Preço de Simdax em Wilmington/SP: R$ 0,00

Simdax

BIOLAB SANUS FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 19/06/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Simdax®
levosimendana
Injetável 2,5 mg/mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável
Embalagens com 1 frasco-ampola de 5 mL 

VIA INTRAVENOSA
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada mL de Simdax® contém:

levosimendana. 2,5 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Excipientes: povidona, ácido cítrico e álcool etílico.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Simdax® é destinado ao tratamento de descompensação aguda da insuficiência cardíaca1 crônica grave quando a terapia convencional2 não é suficiente, e em casos em que suporte inotrópico (mecanismo que busca reverter ou minimizar as alterações provocadas pela disfunção cardíaca) é indicado.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Simdax® é membro de uma nova classe de medicamentos que agem aumentando a capacidade de contração do coração3 (agentes cardiotônicos).

O pico da concentração no sangue4 é alcançado aproximadamente 48 horas após o término da infusão.

Como o medicamento é administrado por via intravenosa, é esperado que sua ação se inicie imediatamente após a administração. Seu médico dará a orientação no seu caso quanto ao início de ação ao tratamento com Simdax®.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Simdax® é contraindicado a pacientes com hipersensibilidade a levosimendana ou qualquer um dos componentes da fórmula, assim como a pacientes com hipotensão5 grave (pressão arterial6 muito baixa), taquicardia7 (frequência cardíaca acelerada) e obstruções mecânicas importantes que afetem o preenchimento e/ou o esvaziamento ventricular (cavidade do coração3). Simdax® é contraindicado a pacientes com comprometimento renal8 ou hepático grave e histórico de Torsades de Pointes (tipo de taquicardia7 ventricular, instável e de término espontâneo).

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Como efeito hemodinâmico inicial de Simdax® pode haver decréscimo na pressão sanguínea sistólica ou diastólica Portanto, Simdax® deve ser utilizado com cuidado em pacientes com baixa pressão sanguínea sistólica ou diastólica ou pacientes com risco de episódios de hipotensão5 (pressão baixa). Recomenda-se maior cautela na determinação dos regimes de dose a estes pacientes. O médico deve adequar a dose e duração da terapia de acordo com as condições e resposta do paciente.

Hipovolemia9 (diminuição do volume sanguíneo circulante) grave deve ser corrigida antes da infusão de Simdax®. Se forem observadas alterações excessivas na pressão sanguínea ou na frequência cardíaca, a taxa de infusão deve ser reduzida ou a infusão deve ser descontinuada.

Efeitos hemodinamicamente favoráveis sobre o débito cardíaco10 (volume de sangue4 bombeado pelo coração3 em um minuto) e sobre a pressão capilar11 pulmonar (pressão que indica o grau de congestão pulmonar) persistem por pelo menos 24 horas após a descontinuação de uma infusão (de 24 horas). Os efeitos sobre a pressão sanguínea geralmente duram por 3 a 4 dias e os efeitos sobre a frequência cardíaca de 7 a 9 dias. Recomenda-se o monitoramento do paciente por pelo menos 3 dias após o término da infusão ou até que o paciente esteja clinicamente estável. Em pacientes com comprometimento nos rins12 ou fígado13 de leve a moderado, o monitoramento é recomendado por pelo menos 5 dias.

Simdax® deve ser utilizado com cautela e sob monitorização com ECG (eletrocardiograma14) em pacientes com história de isquemia15 coronariana em andamento, intervalo QTc longo por qualquer etiologia16 ou em uso de produtos medicinais que podem aumentar o intervalo QTc.

A infusão de Simdax® deve ser realizada cuidadosamente em pacientes com taquicardia7 (frequência cardíaca aumentada), fibrilação atrial (tipo de arritmia17 cardíaca) com resposta ventricular rápida ou arritmia17 (qualquer anormalidade envolvendo o sistema elétrico do coração18, responsável pelo número de batimentos) com potencial risco de morte.

A infusão de Simdax® pode produzir uma diminuição da concentração de potássio no sangue4. Por isso, baixas concentrações de potássio no sangue4 devem ser corrigidas antes da administração de Simdax® e também devem ser monitoradas durante o tratamento. Assim como para outros produtos medicamentosos para insuficiência cardíaca1, as infusões de Simdax® podem ser acompanhadas de diminuições nas taxas de hemoglobina19 e hematócrito20 (anemia21), devendo-se ter cautela em relação a pacientes com doença cardiovascular isquêmica e anemia21 concomitante.

Há experiência limitada com administrações repetidas de Simdax®. É limitada também a experiência do uso concomitante de agentes vasoativos (agentes que atuam na contração dos vasos sanguíneos22), incluindo agentes inotrópicos (agentes que melhoram a contração do músculo do coração3), exceto digoxina. O risco/benefício deve ser avaliado individualmente para cada paciente. Simdax® deve ser usado com precaução quando utilizado com outras drogas vasoativas intravenosas devido ao potencial aumento do risco de hipotensão5 (pressão baixa).

O uso de Simdax® em choque23 cardiogênico não foi estudado. Não existem informações disponíveis sobre o uso de Simdax® nos seguintes distúrbios: cardiomiopatia restritiva, cardiomiopatia hipertrófica (tipos de distúrbios do músculo do coração3), insuficiência24 da válvula mitral de grau importante, ruptura cardíaca (laceração ou separação das paredes, septos ou músculos25 do coração3), tamponamento cardíaco (acúmulo de líquido no pericárdio26  tecido27 no qual o coração3 está envolvido, que resulta em aumento da pressão cardíaca e bombeamento ineficiente do sangue4) e infarto28 (lesão29 tecidual irreversível, devida à falta de oxigênio e nutrientes) ventricular direito.

Existe experiência limitada disponível sobre o uso de Simdax® em pacientes com insuficiência cardíaca1 após cirurgia e insuficiência cardíaca1 grave em pacientes que aguardam transplante cardíaco

Carcinogênese, mutagênese e fertilidade: estudos realizados com levosimendana não revelaram perigo especial para humanos no uso em curto prazo. Em estudos animais, a levosimendana foi excretada no leite materno.

Populações especiais

Uso em idosos: Nenhum ajuste de dose é necessário para pacientes30 idosos.

Uso em crianças: Simdax® não deve ser administrado em crianças e adolescentes menores de 18 anos.

Insuficiência renal31 (dos rins12): Simdax® deve ser usado com cautela em pacientes com insuficiência renal31 (dos rins12) leve a moderada e não deve ser usado em pacientes com insuficiência renal31 grave (depuração renal8 da creatinina32 menor do que 30 mL/min).

Insuficiência Hepática33 (do fígado13): Simdax® deve ser usado com cautela em pacientes com insuficiência hepática33 (do fígado13) leve ou moderada e não deve ser usado em pacientes com insuficiência hepática33 grave.

Gravidez34 e Lactação35

Não há experiência no uso de levosimendana em mulheres grávidas. Simdax® somente deve ser usado em mulheres grávidas se os possíveis benefícios justificarem os possíveis riscos ao feto36.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não se sabe se a levosimendana é excretada no leite humano. Portanto, mulheres recebendo levosimendana não devem amamentar.

Interações medicamentosas

As interações medicamentosas por potencial de significância clínica são apresentadas a seguir:

  • A infusão de Simdax® pode ser feita em pacientes recebendo agentes betabloqueadores (ex: atenolol, propanolol, carvedilol) sem perda de eficácia.
  • A possibilidade de interação entre os metabólitos37 ativos OR – 1855 e OR-1896 e outras drogas com efeitos hemodinâmicos poderia levar a efeitos hemodinâmicos mais acentuados e prolongados. A duração deste efeito poderia ser maior do que 7-9 dias normalmente observado após uma infusão de Simdax®.
  • Estudos mostraram que Simdax® aparentemente não causa significante interação com agentes metabolizados pelas enzimas do citocromo P450 (CYP).
  • O tratamento concomitante com captopril não afetou a farmacocinética ou hemodinâmica38 de Simdax®. Nenhuma interação farmacocinética foi observada numa análise populacional de pacientes que estavam recebendo digoxina e infusão de Simdax®.
  • A coadministração de mononitrato de isossorbida e Simdax® em voluntários sadios resultou em potencialização significativa da resposta hipotensora ortostática (redução excessiva da pressão arterial6 ao adotar-se a posição vertical). Nenhuma interação farmacocinética ou farmacodinâmica foi observada entre levosimendana e álcool.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde39.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Simdax® deve ser mantido sob refrigeração, de 2–8°C. Não congelar.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após preparo, este medicamento pode ser utilizado em no máximo 24 horas.

Características físicas e organolépticas

Simdax® é uma solução límpida de coloração amarela, para diluição antes da administração. A cor da solução pode modificar-se para laranja durante o armazenamento, mas essa alteração não comprometerá na potência e o produto poderá ser utilizado até a data de validade indicada, se as instruções de armazenamento foram seguidas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Simdax® deve ser administrado somente nas dependências hospitalares, onde se encontram disponíveis instalações de monitoramento adequadas e por profissionais com experiência no uso de agentes inotrópicos.

Não é conhecido o risco de uso de Simdax® por via de administração não recomendada. Deste modo, recomenda-se que Simdax® só seja utilizado por via intravenosa.

Simdax® solução concentrada para infusão 2,5 mg/mL deve ser diluído antes da administração.

Para preparar a infusão 0,05 mg/mL, misturar 10 mL de Simdax® solução injetável concentrada para infusão 2,5 mg/mL com 500 mL de solução glicosada 5%. O volume final será de 510 mL.

Para preparar a infusão 0,025 mg/mL, misturar 5 mL de Simdax® solução injetável concentrada para infusão 2,5 mg/mL com 500 mL de solução glicosada 5%. O volume final será de 505 mL.

Como para todos os medicamentos de uso parenteral, inspecione a solução que deve estar visualmente livre de partículas e descoloração antes da administração.

A infusão deverá ser administrada apenas por via intravenosa, podendo ser utilizada via periférica ou central.

Posologia

A dose e a duração do tratamento devem ser individualizadas de acordo com o quadro clínico do paciente e com sua resposta. A dose máxima diária teórica é de 0,3 mg/Kg .

A administração de Simdax® deve ser iniciada com uma dose inicial de 6 a 12 μg/kg, infundidos durante 10 minutos, seguida por uma infusão contínua de 0,1 μg/kg/min.

A dose inicial mais baixa de 6 μg/kg é recomendada a pacientes que fazem uso de vasodilatadores intravenosos (ex: hidralazina, nitroprussiato de sódio) concomitantes, inotrópicos (ex: digoxina, dopamina40) ou ambos no início da infusão.

Doses mais elevadas dentro dessa faixa posológica produzirão uma resposta hemodinâmica38 mais acentuada, mas podem estar associadas com uma incidência41 transitória aumentada de reações adversas. A resposta do paciente deve ser avaliada com a dose de ataque ou dentro dos 30 ou 60 minutos de período de ajuste da dose e conforme indicação clínica. Se a resposta for julgada excessiva (hipotensão5, taquicardia7), o índice de infusão deverá ser diminuído para 0,05 μg/kg/min, ou a infusão deve ser descontinuada. Se a dose inicial for tolerada e um maior efeito hemodinâmico for necessário, o índice de infusão pode ser aumentado para 0,2 μg/kg/min.

A duração recomendada da infusão em pacientes com descompensação aguda de insuficiência cardíaca1 crônica grave é de 24 horas. Nenhum sinal42 de desenvolvimento de tolerância ou fenômenos de rebote foi observado após a descontinuação da infusão de Simdax®. Os efeitos hemodinâmicos persistem por pelo menos 24 horas e podem ser notados até 9 dias após a descontinuação de uma infusão durante 24 horas.

Não foram observadas incompatibilidades da Simdax® com os medicamentos a seguir em cateteres intravenosos conectados:

  • furosemida 10 mg/mL
  • digoxina 0,25 mg/mL
  • nitroglicerina 0,1 mg/mL

Este produto não deve ser misturado com outros produtos ou diluentes, exceto os declarados acima.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Simdax® é um medicamento de uso restrito hospitalar, que deve ser usado sob a orientação e supervisão de um médico. A administração deste medicamento deve ser feita somente por profissional qualificado.

Em caso de dúvida, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Abaixo estão descritas as reações adversas observadas em 1% ou mais dos pacientes durante os estudos clínicos realizados com o produto :

Reação muito comum (ocorre em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): dor de cabeça43, taquicardia7 ventricular (aumento da frequência cardíaca), hipotensão5 (diminuição da pressão arterial6 abaixo dos valores normais).

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): hipocalemia44 (concentração sanguínea baixa de potássio), insônia, vertigem45, fibrilação atrial (tipo de arritmia17 cardíaca em que a frequência ou o ritmo do coração3 tornam-se anormais), taquicardia7, extrassístoles ventriculares (batimentos cardíacos que surgem pela descarga elétrica de células46 do ventrículo, localizadas fora do marcapasso47 natural desse órgão), insuficiência cardíaca1, isquemia15 miocárdica (má irrigação do músculo cardíaco48, decorrente de obstrução da circulação49 coronária), náusea50, constipação51 (prisão de ventre), diarréia52, vômito53, diminuição da hemoglobina19 (anemia21).

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

A superdosagem de Simdax® pode induzir hipotensão5 (diminuição da pressão arterial6 abaixo dos valores normais) e taquicardia7 (aumento da frequência cardíaca). Em estudos clínicos com Simdax®, a hipotensão5 foi tratada com sucesso com vasopressores (ex., dopamina40 em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva54 e adrenalina55 em pacientes após cirurgia cardíaca).

Doses altas (iguais ou acima de 0,4 mcg/kg/min) e infusões de mais de 24 horas aumentam a frequência cardíaca e estão algumas vezes associadas ao prolongamento do intervalo QTc. No caso de superdosagem com Simdax®, devem ser realizados monitoramento contínuo do ECG (eletrocardiograma14), determinações repetidas dos eletrólitos56 séricos e monitoramento hemodinâmico invasivo. A superdosagem com Simdax® leva a maiores concentrações plasmáticas do metabólito57 ativo, o que pode conduzir a um efeito mais pronunciado e mais prolongado sobre a frequência cardíaca, necessitando de correspondente extensão no período de observação.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
USO RESTRITO A HOSPITAIS
 

Registro MS 1.0974.0246
Farm. Resp: Dr. Dante Alario Jr. - CRF-SP nº 5143.

Fabricado por:
Orion Corporation, ORION PHARMA Espoo - Finlândia

Importado por:
Biolab Sanus Farmacêutica Ltda.
Av. Paulo Ayres, 280 - Taboão da Serra – SP. CEP 06767-220
CNPJ 49.475.833/0001-06
Indústria Brasileira


SAC 0800 724 6522

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
2 Terapia convencional: Termo usado em triagens clínicas em que um grupo de pacientes recebe tratamento para diabetes que mantêm os níveis de A1C (hemoglobina glicada) e de glicemia sangüínea nas medidas estipuladas pelos protocolos práticos em uso. Entretanto, o objetivo não é manter os níveis de glicemia o mais próximo possível do normal, como é feito na terapia intensiva. A terapia convencional inclui o uso de medicações, o planejamento das refeições e dos exercícios físicos, juntamente com visitas regulares aos profissionais de saúde.
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
8 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
9 Hipovolemia: Diminuição do volume de sangue secundário a hemorragias, desidratação ou seqüestro de sangue para um terceiro espaço (p. ex. peritônio).
10 Débito cardíaco: Quantidade de sangue bombeada pelo coração para a aorta a cada minuto.
11 Capilar: 1. Na medicina, diz-se de ou tubo endotelial muito fino que liga a circulação arterial à venosa. Qualquer vaso. 2. Na física, diz-se de ou tubo, em geral de vidro, cujo diâmetro interno é diminuto. 3. Relativo a cabelo, fino como fio de cabelo.
12 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
13 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
14 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
15 Isquemia: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
16 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
17 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
18 Sistema elétrico do coração: O sistema elétrico do coração é responsável pelo ritmo e pela sincronicidade das diferentes câmaras cardíacas. O nó sinusal ou sinoatrial localizado no átrio direito, é denominado “marcapasso cardíaco“. Ele inicia um impulso elétrico que flui sobre os átrios direito e esquerdo fazendo que estes se contraiam e desloque o sangue para os ventrículos. Quando o impulso elétrico chega ao nó atrioventricular ele sofre um ligeiro retardo. Em seguida, o impulso dissemina-se ao longo do feixe de His , o qual divide-se em ramo direito (direcionado para o ventrículo direito) e em ramo esquerdo (direcionado para o ventrículo esquerdo). O impulso atinge os ventrículos, fazendo com que estes se contraiam, permitindo a saída de sangue para fora do coração.
19 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
20 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
21 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
22 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
23 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
24 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
25 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
26 Pericárdio: Saco fibroseroso cônico envolvendo o CORAÇÃO e as raízes dos grandes vasos (AORTA, VEIA CAVA, ARTÉRIA PULMONAR). O pericárdio consiste em dois sacos, o pericárdio fibroso externo e o pericárdio seroso externo. O pericárdio seroso consiste em uma camada parietal externa e uma visceral interna próxima ao coração (epicárdio), com uma cavidade pericárdica no meio. Sinônimos: Epicárdio
27 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
28 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
29 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
30 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
31 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
32 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
33 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
34 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
35 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
36 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
37 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
38 Hemodinâmica: Ramo da fisiologia que estuda as leis reguladoras da circulação do sangue nos vasos sanguíneos tais como velocidade, pressão etc.
39 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
40 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
41 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
42 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
43 Cabeça:
44 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
45 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
46 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
47 Marcapasso: Dispositivo eletrônico utilizado para proporcionar um estímulo elétrico periódico para excitar o músculo cardíaco em algumas arritmias do coração. Em geral são implantados sob a pele do tórax.
48 Músculo Cardíaco: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo.
49 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
50 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
51 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
52 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
53 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
54 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
55 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.
56 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
57 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.

Tem alguma dúvida sobre Simdax?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.