Coartem

NOVARTIS BIOCIENCIAS S.A

Atualizado em 29/06/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Coartem
arteméter + lumefantrina
Comprimidos 20 mg + 120 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Comprimidos dispersíveis
Embalagens com 180, 216, 360 e 540 comprimidos

VIA ORAL
USO PEDIÁTRICO CRIANÇAS ACIMA DE 5 KG

COMPOSIÇÃO:

Cada comprimido de Coartem® contém:

arteméter 20 mg
lumefantrina 120 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: celulose microcristalina, croscarmelose sódica, hipromelose, dióxido de silício, polissorbato 80, crospovidona, aroma de cereja, sacarina1 sódica (8 mg por comprimido dispersível) e estearato de magnésio.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUÊ ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Coartem® é um medicamento indicado para o tratamento da malária, inclusive tratamento de emergência2.

Coartem® Dispersível é utilizado no tratamento de crianças e recém-nascidos com malária causada por Plasmodium falciparum (um tipo particular de parasita3 da malária) ou por infecções4 mistas que incluem o Plasmodium falciparum. Coartem® Dispersível é recomendado também para malária adquirida em áreas onde os parasitas podem ser resistentes a outras drogas antimaláricas.

Coartem® Dispersível não é indicado para prevenção de malária nem para o tratamento da malária grave (p.ex. a que afeta o cérebro5, rins6 ou pulmões7 da criança).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Coartem® Dispersível pertence ao grupo dos medicamentos conhecidos como antimaláricos8, isto é, drogas utilizadas no tratamento de certos tipos de malária. Destroi os parasitas da malária (pequenos organismos constituídos de uma única célula9 encontrados dentro das células10 vermelhas do sangue11).

A maioria dos turistas ou viajantes, que é considerada não-imune (aquele sem proteção imunológica contra malária), poderá receber atendimento médico se houver suspeita de malária. Entretanto, um pequeno grupo de crianças com risco de infecção12 pode não obter este tratamento durante as 24 horas do início dos sintomas13, particularmente se estiverem em uma localização isolada longe de serviço médico. Nesses casos, os médicos prescrevem Coartem® Dispersível para ser levado pelos pais ou responsáveis para administração aos filhos ou crianças durante a viagem (= “tratamento de emergência”).

Saiba que automedicação14 desse tipo é uma medida a ser tomada somente se você suspeitar que a criança sob sua responsabilidade tem malária falcípara. Se isso ocorrer, você deve procurar auxílio médico o quanto antes.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Contraindicações:

Não administre Coartem® Dispersível se:

  • Se a criança for alérgica (hipersensível) ao arteméter, lumefantrina ou a qualquer outro componente da fórmula. Se você pensa que a criança pode ser alérgica, avise o médico.
  • Se a criança tem algum tipo de malária que afeta o cérebro5, ou qualquer outra complicação da malária grave (que afete os pulmões7 ou rins6, por exemplo);
  • Se sua filha estiver nos primeiros três meses de gravidez15 ou pretende engravidar e se for possível para o médico administrar um medicamento alternativo;
  • Se a criança tem um problema cardíaco, como uma alteração no ritmo ou taxa de batimento cardíaco, batimento cardíaco lento, ou doenças cardíacas graves;
  • Se qualquer membro da família da criança (pais, avós, irmãos ou irmãs) morreram repentinamente de eventos cardíacos ou tenham nascido com problemas cardíacos;
  • Se a criança estiver sendo tratada com medicamentos que afetam o batimento cardíaco (medicamentos conhecidos como antiarrítmicos – veja “Ingestão concomitante com outras substâncias”);
  • Se a criança estiver sendo tratada com certos medicamentos (vide “Ingestão concomitante com outras substâncias”)
  • Se a criança tem níveis sanguíneos de potássio ou magnésio baixos.

Se alguma das condições acima se aplicarem a criança sob sua responsabilidade, informe o médico sem administrar Coartem® Dispersível para a criança.

Coartem® não deve ser tomado com outros medicamentos (veja “Ingestão concomitante com outras substâncias”).

Este medicamento é contraindicado para uso por gestantes durante os três primeiros meses de gravidez15.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Precauções:

Tenha cuidado especial com Coartem® Dispersível se:

  • A criança tem problemas hepáticos ou renais graves.
  • A criança tem um problema cardíaco, tais como um sinal16 elétrico anormal chamado “prolongamento do intervalo QT”.

Se essa condição se aplicar à criança, avise médico antes de administrar Coartem® Dispersível.

Se a criança tiver uma co-infecção12 com Plasmodium falciparum e Plasmodium vivax. O médico prescreverá outra medicação para ser administrada depois de completar o tratamento com Coartem® Dispersível.

Se a condição da criança sob sua responsabilidade piorar, ou se ele/ela não se sentir bem para comer ou beber, contate o médico imediatamente. O médico pode querer realizar um eletrocardiograma17 (ECG) e checar os níveis sanguíneos de eletrólitos18 da criança, tais como potássio e magnésio antes e durante o tratamento.

Se a criança está fazendo uso de outra medicação ou tomou outra medicação para tratar a malária, fale com o médico, porque algumas dessas medicações não devem ser administradas juntamente com Coartem® Dispersível.

Crianças e recém-nascidos

Coartem® Dispersível é adequado para ser usado em crianças que pesam 5 kg ou mais. Recomendações específicas de dosagem são encontradas em “Como devo usar este medicamento”.

Informe o médico sobre a ocorrência de gravidez15 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao médico se a paciente estiver amamentando.

Gravidez15 e Lactação19

Se a adolescente a ser tratada estiver grávida, ou se você acha que ela pode estar ou ficar grávida enquanto estiver tomando Coartem® Dispersível avise o médico. Coartem® Dispersível não deve ser utilizado durante os 3 primeiros meses de gravidez15 porque há um risco de consequências graves para o feto;20 se for possível, o médico deverá prescrever um medicamento alternativo. Você só pode administrar Coartem® Dispersível para adolescentes em estágios avançados de gravidez15, se for extremamente necessário. O médico discutirá com você e a adolescente a ser tratada o risco potencial de tomar Coartem® Dispersível durante a gravidez15.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Mulheres com potencial de engravidar

Adolescentes capazes de engravidar são aconselhadas a usar um método efetivo de contracepção21 durante a viagem com o tratamento de emergência2, durante o tratamento de Coartem® Dispersível, e até o início o próximo período menstrual após o tratamento. Se você estiver utilizando medicamentos hormonais para o controle de natalidade, você deve utilizar um método adicional de controle de natalidade.

Adolescentes não devem amamentar enquanto utilizar o Coartem® Dispersível. Uma vez que ela tenha parado de utilizar o Coartem® Dispersível, ela não deve iniciar a amamentação22 novamente até 4 semanas após ela ter tomado o último comprimido.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Coartem® Dispersível pode deixar a criança sonolenta, tonta ou levemente fraca. Se isso ocorrer, não permita que ele/ela dirija ou opere máquinas.

Ingestão concomitante com outras substâncias: informe ao médico sobre qualquer medicamento que a criança sob sua responsabilidade esteja usando ou que tenha utilizado recentemente, incluindo os medicamentos sem prescrição médica.

Alguns medicamentos não devem ser tomados com Coartem® Dispersível. Incluindo:

  • Alguns medicamentos utilizados para o tratamento de distúrbios do rítimo cardíaco (p.ex. flecanidina, metoprolol);
  • Alguns medicamentos usados no tratamento da depressão ( imipramina, amitriptilina, clomipramina);
  • Alguns tipos de medicamentos para tratar infecções4 como:
    • Rifampicina, um antibiótico utilizado no tratamento de hanseníase ou tuberculose23;
    • Antibióticos, incluindo medicamentos das classes dos: macrolídeos, fluoroquinolonas, imidazois;
    • Agentes antifúngicos triazólicos.
  • Alguns medicamentos usados no tratamento de alergias ou inflamações24 (antihistamínicos não-sedativos - p.ex. terfenadina, astemizol);
  • Um medicamento usado no tratamento de distúrbios estomacais: cisaprida.
  • Certos medicamentos utilizados no tratamento de epilepsia25 (como carbamazepina, fenitoína);
  • Erva de São João (Hypericum perforatum), um fitoterápico ou extrato da planta medicinal, utilizado no tratamento de estados depressivos.

Avise o médico se você administrou à criança sob sua responsabilidade:

  • Alguma outra medicação para o tratamento de malária;
  • Alguma medicação antiretroviral ou inibidores de protease (usados para tratar infecções4 por HIV26 ou SIDA);
  • Medicamentos hormonais para o controle de natalidade (neste caso, você deve utilizar um método adicional de controle de natalidade). .

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde27.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Os comprimidos dispersíveis de Coartem® devem ser armazenados em temperatura ambiente (entre 15–30°C) e protegidos da umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

Comprimido dispersível amarelo, plano, redondo.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Como administrar

O médico indicará a quantidade exata de comprimidos dispersíveis de Coartem® a tomar. Não exceda a dosagem recomendada.

Se você não tem certeza de quanto Coartem® Dispersível administrar, ou de quando administrá-lo para a criança sob sua responsabilidade, fale com o médico.

Em um copo, coloque os comprimidos dispersíveis de Coartem® com uma pequena quantidade de água (aproximadamente 10 mL por comprimido). Deixe que o comprimido se desintegre e agite antes de dar a solução para a criança beber. Depois, enxágue o copo imediatamente com mais uma pequena quantidade de água (aproximadamente 10 mL) e dê para a criança beber completamente.

Os comprimidos dispersíveis devem ser ingeridos com alimentos ou bebidas com alto teor de gordura28 (p.ex. leite). Dietas padrões (contendo de 30 a 60 g/dia de gordura28) ou amamentação22 são suficientes. Se a criança não estiver se sentindo bem o suficiente para comer ou beber, você deve, mesmo assim, administrar o Coartem® Dispersível conforme prescrito ou contatar o médico.

Inicie o tratamento no momento do diagnóstico29 por um médico ou nos primeiros sintomas13 se estiver sob o tratamento de emergência2. O tratamento de emergência2 só deve ser iniciado quando o atendimento médico não estiver disponível (veja “Como este medicamento funciona”). Entretanto, após o início do tratamento, vá, assim que possível, ao serviço médico mais próximo.

Quanto administrar

É recomendado um regime de 6 doses durante 3 dias, conforme descrito abaixo.

Recém-nascidos e crianças pesando 5 ou menos de 35 kg e 12 anos de idade ou menos

Dose/tempo

Peso corpóreo de 5 a menos de 15 kg

Peso corpóreo de 15 a menos de 25 kg

Peso corpóreo de 25 a menos de 35 kg

1ª dose, no momento do diagnóstico29 inicial

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

2ª dose, 8 horas após a 1ª dose

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

3ª dose, 24 horas após a 1ª dose

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

4ª dose, 36 horas após a 1ª dose

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

5ª dose, 48 horas após a 1ª dose

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

6ª dose, 60 horas após a 1ª dose

1 comprimido

2 comprimidos

3 comprimidos

Número total de comprimidos dispersíveis:

6 comprimidos

12 comprimidos

18 comprimidos

Para que o medicamento tenha o efeito terapêutico completo, todo o tratamento (ou seja, os 6, 12 ou 18 comprimidos dispersíveis) devem ser tomados durante as 60 horas nos intervalos indicados.

Se a criança vomitar durante a primeira hora após administração dos comprimidos dispersíveis, fale com o médico, porque a criança pode precisar de outra dose.

O que mais você deve tomar cuidado enquanto estiver administrando Coartem® Dispersível

Um segundo regime com Coartem® Dispersível pode ser necessário se a malária retornar (relapso) ou se a criança for reinfectada com Plasmodium falciparum após ter sido curada.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou mastigado.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você esquecer de administrar Coartem® Dispersível

Tente garantir que você não se esqueça de dar nenhuma dose. Entretanto, se você esquecer de administrar uma dose de Coartem® Dispersível, dê a dose esquecida assim que você se lembrar. Não dê o dobro da dose para compensar a dose esquecida. Dê a próxima dose após o intervalo prescrito.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Reações adversas: informe ao médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis. Como todo medicamento, Coartem® Dispersível pode acarretar reações adversas em algumas pessoas.

A maioria das reações adversas são leves ou moderadas e geralmente desaparecem em alguns dias ou semanas após o tratamento.

Algumas reações adversas podem ser graves (Esta reação adversa é rara pode ocorrer entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Reação alérgica30 (pode incluir erupções, coceira, inchaço31 principalmente da face32 ou garganta33, dificuldade de respirar ou de engolir, ou tontura34).
  • Alterações do ritmo cardíaco (chamado prolongamento QT ou ECG dos batimentos cardíacos anormal).

Algumas reações adversas são muito comuns (Estas reações adversas podem ocorrer em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Perda de apetite;
  • Tosse;
  • Vômito35.

Algumas reações adversas são comuns (Estas reações adversas podem ocorrer entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

Se qualquer uma dessas reações adversas afetarem a criança gravemente, avise seu médico.

Se você notar qualquer outra reação adversa não descrita nessa bula, avise o médico ou farmacêutico assim que possível.

Atenção: este produto é um medicamento que possui nova forma farmacêutica no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico.

  • Dor de cabeça36;
  • Tontura34;
  • Dor de estômago37;
  • Diarreia38;
  • Náusea39 (sentir-se enjoado);
  • Erupção40 na pele41;
  • Dores nas juntas e músculos42;
  • Cansaço e fraqueza generalizada;
  • Sintomas13 tais como náusea39 persistente sem explicação, problemas estomacais, perda de apetite ou cansaço e fraqueza incomuns (sinais43 de problemas do fígado44).

Se algum desses efeitos afetarem a criança gravemente, avise seu médico.

Algumas reações adversas são incomuns

Estas reações adversas podem ocorrer entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento

  • Distúrbios do sono;
  • Sonolência;
  • Contrações musculares involuntárias (ocasionalmente em espasmos45 rápidos);
  • Batimento cardíaco acelerado;
  • Erupções na pele41 com coceira;
  • Coceira na pele41.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você administrar à criança sob sua responsabilidade mais Coartem® Dispersível do que deveria

Se você administrar acidentalmente muitos comprimidos dispersíveis, fale com o médico imediatamente, ou leve a criança ao serviço médico mais próximo. A criança pode precisar de atendimento médico. Lembre-se de levar o medicamento com você e mostre-o ao médico ou a equipe do pronto-atendimento. Se o medicamento acabou, leve a embalagem vazia com você.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS – 1.0068.0103
Farm. Resp.: Virginia da Silva Giraldi- CRF-SP 15.779

Importado por:
Novartis Biociênias S.A. Av. Prof. Vicente Rao, 90 São Paulo – SP
CNPJ: 56.994.502/0001-30
Indústria Brasileira

Fabricado por:
Novartis Pharmaceuticals Corporation - Suffern, Nova Iorque, EUA


SAC 0800 888 3003

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
2 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
3 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
8 Antimaláricos: Agentes usados no tratamento da malária. Geralmente são classificados com base na sua ação contra os plasmódios nas diferentes fases de seu ciclo de vida no homem. São exemplos, a cloroquina e a hidroxicloroquina.
9 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Automedicação: Automedicação é a prática de tomar remédios sem a prescrição, orientação e supervisão médicas.
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
17 Eletrocardiograma: Registro da atividade elétrica produzida pelo coração através da captação e amplificação dos pequenos potenciais gerados por este durante o ciclo cardíaco.
18 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
19 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
20 Feto;: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
21 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
22 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
23 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
24 Inflamações: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc. Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
25 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
26 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
29 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
30 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
31 Inchaço: Inchação, edema.
32 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
33 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
34 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
35 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
36 Cabeça:
37 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
38 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
39 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
40 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
41 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
42 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
43 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
44 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
45 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.

Tem alguma dúvida sobre Coartem?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.