LOREMIX

ATIVUS

Atualizado em 09/12/2014

Loratadina
USO ADULTO

Forma Farmacêutica e Apresentações de Loremix

Comprimidos - caixas com 12 comprimidos.Xarope - frasco com 100 ml.

Composição de Loremix

Comprimido - Cada comprimido comtém:
Loratadina: 10 mg
Excipiente: Celulose, Estearato de Magnésio, Gluconato Amido Sódio,
Copolímero Ácido Metacrílico, Acetona, Álcool, Talco

Xarope - Cada 5 ml contém:
Loratadina: 5 mg
Excipiente: Ácido Cítrico, Sacarose, Álcool, Glicerina, Metilparabeno,
Propilparabeno.

Informações ao Paciente de Loremix

A Loratadina inibe a Histamina1, um dos principais agentes responsáveis pela secreção nasal e coceira dos quadros alérgicos.

CUIDADOS NA CONSERVAÇÃO:

Todo medicamento deve ser conservado ao abrigo da luz e umidade entre 15 e 30°C.

Prazo de validade: 24 meses após a data de fabricação.

Verifique a data de fabricação no cartucho.Não use medicamentos com o prazo de validade vencido.

A Loratadina é um novo medicamento, seu uso em mulheres grávidas e amamentando está contra-indicado, pois observa-se concentrações do fármaco2 no leite materno. Em crianças abaixo de 2 anos sua eficiência ainda não está estabelecida, portanto, seu uso deve ser exclusivamente a critério médico.

Na suspeita de gravidez3 informe ao seu médico.
Não interromper o tratamento sem conhecimento do seu médico.

Loremix (Loratadina) é bem tolerado, porém, podem ocorrer casos de: vômitos4, náuseas5, agitação psicomotora6 e quadros urticariformes.
Apesar de sua seletividade periférica, a ocorrência de sonolência é rara, entretanto deve-se ter cautela ao executar atividades perigosas que exijam atenção, este efeito se intensifica com o uso concomitante de: àlcool, barbitúricos, analgésicos7 opiáceos, e neurolépticos8.
Pacientes com problemas de fígado9 devem comunicar seu médico, pois, LOREMIX (Loratadina) está contra-indicado em hepatopatas graves.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

NÃO TOME REMÉDIOS SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE10.

Informações Técnicas de Loremix

A Loratadina é um potente anti-histamínico tricíclico com ação prolongada e seletiva para receptores H1 periféricos, porém ao contrário da maioria dos anti-histamínicos não apresenta significantes efeitos do tipo anticolinérgicos e serotônicos.

Mecanismo de ação: LOREMIX (Loratadina) age antagonizando a ação da histamina1 nos receptores H1 com grande seletividade para os periféricos, fazendo com que os efeitos da histamina1, nos processos alérgicos como a vasodilatação e o aumento de secreções sejam minimizados.

Farmacocinética de Loremix

A Loratadina é rapidamente absorvida no trato gastrointestinal atingindo níveis plasmáticos máximos em 1 hora. Sua metabolização é hepática11, onde é transformada em descarboetoxiloratadina, seuprincipal metabólito12 ativo cujo pico plasmático máximo está em torno de 2,9 horas. O tempo de meia-vida plasmática da Loratadina e da
descarboetoxiloratadina é de 3,8 e de 18,7 horas, respectivamente. Sua ligação com as proteínas13 plasmáticas é alta, sendo que a Loratadina se encontra entre 97 e 99% ligada as mesmas enquanto a descarboetoxiloratadina se encontra entre 73 a 76%.

Indicações de Loremix

LOREMIX (Loratadina) está indicado no alívio dos sinais14 e sintomas15 associados com a rinite16 alérgica e também para o alívio dos sinais14 e sintomas15 nos quadros urticários crônicos e outras afecções17 dermatológicas. Nos quadros de rinites não alérgicas e processos das vias aéreas baixas, como a asma18 brônquica, o uso da Loratadina não está indicado.

Contra-Indicações de Loremix

LOREMIX (Loratadina) está contra-indicado em pacientes que apresentem história de hipersensibilidade a qualquer componente de sua formulação.

Precauções de Loremix

Apesar de sua especificidade aos receptores H1 periféricos,
geralmente não há sonolência no uso de Loratadina, porém, deve-se ter cautela ao medicar pacientes que exerçam atividades que exijam atenção.
Gravidez3 e lactação19: Sabe-se que a Loratadina atravessa a barreira placentária de ratos e que alcança concentrações no leite iguais as do plasma20, em 48 horas, apenas 0,0029% da dose ingerida por via oral é eliminada no leite como droga ativa. Por se tratar de um novo medicamento ainda não está estabelecido o risco que a Loratadina pode gerar ao feto21, logo, o seu uso na gravidez3 e lactação19 deve ser criteriosamente avaliado pelo médico.
Infância: Ainda não está estabelecida a segurança e a eficácia da Loratadina em crianças abaixo de 2 anos desta forma o seu uso nesta faixa etária deve ser criteriosamente avaliada pelo médico.
Hepatopatas e Nefropatas: A dose de Loremix deve ser reduzida à 5 mg ao dia ou 10 mg em dias alternados em pacientes que possuam insuficiência renal22 (depuração de creatinina23 plasmática < 30 ml/min) e/ou insuficiência hepática24 grave devido a alteração de sua metabolização.

Reações Adversas de Loremix

A Loratadina é bem tolerada pelo organismo. Emestudos clínicos controlados, a Loratadina demosntrou ausência de efeitos sedativos ou anticolinérgicos porém, alguns efeitos colaterais25 poderão ser relatados, tais como: PELE26 = dermatites, cabelo27 e pele26 seca, urticária28, fotossensibilidade. PSIQUIÁTRICOS = depressão, agitação, insônia, amnésia29, confusão, aumento do libido30. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO31 = salivação e lacrimejamento alterados, transpiração32 aumentada e impotência33.
CARDIOVASCULAR = hipotensão34, palpitação35, síncope36, taquicardia37.
GASTROINTESTINAL = náuseas5, vômitos4, flatulência, gastrite38, constipação39, anorexia40. MÚSCULO-ESQUELÉTICO = artralgia41, mialgia42. RESPIRATÓRIO = secura nasal, faringite43, dispnéia44, congestão nasal, bronco-espasmo45. URINÁRIO = descoloração da urina46 e alteração da micção47. REPRODUTIVO = dismenorréia48, vaginite49.

Interações aos testes laboratoriais: Deve-se suspender por um período de 2 a 4 dias o uso da Loratadina antes de se executar qualquer teste alérgico como provas cutâneas50, pois, a resposta das mesmas podem estar diminuídas ou até mesmo abolidas.

Interações Medicamentosas de Loremix

Observa-se um aumento dos níveis plasmáticos de Loratadina em uso concomitante de Eritromicina, Cetoconazol e Cimetidina, entretanto, sem clínica presente. O uso de álcool concomitante com
a Loratadina pode intensificar um efeito sedativo.
Inibidores da MAO51 prolongam e intensificam os efeitos dos anti-histamínicos, podendo ocorrer elevação da pressão arterial52, inclusive crises hipertensivas.

Posologia de Loremix

ADULTOS E CRIANÇAS ACIMA DE 12 ANOSComprimidos 1 Comp. 1x ao dia
Xarope        10 ml 1x ao dia
CRIANÇAS ACIMA DE 2 ANOS
(PESO MAIOR DE 30 KG)
Comprimidos     1 Comp. 1x ao dia
Xarope                  10 ml 1x ao dia
CRIANÇAS ACIMA DE 2 ANOS
(PESO MENOR QUE 30 KG)
Xarope        5 ml 1x ao dia

Conduta na Superdosagem de Loremix

Não foram observadas sintomatologias relevantes em pacientes que ingeriram até 160 mg de Loratadina, mas sintomas15 como sonolência, sedação53, insônia, apnéia54, taquicardia37 e mesmo convulsão55 podem ocorrer. Como ainda não está estabelecido o risco nem a dose na superdosagem, aconselha-se o encaminhamento a centros de controle de intoxicações onde deve-se proceder com o esvaziamento gástrico, por lavagem ou provocando o vômito56, quando o paciente estiver consciente. Deve-se preservar os parâmetros cardio-respiratórios com uso de drogas vasoativas e em caso de convulsões está indicado o uso de benzodiazepínico. A depuração da Loratadina por métodos de diálise57 não é significativa.

Pacientes acima de 65 anos: Não há contra-indicação ao uso da Loratadina em pacientes idosos desde que sua função hepato-renal58 esteja preservada.

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E, EMBORA AS PESQUISAS REALIZADAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA QUANDO CORRETAMENTE INDICADO, PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS. EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÕES ADVERSAS O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA


LOREMIX - Laboratório

ATIVUS
Rua Fonte Mécia, 2050 - São Pedro
Valinhos/SP - CEP: 13270-000
Tel: (19) 3849 8600
Site: http://www.ativus.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ATIVUS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
2 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
5 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
6 Psicomotora: Própria ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
7 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
8 Neurolépticos: Medicamento que exerce ação calmante sobre o sistema nervoso, tranquilizante, psicoléptico.
9 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
12 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
13 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
14 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
16 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
17 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
18 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
19 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
20 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
21 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
22 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
23 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
24 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
25 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
26 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
27 Cabelo: Estrutura filamentosa formada por uma haste que se projeta para a superfície da PELE a partir de uma raiz (mais macia que a haste) e se aloja na cavidade de um FOLÍCULO PILOSO. É encontrado em muitas áreas do corpo.
28 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
29 Amnésia: Perda parcial ou total da memória.
30 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
31 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
32 Transpiração: 1. Ato ou efeito de transpirar. 2. Em fisiologia, é a eliminação do suor pelas glândulas sudoríparas da pele; sudação. Ou o fluido segregado pelas glândulas sudoríparas; suor. 3. Em botânica, é a perda de água por evaporação que ocorre na superfície de uma planta, principalmente através dos estômatos, mas também pelas lenticelas e, diretamente, pelas células epidérmicas.
33 Impotência: Incapacidade para ter ou manter a ereção para atividades sexuais. Também chamada de disfunção erétil.
34 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
35 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
36 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
37 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
38 Gastrite: Inflamação aguda ou crônica da mucosa do estômago. Manifesta-se por dor na região superior do abdome, acidez, ardor, náuseas, vômitos, etc. Pode ser produzida por infecções, consumo de medicamentos (aspirina), estresse, etc.
39 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
40 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
41 Artralgia: Dor em uma articulação.
42 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
43 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
44 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
45 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
46 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
47 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
48 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
49 Vaginite: Inflamação da mucosa que recobre a vagina. Em geral é devido a uma infecção bacteriana ou micótica. Manifesta-se por ardor, dor espontânea ou durante o coito (dispareunia) e secreção mucosa ou purulenta pela mesma.
50 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
51 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
52 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
53 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
54 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
55 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
56 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
57 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
58 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.

Tem alguma dúvida sobre LOREMIX?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.