Preço de TEICOPLANINA em Fairfield/SP: R$ 2817,00

TEICOPLANINA

EUROFARMA

Atualizado em 09/12/2014

TEICOPLANINA


Medicamento genérico

Lei nº 9.787, de 1999


Liofilizado1 para Solução Injetável

Forma Farmacêutica e Apresentações da Teicoplanina

Liofilizado1 para Solução Injetável, 200 mg.
Embalagem contendo 5 frascos-ampola acompanhados de 5 ampolas diluente com 3 mL.


Liofilizado1 para Solução Injetável, 400 mg.

Embalagem contendo 5 frascos-ampola acompanhados de 5 ampolas diluente com 3 mL.


USO ADULTO E PEDIÁTRICO


Uso intravenoso/intramuscular

Composição da Teicoplanina

Cada frasco-ampola de teicoplanina 200 mg contém:

teicoplanina ............................................................................................................................. 200 mg

excipientes q.s.p. ....................................................................................................... 1 frasco-ampola

Excipientes: cloreto de sódio.


Cada frasco-ampola de teicoplanina 400 mg contém:

teicoplanina ............................................................................................................................. 400 mg

excipientes q.s.p. ....................................................................................................... 1 frasco-ampola

Excipientes: cloreto de sódio.


Cada ampola de solução diluente contém:

água para injetáveis ................................................................................................................... 3 mL


- INFORMAÇÕES AO PACIENTE

Ação esperada do medicamento

A teicoplanina é um antibiótico glícopeptídeo que age na biossíntese da parede celular e tem ação

contra bactérias Gram-positivas aeróbias e anaeróbias.


Indicações do medicamento

A teicoplanina está indicada no tratamento de infecções2 causadas por microrganismos Gram-positivos sensíveis, incluindo aqueles resistentes a outros antibióticos, tais como meticilina e as cefalosporinas: endocardite3, septicemia4, infecções2 osteoarticulares, infecções2 do trato respiratório inferior, infecções2 de pele5 e tecidos moles, infecções2 urinárias e peritonite6 associada a diálise peritoneal7 crônica ambulatorial. A teicoplanina também está indicada no tratamento de infecções2 em pacientes alérgicos às penicilinas ou cefalosporinas. A teicoplanina pode ser usada por via oral no tratamento de diarréia8 associada ao uso de antibiótico, incluindo colite9 pseudomembranosa causada por C. difficile. A teicoplanina pode ser utilizada para profilaxia em pacientes nos quais a infecção10 por microrganismos Gram-positivos pode ser perigosa (por exemplo, em pacientes que necessitam de cirurgia dental ou ortopédica).


Riscos do medicamento

O uso deste medicamento é contraindicado em caso de hipersensibilidade conhecida à teicoplanina e/ou demais componentes da formulação.

Gravidez11 e lactação12: Informe seu médico a ocorrência de gravidez11 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.

Ingestão concomitante com outras substâncias: Soluções de teicoplanina e aminoglicosídeos são incompatíveis quando misturadas, portanto não devem ser misturadas antes da injeção13.

Contraindicações e precauções: Informe a seu médico se você tem problemas de rim14, alergia15 à teicoplanina ou à vancomicina. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico; pode ser perigoso para a sua saúde16.


Modo de uso

Cuidados de administração: Siga corretamente as instruções de seu médico quanto ao emprego do

produto, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Interrupção do tratamento: Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Riscos da automedicação17: Não tome remédio sem o conhecimento do seu médico, pode ser perigoso para a saúde16.


Reações Adversas

Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, tais como: vermelhidão e/ou dor

no local da injeção13, reações alérgicas, náuseas18, vômitos19, diarréia8. Mais raramente podem ocorrer

reações sanguíneas.

Informe ao seu médico se você tem problemas de rim14, alergia15 à teicoplanina ou à vancomicina.

Condutas em Caso de Superdose

Foram relatados casos de administração de doses excessivas erroneamente, à pacientes pediátricos. Em um relato de superdosagem, um recém-nascido de 29 dias apresentou agitação após a administração de 400 mg I.V. (95 mg/kg). Nos outros casos, não foram verificados sintomas20 ou anormalidades laboratoriais associados a teicoplanina. Nos casos de superdosagem, o tratamento deverá ser sintomático21. A teicoplanina não é eliminada através de hemodiálise22.


Cuidados de Conservação

Conservar em temperatura ambiente (entre 15° e 30°C).

A solução deve ser usada imediatamente após a reconstituição. Entretanto, se necessário, pode-se

utilizar dentro de 24 horas se armazenada sob refrigeração (temperatura entre 2 e 8°C).


Prazo de validade

Desde que observados os devidos cuidados de conservação, o prazo de validade de teicoplanina é de 24 meses, contados a partir da data de fabricação impressa em sua embalagem externa.

O produto não deve ser utilizado fora do prazo de validade indicado, sob risco de não produzir os efeitos esperados.


NÃO USE MEDICAMENTOS COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.

ANTES DE USAR OBSERVE O ASPECTO DO MEDICAMENTO.


TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Informações Técnicas Aos Profissionais de Saúde16 da Teicoplanina

Características da Teicoplanina

O princípio ativo teicoplanina é um novo antibiótico do grupo dos glicopeptídeos, o qual age na biossíntese da parede celular de forma adversa dos betalactâmicos, e mostrou ação bactericida in vitro contra bactérias Gram-positivas aeróbias e anaeróbias. A teicoplanina é ativa contra estafilococos (incluindo os resistentes à meticilina e outros antibióticos betalactâmicos), estreptococos, enterococos, Listeria monocytogenes, micrococos, corinebactéria do grupo J/K e anaeróbios Gram-positivos incluindo Clostridium difficile e peptococos.

A biodisponibilidade de uma única injeção intramuscular23 de 3-6 mg/kg é de mais de 90%. A teicoplanina é pouco absorvida pelo trato gastrintestinal normal após administração oral; 40% da dose oral é encontrada nas fezes como droga ativa. Após a administração intravenosa de 3-6 mg/kg, a concentração plasmática declina com meia-vida terminal de eliminação de 150 horas com depuração plasmática de 11,9 a 14,7mL/h/kg, o que permite uma única administração diária.

Após administração intravenosa de 6 mg/kg nas horas 0, 12, 24 e a cada 24h como infusão por 30 minutos, uma concentração sérica mínima de 10 mg/L seria alcançada pelo quarto dia. Concentrações séricas máxima e mínima no estado de equilíbrio de aproximadamente 64 mg/L e 19 mg/L, respectivamente, seriam atingidas pelo 28º dia.

A teicoplanina difunde-se bem na pele5, tecido subcutâneo24, miocárdio25, pulmão26, líquido pleural, osso, líquido sinovial27, líquido de vesícula28 cutânea29 e lentamente, no líquido cefalorraquidiano30.

A teicoplanina apresenta ligação às proteínas31 plasmáticas de 90% a 95%, sendo de fraca afinidade.

A biotransformação é pequena (aproximadamente 3%), sendo aproximadamente 80% da droga administrada eliminada na urina32. A depuração renal33 após a administração intravenosa e 3 a 6 mg/h/kg é de 10,4 a 12,1 mL/kg.

- INDICAÇÕES

A teicoplanina está indicada no tratamento de infecções2 causadas por microrganismos Gram-positivos sensíveis, incluindo aqueles resistentes a outros antibióticos, tais como meticilina e as cefalosporinas: endocardite3, septicemia4, infecções2 osteoarticulares, infecções2 do trato respiratório inferior, infecções2 de pele5 e tecidos moles, infecções2 urinárias e peritonite6 associada a diálise peritoneal7 crônica ambulatorial.

A teicoplanina também está indicada no tratamento de infecções2 em pacientes alérgicos às penicilinas ou cefalosporinas.

A teicoplanina pode ser usada por via oral no tratamento de diarréia8 associada ao uso de antibiótico, incluindo colite9 pseudomembranosa causada por C. difficile.

A teicoplanina pode ser utilizada para profilaxia em pacientes nos quais a infecção10 por microrganismos Gram-positivos pode ser perigosa (por exemplo, em pacientes que necessitam de cirurgia dental ou ortopédica).


Contraindicações da Teicoplanina

O uso deste medicamento é contraindicado em caso de hipersensibilidade conhecida à teicoplanina e/ou demais componentes da formulação.


Modo de Usar e Cuidados de Conservação Depois de Aberto da Teicoplanina

Preparação da injeção13

Adicione lentamente todo o diluente da ampola no frasco-ampola e role-o lentamente entre as mãos34, até que o pó esteja completamente dissolvido, tomando-se o cuidado de evitar a formação de espuma. É importante assegurar que todo o pó esteja dissolvido, mesmo aquele que estiver perto da tampa. A agitação da solução pode causar a formação de espuma, a qual torna difícil recuperar o volume desejado. Entretanto, se todo o pó foi completamente dissolvido, a espuma não altera a concentração da solução. Se a solução ficar espumosa, o frasco deve ficar em repouso aproximadamente 15 minutos. Retire a solução lentamente do frasco-ampola, tentando recuperar a maior parte da solução colocando a agulha na parte central da tampa de borracha.

As soluções reconstituídas contêm 100 mg de teicoplanina em 1,5 mL; 200 mg em 3,0 mL (do frasco-ampola de 200 mg) e 400 mg em 3,0 mL (do frasco-ampola de 400 mg). É importante que a solução seja corretamente preparada e cuidadosamente colocada na seringa35, pois, caso contrário, pode levar a uma administração menor que a dose total. A solução final é isotônica36 e tem pH de 7,2 a 7,8.

A solução é estável por 48 horas a temperatura ambiente ou por 11 dias sob refrigeração (temperatura entre 2 e 8°C) sem perda da potência. Entretanto, a boa prática farmacêutica recomenda que as soluções e reconstituídas sejam utilizadas imediatamente e a porção não utilizada descartada.

As soluções reconstituídas podem ser injetadas diretamente ou diluídas alternativamente, como se segue:


Como boa prática farmacêutica, recomenda-se usar de preferência as soluções imediatamente após a mistura.


Modo de administração

A teicoplanina pode ser administrada por via intravenosa (I.V.) ou intramuscular (I.M.). A administração I.V. pode ser feita diretamente por injeção13 (3-5 minutos) ou através de infusão, (30 minutos). A dose diária é geralmente única, entretanto, em infecções2 graves, recomenda-se uma dose de ataque a intervalos de 12 horas para as 3 primeiras doses. A maioria dos pacientes com infecções2 causadas por microrganismos sensíveis ao antibiótico apresentam resposta terapêutica37 dentro das primeiras 48-72 horas. A duração total do tratamento é determinado pelo tipo e gravidade da infecção10 e resposta clínica do paciente. Em endocardite3 e osteomielite38, recomenda-se

tratamento por 3 semanas ou mais.


Posologia da Teicoplanina

DOSES TERAPÊUTICAS

Adultos com função renal33 normal:

  - Infecções2 moderadas (por exemplo: infecções2 do trato respiratório inferior, infecções2 da pele5 e tecidos moles e infecções2 urinárias): o tratamento deve ser iniciado com uma única dose intravenosa de 400 mg (ou 6mg/kg), seguida de dose de manutenção de 200 mg (ou de 3 mg/kg/dia) por via I.M. ou I.V.

  - Em infecções2 graves (por exemplo: septicemia4, endocardite3, osteomielite38 e artrite39 séptica, infecções2 em pacientes com comprometimento da função imunológica): o tratamento deve começar com 400 mg (ou 6 mg/kg) por via I.V., cada 12 horas, para as 3 primeiras doses. Nos dias seguintes, a dose deve ser de 400 mg (ou 6 mg/kg) ao dia por via I.V ou I.M.. Em pacientes que pesam mais de 85 kg, deve-se utilizar a dose de 6 mg/kg. Em algumas situações, tais como em pacientes com queimaduras graves infectadas ou endocardite3 causada por Staphylococcus aureus, pode ser necessária dose de manutenção de até 12 mg/kg por via I.V.

No caso de endocardite3 causada por S. aureus, foram obtidos resultados satisfatórios quando teicoplanina foi administrada junto com outros antibióticos. A eficácia da monoterapia com teicoplanina para esta indicação ainda está sendo investigada.

Quando as concentrações séricas de teicoplanina são monitoradas em infecções2 graves, os níveis (imediatamente antes da dose subseqüente) devem ser equivalentes a 10 vezes a CIM (concentração inibitória mínima) ou pelo menos, 10 mg/L.

Idosos: Igual a dose dos adultos (se a função renal33 estiver gravemente comprometida, deve-se seguir as instruções para pacientes40 com função renal33 comprometida).

Crianças acima de 2 meses de idade até 16 anos: Em infecções2 graves por microrganismos Gram-positivos ou em crianças neutropênicas, a dose recomendada é de 10 mg/kg a cada 12 horas para as 3 primeiras doses; as doses diárias subseqüentes devem ser de 10 mg/kg em única injeção13 intravenosa ou intramuscular. Nas infecções2 moderadas, a dose recomendada é de 10 mg/kg a cada 12 horas para as 3 primeiras doses; as doses diárias subseqüentes devem ser de 6 mg/kg em injeção13 única intravenosa ou intramuscular.

Recém nascidos menores de dois meses: Recomenda-se administrar dose única de ataque de 16 mg/kg no primeiro dia; as doses diárias subseqüentes devem ser de 8 mg/kg. Recomenda-se administrar as doses por infusão intravenosa por 30 minutos.

Pacientes com insuficiência renal41: Em pacientes com insuficiência renal41, a diminuição da dose não é necessária até a 4º dose. A partir da 5°dose, deve-se seguir o seguinte esquema:

  - Insuficiência renal41 moderada, com depuração de creatinina42 de 40 a 60 mL/min, a dose deverá ser diminuída para a metade inicial (utilizando a dose inicial cada dois dias ou a metade desta dose uma vez ao dia).

  - Em insuficiência renal41 grave, com depuração de creatinina42 menor que 40 mL/min e em pacientes

sob hemodiálise22, a dose deve ser reduzida para um terço da inicial (utilizando a mesma dose inicial

cada três dias ou um terço da dose uma vez ao dia). Teicoplanina não é dializável.

  - Administração Intraperitoneal em peritonite6 por microrganismos Gram-positivos secundária à diálise peritoneal7 ambulatorial contínua, após uma dose de ataque de 400 mg I.V.: a dose recomendada é de 20 mg de teicoplanina por litro do líquido de diálise43 na 1ª semana; 20 mg/L em bolsas alternadas na 2ª.semana e 20 mg/L na bolsa que permanece durante a noite na 3ª semana.

Pacientes com febre44 devem receber uma dose de ataque de 400 mg I.V.

Terapia combinada45: Quando a infecção10 requer atividade bactericida máxima, recomenda-se a

combinação com um agente bactericida apropriado (ex.: em endocardite3 estafilocócica) ou quando

infecções2 mistas com patógenos Gram-negativos não podem ser excluídas (ex.: terapia empírica

de febre44 em pacientes neutropênicos).

Profilaxia de endocardite3 Gram-positiva em cirurgia dentária e em pacientes com doença valvular:

Uma administração intravenosa de 400 mg (6mg/kg) no momento da indução anestésica.

Profilaxia de infecções2 Gram-positivas em cirurgia ortopédica e vascular46: Uma dose de 400 mg

I.V. no momento da indução anestésica.

Diarréia8 associada à antibióticos: Após reconstituição do pó do frasco-ampola com o solvente,

a solução deve ser administrada como solução oral (a solução não tem gosto). A dose usual é de

200 mg, duas vezes ao dia durante 7 a 14 dias.


Advertências da Teicoplanina

Deve ser administrado com cuidado a pacientes com antecedentes de hipersensibilidade à vancomicina, pois pode haver hipersensibilidade cruzada. Entretanto, um antecedente de “red man syndrome” atribuído à vancomicina, não se constitui em uma contraindicação para o uso de teicoplanina.

Foram relatados casos de toxicidade47 hematológica, auditiva, hepática48 e renal33 com teicoplanina. Portanto, recomenda-se monitorar as funções auditiva, hematológica, hepática48 e renal33, particularmente em pacientes com insuficiência renal41, pacientes sob tratamento prolongado e aqueles pacientes que necessitam de uso concomitante de drogas que possam ter efeitos ototóxicos e nefrotóxicos (vide item “interações medicamentosas”).

A eficácia e segurança da administração de teicoplanina pelas vias intratecal/intralombar e intraventricular não foram estudadas em estudos clínicos controlados. Entretanto, foi relatado caso de toxicidade47, incluindo convulsões, com o uso intraventricular de teicoplanina.

O uso de teicoplanina pode resultar em supercrescimento de microrganismos resistentes.

Uso durante a gravidez11 e lactação12

Embora os estudos de reprodução49 animal não tenham revelado evidência de alteração da fertilidade ou efeitos teratogênicos50, teicoplanina não deve ser utilizada durante a gravidez11 confirmada ou suposta ou durante a lactação12, a menos que, a juízo médico, os benefícios potenciais superem os possíveis riscos. Não se tem informação sobre a excreção de teicoplanina no leite materno ou sobre a transferência placentária da droga.


Interações Medicamentosas da Teicoplanina

Os estudos em animais não evidenciaram interação com diazepam, tiopental, morfina, bloqueadores neuromusculares ou halotano.

Devido ao potencial de aumento de efeitos adversos, teicoplanina deve ser administrada com cuidado em pacientes sob tratamento concomitante com drogas nefrotóxicas ou ototóxicas, tais como aminoglicosídios, anfotericina b, ciclosporina, furosemida e ácido etacrínico.

As soluções de teicoplanina e aminoglicosídios são incompatíveis quando misturadas, portanto não devem ser misturadas antes da injeção13.


Reações Adversas a Medicamentos da Teicoplanina

Teicoplanina geralmente é bem tolerada. As reações adversas conhecidas raramente requerem interrupção do tratamento e geralmente são de caráter leve e transitório. As reações adversas graves são raras. As seguintes reações foram relatadas:

Reações locais: eritema51, dor local, tromboflebite52 e abscesso53 no local da injeção intramuscular23.


Reações alérgicas: erupção54 cutânea29, prurido55, febre44, rigidez, broncoespasmo56, reações anafiláticas57, urticária58, angioedema59 e raros casos de dermatite60 esfoliativa, necrólise epidérmica tóxica61, eritema multiforme62 incluindo a síndrome de stevens-johnson63.

Adicionalmente foram relatadas reações relacionadas às infusões, tais como: eritema51 ou rubor do tronco. Estes eventos ocorreram sem histórico prévio de exposição à teicoplanina e não voltaram a ocorrer na reexposição com a velocidade da infusão mais lenta e/ou a diminuição da concentração. Estes eventos não foram específicos para qualquer concentração ou velocidade de infusão.


Reações gastrintestinais: náusea64, vômitos19, diarréia8.


Reações sanguíneas: eosinofilia65, leucopenia66, neutropenia67, trombocitopenia68, e raros casos de agranulocitose69 reversível.


Função hepática48: aumento das transaminases séricas e/ou fosfatase alcalina70 sérica.


Função renal33: elevações da creatinina42 sérica, insuficiência renal41.


SNC71: tontura72 e cefaleia73. Convulsões podem ocorrer com a administração intraventricular.


Auditiva/vestibulares74: nestes casos, o efeito causal não foi estabelecido entre a utilização da teicoplanina e a perda auditiva, tinido e distúrbios vestibulares74. A ototoxicidade75 da teicoplanina é inferior a da vancomicina.


Superdose da Teicoplanina

Foram relatados casos de administração de doses excessivas erroneamente, à pacientes pediátricos. Em um relato de superdosagem, um recém-nascido de 29 dias apresentou agitação após a administração de 400 mg I.V. (95 mg/kg). Nos outros casos, não foram verificados sintomas20 ou anormalidades laboratoriais associados a teicoplanina. Nos casos de superdosagem, o tratamento deverá ser sintomático21. A teicoplanina não é eliminada através de hemodiálise22.


Armazenagem da Teicoplanina

Conservar em temperatura ambiente (entre 15° e 30°C).


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA.

N.º de lote, data de fabricação e prazo de validade: VIDE CARTUCHO.

Para sua segurança mantenha esta embalagem até o uso total do medicamento.


MS - 1.0043.0938


Farm. Resp.: Dra. Sônia Albano Badaró - CRF-SP 19.258


EUROFARMA LABORATÓRIOS S.A.

Av. Ver. José Diniz, 3.465 - São Paulo – SP

CNPJ: 61.190.096/0001-92



Indústria Brasileira

TEICOPLANINA - Laboratório

EUROFARMA
Av. Ver. José Diniz, 3465 - Campo Belo
São Paulo/SP - CEP: 04603-003
Tel: 0800-704-3876
Email: euroatende@eurofarma.com.br
Site: http://www.eurofarma.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "EUROFARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
4 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Peritonite: Inflamação do peritônio. Pode ser produzida pela entrada de bactérias através da perfuração de uma víscera (apendicite, colecistite), como complicação de uma cirurgia abdominal, por ferida penetrante no abdome ou, em algumas ocasiões, sem causa aparente. É uma doença grave que pode levar pacientes à morte.
7 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
12 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
13 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
14 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
15 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Automedicação: Automedicação é a prática de tomar remédios sem a prescrição, orientação e supervisão médicas.
18 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
19 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
22 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
23 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
24 Tecido Subcutâneo: Tecido conectivo frouxo (localizado sob a DERME), que liga a PELE fracamente aos tecidos subjacentes. Pode conter uma camada (pad) de ADIPÓCITOS, que varia em número e tamanho, conforme a área do corpo e o estado nutricional, respectivamente.
25 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
26 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
27 Líquido sinovial: Gel viscoso e transparente que lubrifica as estruturas que banha, minorando o atrito entre elas. Ele é encontrado na cavidade da cápsula articular.
28 Vesícula: Lesão papular preenchida com líquido claro.
29 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
30 Líquido cefalorraquidiano: Líquido cefalorraquidiano (LCR), também conhecido como líquor ou fluido cérebro espinhal, é definido como um fluido corporal estéril, incolor, encontrado no espaço subaracnoideo no cérebro e na medula espinhal (entre as meninges aracnoide e pia-máter). Caracteriza-se por ser uma solução salina pura, com baixo teor de proteínas e células, atuando como um amortecedor para o córtex cerebral e a medula espinhal. Possui também a função de fornecer nutrientes para o tecido nervoso e remover resíduos metabólicos do mesmo. É sintetizado pelos plexos coroidais, epitélio ventricular e espaço subaracnoideo em uma taxa de aproximadamente 20 mL/hora. Em recém-nascidos, este líquido é encontrado em um volume que varia entre 10 a 60 mL, enquanto que no adulto fica entre 100 a 150 mL.
31 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
32 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
33 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
34 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
35 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
36 Isotônica: Relativo à ou pertencente à ação muscular que ocorre com uma contração normal. Em química, significa a igualdade de pressão entre duas soluções.
37 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
38 Osteomielite: Infecção crônica do osso. Pode afetar qualquer osso da anatomia e produzir-se por uma porta de entrada local (fratura exposta, infecção de partes moles) ou por bactérias que circulam através do sangue (brucelose, tuberculose, etc.).
39 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
40 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
41 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
42 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
43 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
44 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
45 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
46 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
47 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
48 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
49 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
50 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
51 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
52 Tromboflebite: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
53 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
54 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
55 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
56 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
57 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
58 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
59 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
60 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
61 Necrólise Epidérmica Tóxica: Sinônimo de Síndrome de Lyell. Caracterizada por necrólise da epiderme. Tem como características iniciais sintomas inespecíficos, influenza-símile, tais como febre, dor de garganta, tosse e queimação ocular, considerados manifestações prodrômicas que precedem o acometimento cutâneo-mucoso. Erupção eritematosa surge simetricamente na face e na parte superior do tronco, provocando sintomas de queimação ou dolorimento da pele. Progressivamente envolvem o tórax anterior e o dorso. O ápice do processo é constituído pela característica denudação da epiderme necrótica, a qual é destacada em verdadeiras lamelas ou retalhos, dentro das áreas acometidas pelo eritema de base. O paciente tem o aspecto de grande queimado, com a derme desnuda, sangrante, eritêmato-purpúrica e com contínua eliminação de serosidade, contribuindo para o desequilíbrio hidroeletrolítico e acentuada perda protéica. Graves seqüelas oculares e esofágicas têm sido relatadas.Constitui uma reação adversa a medicamentos rara. As drogas que mais comumente a causam são as sulfas, o fenobarbital, a carbamazepina, a dipirona, piroxicam, fenilbutazona, aminopenicilinas e o alopurinol.
62 Eritema multiforme: Condição aguda, auto-limitada, caracterizada pelo início abrupto de pápulas vermelhas fixas simétricas, algumas evoluindo em lesões em forma de “alvo”. A lesão alvo são zonas concêntricas de alterações de coloração com a área central púrpura ou escura e a externa vermelha. Elas irão desenvolver vesícula ou crosta na zona central após vários dias. Vinte porcento de todos os casos ocorrem na infância.O eritema multiforme geralmente é precipitado pelo vírus do herpes simples, Mycoplasma pneumoniae ou histoplasmose.
63 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
64 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
65 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
66 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
67 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
68 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
69 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
70 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
71 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
72 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
73 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
74 Vestibulares: O sistema vestibular é um dos sistemas que participam do equilíbrio do corpo. Ele contribui para três funções principais: controle do equilíbrio, orientação espacial e estabilização da imagem. Sintomas vestibulares são aqueles que mostram alterações neste sistema.
75 Ototoxicidade: Dano causado aos sistemas coclear e/ou vestibular resultante de exposição a substâncias químicas.

Tem alguma dúvida sobre TEICOPLANINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.