento):

  • Distúrbios neurológicos transitórios sem sequela47 (distúrbios da consciência, parestesia48, ageusia).
  • Aumento transitório na ureia49.
  • Prurido50.

Reações Raras (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam o medicamento):

  • Casos raros de toxicidade28 pulmonar (síndrome30 de angústia respiratória aguda do adulto) foram relatados em associação com dacarbazina. Uma doença pulmonar intersticial51, tipo toxicidade28 pulmonar, foi reportada com fotemustina.

Reações com frequência desconhecida:

  • Hepatite52

Neoplasmas53 benignos, malignos e não especificados (incluindo cistos e pólipos54):
Agentes antineoplásicos e em particular os agentes alquilantes foram associados a um risco potencial de síndrome30 mielodisplásica e leucemia55 mielóide aguda. Com altas doses cumulativas, casos raros foram relatados com Muphoran®, isolado ou em associação com outras quimioterapias, com ou sem radioterapia56.

Os eventos adversos podem aparecer mesmo que o tratamento tenha um efeito favorável. Eles devem ser reportados ao médico que acompanha seu tratamento.

Se você notar algum evento adverso, por favor informe seu médico, farmacêutico ou enfermeiro. Isto inclui qualquer possível evento adverso não descrito nesta bula. Reportando os eventos adversos, você pode ajudar fornecendo mais informações sobre a segurança deste medicamento.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do Sistema de Atendimento ao Consumidor (SAC).

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se uma grande quantidade de Muphoran® for administrada será necessário um acompanhamento intensivo dos seus índices hematológicos.

Não existe antídoto57 conhecido.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
USO RESTRITO A HOSPITAIS
 

MS Nº 1.1278.0053
Farm. Responsável: Patrícia Kasesky de Avellar - CRF-RJ n.º 6350

Pó Injetável fabricado por:
Cenexi - Laboratoires Thissen S.A.
Rue de la Papyrée 2-6, B 1420 – Braine L´Alleud, Wallon Brabant – Bélgica.

Diluente fabricado por:
Egis Pharmaceuticals PLC.
Bökényföldi út 118-120, Budapeste, 1165 Hungria

Importado por:
Laboratórios Servier do Brasil
Estrada dos Bandeirantes, 4.211 – Jacarepaguá – RJ – Indústria Brasileira
C.N.P.J 42.374.207/0001-76


SAC 0800 7033431

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
4 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
5 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
6 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
9 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
10 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
11 Febre Amarela: Doença infecciosa aguda, de curta duração (no máximo 10 dias), gravidade variável, causada pelo vírus da febre amarela, que ocorre na América do Sul e na África. Os sintomas são: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina). A única forma de prevenção é a vacinação contra a doença.
12 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
13 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
14 Olhos:
15 Sarampo: Doença infecciosa imunoprevenível, altamente transmissível por via respiratória, causada pelo vírus do sarampo e de imunidade permanente. Geralmente ocorre na infância, mas pode afetar adultos susceptíveis (não imunes). As manifestações clínicas são febre alta, tosse seca persistente, coriza, conjuntivite, aumento dos linfonodos do pescoço e manchas avermelhadas na pele. Em cerca de 30% das pessoas com sarampo podem ocorrer complicações como diarréia, otite, pneumonia e encefalite.
16 Rubéola: Doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da rubéola. Resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, aumento dos gânglios do pescoço, manchas avermelhadas na pele, 70% das mulheres apresentam artralgia e artrite. Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Durante a gravidez, a infecção pelo vírus da rubéola pode resultar em aborto, parto prematuro e mal-formações congênitas.
17 Caxumba: Também conhecida como parotidite. É uma doença infecciosa imunoprevenível de transmissão respiratória. Causada pelo vírus da caxumba, resulta em manifestações discretas ou é assintomática. Quando ocorrem, as manifestações clínicas mais comuns são febre baixa, dor no corpo, perda de apetite, fadiga e dor de cabeça. Cerca de 30 a 40% dos indivíduos infectados apresentam dor e aumento uni ou bilateral das glândulas salivares (mais comumente, das parótidas). Geralmente tem evolução benigna, é mais comum em crianças e resulta em imunidade permanente. Em alguns casos pode complicar causando meningite, encefalite, surdez, orquite, ooferite, miocardite ou pancreatite.
18 Poliomielite: Doença viral que afeta as raízes anteriores dos nervos motores, produzindo paralisia especialmente em crianças pequenas e adolescentes. Sua incidência tem diminuído muito graças ao descobrimento de uma vacina altamente eficaz (Sabin), e de seu uso difundido no mundo inteiro.
19 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
20 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
21 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
22 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
23 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
24 Citostáticos: Diz-se de substâncias que inibem o crescimento ou a reprodução das células.
25 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
26 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
27 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
28 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
29 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
30 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
31 Citotóxicos: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
32 Trombótico: Relativo à trombose, ou seja, à formação ou desenvolvimento de um trombo (coágulo).
33 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
34 Citotóxico: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
35 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
36 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
37 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
38 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
39 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
40 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
41 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
42 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
43 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
44 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
45 Inchaço: Inchação, edema.
46 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
47 Sequela: 1. Na medicina, é a anomalia consequente a uma moléstia, da qual deriva direta ou indiretamente. 2. Ato ou efeito de seguir. 3. Grupo de pessoas que seguem o interesse de alguém; bando. 4. Efeito de uma causa; consequência, resultado. 5. Ato ou efeito de dar seguimento a algo que foi iniciado; sequência, continuação. 6. Sequência ou cadeia de fatos, coisas, objetos; série, sucessão. 7. Possibilidade de acompanhar a coisa onerada nas mãos de qualquer detentor e exercer sobre ela as prerrogativas de seu direito.
48 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
49 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
50 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
51 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
52 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
53 Neoplasmas: Tumor ou massa anormal de tecido decorrente do crescimento anormal ou divisão de células incontrolada e progressiva.
54 Pólipos: 1. Em patologia, é o crescimento de tecido pediculado que se desenvolve em uma membrana mucosa (por exemplo, no nariz, bexiga, reto, etc.) em resultado da hipertrofia desta membrana ou como um tumor verdadeiro. 2. Em celenterologia, forma individual, séssil, típica dos cnidários, que se caracteriza pelo corpo formado por um tubo ou cilindro, cuja extremidade oral, dotada de boca e tentáculos, é dirigida para cima, e a extremidade oposta, ou aboral, é fixa.
55 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
56 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
57 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.

Tem alguma dúvida sobre Muphoran?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.