Preço de Nutriflex Lipid peri em Wilmington/SP: R$ 1567,52

Nutriflex Lipid peri

LABORATÓRIOS B. BRAUN S/A

Atualizado em 19/06/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

NuTRIflex® Lipid peri
poliaminoácidos + glicose1 + emulsão lipídica + eletrólitos2
Injetável 

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Sistema fechado de infusão em bolsas plásticas de câmara tripla
Embalagem contendo: 5 unidades de 1250 mL por caixa; 5 unidades de 1875 mL por caixa.

VIA INTRAVENOSA
USO ADULTO e PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS

COMPOSIÇÃO:

Cada bolsa de NuTRIflex® Lipid peri 1250 mL contém:

glicose1 monoidratada (equivalente a 80 g de glicose1 anidra) 88 g
fosfato de sódio monobásico di-hidratado 1,17 g
acetato de zinco di-hidratado 6,625 mg
isoleucina 2,34 g
leucina 3,13 g
cloridrato de lisina 2,84 g
metionina 1,96 g
fenilalanina3 3,51 g
treonina 1,82 g
triptofano 0,57 g
levovalina 2,60 g
arginina 2,70 g
cloridrato de histidina monoidratado 1,69 g
alanina 4,85 g
ácido aspártico 1,50 g
ácido glutâmico 3,50 g
glicina 1,65 g
prolina 3,40 g
serina 3,00 g
hidróxido de sódio 0,80 g
cloreto de sódio 1,08 g
acetato de sódio tri-hidratado 0,54 g
acetato de potássio 2,94 g
acetato de magnésio tetraidratado 0,64 g
cloreto de cálcio di-hidratado 0,44 g
óleo de soja (25 g de triglicerídeos de cadeia média) 25,0 g
excipiente q.s.p. 1250 mL

Excipientes: ácido cítrico monoidratado, glicerol, lecitina de ovo4, oleato de sódio e água para injetáveis.


Cada bolsa de NuTRIflex® Lipid peri 1850 mL contém:

glicose1 monoidratada (equivalente a 120 g de glicose1 anidra) 132,0 g
fosfato de sódio monobásico di-hidratado 1,75 g
acetato de zinco di-hidratado 9,938 mg
isoleucina 3,51 g
leucina 4,70 g
cloridrato de lisina 4,26 g
metionina 2,94 g
fenilalanina3 5,27 g
treonina 2,73 g
triptofano 0,86 g
levovalina 3,90 g
arginina 4,05 g
cloridrato de histidina monoidratado 2,54 g
alanina 7,28 g
ácido aspártico 2,25 g
ácido glutâmico 5,25 g
glicina 2,48 g
prolina 5,10 g
serina 4,50 g
hidróxido de sódio 1,20 g
cloreto de sódio 1,62 g
acetato de sódio tri-hidratado 0,82 g
acetato de potássio 4,41 g
acetato de magnésio tetraidratado 0,96 g
cloreto de cálcio di-hidratado 0,66 g
óleo de soja (37,5 g de triglicerídeos de cadeia média) 37,5 g
excipiente q.s.p. 1850 mL

Excipientes: ácido cítrico monoidratado, glicerol, lecitina de ovo4, oleato de sódio e água para injetáveis.


Conteúdo Eletrolítico:

  NuTRIflex® Lipid peri
1250 mL
NuTRIflex® Lipid peri
1850 mL
Na+ 50,0 mmol 75,0 mmol
K+ 30,0 mmol 45,0 mmol
Ca++ 3,0 mmol 4,5 mmol
Mg++ 3,0 mmol 4,5 mmol
C|– 48,0 mmol 72,0 mmol
H2PO4– 7,5 mmol 11,25 mmol
Zn++ 0,03 mmol 0,04 mmol
CH3COO– 40,0 mmol 60,0 mmol
aminoácidos  40,0 g 60,0 g
carboidratos 80,0 g 120,0 g
lipídios 50,0 g 75,0 g
nitrogênio 5,7 g 8,6 g
Caloria5 total 4000 KJ (955 Kcal) 6000 KJ (1435 Kcal)
Osmolaridade6 840 mOsmol/L 840 mOsmol/L
Osmolalidade7 920 mOsmol/Kg 920 mOsmol/Kg
pH 5,0–6,0 5,0–6,0

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Nutriflex® Lipid peri é destinado a Nutrição Parenteral8.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

O produto Nutriflex® Lipid peri, envasado em bolsas de plástico flexível de câmara tripla, foi desenvolvido para proporcionar todos os ingredientes necessários para Nutrição Parenteral8 Total, porém evitando a possível interação entre os constituintes.

A apresentação do produto envasado em bolsa de plástico flexível de câmara tripla, as quais estão conectadas através de um selo rompível, permitindo a administração simultânea de componentes em concentrações ideais para as necessidades humanas.

A separação física do conteúdo das câmaras evita a interação entre os componentes durante a esterilização e armazenamento. O envase bolsa de plástico flexível de câmara tripla permite uma mistura totalmente asséptica das soluções imediatamente antes da administração.

A composição de Nutriflex® Lipid peri contém todos os componentes necessários para o metabolismo9 no organismo, que vem em forma de aminoácidos, lipídeos, glicose1 e eletrólitos2.

Nutriflex® Lipid peri contém 16 aminoácidos sintéticos em sua forma levógira10 metabolizada pelo organismo.

A formulação se baseia na composição da proteína do ovo4, ou seja, 45,5% de aminoácidos essenciais e 20,2% de cadeia ramificada.

Além dos 8 aminoácidos essenciais, Nutriflex® Lipid peri contém os aminoácidos semi-essenciais histidina e glicina, indispensáveis para pacientes11 com uremia12 e hiperamonemia.

Os seis aminoácidos restantes são não-essenciais e proporcionam uma quantidade de nitrogênio suficiente para conseguir um estado de equilíbrio no organismo.

Nutriflex® Lipid peri contém glicose1 como fonte energética em Nutrição Parenteral8, já que sua degradação leva a uma importante proporção de energia celular. A glicose1 também é indispensável para o metabolismo9 eritrocitário13 e cerebral.

Para que os aminoácidos em Nutrição Parenteral8 sejam utilizados de forma otimizada na síntese protéica, deve- se administrar simultaneamente calorias14 para conseguir uma relação energia/nitrogênio suficiente.

Ainda que as quantidades de eletrólitos2 necessários para o metabolismo9 dependam da situação clínica do paciente, se necessita de uma concentração básica mínima para os diversos processos metabólicos e enzimáticos.

As quantidades de eletrólitos2 presente em Nutriflex® Lipid peri são suficientes para desenvolvimento destes processos:

  • O potássio é necessário para a síntese protéica.
  • O sódio e o cloreto garantem o equilíbrio hídrico.
  • O magnésio é um ativador enzimático e ajuda a manter a estabilidade da membrana celular15.
  • O fosfato intervém na maioria das reações associadas à transferência de energia.
  • O cálcio é um ativador enzimático e desempenha um papel essencial na permeabilidade16 das membranas celulares. Também intervém na coagulação17.

Na maioria das Nutrições Parenterais Totais, existe o risco de hipofosfatemia, devido ao fato do cálcio e o fosfato que devem ser administrados conjuntamente, poderem formar complexos insolúveis durante a esterilização.

O envase em bolsas de plástico flexível de câmara tripla neste caso, apresenta a vantagem de permitir que estes dois íons18 permaneçam separados fisicamente até a ocasião da administração.

Devido a sua alta densidade energética, os lipídeos são uma eficiente forma de fornecimento de energia e supre o organismo com ácidos graxos essenciais para a síntese dos componentes celulares e prostaglandinas19. Por esse motivo, a emulsão de lipídeos contém triglicerídeos de cadeia média e de cadeia longa (óleo de soja).

Os triglicerídeos de cadeia média são mais rapidamente hidrolisados, eliminados da circulação20 e oxidados completamente do que os triglicerídeos de cadeia longa. Eles são fonte de energia de escolha, particularmente quando há um distúrbio de degradação e/ou, utilização de triglicerídeos de cadeia longa, por exemplo, quando há uma deficiência de lipoproteína lipase, deficiências nos co-fatores da lipoproteína lipase.

Os ácidos graxos insaturados são fornecidos somente através de triglicerídeos de cadeia longa, que por conseguinte, servem principalmente para a profilaxia e tratamento com ácidos graxos essenciais e somente depois como fonte de energia.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

NuTRIflex® Lipid peri não deve ser administrado nas seguintes condições:

  • distúrbios do metabolismo9 dos aminoácidos;
  • distúrbios do metabolismo9 dos lipídeos;
  • hipercalemia21;
  • hiponatremia22;
  • metabolismo9 instável;
  • hiperglicemia23 que não responde a doses de insulina24 de até 6 unidades de insulina24/ hora;
  • acidose25 ;
  • colestase26 intra-hepática27;
  • insuficiência hepática28 grave;
  • insuficiência renal29 grave;
  • insuficiência cardíaca30 manifesta;
  • diátese hemorrágica31 agravante;
  • fases agudas de acidente vascular cerebral32 e infarto33 cardíaco;
  • eventos trombo34-embólicos agudos;
  • embolismo35 lipídico;
  • hipersensibilidade conhecida à proteína de soja e de ovo4 ou a qualquer um dos componentes.

São contraindicações gerais para nutrição parenteral8:

  • estado circulatório instável com ameaça vital (estados de colapso36 e choque37)
  • fornecimento de oxigênio celular inadequado
  • estados de hiperidratação
  • distúrbios do balanço de fluidos e de eletrólitos2
  • edema pulmonar38 agudo39 e insuficiência cardíaca30 descompensada.

Nutriflex® Lipid peri é contraindicado em neonatos40, lactantes41 e crianças até 24 meses de idade, considerando as suas distintas necessidades nutricionais.

Categoria de risco na gravidez42: C

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião- dentista.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Deve-se ter cautela em casos de osmolaridade6 sérica aumentada.

Como para todas as soluções de infusão de grande volume, NuTRIflex® Lipid peri deve ser administrado com cautela em pacientes com deficiência cardíaca ou renal43.

Distúrbio de balanço de fluidos, de eletrólitos2 e ácido-base, por exemplo hiperidratação, hipercalemia21, acidose25, devem ser corrigidos antes do inicio da infusão. A infusão muito rápida pode conduzir a uma sobrecarga de fluidos com concentrações séricas patológicas de eletrólitos2, hiperidratação e edema pulmonar38.

A concentração sérica de triglicerídeos deve ser monitorada quando da infusão de NuTRIflex® Lipid peri.

Lipemia de jejum deve ser excluída em pacientes com suspeita de distúrbios, do metabolismo9 dos lipídeos antes do inicio da infusão. A administração de lipídeos é contraindicada se houver lipemia de jejum. A presença de hipertrigliceridemia 12 horas após a administração de lipídeos também indica a presença de um distúrbio do metabolismo9 dos lipídeos.

NuTRIflex® Lipid peri deve ser administrado com cautela em pacientes com distúrbios do metabolismo9 dos lipídeos, por exemplo, insuficiência renal29, diabetes mellitus44, pancreatite45, deficiência hepática27, hipotireoidismo46 (com hipertrigliceridemia), e sepsis. Se NuTRIflex® Lipid peri é fornecido a pacientes nessas condições, o monitoramento rigoroso do nível sérico de triglicerídeos é obrigatório.

Qualquer sinal47 ou sintoma48 de reação anafilática49 (tal como febre50, tremor, “rash” ou dispnéia51) deve conduzir à interrupção imediata da infusão.

Dependendo das condições metabólicas do paciente, podem ocorrer ocasionalmente hipertrigliceridemia ou aumentos da concentração sangüínea da glicose1. Se a concentração plasmática de triglicerídeos aumentar para uma faixa maior do que 3 mmol/L52 durante a administração de lipídeos, recomenda-se que a taxa de infusão seja reduzida.

Se a concentração plasmática de triglicerídeos permanecer em faixas acima de 3 mmol/L52, a administração deve ser interrompida até que o nível normalize.

Uma redução da dose ou interrupção da administração é também indicada se a concentração sangüínea de glicose1 aumentar para faixas acima de 14 mmol/L52 (250 mg/dl53) quando da administração de lipídeos.

Como com todas as soluções contendo carboidratos, a administração de NuTRIflex® Lipid peri pode conduzir a hiperglicemia23. O nível sanguíneo de glicose1 deve ser monitorado. Se houver hiperglicemia23, a taxa de infusão deve ser reduzida ou deve-se administrar insulina24.

A infusão intravenosa de aminoácidos é acompanhada pela excreção urinária aumentada de elementos traços, especialmente cobre e, em particular, zinco. Isso deve ser considerado na dosagem de elementos traços, especialmente durante a nutrição54 intravenosa prolongada.

NuTRIflex® Lipid peri não deve ser fornecido simultaneamente com sangue55 no mesmo equipo de infusão devido ao risco de pseudo-aglutinação.

O ionograma sérico, o balanço hídrico, os níveis séricos de glicose1 e o equilíbrio ácido-base devem ser monitorados.

O conteúdo de lipídeos pode interferir com certas análises laboratoriais (por exemplo, bilirrubina56, lactato57 desidrogenase, saturação de oxigênio) se forem colhidas amostras de sangue55 antes dos lipídeos terem sido adequadamente retirados da corrente sangüínea. Pode ser necessário, quando solicitado a substituição de eletrólitos2, vitaminas e elementos traços.

Como NuTRIflex® Lipid peri contém zinco e magnésio, deve-se ter cuidado quando o produto é administrado com soluções contendo esses elementos.

Como com todas as soluções intervenosas são necessárias precauções assépticas restritas para a infusão de NuTRIflex® Lipid peri.

NuTRIflex® Lipid peri é uma preparação de composição complexa. Portanto, é aconselhável não adicionar outras soluções.

Pacientes idosos

Não há uma dose diferenciada da recomendada para adultos. Porém, deve-se observar a velocidade de administração do produto e analisar as reações que possam ocorrer no paciente.

Gravidez42 e lactação58

Estudos pré-clínicos não foram realizados com o Nutriflex® Lipid peri. O clínico deve considerar a relação risco/beneficio antes de administrar o Nutriflex® Lipid peri a uma mulher grávida.

A amamentação59 não é recomendada se a mulher necessita de nutrição parenteral8 nessa época.

Categoria de risco na gravidez42: categoria C

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião- dentista.

Interações medicamentosas

Algumas drogas, como a insulina24, podem interferir com o sistema lipase do organismo. Esse tipo de interação parece, contudo, ser de somente importância clínica limitada.

A heparina administrada em dosagens clínicas causa uma liberação transitória de lipoproteína lipase na circulação20. Isso pode resultar inicialmente em lipólise aumentada no plasma60 seguido de um decréscimo transitório no "clearance" dos triglicerideos.

O óleo de soja possui um teor de vitamina61 K1. Isso pode interferir com o efeito terapêutico dos derivados da cumarina que deve ser monitorado rigorosamente em pacientes tratados com tais drogas.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use o medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde62.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Conservar abaixo de 25°C . Não Congelar. Proteger da Luz. O produto congelado deve ser descartado.

Nutriflex® Lipid peri deve ser mantido em sua embalagem original.

O produto deve ser transportado com os cuidados necessários para não danificar a embalagem ou seu conteúdo.

Prazo de validade:

NuTRIflex® Lipid peri possui prazo de validade de 24 meses, a partir da data de fabricação, desde que a embalagem original esteja íntegra.

Após abertura do recipiente:

A emulsão deve ser utilizada imediatamente após a abertura da bolsa.

Após mistura, a emulsão pode ser utilizada por períodos máximos de 4 dias quando armazenado à temperatura de 2–8°C, mais 48 horas à temperatura abaixo de 25°C.

Número de Lote e datas de fabricação e validade: Vide embalagem.

Não use medicamento com prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

POSOLOGIA

A dose deve ser ajustada as necessidades individuais do paciente.

Adultos

A dose máxima diária eqüivale a 40 mL /kg de peso corporal, correspondendo a:

  • 1,28 g de aminoácido /kg de peso corporal / dia
  • 2,56 g de glicose1 / kg de peso corporal / dia
  • 1,6 g de lipídeos /kg de peso corporal / dia

Recomenda-se que Nutriflex® Lipid peri seja administrado em forma de infusão contínua. Um aumento na velocidade de infusão além dos primeiros 30 minutos até a velocidade de infusão desejada evita possíveis complicações.

A velocidade máxima de infusão é de 2,5 mL /kg de peso corporal/ hora, correspondendo a:

  • 0,08 g de aminoácidos /kg de peso corporal / hora
  • 0,16 g de glicose1 /kg de peso corporal / hora
  • 0,1 g de lipídeos /kg de peso corporal / hora

Por exemplo, para um paciente pesando 70 kg, isso corresponde a uma velocidade de infusão de 175 mL /hora. A quantidade de aminoácidos administrada é então de 5,6 g/hora, de glicose1 de 11,2 g/hora e de lipídeos de 7 g/hora.

Em geral, recomenda-se que a quantidade máxima de calorias14 não deve exceder 40 Kcal/kg de peso corporal/dia. Doses maiores são possíveis se especialmente indicado, por exemplo, em pacientes queimados. A duração do tratamento para as indicações estabelecidas não devem exceder 7 dias.

Crianças acima de 2 anos

As recomendações de dosagem são orientações baseadas nas necessidades médias. A dose deve ser adaptada individualmente, de acordo com a idade, estágio de desenvolvimento e doença. Para cálculo63 da dosagem deve ser levado em consideração o estado de hidratação do paciente pediátrico.

Para crianças é necessário iniciar a terapia nutricional com metade da dosagem alvo. A dosagem deve ser aumentada gradativamente de acordo com a capacidade metabólica individual até a dose máxima.

Dose diária durante 3º ao 5º ano de vida

45 mL/kg de peso corporal, correspondendo a:

  • 1,44 g de aminoácido /kg de peso corporal / dia:
  • 2,88 g de glicose1 / kg de peso corporal / dia
  • 1,8 g de lipídeos /kg de peso corporal / dia

Dose diária durante 6º ao 14º ano de vida

30 mL/kg de peso corporal, correspondendo a:

  • 0,96 g de aminoácido /kg de peso corporal / dia
  • 1,92 g de glicose1 / kg de peso corporal / dia
  • 1,2 g de lipídeos /kg de peso corporal / dia

A velocidade máxima de infusão é de 2,5 mL /kg de peso corporal/hora, correspondendo a:

  • 0,08 g de aminoácidos /kg de peso corporal / hora
  • 0,16 g de glicose1 /kg de peso corporal / hora
  • 0,1 g de lipídeos /kg de peso corporal / hora

Energia adicional que possa ser requerida para pacientes11 pediátricos deve ser administrada na forma de solução de glicose1 ou emulsão de lipídeos conforme o caso.

A duração do tratamento para as indicações estabelecidas não é limitada. Durante a administração de NuTRIflex® Lipid peri a longo prazo, é necessário fornecer a reposição apropriada de elementos traços e vitaminas.

Modo de usar

Uso intravenoso periférico, preferencialmente. Preparação da solução misturada:

Remova a bolsa da embalagem protetora e proceda como se segue:

  • Coloque a bolsa em uma superfície sólida.
  • Rompa os lacres internos das duas câmaras superiores utilizando pressão com ambas as mãos64.
  • Misture rapidamente os conteúdos da bolsa juntos.

Preparação para infusão:

  • Dobre as duas câmaras vazias para trás.
  • Pendure a bolsa de mistura no suporte de infusão pela alça central.
  • Remova a capa protetora da via de saída e realizar a infusão utilizando a técnica normal.

Após infusão nunca guardar sobras da solução para emprego posterior. Qualquer resíduo deve ser descartado. Só devem ser utilizadas soluções totalmente transparentes e com envase não danificado. Utilize sempre bolsas nas quais as soluções de aminoácidos e glicose1 estejam límpidas. Não utilize bolsas nas quais haja separação de fase discernível (gotas de óleo) na câmara contendo a emulsão de lipídeos.

Se forem utilizados filtros, os mesmos devem ser lipídeo65-permeáveis.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Possíveis reações prematuras na administração de emulsões lipídicas são: pequena elevação na temperatura, eritema66, sensação de frio, tremores, perda de apetite, náuseas67, vômitos68, dificuldade respiratória, cefaléia69, dor nas costas70, ossos, peito71 e região lombar72, queda ou aumento da pressão sangüínea73 (hipotensão74, hipertensão75), reações de hipersensibilidade (por exemplo, reações anafiláticas76, erupções dérmicas). Rubor ou descoloração da pele77 devido à oxigenação deficiente do sangue55 (cianose78) podem ocorrer como efeitos colaterais79.

Se esses efeitos colaterais79 surgirem, a infusão deverá ser descontinuada ou, se for apropriado, a infusão deverá continuar com um nível de dosagem menor.

Deve-se prestar atenção para a possibilidade de ocorrer uma síndrome80 de sobrecarga. Isso pode ocorrer como um resultado de condições metabólicas determinadas geneticamente que variam individualmente e podem ocorrer em proporções diferentes e após dosagens diferentes, dependendo de distúrbios prévios.

Síndrome80 de sobrecarga está associada com os seguintes sintomas81: aumento do fígado82 (hepatomegalia83) com ou sem icterícia84, aumento do baço85 (esplenomegalia86), infiltração lipídica dos órgãos, parâmetros da função hepática27 patológica, anemia87, redução da contagem de leucócitos88 (leucopenia89), redução da contagem de plaquetas90 (trombocitopenia91), uma tendência a hemorragias92, alterações ou redução nos fatores de coagulação17 (tempo de sangramento, tempo de coagulação17, tempo de protrombina93, etc.), febre50, hiperlipemia, cefaléia69, dor de estômago94 e fadiga95.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Em geral, é pouco provável que se produza uma superdose devido à administração de NuTRIflex® Lipid peri.

  • Sintomas81 de superdose de fluidos e eletrólitos2: Hiperidratação hipertônica96, desequilíbrio de eletrólitos2 e edema pulmonar38.
  • Sintomas81 de superdose de aminoácidos: Perdas renais de aminoácidos com consecutivo desequilíbrio de aminoácidos, náuseas67, vômitos68 e tremores.
  • Sintomas81 de superdose de glicose1: Hiperglicemia23, glicosúria97, desidratação98, hiperosmolalidade e coma99 hiperosmolar100.
  • Sintomas81 de superdose de lipídeos: A superdose de lipídeos pode conduzir à síndrome80 de sobrecarga, caracterizada (por exemplo) por febre50, cefaléia69, dor de estômago94, fadiga95, hiperlipemia, hepatomegalia83 com ou sem icterícia84, esplenomegalia86, distúrbios patológicos de função hepática27, anemia87, redução na contagem de plaquetas90, redução na contagem de leucócitos88, diátese hemorrágica31 e/ou hemorragia101, alteração ou depressão dos fatores de coagulação17 sangüíneos (tempo de sangramento, tempo de coagulação17, tempo de protrombina93, etc.). A concentração plasmática de triglicerídeos não deve exceder 3 mmol/L52 durante a infusão.

A suspensão imediata da infusão é indicada em casos de superdose. Medidas terapêuticas adicionais dependem dos sintomas81 particulares e de sua gravidade.

A infusão poderá ser reiniciada após o desaparecimento dos sintomas81, sendo que a velocidade de infusão deve aumentar gradualmente com monitoramento em intervalos freqüentes.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS - 1.0085.0124
Farm. Resp.: Rosane G. R. da Costa - CRF-RJ nº 3213

Importado e distribuído por:
Laboratórios B. Braun S.A.
Av. Eugênio Borges, 1092 e Av. Jequitibá 09 Arsenal - CEP: 24751-000
São Gonçalo - RJ - Brasil
C.N.P.J. 31.673.254/0001-02
Indústria Brasileira

Fabricado por:
B. Braun Melsungen AG Carl – Braun – Strasse 1 34212 Melsungen Alemanha


SAC 0800 0227286

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
2 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
3 Fenilalanina: É um aminoácido natural, encontrado nas proteínas vegetais e animais, essencial para a vida humana.
4 Ovo: 1. Célula germinativa feminina (haploide e madura) expelida pelo OVÁRIO durante a OVULAÇÃO. 2. Em alguns animais, como aves, répteis e peixes, é a estrutura expelida do corpo da mãe, que consiste no óvulo fecundado, com as reservas alimentares e os envoltórios protetores.
5 Caloria: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc. Carboidratos, proteínas, gorduras e álcool fornecem calorias na dieta. Carboidratos e proteínas têm 4 calorias em cada grama, gorduras têm 9 calorias por grama e álcool têm 7 calorias por grama.
6 Osmolaridade: Molaridade de uma solução que exerce a mesma pressão osmótica que uma solução ideal de uma substância não dissociada. É uma medida indireta da concentração somada de todos os solutos de uma determinada solução.
7 Osmolalidade: Molalidade de uma solução que exerce a mesma pressão osmótica que uma solução ideal de uma substância não dissociada. É uma medida indireta da concentração somada de todos os solutos de uma determinada solução.
8 Nutrição parenteral: Administração de alimentos utilizando um acesso venoso. Utilizada em situações nas quais o trato digestivo encontra-se seriamente danificado (pancreatite grave, sepse grave, etc.). Os alimentos são administrados em sua forma mais simples, como se fossem digeridos, para que possam ser absorvidos pelas células.
9 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
10 Levógira: Em fisioquímica, é o que desvia o plano da luz polarizada no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio (diz-se de um composto oticamente ativo); levorrotatório, levorrotativo, sinistrogiro.
11 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
12 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
13 Eritrocitário: Relativo a eritrócito, ou seja, relativo à célula vermelha do sangue, cuja principal função é o transporte de oxigênio.
14 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
15 Membrana Celular: Membrana seletivamente permeável (contendo lipídeos e proteínas) que envolve o citoplasma em células procarióticas e eucarióticas.
16 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
17 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
18 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
19 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
20 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
21 Hipercalemia: É a concentração de potássio sérico maior que 5.5 mmol/L (mEq/L). Uma concentração acima de 6.5 mmol/L (mEq/L) é considerada crítica.
22 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
23 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
24 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
25 Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
26 Colestase: Retardamento ou interrupção do fluxo nos canais biliares.
27 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
28 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
29 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
30 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
31 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
32 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
33 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
34 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
35 Embolismo: É o mesmo que embolia, mas é um termo menos usado. Significa obstrução de um vaso, frequentemente uma artéria, pela migração de um corpo estranho (chamado de êmbolo) levado pela corrente sanguínea.
36 Colapso: 1. Em patologia, é um estado semelhante ao choque, caracterizado por prostração extrema, grande perda de líquido, acompanhado geralmente de insuficiência cardíaca. 2. Em medicina, é o achatamento conjunto das paredes de uma estrutura. 3. No sentido figurado, é uma diminuição súbita de eficiência, de poder. Derrocada, desmoronamento, ruína. 4. Em botânica, é a perda da turgescência de tecido vegetal.
37 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
38 Edema pulmonar: Acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Pode levar a dificuldades nas trocas gasosas e dificuldade respiratória.
39 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
40 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
41 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
42 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
43 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
44 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
45 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
46 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
47 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
48 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
49 Reação anafilática: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
50 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
51 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
52 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
53 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
54 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
55 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
56 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
57 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
58 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
59 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
60 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
61 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
62 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
63 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
64 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
65 Lipídeo: Termo usado para gordura no organismo. Os lipídeos podem ser quebrados pelo organismo para serem usados como energia.
66 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
67 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
68 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
69 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
70 Costas:
71 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
72 Região Lombar:
73 Pressão sangüínea: Força exercida pelo sangue arterial por unidade de área da parede arterial. É expressa como uma razão (Exemplo: 120/80, lê-se 120 por 80). O primeiro número é a pressão sistólica ou pressão máxima. E o segundo número é a presão diastólica ou mínima.
74 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
75 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
76 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
77 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
78 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
79 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
80 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
81 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
82 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
83 Hepatomegalia: Aumento anormal do tamanho do fígado.
84 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
85 Baço:
86 Esplenomegalia: Aumento tamanho do baço acima dos limites normais
87 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
88 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
89 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
90 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
91 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
92 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
93 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
94 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
95 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
96 Hipertônica: Relativo à hipertonia; em biologia caracteriza solução que apresenta maior concentração de solutos do que outra; em fisiologia, é o mesmo que espástico e em medicina diz-se de tecidos orgânicos que apresentam hipertonia ou tensão excessiva em músculos, artérias ou outros tecidos orgânicos.
97 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
98 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
99 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
100 Hiperosmolar: A osmolaridade do plasma do sangue reflete a concentração de certas substâncias como a glicose, as proteínas, etc. Por exemplo, quando os valores da hiperglicemia são muito elevados, há um aumento da concentração de glicose no sangue, ou seja, há uma hiperosmolaridade.
101 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.

Tem alguma dúvida sobre Nutriflex Lipid peri?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.