CETOTERON

EUROFARMA

Atualizado em 08/12/2014

Cetoteron®
Acetato de Ciproterona

Forma Farmacêutica e Apresentações de Cetoteron

Comprimido. Cartucho com frasco contendo 20 comprimidos.USO ADULTO
USO ORAL
Composição
Cada comprimido de CETOTERON® contém:
Acetato de Ciproterona................ 50 mg
Excipientes q.s.p....................1 comprimido
Excipientes: lactose1, amido, polivinilpirrolidona, croscarmelose sódica, dióxido de silício coloidal, estearato de magnésio.

Informações ao Paciente de Cetoteron

Ação esperada do medicamento
A ação esperada de CETOTERON® no homem é a redução do impulso em desvios sexuais, tratamento antiandrogênico em carcinoma2 de próstata3 inoperável.
A ação esperada de CETOTERON® na mulher são manifestações graves de androgenização, por
exemplo hirsutismo4 grave patológico, queda pronunciada de cabelo5 androgênio-dependente resultando até em calvície6 (apolécia androgênica grave), freqüentemente concomitante com formas graves de acne7 e/ou seborréia8.
Cuidados de armazenamento
O medicamento deve ser mantido em temperatura ambiente (entre 15 °  e 30 ° C) e protegido da umidade.
Prazo de validade
Desde que observados os devidos cuidados de conservação, o prazo de validade do produto é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.
NÃO USE MEDICAMENTOS COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.
Gravidez9 e lactação10
O produto é contra-indicado na gravidez9 e período de amamentação11. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez9 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao seu médico se está amamentando.
Cuidados de administração
Os comprimidos devem ser ingeridos com pequena quantidade de líquido, após a(s) refeição(ões).
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Interrupção do tratamento
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Reações Adversas de Cetoteron

O aparecimento de dores abdominais que não desapareçam espontaneamente em curto espaço de tempo deve ser comunicado imediatamente ao médico.Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Contra-Indicações e Precauções de Cetoteron

O produto é contra-indicado em casos de doença grave do fígado12, e em várias outras doenças. Desta forma, é importante notificar o médico sobre qualquer doença, atual ou anterior.
Em pacientes com suspeita de gravidez9, o tratamento só deve ser iniciado após afastada esta possibilidade.
Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE13.

Informações Técnicas de Cetoteron

CARACTERÍSTICASModo de Ação
CETOTERON® é um produto hormonal com efeito antiandrogênico. Inibe a influência de hormônios
sexuais masculinos (androgênios) que também são produzidos, em pequena quantidade, no organismo feminino.
Exerce, também, efeito progestogênico e antigonadotrópico.
No homem sob tratamento com CETOTERON®, impulso sexual e potência diminuem e a função das gônadas14 é inibida. Estas alterações são reversíveis após a interrupção do tratamento. CETOTERON®
protege os órgãos-alvo androgênio-dependentes, por exemplo a próstata3, contra os efeitos de androgênios provenientes das gônadas14 e/ou do córtex adrenal.
Na mulher, o hirsutismo4 é diminuído, mas também calvície6 androgênio-dependente e função exacerbada das glândulas sebáceas15 são reduzidas. Durante o tratamento a função ovariana é inibida.

Indicações de Cetoteron

No homem: redução do impulso em desvios sexuais, tratamento antiandrogênico em carcinoma2 de
próstata3 inoperável.
Na mulher: manifestações graves de androgenização, por exemplo hirsutismo4 grave patológico, queda pronunciada de cabelo5 androgênio-dependente resultando até em calvície6 (alopécia androgênica16 grave), freqüentemente concomitante com formas graves de acne7 e/ou seborréia8.

Contra-Indicações de Cetoteron

GRAVIDEZ9, PERÍODO DE LACTAÇÃO10, HEPATOPATIAS, ANTECEDENTE DE ICTERÍCIA17 OU PRURIDO18 PERSISTENTE DURANTE ALGUMA GESTAÇÃO ANTERIOR, ANTECEDENTE DE HERPES GESTACIONAL, SÍNDROMES DE DUBIN-JOHNSON E ROTOR, TUMORES HEPÁTICOS ATUAIS OU ANTECEDENTES DOS MESMOS (EM CARCINOMA2 DE PRÓSTATA3, APENAS SE ESTES NÃO FOREM DEVIDOS A METÁSTASES19), DOENÇAS DEBILITANTES (COM EXCEÇÃO DE CARCINOMA2 DE PRÓSTATA3), DEPRESSÃO CRÔNICA GRAVE, PROCESSOS TROMBOEMBÓLICOS OU ANTECEDENTES DOS MESMOS, DIABETES20 GRAVE COM ALTERAÇÕES VASCULARES21, ANEMIA22 DE CÉLULAS23 FALCIFORMES.EM PACIENTES COM CARCINOMA2 DE PRÓSTATA3 COM ANTECEDENTES DE PROCESSOS
TROMBOEMBÓLICOS, PORTADORES DE ANEMIA22 DE CÉLULAS23 FALCIFORMES OU DIABETES20 GRAVE COM ALTERAÇÕES VASCULARES21, A PROPORÇÃO RISCO/BENEFÍCIO DEVE SER CONSIDERADA CUIDADOSAMENTE EM CADA CASO ANTES DA PRESCRIÇÃO DE CETOTERON®.
PACIENTES DO SEXO FEMININO, QUE USAREM ADICIONALMENTE TERAPIA COMBINADA24 CÍCLICA DEVEM SER ALERTADAS SOBRE AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NA BULA DO PRODUTO ESCOLHIDO, QUANDO USADOS EM ASSOCIAÇÃO A CETOTERON®.

Precauções e Advertências de Cetoteron

OS PACIENTES QUE EXERCEM ATIVIDADES QUE REQUEREM GRANDE CONCENTRAÇÃO (POR EXEMPLO, MOTORISTAS, OPERADORES DE MÁQUINAS) DEVEM SER ALERTADOS QUE CETOTERON® PODE PRODUZIR CANSAÇO, DIMINUIÇÃO DA VITALIDADE E DA CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO.
O EFEITO DESINIBIDOR DO ÁLCOOL PODE DIMINUIR O EFEITO INIBIDOR DE CETOTERON®
SOBRE O IMPULSO SEXUAL.
CETOTERON® NÃO DEVE SER ADMINISTRADO ANTES DO TÉRMINO DA PUBERDADE UMA VEZ QUE, DURANTE ESTE PERÍODO, NÃO SE PODE EXCLUIR UMA INFLUÊNCIA DESFAVORÁVEL DO PRODUTO SOBRE O CRESCIMENTO LONGITUDINAL E O EIXO DA FUNÇÃO ENDÓCRINA AINDA NÃO ESTABILIZADO.
DURANTE O TRATAMENTO DEVEM SER REALIZADOS EXAMES PERIÓDICOS DA FUNÇÃO
HEPÁTICA25 E ADRENOCORTICAL, E HEMOGRAMAS (SÉRIE VERMELHA).
PACIENTES PORTADORES DE DIABETES20 DEVEM SER MANTIDOS SOB CUIDADOSA VIGILÂNCIA.
OCASIONALMENTE, CETOTERON® PODE INDUZIR SENSAÇÃO DE DIFICULDADE RESPIRATÓRIA.
EM CASOS EXTREMAMENTE RAROS, FORAM RELATADAS OCORRÊNCIAS DE PROCESSOS
TROMBOEMBÓLICOS DURANTE O PERÍODO DE UTILIZAÇÃO DE CETOTERON® . NO ENTANTO, UMA RELAÇÃO CAUSAL PARECE DUVIDOSA.
DO MESMO MODO COMO OCORRE COM OUTROS ESTERÓIDES SEXUAIS, FORAM RELATADAS, EM CASOS ISOLADOS, ALTERAÇÕES HEPÁTICAS26 BENIGNAS E MALIGNAS. EM CASOS MUITO RAROS, OS TUMORES HEPÁTICOS PODEM PROVOCAR HEMORRAGIA27 NA CAVIDADE ABDOMINAL28
COM RISCO DE VIDA. SE OCORREREM TRANSTORNOS EPIGÁSTRICOS GRAVES, AUMENTO DO TAMANHO DO FÍGADO12 OU SINAIS29 DE HEMORRAGIA27 INTRA-ABDOMINAL DEVE-SE INCLUIR TUMOR30 HEPÁTICO NAS CONSIDERAÇÕES DIAGNÓSTICO31-DIFERENCIAIS.
ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO, PACIENTES DO SEXO FEMININO DEVEM SER SUBMETIDAS A EXAME GINECOLÓGICO COMPLETO. EM MULHERES EM IDADE REPRODUTIVA, A POSSIBILIDADE DE GESTAÇÃO DEVE SER EXCLUÍDA.
NÃO SE DEVE INTERROMPER O TRATAMENTO ANTES QUE TERMINEM AS 3 SEMANAS DE USO DO PRODUTO SE OCORRER SANGRAMENTO GENITAL DE PEQUENA INTENSIDADE, EM TRATAMENTO COMBINADO. ENTRETANTO, SE O SANGRAMENTO FOR MAIOR A PACIENTE DEVE SER EXAMINADA.
PACIENTES DO SEXO FEMININO, QUE USAREM ADICIONALMENTE TERAPIA COMBINADA24 CÍCLICA DEVEM SER ALERTADAS SOBRE AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NA BULA DO PRODUTO ESCOLHIDO, QUANDO USADOS EM ASSOCIAÇÃO A CETOTERON®.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
A NECESSIDADE DE HIPOGLICEMIANTES ORAIS32 OU INSULINA33 PODE-SE ALTERAR.
REAÇÕES ADVERSAS
DURANTE O DECORRER DE VÁRIAS SEMANAS, CETOTERON® GRADUALMENTE LIMITA A
CAPACIDADE DE PROCRIAÇÃO MASCULINA. ESTA CAPACIDADE É READQUIRIDA EM POUCOS MESES APÓS A INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO.
EM PACIENTES DO SEXO MASCULINO, CETOTERON® OCASIONALMENTE LEVA A GINECOMASTIA34 (ALGUMAS VEZES COMBINADA A SENSIBILIDADE DO MAMILO AO TOQUE) QUE NORMALMENTE REGRIDE APÓS INTERRUPÇÃO DO USO DO PRODUTO.
EM PACIENTE DO SEXO FEMININO, A OVULAÇÃO35 É INIBIDA SOB TRATAMENTO COMBINADO, PROVOCANDO ASSIM UM ESTADO DE INFERTILIDADE36 DURANTE O PERÍODO DE USO. TAMBÉM PODE OCORRER SENSAÇÃO DE TENSÃO MAMÁRIA.
EM TRATAMENTO COM ALTAS DOSES PODE OCORRER REDUÇÃO DA FUNÇÃO ADRENOCORTICAL. EM CASOS ISOLADOS, DISTÚRBIOS DA FUNÇÃO HEPÁTICA25, ALGUNS DELES GRAVES, TÊM SIDO RELATADOS COM TRATAMENTO DE ALTAS DOSES DE CETOTERON®. CANSAÇO E DIMINUIÇÃO DA VITALIDADE E, OCASIONALMENTE, INQUIETAÇÃO TEMPORÁRIA OU ESTADOS DEPRESSIVOS PODEM OCORRER. ALTERAÇÕES NO PESO CORPORAL SÃO POSSÍVEIS.

Posologia de Cetoteron

Homem
_ Redução do impulso em desvios sexuais
Os comprimidos devem ser ingeridos, com pequena quantidade de líquido, após as refeições. Salvo
prescrição médica em contrário, o tratamento geralmente é iniciado com 1 comprimido 2 vezes ao dia.
Se necessário, pode-se aumentar a dose para 2 comprimidos 2 vezes ao dia, ou mesmo 2 comprimidos 3 vezes ao dia, por curto período de tempo. Uma vez obtida melhora clínica satisfatória, deve-se tentar manter o efeito terapêutico com a menor dose possível. Com bastante freqüência, 1/2 comprimido 2 vezes ao dia é suficiente. Ao estabelecer a dose de manutenção, ou quando for necessário interromper o tratamento, não se deve reduzir a dose abruptamente, mas de maneira gradual, reduzindo a dose diária em 1, ou melhor, 1/2 comprimido, com intervalos de várias semanas entre cada redução.
Para estabilizar o efeito terapêutico é necessário utilizar CETOTERON® por um período de tempo
prolongado, se possível com uso simultâneo de medidas psicoterápicas.
_ Tratamento antiandrogênico em carcinoma2 de próstata3 inoperável.
•  Para eliminar o efeito de androgênios adrenocorticais após orquiectomia37:
2 comprimidos 1 a 2 vezes ao dia (100 - 200 mg)
•  Sem orquiectomia37:
2 comprimidos 2 a 3 vezes ao dia (200 - 300 mg)
Os comprimidos devem ser ingeridos com pequena quantidade de líquido, após as refeições. Salvo
prescrição médica em contrário, o tratamento não deve ser alterado ou interrompido após melhora ou remissões terem ocorrido.
•  Para reduzir o aumento inicial de hormônios sexuais masculinos em tratamento com agonistas de LH-RH:
Inicialmente, 2 comprimidos de CETOTERON® 2 vezes ao dia (200 mg) isoladamente por 5-7 dias, seguidos por 2 comprimidos de CETOTERON® 2 vezes ao dia (200 mg) por 3-4 semanas juntamente com o agonista38 de LH-RH na dose recomendada pelo fabricante.
•  Para eliminar o efeito de androgênios adrenocorticais no tratamento com agonistas de LH-RH:
Continuação da terapia antiandrogênica com 2 comprimidos de CETOTERON® 1 a 2 vezes ao dia (100 - 200 mg).
Mulher
_ Sinais29 graves de androgenização, por exemplo hirsutismo4 grave patológico, queda pronunciada de cabelo5 androgênio-dependente, resultando até em calvície6 (alopécia androgênica16 grave), freqüentemente ocorrendo simultaneamente a formas graves de acne7 e/ou seborréia8.
•  Em mulheres em idade reprodutiva, o tratamento deve ser iniciado no 1º dia do ciclo (1º dia do ciclo = 1º
dia de sangramento). Apenas as pacientes que apresentarem amenorréia39 podem iniciar o tratamento
prescrito imediatamente. Neste caso, o 1º dia de tratamento deve ser considerado como se fosse o 1º
dia do ciclo e as recomendações abaixo descritas devem ser observadas.
Salvo prescrição médica em contrário, a paciente deve ingerir 2 comprimidos de CETOTERON®
diariamente com pequena quantidade de líquido, após uma refeição, do 1º ao 10º dia do ciclo (10 dias).
Adicionalmente, deve usar um preparado contendo associação progestogênio-estrogênio, por exemplo
do 1º ao 21º dia do ciclo 1 comprimido de etinilestradiol + acetato de ciproterona, diariamente, para
promover a necessária proteção contraceptiva e estabilizar o ciclo.
As pacientes que recebem a terapia combinada24 cíclica devem escolher um determinado horário do dia para a ingestão do comprimido. Se houver esquecimento de tomada de um comprimido por período superior a 12 horas a este horário, a proteção contraceptiva nesse ciclo pode ficar reduzida.
O uso de CETOTERON® e etinilestradiol + acetato de ciproterona, entretanto, deve continuar de acordo com as instruções, ignorando o comprimido ou comprimidos esquecidos, com a finalidade de evitar sangramento prematuro neste ciclo. Porém, deve-se utilizar, adicionalmente, método contraceptivo nãohormonal,
(com exceção dos métodos de ritmo e da temperatura), no restante deste ciclo.
Após 21 dias de tratamento, deve-se intercalar pausa de 7 dias, durante a qual deve ocorrer sangramento semelhante à menstruação40. Após a pausa reinicia-se o mesmo esquema de tratamento combinado, isto é, no mesmo dia da semana e mantendo as mesmas orientações, tenha ou não cessado o sangramento.
Se não houver ocorrido sangramento durante o intervalo de pausa, o médico deve ser
consultado.
Uma vez obtida a melhora clínica, o médico pode reduzir a dose diária de CETOTERON®, durante os 10 dias iniciais do tratamento combinado com etinilestradiol + acetato de ciproterona, para 1 ou 1/2 comprimido; às vezes, o uso isolado de etinilestradiol + acetato de ciproterona pode ser suficiente.
Com relação à terapia cíclica combinada, deve-se dar atenção às precauções contidas na bula do
produto etinilestradiol + acetato de ciproterona, usado em combinação com CETOTERON®.
•  Em pacientes pós-menopausadas ou histerectomizadas, CETOTERON®, pode ser administrado
isoladamente. De acordo com a gravidade das queixas, a dose média deve ser de 1/2 a 1 comprimido de CETOTERON® 1 vez ao dia, segundo o esquema "21 dias de tratamento, 7 dias de pausa".
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

CETOTERON - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
3 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
4 Hirsutismo: Presença de pêlos terminais (mais grossos e escuros) na mulher, em áreas anatômicas características de distribuição masculina, como acima dos lábios, no mento, em torno dos mamilos e ao longo da linha alba no abdome inferior. Pode manifestar-se como queixa isolada ou como parte de um quadro clínico mais amplo, acompanhado de outros sinais de hiperandrogenismo (acne, seborréia, alopécia), virilização (hipertrofia do clitóris, aumento da massa muscular, modificação do tom de voz), distúrbios menstruais e/ou infertilidade.
5 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
6 Calvície: Também chamada de alopécia androgenética é uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, sendo que a herança genética pode vir do lado paterno ou materno. É resultado da estimulação dos folículos pilosos por hormônios masculinos que começam a ser produzidos na adolescência (testosterona). Ao atingir o couro cabeludo de pacientes com tendência genética para a calvície, a testosterona sofre a ação de uma enzima, a 5-alfa-redutase, e é transformada em diidrotestosterona (DHT). É a DHT que vai agir sobre os folículos pilosos promovendo a sua diminuição progressiva. O resultado final deste processo de diminuição e afinamento dos fios de cabelo é a calvície.
7 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
8 Seborréia: Também conhecida como dermatite seborreica, caspa ou eczema, é uma afecção crônica que se manifesta em partes do corpo onde existe maior produção de óleo pelas glândulas sebáceas ou a presença de um fungo, o Pityrosporum ovale. Manifesta-se sob a forma de lesões avermelhadas que descamam e coçam principalmente no couro cabeludo, sobrancelhas, barba, perto do nariz, atrás e dentro das orelhas, no peito, nas costas e nas dobras de pele (axilas, virilhas e debaixo dos seios). Nos bebês, é conhecida como crosta láctea, uma placa gordurosa que adere ao couro cabeludo, mas que pode também aparecer na região das fraldas. Não é contagiosa.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
11 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
12 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Gônadas: 1. Designação genérica das glândulas sexuais (ovário e testículo) que produzem os gametas (óvulos e espermatozoides). 2. Em embriologia, é a glândula embrionária antes de sua possível identificação morfológica como ovário ou testículo.
15 Glândulas Sebáceas: Órgãos formados por pequenas bolsas, localizados na DERME. Cada glândula apresenta um único ducto que emerge de um grupo de alvéolos ovais. Cada alvéolo é constituído por uma membrana basal transparente, encerrando células epiteliais. Os ductos da maior parte das glândulas sebáceas se abrem nos folículos pilosos, porém alguns se abrem na superfície da PELE. Glândulas sebáceas secretam SEBO.
16 Alopécia androgênica: Também chamada de calvície masculina é uma manifestação fisiológica que ocorre em indivíduos geneticamente predispostos, sendo que a herança genética pode vir do lado paterno ou materno. É resultado da estimulação dos folículos pilosos por hormônios masculinos que começam a ser produzidos na adolescência (testosterona). Ao atingir o couro cabeludo de pacientes com tendência genética para a calvície, a testosterona sofre a ação de uma enzima, a 5-alfa-redutase, e é transformada em diidrotestosterona (DHT). É a DHT que vai agir sobre os folículos pilosos promovendo a sua diminuição progressiva. O resultado final deste processo de diminuição e afinamento dos fios de cabelo é a calvície.
17 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
18 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
19 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
20 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
21 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
22 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
23 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
24 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
25 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
26 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
27 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
28 Cavidade Abdominal: Região do abdome que se estende do DIAFRAGMA torácico até o plano da abertura superior da pelve (passagem pélvica). A cavidade abdominal contém o PERiTÔNIO e as VÍSCERAS abdominais, assim como, o espaço extraperitoneal que inclui o ESPAÇO RETROPERITONEAL.
29 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
30 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
31 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
32 Hipoglicemiantes orais: Medicamentos usados por via oral em pessoas com diabetes tipo 2 para manter os níves de glicose próximos ao normal. As classes de hipoglicemiantes são: inibidores da alfaglicosidase, biguanidas, derivados da fenilalanina, meglitinides, sulfoniluréias e thiazolidinediones.
33 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
34 Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática.
35 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
36 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
37 Orquiectomia: Remoção cirúrgica do testículo.
38 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
39 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
40 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.

Tem alguma dúvida sobre CETOTERON?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.