Preço de Blaubimax em Fairfield/SP: R$ 0,00

Blaubimax

BLAU FARMACÊUTICA S.A.

Atualizado em 08/01/2021

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Blaubimax®
albumina1 humana
Injetável 20%

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável 
Embalagens contendo 1 frasco-ampola com 10, 50 ou 100 mL acompanhado de equipo para administração.
Embalagens contendo 1, 10 ou 100 frascos-ampola com 10, 50 ou 100 mL.

VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO:

Cada mL de Blaubimax®contém:

albumina1 humana 0,2 g
veículo q.s.p. 1 mL

Veículo: caprilato de sódio, cloreto de sódio, hidróxido de sódio, ácido clorídrico2 e água para injetáveis.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

A albumina1 humana é destinada para tratamento dos casos em que se necessite corrigir o volume de sangue3 e a quantidade de líquido nos tecidos como:

  • Cirrose4 do fígado5 ou problemas nos rins6, doenças e cirurgias no intestino e estômago7;
  • Queimaduras;
  • Edema8 cerebral;
  • Toxemia9 gravídica;
  • Sangramentos, perda de plasma10 e choque11 por redução do volume de sangue3;
  • Choque11 séptico;
  • Choque11 hemorrágico12;
  • Desidratação13 com deficiência de albumina1 pós cirurgia;
  • Circulação14 de sangue3 fora do corpo;
  • Icterícia15 em recém nascidos (cor amarelada);
  • Pressão baixa temporária durante a hemodiálise16;
  • Troca de plasma10;
  • Barriga d’água com dreno;
  • Infecções17 graves acompanhadas de grande perda de proteína (peritonite18, mediastinite);
  • Mau funcionamento do rim19, caso os diuréticos20 não funcionem;
  • Mau funcionamento do fígado5;
  • Falta de albumina1 após cirurgia;
  • Falta de albumina1 em bebês21 prematuros ou recém nascidos.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

A albumina1 humana é a proteína mais abundante no sangue3. A concentração média no plasma10 é 42 g/L. A albumina1 tem a capacidade de ligar-se à água: 1 grama22 de albumina1 liga-se a 18 gramas de água. Isso explica uma das funções mais importantes da albumina1, a manutenção do volume de sangue3.

A injeção23 de albumina1 humana provoca a saída dos líquidos dos tecidos para o sangue3 e um leve aumento na concentração de proteínas24 do sangue3.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

BLAUBIMAX® é contraindicado nas seguintes situações:

  • Alergia25 à albumina1;
  • Em pacientes que apresentam mau funcionamento do coração26, pressão alta, varizes27 no esôfago28, edema8 no pulmão29, doenças hemorrágicas30, anemia31 grave, diminuição da produção de urina32;
  • Em pacientes desidratados, a menos que, ao mesmo tempo, seja administrado líquido suficiente ao paciente por via oral ou por injeção23.

Não há contraindicações relativas à faixa etária para o uso de Blaubimax®.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Aos primeiros sinais33 de sobrecarga circulatória (dor de cabeça34, falta de ar, dilatação da veia do pescoço35) a infusão deve ser imediatamente interrompida.

Não foram observados efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas.

O produto pode ser utilizado em pacientes submetidos à diálise36 e em bebês21 prematuros, pois tem baixa concentração de alumínio.

Deve ser administrado com cuidado em pacientes idosos e que tem problemas no coração26.

Não deve ser injetado rapidamente, pois pode causar problemas na circulação14 do sangue3 e inchaço37 no pulmão29. A pressão dos pacientes deve ser verificada para que não haja aumento.

Pacientes com desidratação13 devem receber soro38 ao mesmo tempo. Deve ser injetado com cuidado em pacientes com anemia31.

Se ocorrer alergias, a administração deve ser imediatamente interrompida.

A hipótese de transmissão de doenças não pode ser completamente descartada, pois a albumina1 humana é fabricada a partir do sangue3.

Populações especiais

Idosos: Os pacientes idosos podem ter uma sensibilidade maior, por isso recomenda-se a devida precaução no tratamento destes pacientes.

Crianças: Usar o equivalente a um quarto ou meia dose de um adulto.

Gravidez39 e Lactação40

A segurança da albumina1 humana para uso durante a gravidez39 não foi estabelecida em estudos clínicos controlados.

Os estudos experimentais com animais são insuficientes para avaliar a segurança com relação à reprodução41, desenvolvimento do embrião ou do feto42, o progresso da gravidez39 e o desenvolvimento peri e pós-natal. Entretanto, a albumina1 é um constituinte normal do sangue3 humano. Até onde se sabe, albumina1 humana 20% pode ser utilizada durante a gravidez39 e amamentação43 de acordo com a prescrição, sem representar risco ao feto42.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações medicamentosas

A albumina1 administrada por injeção23 intravenosa não interage com medicamentos ou alimentos.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde44.

Este medicamento pode causar doping.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Manter em local fresco e ao abrigo da luz, entre 2–25°C. Conservar somente o frasco-ampola, se necessário, sob refrigeração. Não congelar.

Após a violação do frasco-ampola, o produto deve ser utilizado imediatamente.

Prazo de validade: 36 meses a partir da data de fabricação para as apresentações de 1 frasco-ampola com 50 ou 100 mL e 24 meses a partir da data de fabricação para a apresentação de 1 frasco-ampola com 10 mL.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem. Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

Líquido límpido amarelo esverdeado ou acastanhado.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Modo de usar

Uso intravenoso

Deve ser administrada dentro de quatro horas, após a abertura do frasco, caso exceda esse tempo deverá ser descartada.

O equipo deve ser descartável para prevenir contaminações.

Antes de usar, deve-se verificar visualmente se o conteúdo do frasco não está turvo e se não contém qualquer partícula. Em caso positivo, não utilize o frasco.

Se mantida sob refrigeração, a preparação deve ser trazida à temperatura ambiente antes da administração. Todo o conteúdo remanescente deverá ser descartado.

Deve ser administrado junto com líquidos concomitantemente com fluídos adicionais a pacientes com sintomas45 de desidratação13.

A solução de albumina1 humana não deve ser utilizada em temperatura muito abaixo da temperatura do corpo. Se a albumina1 for administrada rapidamente, pode provocar problemas no coração26, artérias46 e pulmão29.

A quantidade do produto, a diluição adequada e a duração do tratamento dependem do quadro clínico.

Se necessário, deve-se promover a hidratação do paciente, quando se utiliza BLAUBIMAX® (albumina1 humana 20%) sem diluição.

Posologia

Recomenda-se o seguinte esquema posológico:

Cirrose4 hepática47 ou nefrose48, doenças e cirurgias gastrointestinais: Usar albumina1 20% não diluída na velocidade de 35 a 70 gotas/minuto.

Queimaduras: Usar albumina1 20% não diluída na velocidade de 125 gotas/minuto, no volume total de 50 a 100 mL.

Edema8 cerebral: Usar albumina1 20% não diluída na velocidade de 35 a 70 gotas/minuto, no volume total de 50 a 100 mL.

Toxemia9 gravídica: Usar albumina1 20% não diluída na velocidade de 125 gotas/minuto, no volume total de 50 a 300 mL.

Hemorragia49, perda de plasma10 e choque hipovolêmico50Usar albumina1 20% não diluída na velocidade de 125 gotas/minuto, no volume total de 50 a 100 mL.

Desidratação13 com deficiência de albumina1 e estabilização do volume circulante pré, intra e pós operatória: Usar albumina1 20% diluída na velocidade de 125 gotas/minuto.

Perfusão extracorpórea (auxílio à circulação14): Administrar em quantidade proporcional à solução de perfusão.

Hiperbilirrubinemia do recém-nascido: Administrar albumina1 não diluída de 5 a 14 mL/kg de peso corporal.

Em adultos

Uma dosagem inicial de 100 mL é sugerida.

Quantidades adicionais podem ser injetadas conforme as indicações clínicas.

Em crianças

Uma dosagem equivalente a um quarto ou meia dose de um adulto.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Nunca tome duas doses ao mesmo tempo. Caso você esqueça de administrar uma dose, esta deverá ser administrada assim que possível, respeitando e seguindo, o intervalo determinado pelo seu médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

A frequência das reações adversas foi avaliada utilizando-se os seguintes critérios:

Categoria

Frequência

Muito comum

≥ 10%

Comum

≥ 1% e < 10%

Incomum

≥ 0,1% e < 1%

Raro

≥ 0,01% e < 0,1%

Muito raro

< 0,01%

Desconhecida

Não pode ser estimada pelos dados disponíveis

 

 

Muito Comum

Comum

Incomum

Rara

Muito rara

Doenças do sistema imune51

 

 

 

 

Choque anafilático52 devido à administração de albumina1

Doenças gastrintestinais

 

 

 

Náuseas53

 

Alterações dos tecidos cutâneos e subcutâneos

 

 

 

Rubor cutâneo54, erupções cutâneas55 devido à ingestão de albumina1

 

Alterações gerais e do local de administração

 

 

 

Febre56

 

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Nesse caso, podem ser observados os seguintes sintomas45: dor de cabeça34, falta de ar, aumento da pressão e inchaço37 pulmonar.

Nessas situações, a administração de BLAUBIMAX® (albumina1 humana 20%) deve ser imediatamente interrompida. Dependendo da situação clínica, o tratamento consiste na restrição de líquidos, aumento da quantidade de sangue3 que passa no coração26 e aumento da produção de urina32.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
USO RESTRITO A HOSPITAIS
 

Reg. MS nº 1.1637.0040
Farm. Resp.: Eliza Yukie Saito – CRF-SP n° 10.878

Registrado por:
Blau Farmacêutica S.A.
CNPJ 58.430.828/0001-60
Rodovia Raposo Tavares Km 30,5 - n° 2833 - Prédio 100
CEP 06705-030 - Cotia – SP
Indústria Brasileira

Fabricado por:
Sanquin Plasma10 Products B.V. - Amsterdã – Holanda

Importado e Embalado por:
Blau Farmacêutica S.A.
Rodovia Raposo Tavares Km 30,5 - n° 2833 - Prédio 200
CEP 06705-030 - Cotia – SP
Indústria brasileira


SAC 0800 701 6399

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
2 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
5 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
8 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
9 Toxemia: Intoxicação resultante do acúmulo excessivo de toxinas endógenas ou exógenas no sangue, em virtude de insuficiência relativa ou absoluta dos órgãos excretores (rins, fígado, etc.).
10 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
11 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
12 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
13 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
14 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
15 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
16 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
17 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
18 Peritonite: Inflamação do peritônio. Pode ser produzida pela entrada de bactérias através da perfuração de uma víscera (apendicite, colecistite), como complicação de uma cirurgia abdominal, por ferida penetrante no abdome ou, em algumas ocasiões, sem causa aparente. É uma doença grave que pode levar pacientes à morte.
19 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
20 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
21 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
22 Grama: 1. Designação comum a diversas ervas da família das gramíneas que formam forrações espontâneas ou que são cultivadas para criar gramados em jardins e parques ou como forrageiras, em pastagens; relva. 2. Unidade de medida de massa no sistema c.g.s., equivalente a 0,001 kg . Símbolo: g.
23 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
24 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
25 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
26 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
27 Varizes: Dilatação anormal de uma veia. Podem ser dolorosas ou causar problemas estéticos quando são superficiais como nas pernas. Podem também ser sede de trombose, devido à estase sangüínea.
28 Esôfago: Segmento muscular membranoso (entre a FARINGE e o ESTÔMAGO), no TRATO GASTRINTESTINAL SUPERIOR.
29 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
30 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
31 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
32 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
33 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
34 Cabeça:
35 Pescoço:
36 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
37 Inchaço: Inchação, edema.
38 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
39 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
40 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
41 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
42 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
43 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
44 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
45 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
46 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
47 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
48 Nefrose: Degeneração do epitélio tubular renal.
49 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
50 Choque hipovolêmico: Choque é um distúrbio caracterizado pelo insuficiente suprimento de sangue para os tecidos e células do corpo. O choque hipovolêmico tem como causa principal a perda de sangue, plasma ou líquidos extracelulares. É o tipo mais comum de choque e deve-se a uma redução absoluta e geralmente súbita do volume sanguíneo circulante em relação à capacidade do sistema vascular.
51 Sistema imune: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
52 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
53 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
54 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
55 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
56 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.

Tem alguma dúvida sobre Blaubimax?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.