CRONOMET

Merck Sharp & Dohme

Atualizado em 08/12/2014

Composição de Cronomet

cada comprimido contém: carbidopa 50 mg,levodopa 200 mg.

Posologia e Administração de Cronomet

os comprimidos de Cronomet contém uma relação de 1:4 de carbidopa para levodopa (carbidopa 50 mg/levodopa 200 mg por comprimido). A posologia diária de Cronomet deve ser determinada através da titulação cuidadosa. Os pacientes devem ser monitorizados rigorosamente durante o período de ajuste das doses, particularmente em relação ao aparecimento ou piora de náuseas1 ou movimentos involuntários anormais, incluindo discinesias, coréia e distonia2. Cronomet pode ser administrado inteiro ou em metades. Para que as propriedades de liberação controlada do produto sejam mantidas, os comprimidos não devem ser mastigados ou esmagados. As drogas antiparkinsonianas padrões, que não a levodopa isoladamente, podem ser continuadas durante Cronomet apesar de a posologia poder necessitar de algum ajuste. Como a carbidopa previne a reversão dos efeitos da levodopa causados pela piridoxina, Cronomet pode ser dado a pacientes que recebam suplementos de piridoxina (vitamina3 B6). Posologia inicial: pacientes em tratamento com combinações convencionais de levodopa e inibidores da descarboxilase. A posologia de Cronomet deve ser ajustada para fornecer aproximadamente 10% a mais de levodopa por dia, embora possa ser preciso aumentá-la para até 30% a mais de levodopa, dependendo da resposta clínica. O intervalo entre as doses de Cronomet deve ser de 4 a 8 horas, durante o dia. Segue abaixo um guia para se iniciar o tratamento com Cronomet: diretrizes para conversão inicial de um inibidor da descarboxilase + levodopa para Cronomet: inibidor da descaboxilase/levodopa (dose diária toral* de levodopa em mg) x Cronomet 50/200 (esquema sugerido): 300-400: 1 comprimido 2 vezes/dia. 500-600: 11/2 comprimido 2 vezes/dia ou 1 comprimido 3 vezes/dia. 700-800: 4 comprimidos no total divididos em 3 tomadas (+). 900-1000: 5 comprimidos no total divididos em 3 ou mais tomadas (++). (*) Para outras posologias não apresentadas na tabela, veja acima Posologia Inicial - Pacientes em tratamento com combinações convencionais de levodopa e inibidores da descarboxilase. (+) Por exemplo: 1 1/2 - 1 1/2 - 1. (++) Por exemplo: 2 - 2 - 1. Pacientes em tratamento com levodopa isoladamente: a levodopa deve ser descontinuada pelo menos 8 horas antes do início da terapia com Cronomet. Em pacientes com doença leve a moderada, a dose inicial recomendada é de 1 comprimido de Cronomet 2 a 3 vezes ao dia. Pacientes que não recebem levodopa: em pacientes com doença leve a moderada, a dose inicial recomendada é de 1 comprimido de Cronomet 2 a 3 vezes ao dia. Posologias iniciais não devem exceder a 600 mg por dia de levodopa, nem serem dadas em intervalos menores de 6 horas. Titulação: após o início da terapia, as doses e o intervalo podem ser aumentados ou diminuídos, dependendo da resposta terapêutica4. A maioria dos pacientes é adequadamente tratada com 2 a 8 comprimidos por dia, administrados em doses divididas a intervalos variando de 4 a 12 horas, durante o dia. Doses maiores (até 12 comprimidos) e a intervalos mais curtos (menores do que 4 horas) foram utilizadas, mas não são geralmente recomendadas. Quando as doses de Cronomet são dadas em intervalos menores do que 4 horas, ou quando as doses divididas não forem iguais, recomenda-se que as doses menores sejam dadas no final do dia. Em alguns pacientes, o início do efeito da primeira dose da manhã pode ser retardado por até uma hora, em comparação com a resposta individualmente obtida com a primeira dose matinal de Sinemet. É recomendado o intervalo de pelo menos 3 dias entre os ajustes das doses. Manutenção: como a doença de Parkinson5 é progressiva, avaliações periódicas são recomendadas e ajustes do regime posológico de Cronomet podem ser necessários. Adição de outras medicações antiparkinsonianas: agentes anticolinérgicos, antagonistas da dopamina6 e amantadina podem ser dados com Cronomet. Ajustes posológicos de Cronomet podem ser necessários, quando estes agentes são adicionados a um tratamento preexistente com Cronomet. Interrupção da terapia: os pacientes devem ser observados cuidadosamente se for necessária redução abrupta ou descontinuação de Cronomet, especialmente naqueles que recebem neurolépticos7. Se for necessária anestesia8 geral, Cronomet pode ser continuado enquanto for permitido ao paciente tomar medicações orais. Se a terapia for interrompida temporariamente, a posologia usual deve ser administrada tão logo o paciente possa tomar medicação oral. Superdosagem: o tratamento da superdosagem aguda com Cronomet é basicamente o mesmo da superdosagem de levodopa; entretanto, a piridoxina não é eficaz para a reversão das ações de Cronomet. Devem ser empregadas medidas gerais de suporte, associadas a lavagem gástrica9 imediata. Fluídos intravenosos devem ser dados com cuidados e as vias aéreas mantidas adequadamente. Deve-se instituir monitorização eletrocardiográfica e observação cuidadosa quanto ao desenvolvimento de arritmias10; se necessário, devem ser drogas antiarrítmicas apropriadas. Deve-se considerar a possibilidade de o paciente ter tomado outras drogas, além de Cronomet. Até o momento não foi relatada a experiência com diálise11; portanto, seu valor na superdosagem é desconhecido.

Precauções de Cronomet

quando os pacientes estiverem recebendo monoterapia com levodopa, esta deve ser descontinuada pelo menos 8 horas antes do início da terapia com Cronomet (ou pelo menos 12 horas, se tiver sido administrada levodopa pura de liberação lenta). Podem ocorrer discinesias em pacientes previamente tratados com levodopa apenas, pois a carbidopa permite que mais levodopa atinja o cérebro12 e, portanto, mais dopamina6 seja formada. A ocorrência de discinesias pode requerer redução posológica. Como com a levodopa, Cronomet pode causar movimentos involuntários e distúrbios mentais. Essas reações são consideradas devidas ao aumento da dopamina6 cerebral após a administração de levodopa. A redução posológica pode ser necessária. Todos os pacientes devem ser observados cuidadosamente quanto ao desenvolvimento de depressão com tendências suicidas concomitantes. Os pacientes com história passada ou atual de psicose13 devem ser tratados com cautela. Cronomet deve ser administrado cautelosamente aos pacientes com doença cardiovascular ou pulmonar grave, asma14 brônquica, doença endócrina, hepática15 ou renal16, doença péptica ulcerosa ou convulsões. Deve-se ter cuidado ao administrar Cronomet a pacientes com história de infarto17 de miocárdio18 recente, que tenham arritmias10 ventriculares, nodais ou atriais residuais. Nesses pacientes, a função cardíaca deve ser monitorizada, com particular atenção durante o período de administração inicial e titulação. Os pacientes com glaucoma19 de ângulo aberto crônico20 podem ser tratados cuidadosamente com Cronomet, desde que a pressão intra-ocular esteja bem controlada e o paciente monitorizado estritamente quanto a mudanças na pressão intra-ocular durante o tratamento. Um complexo sintomático21 que lembra a síndrome22 neuroléptica maligna, com rigidez muscular, elevação da temperatura corpórea, alterações mentais e aumento da CPK sérica foi relatado quando os agentes antiparkinsonianos foram retirados abruptamente. Portanto, os pacientes devem ser observados cuidadosamente, quando a posologia de combinações levodopa-carbidopa forem reduzidas abruptamente ou descontinuadas, em especial se tiver recebido neurolépticos7. Cronomet não é recomendado para o tratamento de reações extrapiramidais induzidas por drogas. Avaliações periódicas de função renal16, cardiovascular, hematopoiética e hepáticas23 são recomendadas durante terapia a longo prazo. Exames de laboratório: ocorreram várias anormalidades em exames de laboratório com preparações levodopa-carbidopa e que podem ocorrer com Cronomet. Incluem elevações dos testes de função hepáticas23, tais como, fosfatase alcalina24, TGO (AST), TGP (ALT), desidrogenase lática25, bilirrubinas26, uréia27 e positividade do teste de Coombs. As preparações de levodopa-carbidopa, podem causar falsa reação positiva para corpos cetônicos urinários, quando se utiliza um teste de fita para a determinação de cetonúria28. Esta reação não será alterada pela fervura da amostra. Testes falso-negativos podem resultar do uso de métodos da glicose29 oxidase para testar a glicosúria30. - Gravidez31: o uso de Cronomet em mulheres férteis requer que os benefícios antecipados da droga sejam contrapostos aos possíveis riscos, se ocorrer gravidez31. - Nutrizes32: não se sabe se a carbidopa ou a levodopa são secretadas no leite humano. Como muitas drogas são secretadas desta forma e, em virtude do potencial para reações adversas graves em lactentes33, deve-se decidir entre descontinuar a amamentação34 ou o uso de Cronomet, levando em consideração a importância da droga para a mãe. - Uso em crianças: a eficácia e segurança de Cronomet em crianças não foi estabelecida, e o uso em pacientes abaixo de 18 anos de idade não é recomendado. - Interações medicamentosas: deve-se ter cautela quando Cronomet for administrado concomitantemente com as seguintes drogas: agentes anti-hipertensivos: ocorreu hipotensão35 postural sintomática36 quando combinações de levodopa/inibidores da descarboxilase foram adicionados ao tratamento de pacientes recebendo algumas drogas anti-hipertensivas. Portanto, quando a terapia com Cronomet for iniciada, pode ser necessário ajuste posológico das drogas anti-hipertensivas. Antidepressivos: houve raros relatos de reações adversas, incluindo hipertensão37 e discinesia, resultando do uso concomitante de antidepressivos tricíclicos e preparações de levodopa-carbidopa. (Para pacientes38 recebendo inibidores da monoaminooxidase A, veja Contra-indicações). Outras drogas: as fenotiazidas e o butirofenonas podem reduzir os efeitos terapêuticos da levodopa. Além disso, os efeitos benéficos da levodopa na doença de Parkinson5 foram revertidos pela fenitoína e papaverina, em alguns relatos. Os pacientes que usam estas drogas com Cronomet devem ser observados cuidadosamente quanto à perda da resposta terapêutica4.

Reações Adversas de Cronomet

em estudos clínicos controlados com pacientes com flutuações motoras moderadas ou intensas, Cronomet não produziu efeitos colaterais39 que fossem próprios da formulação de liberação controlada. O efeito colateral40 relatado mais freqüentemente foi a discinesia (uma forma de movimento anormal involuntário). Incidência41 um pouco maior de discinesias foi encontrada com Cronomet, em relação a Sinemet, devido à diminuição do tempo sem tratamento (off), que é substituído pelo tempo com droga (on) (que algumas vezes é acompanhado por discinesias). Outros efeitos colaterais39 relatados freqüentemente foram: náuseas1, alucinações42, confusão, tonturas43, coréia e boca44 seca. Efeitos colaterais39 que ocorreram menos freqüentemente foram: alterações dos sonhos, distonia2, sonolência, insônia, astenia45, depressão, vômitos46 e anorexia47. Efeitos colaterais39 observados raramente foram: cefaléia48, fenômenos on-off, obstipação49, desorientação, parestesias50, dispnéia51, fadiga52, efeitos ortostáticos, palpitações53, dispepsia54, dor gastrintestinal, câimbras55 musculares, distúrbios e movimentos extrapiramidais, redução da acuidade mental, dor torácica, diarréia56, perda de peso, agitação, distúrbios da ansiedade, queda, anormalidades da marcha, visão57 embaraçada. Estão listados abaixo outros efeitos colaterais39 relatados com levodopa ou combinações levodopa-carbidopa que são efeitos colaterais39 potenciais de Cronomet: sistema nervoso58: ataxia59, entorpecimento, aumento do tremor das mãos60, contrações musculares, blefarospasmo, câimbras55, trismo, ativação de síndrome22 de Horner latente. Psiquiátricos: sonolência, euforia, ideação paranóide, demência61 e episódios psicóticos. Gastrintestinais: gosto amargo, sialorréia62, disfagia63, bruxismo, soluços, sangramento gastrintestinal, flatulência, sensação de queimação na língua64 e desenvolvimento de úlcera duodenal65. Cardiovasculares: irregularidades cardíacas, hipertensão37, flebite66. Tegumentários: rubor facial, sudorese67 aumentada, suor escuro, erupção68 cutânea69, queda de cabelo70. Urogenitais: retenção urinária71, incontinência urinária72, urina73 escura, priapismo74. Sentidos especiais: diplopia75, midríase76, crises oculógiras. Vários: fraqueza, desmaios, fadiga52, cefaléia48, rouquidão, mal-estar, fogachos, sensação de estimulação, padrões respiratórios bizarros, hipertensão37, flebite66, síndrome22 neuroléptica maligna, melanoma77 maligno, leucopenia78, anemia hemolítica79 e não hemolítica, trombocitopenia80, agranulocitose81. Ocorreram convulsões, entretanto, não foi estabelecida uma relação causal com a levodopa ou combinações carbidopa-levodopa. Testes de laboratórios: os testes de laboratórios relatados como anormais foram fosfatase alcalina24, TGO, TGP, desidrogenase lática25, bilirrubinas26, nitrogênio uréico e teste de Coombs.

Contra-Indicações de Cronomet

não se deve usar simultaneamente inibidores da monoaminoxidase82 e Cronomet (exceto doses baixas de inibidores da MAO83-B): esses inibidores devem ser interrompidos 2 semanas antes de se iniciar o tratamento com Cronomet. Cronomet é contra-indicado em pacientes com notória hipersensibilidade a este medicamento e no glaucoma19 de ângulo estreito. Dada a possibilidade de a levodopa ativar o melanoma77 maligno, o produto não deve ser utilizado em pacientes com lesões84 cutâneas85 suspeitas ou não diagnosticadas, ou com história de melanoma77.

Indicações de Cronomet

doença de Parkinson5 idiopática86. Parkinsonismo pós-encefalítico. Parkinsonismo sintomático21 (intoxicação por manganês ou monóxido de carbono87). Pacientes com doença de Parkinson5 ou parkinsonismo que usam preparações vitamínicas contendo piridoxina. Para reduzir o tempo sem tratamento (off) em pacientes previamente tratados com preparações de levodopa/inibidor da descarboxilase, ou com levodopa apenas, que apresentam flutuações motoras caracterizadas por deterioração de final de dose, discinesias de pico, acinesia ou evidências semelhantes de distúrbios motores de curta duração.

Apresentação de Cronomet

50/200 mg Comp CT c/ 2 Str X 10.


CRONOMET - Laboratório

Merck Sharp & Dohme
Rua 13 de Maio, 815
Sousas, Campinas/SP
Tel: 0800-122232
Site: http://www.msdonline.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Merck Sharp & Dohme"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
2 Distonia: Contração muscular involuntária causando distúrbios funcionais, dolorosos e estéticos.
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
5 Doença de Parkinson: Doença degenerativa que afeta uma região específica do cérebro (gânglios da base), e caracteriza-se por tremores em repouso, rigidez ao realizar movimentos, falta de expressão facial e, em casos avançados, demência. Os sintomas podem ser aliviados por medicamentos adequados, mas ainda não se conhece, até o momento, uma cura definitiva.
6 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
7 Neurolépticos: Medicamento que exerce ação calmante sobre o sistema nervoso, tranquilizante, psicoléptico.
8 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
9 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
10 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
11 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
12 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
13 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
14 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
17 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
18 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
19 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
20 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
21 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
22 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
23 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
24 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
25 Lática: Diz-se de ou ácido usado como acidulante e intermediário químico; láctica.
26 Bilirrubinas: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
27 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
28 Cetonúria: Condição que ocorre quando as cetonas estão presentes na urina, um sinal de alerta na cetoacidose diabética.
29 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
30 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
31 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
32 Nutrizes: Mulheres que amamentam; amas de leite; que alimentam.
33 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
34 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
35 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
36 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
37 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
38 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
39 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
40 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
41 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
42 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
43 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
44 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
45 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
46 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
47 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
48 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
49 Obstipação: Prisão de ventre ou constipação rebelde.
50 Parestesias: São sensações cutâneas subjetivas (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação.
51 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
52 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
53 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
54 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
55 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
56 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
57 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
58 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
59 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
60 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
61 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
62 Sialorreia: Produção excessiva de saliva; hipersialose. Escoamento de saliva para fora da boca, geralmente por causa de problemas de deglutição ou paralisia facial.
63 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
64 Língua:
65 Úlcera duodenal: Lesão na mucosa do duodeno – parte inicial do intestino delgado.
66 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
67 Sudorese: Suor excessivo
68 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
69 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
70 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
71 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
72 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
73 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
74 Priapismo: Condição, associada ou não a um estímulo sexual, na qual o pênis ereto não retorna ao seu estado flácido habitual. Essa ereção é involuntária, duradora (cerca de 4 horas), geralmente dolorosa e potencialmente danosa, podendo levar à impotência sexual irreversível, constituindo-se numa emergência médica.
75 Diplopia: Visão dupla.
76 Midríase: Dilatação da pupila. Ela pode ser fisiológica, patológica ou terapêutica.
77 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
78 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
79 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
80 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
81 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
82 Inibidores da monoaminoxidase: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
83 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
84 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
85 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
86 Idiopática: 1. Relativo a idiopatia; que se forma ou se manifesta espontaneamente ou a partir de causas obscuras ou desconhecidas; não associado a outra doença. 2. Peculiar a um indivíduo.
87 Monóxido de carbono: Gás levemente inflamável, incolor, inodoro e muito tóxico ao organismo.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre CRONOMET?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.