LEVORIN

BLAUSIEGEL

Atualizado em 09/12/2014

LEVORIN®
LEUCOVORINA CÁLCICA

Apresentação de Levorin

Comprimido. Cartucho com 10 comprimidos contendo leucovorina cálcica equivalente a 15 mg de ácido folínico.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Cada comprimido de leucovorina cálcica contém: Leucovorina cálcica (equivalente a ácido folínico)    15 mg
 Excipientes    q.s.p.    1 comprimido

Componentes não ativos: manitol, amido de milho, celulose microcristalina, PVP K 30, estearato de magnésio.

Informações ao Paciente de Levorin

A leucovorina cálcica está indicada como antídoto1 dos efeitos tóxicos de outros medicamentos como o metotrexato, pirimetamina ou trimetoprima, que agem como antagonistas do ácido fólico, em profilaxia ou tratamento.

Armazenar o produto em temperatura ambiente (entre 15ºC e 30ºC).

Prazo de validade: 36 meses. ATENÇÃO: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos desejados.

Informe seu médico a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término.

Informar ao médico se está amamentando.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Informe seu médico caso haja o aparecimento de reações desagradáveis, tais como "rash3" cutâneo4, urticária5, prurido6 ou reações alérgicas.

"TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS".

A leucovorina cálcica não está recomendada no tratamento da anemia perniciosa7 nem de outros estados anêmicos megaloblásticos secundários de deficiência da vitamina8 B12, pois pode produzir uma remissão do quadro sangüíneo ao mesmo tempo em que as manifestações neurológicas continuam progredindo.
Os pacientes que recebem leucovorina cálcica para remissão dos efeitos tóxicos do metotrexato ou outros antagonistas do ácido fólico, devem estar sob supervisão de um médico com experiência no uso do metotrexato.

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

"NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE9."

Informação Técnica de Levorin

A leucovorina cálcica é uma forma reduzida do ácido fólico, que se converte com facilidade em outros derivados reduzidos de ácido fólico (por exemplo, tetraidrofolato, que é a forma ativa). Como não requer redução pela diidrofolato-redutase, como no caso do ácido fólico, o bloqueio desta enzima10 produzido pelos antagonistas do ácido fólico (inibidores da diidrofolato-redutase) não afeta a leucovorina cálcica. Isto permite que se produza a síntese de purinas e timidina e, portanto, a síntese de DNA, RNA e de proteínas11.A leucovorina cálcica pode limitar a ação do metotrexato sobre as células12 normais mediante competição com o metotrexato pelos mesmos processos de transporte para o interior das células12. A leucovorina cálcica reduz o efeito do metotrexato sobre as células da medula óssea13 e gastrointestinais mas aparentemente não tem efeito sobre a nefrotoxicidade14 induzida por metotrexato.

Farmacocinética:
Absorção - É absorvida rapidamente após administração oral.
Distribuição - Atravessa moderadamente a barreira hemato-encefálica15 e se deposita no fígado16 em grandes quantidades.
Ligação a proteínas11 - Embora as proteínas11 plasmáticas ligarem-se aos derivados do folato, elas têm maior afinidade por análogos não metilados. O papel da ligação com proteínas11 plasmáticas na homeostasia17 do folato não é bem compreendido. Um aumento em tal capacidade de ligação é detectável durante a deficiência de folato e em certas doenças, tais como uremia18, câncer19 e alcoolismo. Ainda são necessárias pesquisas para determinar se esse aumento interfere no transporte de folato e no abastecimento tecidual.
Biotransformação - Sofre metabolismo20 na mucosa21 hepática22 e gastrointestinal, principalmente a 5-metiltetraidrofolato, que é a forma ativa. Após administração oral, a leucovorina cálcica se metaboliza quase por completo (mais de 90%) e rapidamente, em menos de 30 minutos.
Meia-vida - A meia-vida do folato sérico reduzido, após administração intramuscular, intravenosa ou oral é de aproximadamente 6,2 horas.
Início da ação - Após 20 a 30 minutos da administração por via oral.
Tempo para o alcance da concentração máxima (Tmáx) - Cerca de uma hora e meia a duas horas.
Concentração terapêutica23 -
Após uma dose de 15 mg, por via oral, considera-se como satisfatória concentrações superiores a cerca de 250 nanogramas por ml de soro24 de folato reduzido.
Duração da ação - Aproximadamente, de 3 a 6 horas, por via de administração oral ou parenteral.
Eliminação - Principalmente renal25: de 80 a 90%, sendo de 5 a 9% excretado com as fezes.

Indicações de Levorin


O ácido folínico, sob a forma de leucovorina cálcica, está indicado após o uso de altas doses de metotrexato na terapia do osteossarcoma, para diminuir a toxicidade26 e amenizar efeitos adversos da eliminação deficiente do metotrexato e na superdose inadvertida dos antagonistas do ácido fólico.

Contra-Indicações de Levorin

A leucovorina cálcica não está recomendada no tratamento da anemia perniciosa7, nem de outras anemias megaloblásticas secundárias à falta de vitamina8 B12, pois pode produzir remissão hematológica, enquanto manifestações neurológicas continuam a progredir.

Precauções e Advertências de Levorin


Precauções

Gerais:
a administração parenteral é preferível à oral, se houver possibilidade de vômitos27 ou absorção inadequada de leucovorina cálcica. A leucovorina cálcica não tem ação em outros efeitos tóxicos do metotrexato (MTX) como a nefrotoxicidade14 resultante da droga e/ou precipitação de metabólitos28 no rim29.
Uso durante a gravidez2: efeitos teratogênicos30: não foram realizados estudos em animais de laboratório, não se sabendo se a leucovorina cálcica pode causar danos ao feto31 ou se pode afetar a capacidade de reprodução32. A leucovorina cálcica deve ser administrada a mulheres grávidas somente se absolutamente necessário.
Uso durante a lactação33: não se sabe se esta droga é excretada no leite humano. Em virtude de muitas drogas serem excretadas no leite materno, deve-se tomar cuidado quando a leucovorina cálcica for administrada durante a lactação33.
Uso pediátrico: Vide interações medicamentosas.

Advertências

No tratamento da superdose de antagonistas do ácido fólico, a leucovorina cálcica deve ser administrada o mais rápido possível, porque quanto maior for o intervalo de tempo, menor será a eficácia da leucovorina cálcica. O monitoramento da concentração sérica do metotrexato (MTX) é essencial para se determinar a dose ideal e a duração do tratamento com a leucovorina cálcica. Retardo na excreção de MTX pode ser causado por acúmulo de fluido no terceiro espaço (ascite34, derrame35 pleural), insuficiência renal36 ou hidratação inadequada. Nessas circunstâncias, altas doses de leucovorina cálcica ou administração prolongada são indicadas. Doses superiores àquelas recomendadas para uso oral devem ser administradas por via endovenosa. A leucovorina cálcica pode aumentar a toxicidade26 da fluoruracila. Mortes conseqüentes a enterocolite grave, diarréia37 e desidratação38 foram descritas em pacientes idosos durante a terapia semanal com leucovorina e fluoruracila. Granulocitopenia e febre39 concomitantes estavam presentes em alguns, mas não em todos os pacientes.

- INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

O ácido fólico em grandes quantidades pode interferir com o efeito antiepiléptico do fenobarbital, da fenitoína e da primidona, aumentando a freqüência de crises em crianças susceptíveis. Estudos preliminares em animais e em seres humanos têm demonstrado que pequenas quantidades de leucovorina cálcica, administrada por via sistêmica, penetram no líquido cérebro40-espinhal primariamente como 5-metiltetraidrofolato e, nos humanos, em concentrações bem menores do que as usualmente observadas de metotrexato após administração intratecal. Entretanto, altas doses podem reduzir a eficácia do metotrexato administrado por essa via. A leucovorina cálcica pode aumentar a toxicidade26 da 5-fluoruracila.

Reações Adversas de Levorin

Sensibilização alérgica, incluindo reações tipo anafiláticas e urticária5, tem sido descrita, tanto com a administração oral quanto parenteral.

- POSOLOGIA

A leucovorina cálcica comprimido é destinada à administração oral. Em virtude de a absorção ser saturável, a administração oral de doses superiores a 25 mg não é recomendada.

Uso da leucovorina cálcica após terapia com alta dose de metotrexato: as recomendações para terapia com leucovorina cálcica baseiam-se na dose de metotrexato de 12 a 15 g/m2 administrada por via endovenosa por 4 horas. A terapêutica23 com leucovorina cálcica na dose de 15 mg (aproximadamente 10 mg/m2) a cada 6 horas por 10 doses, é instituída 24 horas após o início da infusão do metotrexato. Na presença de toxicidade26 gastrointestinal, com náuseas41 ou vômitos27, prefere-se a administração por via parenteral. A creatinina42 e os níveis séricos de metotrexato devem ser monitorados pelo menos uma vez ao dia. A administração de leucovorina cálcica, hidratação e alcalinização urinária (pH de 7,0 ou maior) devem ser mantidas até que o nível de metotrexato seja inferior a 5 x 10-8 M (0,05 micromolar). No tratamento com leucovorina cálcica a dose deverá ser ajustada ou a terapêutica23 prolongada de acordo com a recomendação do quadro abaixo:

Recomendação de dose e administração de leucovorina cálcica    
Situação clínica
    Dados laboratoriais    Doses de leucovorina cálcica e duração do tratamento    
Eliminação normal de metotrexato.    Nível sérico de metotrexato de aproximadamente 10 micromolar 24 horas após a administração, 1 micromolar após 48 horas e menos de 0,2 micromolar após 72 horas.    15 mg VO, IM ou EV a cada 6 horas por 60 horas (10 doses iniciando 24 horas após o início da infusão de metotrexato).    
Eliminação diminuída tardia de metotexato.     Nível sérico de metotrexato permanecendo acima de 0,2 micromolar após 72 horas e mais de 0,05 micromolar após 96 horas da administração.    15 mg VO, IM, ou EV até o nível do metotrexato estar menor do que 0,05 micromolar.    
Eliminação diminuída precoce de metotrexato e/ou evidência de doença renal25 aguda.    Nível sérico de metotrexato de 50 micromolar ou mais após 24 horas ou 5 micromolar ou mais 48 horas após a administração ou um aumento igual ou superior a 100% nos níveis séricos de creatinina42 24 horas após a administração de metotrexato (ex. um aumento de 0,5 mg/dl43 para um nível de 1,0 mg/dl43 ou mais).    150 mg EV a cada 3 horas, até o nível de metotrexato ser menor do que 1 micromolar; em seguida 15 mg EV a cada 3 horas até que o nível do metotrexato seja menor do que 0,05 micromolar.    

Pacientes com eliminação inicial diminuída do metotrexato são mais susceptíveis a desenvolver insuficiência renal36 reversível. Além da terapia com leucovorina cálcica, é necessário manter esses pacientes bem hidratados, com alcalinização urinária e cuidadosa monitoração do equilíbrio hidroeletrolítico44, até que os níveis séricos de metotrexato caiam abaixo de 0,05 micromolar e a insuficiência renal36 tenha sido revertida. Alguns pacientes poderão apresentar alterações na eliminação de metotrexato ou na função renal25 após a administração de metotrexato, no entanto, menos severas do que as descritas anteriormente. Essas anormalidades podem ou não estar associadas à toxicidade26 clínica significante. Se clinicamente a toxicidade26 for significante, a terapêutica23 com leucovorina cálcica deve ser prolongada por mais 24 horas (total de 14 doses em 84 horas). Na possibilidade de o paciente estar sendo medicado com outras drogas que interagem com o metotrexato (interferência na eliminação de metotrexato, ou no carreamento proteico), o uso dessas drogas deve ser reavaliado quando alterações clínicas ou laboratoriais de toxicidade26 forem detectadas.

Eliminação prejudicada de metotrexato ou superdose inadvertida: as mesmas recomendações de dose e administração podem ser usadas. Entretanto, a administração de leucovorina cálcica deve ser iniciada o mais rapidamente possível após diagnóstico45 de superdose.

Superdosagem de Levorin


Quantidades excessivas de leucovorina cálcica podem anular o efeito quimioterápico dos antagonistas do ácido fólico.

Pacientes Idosos de Levorin


O produto poderá ser usado por pacientes com idade acima de 65 anos, desde que observadas as precauções referentes ao produto.


"VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA"
Nº do Lote, Data de Fabricação e de Validade: vide cartucho.

LEVORIN - Laboratório

BLAUSIEGEL
Rodovia Raposo Tavares km 30,5 No. 2833
Cotia/SP - CEP: 06705-030
Tel: (11) 4612-2922
Site: http://www.blausiegel.net

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
4 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
5 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
6 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
7 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
8 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
11 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Células da Medula Óssea: Células contidas na medula óssea, incluindo células adiposas (ver ADIPÓCITOS), CÉLULAS ESTROMAIS, MEGACARIÓCITOS e os precurssores imediatos da maioria das células sangüíneas.
14 Nefrotoxicidade: É um dano nos rins causado por substâncias químicas chamadas nefrotoxinas.
15 Encefálica: Referente a encéfalo.
16 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
17 Homeostasia: Processo de regulação pelo qual um organismo mantém constante o seu equilíbrio. Em fisiologia, é o estado de equilíbrio das diversas funções e composições químicas do corpo (por exemplo, temperatura, pulso, pressão arterial, taxa de açúcar no sangue, etc.).
18 Uremia: Doença causada pelo armazenamento de uréia no organismo devido ao mal funcionamento renal. Os sintomas incluem náuseas, vômitos, perda de apetite, fraqueza e confusão mental.
19 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
20 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
21 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
22 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
23 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
24 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
25 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
26 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
27 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
28 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
29 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
30 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
31 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
32 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
33 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
34 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
35 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
36 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
37 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
38 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
39 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
40 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
43 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
44 Hidroeletrolítico: Aproximadamente 60% do peso de um adulto são representados por líquido (água e eletrólitos). O líquido corporal localiza-se em dois compartimentos, o espaço intracelular (dentro das células) e o espaço extracelular (fora das células). Os eletrólitos nos líquidos corporais são substâncias químicas ativas. Eles são cátions, que carregam cargas positivas, e ânions, que transportam cargas negativas. Os principais cátions são os íons sódio, potássio, cálcio, magnésio e hidrogênio. Os principais ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato e sulfato.
45 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre LEVORIN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.