MARCOUMAR

ROCHE

Atualizado em 09/12/2014


Femprocumona

                              ANTICOAGULANTE1 ORAL

Identificação do Produto do Marcoumar

Nome genérico

Femprocumona: 3-(1'-fenil-propil)-4-hidroxicumarina.

Forma Farmacêutica e Apresentação do Marcoumar

Comprimido - caixa com 25 comprimidos

USO ADULTO

- Composição

Cada comprimido contém: femprocumona: 3 mg.

Informações ao Paciente do Marcoumar

Este produto é prescrito pelos médicos para evitar a coagulação2 do sangue3 dentro dos vasos sangüíneos4. Por isso, ele pertence à classe dos medicamentos chamados de anticoagulantes5.

A eficácia plena do Marcoumar® não é observada imediatamente, mas ocorre 4 a 6 dias após o início do tratamento. Além disso, o tratamento com Marcoumar® só pode ser iniciado após o médico ter efetuado vários exames de laboratório. O uso deste medicamento exige uma vigilância constante do médico. Por isso, não tome o Marcoumar® por conta própria nem o ceda ou recomende a outras pessoas.

Antes de iniciar o tratamento com Marcoumar®, você deve informar seu médico, caso sofra de:

 hemorragias6 (perda de sangue3);

 doenças no fígado7;

 doenças nos rins8;

 doenças no estômago9 ou intestino;

 doenças do coração10 ou dos vasos sangüíneos4;

 pressão alta.

O uso do Marcoumar® também não deve ser realizado após cirurgias (operações), a não ser sob rígida
observação médica, principalmente nos casos de cirurgias nos pulmões11, órgãos genitais, estômago9 e vesícula12, bem como nos casos de doenças no coração10, arteriosclerose13 (doença dos vasos), pressão alta e doenças do fígado7.

Marcoumar® não deve ser usado durante a gravidez14 e a amamentação15.

A ação de Marcoumar® é muito alterada quando é utilizado junto com outros medicamentos. Portanto, antes de tomar Marcoumar®, avise seu médico caso esteja fazendo uso de outros medicamentos. Também, quando você estiver usando Marcoumar®, não tome outro remédio sem autorização do seu médico.

Além disso, a ação do Marcoumar® também é alterada quando são ingeridos alguns legumes frescos,
principalmente espinafre e couve. Avise seu médico quanto ao seu tipo de alimentação, antes de utilizar este medicamento.

Caso você esteja em tratamento com Marcoumar®, você não deve receber injeções no músculo e mesmo
sub-cutâneas16 (debaixo da pele17). Caso surjam alterações na pele17, avise imediatamente seu médico. Marcoumar® também pode provocar queda do cabelo18, em geral de forma temporária.

Seria recomendável que levasse sempre com você um atestado de seu médico, informando que você se encontra em tratamento com anticoagulantes5. Esta medida pode ser útil, particularmente em caso de emergência19.

Marcoumar® só deve ser utilizado mediante receita e controle médico.

Marcoumar® tem prazo de validade a partir da data de fabricação, impressa na parte externa da embalagem.
Não é recomendável o uso de qualquer remédio com prazo de validade vencido.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS. NÃO
TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA
A SUA SAÚDE20.

Informação Técnica do Marcoumar

Propriedades e Efeitos do Marcoumar

Marcoumar® inibe a coagulação2 sangüínea de forma específica, antagonizando a vitamina21 K nos sistemas enzimáticos, que atuam no fígado7 na formação de vários fatores de coagulação2 (fator II = protrombina22, fatores VII, IX e X). Marcoumar® pode ser considerado como um produto antivitamina K. O efeito anticoagulante1 de Marcoumar® não é imediato como o da heparina, porque essa ação não é exercida sobre os fatores de coagulação2 já sintetizados. Este efeito também não é observado in vitro.

O efeito de Marcoumar® sobre a coagulação2 processa-se no espaço de um a dois dias. A eficácia plena é
observada após quatro a seis dias de tratamento. Não existe a possibilidade de reduzir este período de ação, mesmo aumentando a dosagem preconizada23. A ação de Marcoumar® sobre a coagulação2 é controlada através da determinação do tempo de protrombina22 ou com métodos derivados desta determinação. Os tempos de coagulação2 obtidos podem ser convertidos em valores de Quick, considerando os tempos de protrombina22 observados nos controles ou, de preferência, em valores INR. A prolongada e regular ação do Marcoumar® é obtida com doses bem baixas e desaparece progressivamente. Graças à sua ação específica, exercida exclusivamente sobre os sistemas enzimáticos dependentes da vitamina21 K, o Marcoumar® não apresenta efeitos tóxicos sobre o fígado7. Por essa razão, este produto está particularmente indicado nos tratamentos de longa duração (meses ou anos).

Kanakion® (produzido à base de vitamina21 K1) está indicado para anular o efeito anticoagulante1 de
Marcoumar®.

Farmacocinética do Marcoumar

A femprocumona, princípio ativo de Marcoumar®, é rapidamente absorvida pelo trato gastrintestinal. Apenas uma pequena fração, mas sempre constante, da quantidade total de femprocumona no sangue3, encontra-se sob a forma livre, farmacologicamente ativa. Cerca de 99% da femprocumona está ligada às proteínas24 plasmáticas, principalmente à albumina25, o que lhe permite desenvolver uma função de depósito. O tempo de semi-eliminação plasmática é de aproximadamente 160 horas. A femprocumona, sob forma livre, sofre hidroxilação no fígado7, dando origem a metabólitos26 praticamente inativos, que são eliminados por via renal27.

A insuficiência renal28 não desempenha uma influência muito grande sobre a meia-vida.

Em virtude da permanência prolongada no organismo da femprocumona ligada às proteínas24 plasmáticas, o estado de equilíbrio só é alcançado alguns dias após uma modificação da dose de manutenção.

A eficácia de Marcoumar® pode ser reduzida em decorrência de uma indução metabólica (pelos barbitúricos, por exemplo) ou aumentada em decorrência da liberação da ligação às proteínas24 plasmáticas (pelos antiinflamatórios, por exemplo).

Indicações do Marcoumar

Profilaxia e tratamento de tromboses29, embolias e infarto do miocárdio30.

Restrições de Uso do Marcoumar

Marcoumar® não deve ser utilizado na vigência de diáteses hemorrágicas31, lesões32 graves do parênquima33 hepático, insuficiência renal28 manifesta, úlcera34 gastroduodenal, endocardite35 maligna prolongada, fragilidade vascular36 aumentada (devido a arteriosclerose13 avançada ou hipertensão37 severa), bem como após intervenções neurocirúrgicas.

Marcoumar® está formalmente contra-indicado durante a gravidez14 e lactação38.

Durante o tratamento com anticoagulantes5, convém não praticar angiografia39.

Uma observação particularmente atenta do paciente é imperiosa nos casos de ressecção pulmonar, intervenções sobre os órgãos genitais, estômago9 e vias biliares40, bem como nos casos de insuficiência cardíaca41, arteriosclerose13, hipertensão37 e hepatopatia benigna.

As hemorragias6 menstruais não constituem contra-indicação para o uso de Marcoumar®.

Interações Medicamentosas do Marcoumar

O clofibrate, os salicilatos, os anestésicos locais, bem como alguns antibióticos (cefalosporinas e cloranfenicol, por exemplo) e alguns antiinflamatórios aumentam a ação de Marcoumar®. Os barbitúricos, diuréticos42, glicosídeos cardíacos, corticosteróides, estrógenos (contraceptivos orais), como também os permutadores de ânions, diminuem o efeito do produto.

A administração concomitante de Marcoumar® e de sulfoniluréias43 pode aumentar a ação destas últimas (risco de hipoglicemia44).

Os legumes frescos (espinafre, várias espécies de couve) podem, devido ao seu teor de vitamina21 K1, reduzir a ação anticoagulante1 do Marcoumar® (principalmente aqueles que têm cozimento reduzido ou são consumidos em grande quantidade).

A fenilbutazona e a oxifembutazona não devem ser utilizadas nos pacientes em tratamento com Marcoumar®.

Reações Adversas do Marcoumar

Não devem ser aplicadas injeções intramusculares durante o tratamento anticoagulante1, devido ao risco de
hemorragia45 e hematoma46. As injeções sub-cutâneas16 são menos perigosas, enquanto as intravenosas não acarretam qualquer problema. Os pacientes tratados em ambulatório pelo Marcoumar®, devem levar consigo, a título de precaução em caso de urgência47, ampolas de Kanakion® 10 mg (incluindo o modo de usar), assim como uma declaração médica informando que o paciente encontra-se sob tratamento anticoagulante1.

No caso de utilização concomitante de salicilatos ou antibióticos (veja interações), são necessários controles mais freqüentes dos parâmetros da coagulação2 sangüínea.

Em caso de aparecimento - extremamente raro - de necroses cutâneas16 (mais freqüentemente causadas por
infartos cutâneos) no início do tratamento anticoagulante1, é necessário antagonizar o efeito de Marcoumar® com Kanakion® e substituí-lo imediatamente por Liquemine® (heparina). A prednisona pode ser administrada a título suplementar.

As manifestações de intolerância a nível do sistema digestivo48 são raras.

Marcoumar®, assim como outros derivados cumarínicos, pode provocar, em casos raros, uma alopécia49
temporária.

Pode ocorrer hepatite50 induzida por cumarínicos, com ou sem icterícia51. A interrupção do tratamento, geralmente resulta em recuperação.

Apesar da incidência52 de hepatite50 ser extremamente rara, a função hepática53 deve ser monitorizada em pacientes sob uso de Marcoumar® por períodos prolongados.

Posologia Padrão do Marcoumar

A posologia de Marcoumar® deve ser controlada tomando-se por base o tempo de protrombina22 ou um teste adequado, tal como um método que utiliza substratos cromógenos (ver controle do tratamento com
Marcoumar®). A primeira determinação deve ser realizada antes do início do tratamento com Marcoumar®.

Valor de Quick         Dose no 1º dia     Dose no 2º dia         Total dos dois
(antes do tratamento)                        primeiros dias
                             
 80 - 100%        5 comp.        3 comp.             8 comp.
 70%            5 comp.        2 comp.             7 comp.
 60%            4 comp.        2 comp.             6 comp.    
<60%        Efetuar pesquisa de
                               função hepática53


No terceiro dia, é necessário proceder a uma nova determinação e adaptar a posologia de acordo com o
resultado. Em geral, o valor de Quick deve ser abaixo de 15 a 25% do valor normal (INR: 2,5-5,0) e de
20-30% (INR: 1,5-2,5); somente então há risco anormalmente elevado de hemorragia45.

O tratamento de manutenção necessita de doses reduzidas de Marcoumar®, ou seja 1/2 a 2 comprimidos por dia.

A resposta ao tratamento varia grandemente em função dos pacientes; somente um controle regular dos
parâmetros de coagulação2 permite fixar a dose para cada caso em particular.

Ingerir os comprimidos com líquido, sem mastigá-los ou dissolvê-los previamente.

Orientações posológicas especiais

Profilaxia: Uma profilaxia de três a quatro semanas com Marcoumar® está indicada na maioria dos pacientes ameaçados por tromboses29. O tratamento anticoagulante1 deverá prosseguir até que a mobilização do paciente seja satisfatória. Uma interrupção prematura aumenta o risco de trombose54.

Marcoumar® deve ser administrado a partir do segundo ou terceiro dia após intervenção cirúrgica ou parto.

Tratamento: No caso de trombose54 aguda ou embolia55 pré-existente, é imperioso iniciar o tratamento
anticoagulante1 pela administração intravenosa de heparina (Liquemine®, por exemplo). Uma vez superada a fase aguda, isto é, no mínimo após dois dias (dez dias ou mais nos casos graves), o tratamento pode ser continuado com Marcoumar®. No primeiro dia da fase de transição, convém administrar ao paciente a dose inicial completa de Marcoumar® e mais a dose habitual de heparina, uma vez que a heparina não exerce uma ação prolongada e o efeito anticoagulante1 de Marcoumar® só se manifesta após um período de latência56. Durante esta fase de transição, torna-se necessário um controle particularmente estrito dos parâmetros da coagulação2. A duração do tratamento pela heparina está em função do tempo necessário para a obtenção do grau desejado de anticoagulação. A duração do tratamento com Marcoumar® depende das necessidades clínicas; o tratamento pode se estender por vários meses e, às vezes, por alguns anos.

Cuidados Especiais quando do tratamento com Marcoumar®

É indispensável um controle da ação do Marcoumar®, seja através da determinação do tempo de protrombina22, seja por um teste adequado (método que emprega substratos cromogênicos, por exemplo). A primeira determinação é realizada antes do tratamento, as seguintes, diariamente, ou de 2 em 2 dias. Uma vez adquirida uma experiência suficiente com a dose de manutenção, pode-se - verificando-se a ação constante do produto - espaçar os controles (uma determinação a cada 4 semanas, por exemplo), a não ser que ocorra uma modificação súbita do estado do doente ou do tratamento concomitante. Controles mais freqüentes são indispensáveis quando da administração simultânea de medicamentos (ver Interações), influenciando sua ação ou a eliminação dos anticoagulantes5 (antibióticos e salicilatos, por exemplo).

A dose terapêutica57 é determinada por cada método de determinação e por cada tromboplastina58 utilizada.
Tomando por base a tromboplastina58 do cérebro59 humano, a dose terapêutica57 está limitada pelos valores de Quick de 15 a 25%, ou seja valores INR de 2,5-5,0. No que concerne à profilaxia pré-operatória e per-operatória, os valores INR aconselhados são de 1,5-2,5.

Correção da hipocoagulabilidade

Se durante o tratamento por Marcoumar®, o grau de anticoagulação decresce abaixo do valor terapêutico limite, recomenda-se proceder a uma adaptação da dose e controlar novamente os parâmetros da coagulação2 dois dias depois.

As hemorragias6 ligeiras podem ser geralmente controladas pela administração de 5 a 10 mg de Kanakion®
(1/2 a 1 ampola de 10 mg) por via intramuscular exclusivamente. Em caso de correção insuficiente da
hipocoagulabilidade ou da persistência da hemorragia45 oito a doze horas após a administração de Kanakion®, convém administrar uma segunda dose do produto, eventualmente mais elevada.

Doses unitárias de 20 mg ou totais de 40 mg de Kanakion® devem ser consideradas como máximas. Doses muito elevadas, isto é, superiores a 40 mg, não devem ser administradas, pois elas tornariam difícil a continuação do tratamento com Marcoumar®.

No caso de situações que envolvam risco de vida (suspeita de hemorragia45 intracraniana, hemorragia45
gastrointestinal maciça, urgência47 cirúrgica, por exemplo), é necessário realizar imediatamente uma transfusão60 sangüínea com um concentrado de fatores de coagulação2 dependentes da vitamina21 K ou, eventualmente, de plasma61 fresco refrigerado.

Sintomas62 e Tratamento de Superdosagem do Marcoumar

Ver o item "Correção da hipocoagulabilidade".

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

Ver informações do laboratório

MARCOUMAR - Laboratório

ROCHE
Av. Engenheiro Billings, 1729 - Jaguaré
São Paulo/SP - CEP: 05321-900
Tel: 0800 7720 289
Fax: 0800 7720 292
Site: http://www.roche.com/
Estrada dos Bandeirantes, 2020
CEP: 22710-104
Rio de Janeiro - RJ

Ver outros medicamentos do laboratório "ROCHE"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
2 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
3 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
4 Vasos sangüíneos: Órgãos em forma de tubos que se ramificam por todo o organismo. Existem três tipos principais de vasos sangüíneos que são as artérias, veias e capilares.
5 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
6 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
9 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
10 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
11 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
12 Vesícula: Lesão papular preenchida com líquido claro.
13 Arteriosclerose: Doença degenerativa da artéria devido à destruição das fibras musculares lisas e das fibras elásticas que a constituem, levando a um endurecimento da parede arterial, geralmente produzido por hipertensão arterial de longa duração ou pelo envelhecimento.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
15 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
16 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
19 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
20 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
21 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
22 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
23 Preconizada: Recomendada, aconselhada, pregada.
24 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
25 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
26 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
27 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
28 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
29 Tromboses: Formações de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Podem ser venosas ou arteriais e produzem diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
30 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
31 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
32 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
33 Parênquima: 1. Célula específica de uma glândula ou de um órgão, contida no tecido conjuntivo. 2. Na anatomia botânica, é o tecido vegetal fundamental, que constitui a maior parte da massa dos vegetais, formado por células poliédricas, quase isodiamétricas e com paredes não lignificadas, a partir das quais os outros tecidos se desenvolvem. 3. Na anatomia zoológica, é a substância celular mole que preenche o espaço entre os órgãos.
34 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
35 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
36 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
37 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
38 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
39 Angiografia: Método diagnóstico que, através do uso de uma substância de contraste, permite observar a morfologia dos vasos sangüíneos. O contraste é injetado dentro do vaso sangüíneo e o trajeto deste é acompanhado através de radiografias seriadas da área a ser estudada.
40 Vias biliares: Conjunto de condutos orgânicos que conectam o fígado e a vesícula biliar ao duodeno. Sua função é conduzir a bile produzida no fígado, para ser armazenada na vesícula biliar e posteriormente ser liberada no duodeno.
41 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
42 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
43 Sulfoniluréias: Classe de medicamentos orais para tratar o diabetes tipo 2 que reduz a glicemia por ajudar o pâncreas a fabricar mais insulina e o organismo a usar melhor a insulina produzida.
44 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
45 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
46 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
47 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
48 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
49 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
50 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
51 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
52 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
53 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
54 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
55 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
56 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
57 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
58 Tromboplastina: Conhecida como fator tissular ou Fator III, a tromboplastina é uma substância presente nos tecidos e no interior das plaquetas. Ela tem a função de transformar a protrombina em trombina na presença de íons cálcio, atuando de maneira importante no processo de coagulação.
59 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
60 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
61 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
62 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.

Tem alguma dúvida sobre MARCOUMAR?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.