Preço de Simbrinza em Woodbridge/SP: R$ 69,91

Simbrinza

NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A

Atualizado em 07/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Simbrinza®
brinzolamida + tartarato de brimonidina
Suspensão Oftálmica 5 mL e 8 mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Suspensão oftálmica estéril
Frasco plástico conta-gotas contendo 5mL ou 8mL de suspensão oftálmica

VIA TÓPICA OCULAR
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada mL de Simbrinza contém:

brinzolamida 10mg
tartarato de brimonidina (equivalente a 1,32 mg de brimonidina base) 2 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Excipientes: Cloreto de benzalcônio, propilenoglicol, carbomer 974P, ácido bórico, manitol, ácido clorídrico1 e/ou hidróxido de sódio, tiloxapol e água purificada q.s.p. 1 mL.

Cada mL corresponde a 30 gotas. Cada gota2 contém 0,33 mg de brinzolamida e 0,04 mg de brimonidina base.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Simbrinza® suspensão oftálmica está indicado para redução da pressão intraocular3 (PIO) em paciente com glaucoma4 de ângulo aberto ou hipertensão5 ocular (pressão alta dentro dos olhos6).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Simbrinza® suspensão oftálmica contém dois ingredientes ativos: brinzolamida e tartarato de brimonidina. Estes dois componentes diminuem a pressão intraocular3 (pressão interna dos olhos6) elevada, principalmente pela redução da produção do humor aquoso7 (líquido formado dentro do olho8).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Este medicamento é contraindicado para pessoas que tenham alergia9 a brinzolamida, brimonidina ou a qualquer componente da fórmula. A brimonidina é uma sulfonamida e pode causar os mesmos tipos de reações adversas atribuídas aos demais medicamentos dessa classe.

Este medicamento é contraindicado para menores de 2 anos.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Simbrinza® suspensão oftálmica deve ser utilizado somente nos olhos6. Não toque a ponta do conta-gotas nos olhos6 ou em qualquer superfície para evitar a contaminação do produto. No caso de cirurgia ocular ou problema ocular (como trauma ou infecção10), procure imediatamente seu médico para orientações. Simbrinza® suspensão oftálmica não deve ser utilizado por pessoas com histórico de reação de sensibilidade à sulfonamidas. Se observar o aparecimento de reações oculares, sistêmicas, ou sinais11 de hipersensibilidade, deve-se interromper o tratamento imediatamente e consultar seu especialista. Em casos raros ocorreram óbitos devido a reações graves às sulfonamidas, incluindo a síndrome de Stevens-Johnson12, necrólise epidérmica tóxica13 (morte das células14 da pele15), necrose16 hepática17 (morte das células14 do fígado18) fulminante, agranulocitose19 (deficiência na produção de algumas células14 do sangue20), anemia aplásica21 (deficiência na produção de células14 vermelhas do sangue20) e outras alterações sanguíneas. A sensibilização pode voltar a ocorrer quando se volta a administrar uma sulfonamida por qualquer via corporal. Há possibilidade de ocorrer edema22 (inchaço23) da córnea24 em pacientes com baixa contagem de células14 desta estrutura ocular. O medicamento Simbrinza® suspensão oftálmica deve ser usado com cautela em pessoas com doenças cardiovasculares25 graves, depressão, insuficiência26 cerebral ou coronária, fenômeno de Reynaud’s, hipotensão27 ortostática ou tromboangeíte obliterante, entre outras que seu médico saberá identificar. Este medicamento deve ser administrado com precaução nestes pacientes. Ainda não foi avaliado o efeito de Simbrinza® suspensão oftálmica no tratamento de glaucoma4 de ângulo fechado, pois esta doença necessita de outros tratamentos.

Uso durante a gravidez28 e lactação29.

Não foram feitos estudos em mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Não se sabe se a brimonidina ou a brinzolamida são excretadas no leite materno. Tendo em vista que muitos medicamentos podem ser excretados no leite, e os potenciais efeitos adversos graves que podem atingir o bebê, a decisão de continuar ou não com a amamentação30 deve ser tomada considerando-se a necessidade do uso da medicação pela mãe. Em caso de dúvida, procure orientação médica.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Uso em crianças

A segurança e eficácia de Simbrinza® suspensão oftálmica em crianças e adolescentes com idade entre 2 a 17 anos ainda não foi estabelecida. Seu uso não é recomendado em crianças com idade inferior a 2 anos.

Pacientes idosos

Não foram observadas diferenças de eficácia e segurança entre pacientes idosos e mais jovens.

Pacientes que utilizam lentes de contato

Este medicamento contém um conservante que pode ser absorvido pelas lentes de contato. As lentes de contato devem ser retiradas do olho8 antes da aplicação do produto e podem ser recolocadas 15 minutos após a aplicação.

Pacientes que usam mais de um medicamento oftálmico

Se você utilizar mais de um colírio31, estes devem ser administrados com um intervalo de no mínimo 5 minutos entre cada aplicação.

Pacientes com insuficiência renal32 (rim33) ou hepática17 (fígado18)

Não há estudos que assegurem a segurança do uso do medicamento em pacientes com insuficiência renal32 ou hepática17 e ele deve ser utilizado com precaução nestes pacientes. Simbrinza® suspensão oftálmica não é indicado no tratamento de pacientes que sofram de insuficiência renal32, pois seus metabólitos34 são excretados pelo rim33.

Interferência na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

Depois de instilar Simbrinza® suspensão oftálmica, a visão35 pode ficar temporariamente embaçada; durante este período não se deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas. Este medicamento pode causar fadiga36 e/ou sonolência, deve-se ter cautela quando realizar atividades perigosas e/ou que necessitem de atenção.

Interações medicamentosas

Informe o seu médico se estiver utilizando algum dos medicamentos ou substâncias mencionadas a seguir, pois podem ocorrer interações entre eles e as substâncias que fazem parte da fórmula do medicamento Simbrinza® suspensão oftálmica:

  • Medicamentos para a pressão ou coração37: betabloqueadores, anti-hipertensivos e/ou glicosídeos cardíacos.
  • Medicamentos para doenças do sistema nervoso38: depressores do sistema nervoso central39, como, por exemplo, álcool, barbitúricos, opiáceos, sedativos, anestésicos e antidepressivos.
  • Doses elevadas de salicilatos, como a aspirina.
  • Inibidores de anidrase carbônica
  • Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde40.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O medicamento Simbrinza® suspensão oftálmica deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC).

Após aberto, a apresentação de 5mL é válida por 32 dias, e a apresentação de 8mL é válida por 65 dias. Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

O medicamento Simbrinza® é uma suspensão uniforme opaca que varia de branco a quase branco.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

  • Você deve usar este medicamento exclusivamente nos olhos6.
  • Antes de utilizar o medicamento, confira o nome no rótulo, para não haver enganos. Não utilize o medicamento Simbrinza® suspensão oftálmica caso haja sinais11 de violação e/ou danificações do frasco.
  • Agite bem antes de usar.
  • O medicamento já vem pronto para uso. Não encoste a ponta do frasco nos olhos6, nos dedos e nem em outra superfície qualquer, para evitar a contaminação do frasco e do colírio31.
  • Você deve aplicar o número de gotas da dose recomendada pelo seu médico em um ou ambos os olhos6. A dose usual é de 01 gota2 aplicada no (s) olho8 (s) afetado (s), 02 vezes ao dia, com intervalo de aproximadamente 12 horas entre as doses.
  • Feche bem o frasco depois de usar.

Estudos clínicos multicêntricos avaliaram a segurança e a eficácia do medicamento Simbrinza® suspensão oftálmica quando administrado 2 ou 3 vezes ao dia. A segurança de Simbrinza® suspensão oftálmica com doses ou frequência de administração maiores não foi estabelecida. A dose máxima diária do Simbrinza® corresponde a 1320 µg de brinzolamida e 264 µg de tartarato de brimonidina quando administrado 2 vezes ao dia em ambos os olhos6, e a 1980 µg de brinzolamida e 396 µg de tartarato de brimonidina quando administrado 3 vezes ao dia em ambos os olhos6.

Este medicamento é de uso exclusivo oftálmico. A segurança do uso de Simbrinza® suspensão oftálmica por outras vias de administração não foi estabelecida. Dados referentes à ingestão acidental de brinzolamida mostram efeitos adversos relacionados ao desbalanço eletrolítico, estado de acidose41 e possíveis efeitos no sistema nervoso38. Em crianças, a ingestão acidental de brimonidina pode causar efeitos adversos graves como sonolência, hipotensão27, queda dos batimentos cardíacos e depressão respiratória.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se esquecer uma dose, aplique o medicamento o quanto antes. No entanto, se estiver perto do horário da próxima dose, ignore a dose esquecida e volte ao esquema regular.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico, de seu médico ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As seguintes reações adversas foram reportadas em estudos clínicos com Simbrinza® suspensão oftálmica e são classificadas de acordo com a seguinte convenção: muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento), comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento), incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento), rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento), ou muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento).

Dentro de cada grupo de frequência, as reações adversas são apresentadas em ordem decrescente de gravidade.

Classificação por sistema de órgãos

Termo preferencial MedDRA (v. 17.0)

Doenças do sistema nervoso38

Comum: sonolência, disgeusia (sabor estranho na boca42)

Incomum: tontura43, dor de cabeça44

Distúrbios oculares

Comum: conjuntivite45, conjuntivite45 alérgica, alergia9 ocular, visão35 turva (borrada), dor ocular, olho8 irritado, olho8 seco, prurido46 ocular (coceira), hiperemia47 ocular (vermelhidão), blefarite48 (inflamação49 da pálpebra), desconforto ocular

Incomum: erosão na córnea24, ceratite (inflamação49 da córnea24), ceratite puntata, blefarite48 alérgica, fotofobia50, secreção ocular, aumento do lacrimejamento, astenopia, eritema51 da pálpebra.

Raro: acuidade visual52 reduzida, diminuição do lacrimejamento

Distúrbios do ouvido e do labirinto53

Incomum: vertigens54

Distúrbios vasculares55

Incomum: hipotensão27 (diminuição da pressão arterial56), diminuição da pressão sanguínea

Distúrbios respiratórios, torácicos e do mediastino57

Incomum: secura nasal

Raro: síndrome58 da tosse das vias áreas superiores, congestão nasal, dor de garganta59

Doenças gastrointestinais

Comum: boca42 seca

Incomum: náusea60, dispepsia61, desconforto abdominal

Cutâneos e subcutâneos

Incomum: dermatite62 alérgica

Perturbações gerais e alterações no local de administração

Incomum: astenia63, fadiga36, resíduos de medicamentos

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se for usada uma dose maior do que a dose recomendada pelo médico, de modo intencional ou acidentalmente, lave bem os olhos6 com água ou solução fisiológica64. Como podem aparecer as reações adversas descritas anteriormente, o médico deve ser consultado. Apesar de não haver dados disponíveis em seres humanos, a administração oral de uma superdosagem pode produzir desequilíbrio dos eletrólitos65, desenvolvimento de um estado de acidose41 e possíveis efeitos no sistema nervoso38. Deve-se controlar a concentração dos eletrólitos65 com soro66 (especialmente de potássio) e o pH sanguíneo.

Dados referentes à ingestão acidental de brinzolamida mostram efeitos adversos relacionados ao desbalanço eletrolítico, estado de acidose41 e possíveis efeitos no sistema nervoso38. Em crianças a ingestão acidental de brimonidina pode causar efeitos adversos sérios como sonolência, hipotensão27, queda dos batimentos cardíacos e depressão respiratória.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800-722 6001, se você precisar de mais informações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS – 1.0068.1131
Farm. Resp.: Tatiana Torres Pubill – CRF-SP 41.752

Fabricado por:
Alcon Laboratories, Inc., Texas, EUA.

Registrado e Importado por:
Novartis Biociências S.A.
Av. Prof. Vicente Rao, 90
São Paulo - SP
CNPJ: 56.994.502/0001-30
Indústria Brasileira


SAC 0800 888 3003

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
3 Pressão intraocular: É a medida da pressão dos olhos. É a pressão do líquido dentro do olho.
4 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Olhos:
7 Humor aquoso: Fluido aquosa e claro que preenche as câmaras anterior e posterior do olho. Apresenta um índice de refração menor que o cristalino, o qual está envolvido pelo humor aquoso, e está relacionado com o metabolismo da córnea e do cristalino.
8 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
9 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
12 Síndrome de Stevens-Johnson: Forma grave, às vezes fatal, de eritema bolhoso, que acomete a pele e as mucosas oral, genital, anal e ocular. O início é geralmente abrupto, com febre, mal-estar, dores musculares e artralgia. Pode evoluir para um quadro toxêmico com alterações do sistema gastrointestinal, sistema nervoso central, rins e coração (arritmias e pericardite). O prognóstico torna-se grave principalmente em pessoas idosas e quando ocorre infecção secundária. Pode ser desencadeado por: sulfas, analgésicos, barbitúricos, hidantoínas, penicilinas, infecções virais e bacterianas.
13 Necrólise Epidérmica Tóxica: Sinônimo de Síndrome de Lyell. Caracterizada por necrólise da epiderme. Tem como características iniciais sintomas inespecíficos, influenza-símile, tais como febre, dor de garganta, tosse e queimação ocular, considerados manifestações prodrômicas que precedem o acometimento cutâneo-mucoso. Erupção eritematosa surge simetricamente na face e na parte superior do tronco, provocando sintomas de queimação ou dolorimento da pele. Progressivamente envolvem o tórax anterior e o dorso. O ápice do processo é constituído pela característica denudação da epiderme necrótica, a qual é destacada em verdadeiras lamelas ou retalhos, dentro das áreas acometidas pelo eritema de base. O paciente tem o aspecto de grande queimado, com a derme desnuda, sangrante, eritêmato-purpúrica e com contínua eliminação de serosidade, contribuindo para o desequilíbrio hidroeletrolítico e acentuada perda protéica. Graves seqüelas oculares e esofágicas têm sido relatadas.Constitui uma reação adversa a medicamentos rara. As drogas que mais comumente a causam são as sulfas, o fenobarbital, a carbamazepina, a dipirona, piroxicam, fenilbutazona, aminopenicilinas e o alopurinol.
14 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
15 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
16 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
17 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
18 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
19 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
20 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
21 Anemia Aplásica: A medula óssea não produz um número adequado de elementos do sangue periférico.
22 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
23 Inchaço: Inchação, edema.
24 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
25 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
26 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
27 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
28 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
29 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
30 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
31 Colírio: Preparação farmacológica líquida na qual se encontram dissolvidas diferentes drogas que atuam na conjuntiva ocular.
32 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
33 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
34 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
35 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
36 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
37 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
38 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
39 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
40 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
41 Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
42 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
43 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
44 Cabeça:
45 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
46 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
47 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
48 Blefarite: Inflamação do bordo externo das pálpebras ou pestanas. Também conhecida como palpebrite, sapiranga, sapiroca ou tarsite.
49 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
50 Fotofobia: Dor ocular ou cefaléia produzida perante estímulos visuais. É um sintoma freqüente na meningite, hemorragia subaracnóidea, enxaqueca, etc.
51 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
52 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
53 Labirinto: 1. Vasta construção de passagens ou corredores que se entrecruzam de tal maneira que é difícil encontrar um meio ou um caminho de saída. 2. Anatomia: conjunto de canais e cavidades entre o tímpano e o canal auditivo, essencial para manter o equilíbrio físico do corpo. 3. Sentido figurado: coisa complicada, confusa, de difícil solução. Emaranhado, imbróglio.
54 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
55 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
56 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
57 Mediastino: Região anatômica do tórax onde se localizam diversas estruturas, dentre elas o coração.
58 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
59 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
60 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
61 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
62 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
63 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
64 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
65 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
66 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.

Tem alguma dúvida sobre Simbrinza?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.