CLENIL NASAL SPRAY

FARMALAB

Atualizado em 08/12/2014

Composição de Clenil Nasal Spray

beclometasona 17,21 - dipropionato. Cadainalação-dose (erogação) fornece 50 mcg do medicamento. Cada frasco aerossol doseador contém 10 mg de beclometasona diproprionato.

Posologia e Administração de Clenil Nasal Spray

cada inalação-dose fornece 50 mcg do medicamento dipropionato de beclometasona. Adultos: uma inalação-dose, em cada narina, 4 vezes ao dia. Crianças acima de 6 anos: a dose deverá ser reduzida: uma inalação-dose, em cada narina de 12 em 12 horas. O efeito de Clenil Nasal, diferentemente daquele dos vasoconstritores nasais, não é imediato. Para obtenção do efeito terapêutico eficaz, necessita-se de utilização contínua.

Precauções de Clenil Nasal Spray

a utilização de Clenil Nasal, especialmente em longo prazo, poderá dar origem a fenômenos de sensibilização e, excepcionalmente, aos efeitos colaterais1 sistêmicos2 clássicos do medicamento. Nesses casos o tratamento deverá ser suspenso, instituindo-se a terapêutica3 adequada. Gravidez4 e lactação5: nas mulheres grávidas o produto só deverá ser administrado em caso de necessidade absoluta e sob supervisão médica mais intensa. As crianças cujas mães durante a gravidez4 receberam doses elevadas de corticosteróides por via inalatórias deverão ser rigorosamente observadas a fim de se diagnosticar eventual insuficiência6 supra-renal7. - Uso em pediatria: o produto, não deverá ser administrado em crianças abaixo dos 6 anos de idade.

Reações Adversas de Clenil Nasal Spray

os efeitos colaterais1 sistêmicos2 são extremamente improváveis, devido às baixas doses utilizadas do produto. Deverão ser tomados cuidados especiais, nos casos em que o produto será utilizado em longo prazo, na forma de spray nasal, observando-se o paciente com periodicidade, a fim de surpreender possíveis efeitos sistêmicos2 (osteoporose8, úlcera péptica9, sinais10 de insuficiência6 supra-renal7 secundária). Efeitos locais eventuais incluem sensação de queimação e irritação das narinas. Poderá ocorrer ressecamento da cavidade nasal11. Em caso de infecção12 deverá ser instituída terapêutica3 adequada. A inalação de doses elevadas do produto (superiores a 1500 mcg (1,5 mg) ao dia), poderá provocar depressão da função supra-renal7. - Interação medicamentosa: o uso do produto deverá levar em consideração o uso concomitante de corticosteróides sistêmicos2, a fim de possibilitar ajuste das doses.

Contra-Indicações de Clenil Nasal Spray

infecções13 virais. Tuberculose14 em atividade ou inativa. Herpes simples. Hipersensibilidade individual aos derivados da cortisona.

Indicações de Clenil Nasal Spray

rinites alérgicas e vasomotoras. Rinofaringites. Pode também ser utilizado em sinusites e em outras afecções15 alérgicas e inflamatórias das cavidades nasais e paranasais.

Apresentação de Clenil Nasal Spray

recipiente doseador com erogador nasal. Cada recipiente é suficiente para 200 erogações.


CLENIL NASAL SPRAY - Laboratório

FARMALAB
Av. Brig. Faria Lima, 1734 - 2º e 3º and
São Paulo/SP - CEP: 01452-001
Tel: 55 (011) 867- 0012
Fax: 55 (011) 813-0500
Email: chiesi.brasil@ibm.net
Site: http://www.farmalabchiesi.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "FARMALAB"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
2 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
3 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
6 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
7 Supra-renal:
8 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
9 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Cavidade Nasal: Porção proximal da passagem respiratória em cada lado do septo nasal, revestida por uma mucosa ciliada extendendo-se das narinas até a faringe.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
15 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre CLENIL NASAL SPRAY?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.