Preço de Viibryd em São Paulo/SP: R$ 24,42

Viibryd

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

Atualizado em 03/08/2022

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

VIIBRYD®
cloridrato de vilazodona

APRESENTAÇÕES

Caixas contendo 14 e 28 comprimidos revestidos de 20 mg
Caixas contendo 14 e 28 comprimidos revestidos de 40 mg
Kit de iniciação contendo 7 comprimidos revestidos de 10 mg e 7 comprimidos revestidos de 20 mg

USO ORAL
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada comprimido revestido de VIIBRYD® 10 mg contém: 10 mg de cloridrato de vilazodona equivalente a 9,2 mg de vilazodona

Cada comprimido revestido de VIIBRYD® 20 mg contém: 20 mg de cloridrato de vilazodona equivalente a 18,4 mg de vilazodona

Cada comprimido revestido de VIIBRYD® 40mg contém: 40 mg de cloridrato de vilazodona equivalente a 36,8 mg de vilazodona

Excipientes: lactose1 monoidratada, celulose microcristalina, estearato de magnésio, dióxido de silício, álcool polivinílico, dióxido de titânio, macrogol, talco, corante azul brilhante laca de aluminio (apenas concentração de 40mg), corante amarelo crepúsculo laca de aluminio (apenas concentração de 20mg), corante vermelho 40 laca de aluminio (apenas concentração de 10 mg) e água purificada.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

VIIBRYD® (cloridrato de vilazodona) é indicado para o tratamento da depressão (um estado de profunda e persistente infelicidade ou tristeza, acompanhada por uma completa perda de interesse em atividades diárias normais).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

VIIBRYD® funciona de duas maneiras diferentes para ajudar a corrigir a atividade da serotonina, uma substância do cérebro2 conhecida por estar associada à depressão.
O início do alívio dos sintomas3 depressivos foi observado no final da primeira semana de tratamento dependendo da variabilidade individual do paciente.

QUANDO NÃO DEVO TOMAR ESTE MEDICAMENTO?

VIIBRYD® não deve ser utilizado em caso de hipersensibilidade (alergia4) a VIIBRYD® ou a quaisquer ingredientes da formulação.
VIIBRYD® não foi estudado em pacientes abaixo de 18 anos de idade.
VIIBRYD® não foi estudado em mulheres grávidas e, portanto, seu uso não é recomendado. Pergunte ao seu médico, caso você não tenha certeza, se você toma um inibidor da monoamino-oxidase (outra classe de antidepressivos). Não tome um inibidor de monoamino-oxidase dentro de 2 semanas da interrupção de VIIBRYD® a menos que seja orientado a fazê-lo pelo seu médico. Não inicie o VIIBRYD® se você parou de tomar um inibidor da monoamino-oxidase nas últimas 2 semanas a menos que seja orientado a fazê-lo pelo seu médico.
VIIBRYD® não deve ser utilizado se você estiver tomando o antibiótico linezolida.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

O tratamento com este tipo de medicamento é mais seguro e eficaz quando você e seu médico têm uma boa comunicação sobre como você está se sentindo.
É importante falar com o seu médico sobre os riscos do tratamento da depressão, e, também, o risco de não tratá-la.
VIIBRYD® não foi estudado em pacientes abaixo de 18 anos de idade.
Novos ou problemas emocionais ou de comportamento piorados
Particularmente, nas primeiras semanas, ou quando as doses são ajustadas, um pequeno número de pacientes que tomam medicamentos deste tipo pode se sentir pior em vez de melhorar; por exemplo, eles podem experimentar sentimentos de agitação, hostilidade ou ansiedade incomuns, ter pensamentos impulsivos ou perturbadores como pensamentos de autoagressão ou violentos a outros. É importante que você, o paciente e seus familiares estejam em alerta para o aparecimento destes sintomas3 e qualquer outra mudança comportamental.
Se estes sintomas3 aparecerem consulte o médico imediatamente e não interrompa o medicamento por conta própria.

Antes de usar VIIBRYD® converse com o seu médico se você:

  • tem problemas de fígado5
  • tem problemas nos rins6
  • tem ou teve convulsões
  • tem histórico prévio ou familiar de transtorno bipolar (psicose7 maníaco-depressiva) ou mania
  • tem níveis baixos de sódio no sangue8
  • tem ou teve problemas hemorrágicos9
  • bebe álcool
  • tem quaisquer outras condições médicas
  • estiver grávida ou planeja engravidar. Não se sabe se VIIBRYD® irá prejudicar o feto10. Não há estudos disponíveis que possam garantir segurança para o bebê, quando exposto ao medicamento. Ele deve ser usado somente se os benefícios superarem os riscos. Portanto, durante toda a gravidez11 e o parto, este medicamento não deve ser utilizado sem a orientação de um médico ou dentista. Notifique-os em caso de gravidez11.
  • amamenta ou planeja amamentar. Não se sabe se VIIBRYD® passa para o leite materno.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Não interrompa VIIBRYD® sem falar com o seu médico antes. Interromper VIIBRYD® de repente pode causar sintomas3 graves, incluindo:

  • ansiedade, irritabilidade, alta ou baixa do humor, sentir-se agitado ou sonolento
  • dor de cabeça12, sudorese13, náuseas14, tonturas15
  • sensações parecidas com choque16 elétrico, tremores, confusão

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você estiver usando qualquer outro medicamento.

Especialmente informe ao seu médico se você tomar:

  • triptanos usados para tratar a dor da cabeça12 da enxaqueca17
  • medicamentos usados para tratar transtornos do humor, ansiedade, psicóticos ou transtornos
  • do pensamento, incluindo tricíclicos, lítio, inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs), inibidores da recaptação da serotonina e da norepinefrina (ISRSNs), buspirona ou antipsicóticos
  • tramadol
  • suplementos isentos de prescrição, como triptofano ou Erva de São João
  • anti-inflamatórios não esteroidais(AINEs)
  • aspirina
  • varfarina
  • mefenitoína
  • diuréticos18
  • cetoconazol (antifúngico)
  • eritromicina (antibiótico)

Procure ajuda médica imediatamente se tiver algum destes sintomas3:

  • agitação, alucinações19, coma20 ou outras mudanças no estado mental
  • problemas de coordenação ou espasmos21 musculares (reflexos alterados)
  • batimento cardíaco rápido, pressão arterial22 alta ou baixa
  • sudorese13 ou febre23
  • náuseas14, vômitos24 ou diarreia25
  • rigidez ou tensão muscular

Você deve evitar beber álcool enquanto toma VIIBRYD®.

Dirigir Veículos e Operar Máquinas: VIIBRYD® pode prejudicar o julgamento, o raciocínio ou as habilidades motoras. Até que você saiba como VIIBRYD® afeta você, tenha cuidado ao realizar atividades que exijam concentração, como dirigir ou operar máquinas.
Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde26.
Atenção: este medicamento contém corantes que podem eventualmente causar reações alérgicas.
Este medicamento contém LACTOSE1.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO DEVO GUARDAR O MEDICAMENTO?

VIIBRYD® deve ser armazenado à temperatura ambiente (15°C a 30°C), antes e depois de abrir a embalagem.
Número de lote, data de fabricação e data de validade: vide embalagem.
Não use este medicamento com prazo de validade vencido. Mantenha-o em sua embalagem original.

VIIBRYD® 10 mg é apresentado como comprimido revestido, rosa, em forma oval, gravado com "10" de um lado.
VIIBRYD® 20 mg é apresentado como comprimido revestido, laranja, em forma oval, gravado com "20" de um lado.
VIIBRYD® 40 mg é apresentado como um comprimido revestido, azul, em forma oval, gravado com "40" de um lado.
Antes de tomar, verifique a aparência do medicamento. Se estiver dentro da data de validade e você perceber uma alteração na aparência, consulte um farmacêutico para saber se você pode usá-lo.
Todos os medicamentos devem ser mantidos fora do alcance das crianças.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

VIIBRYD® não foi estudado em pacientes abaixo de 18 anos de idade.
A dose habitual de VIIBRYD® é de 20 mg a 40 mg uma vez ao dia. O esquema de titulação usual é uma dose inicial de 10 mg uma vez ao dia, durante 7 dias, seguida de 20 mg, uma vez ao dia. Caso necessário, a dosagem pode ser aumentada para 40 mg uma vez ao dia após um tempo mínimo de 7 dias utilizando a dosagem intermediária. Tome VIIBRYD® com alimentos. VIIBRYD® pode não funcionar tão bem se você tomá-lo com estômago27 vazio.
Se estiver usando o kit de iniciação, você encontrará um blister com 7 comprimidos de 10 mg e 1 blister com 7 comprimidos de 20mg. O blister de 10mg refere-se à primeira semana de tratamento e você deve tomar um comprimido ao dia. O blister de 20mg refere-se à segunda semana de tratamento e você também deve tomar um comprimido ao dia, começando no oitavo dia. É importante que você tome os comprimidos exatamente como indicado em cada blister, seguindo o esquema do dia e da semana.
É importante que você tome VIIBRYD® exatamente como o seu médico indicou, mesmo se você estiver se sentindo melhor. O seu médico pode ter que alterar a dose do VIIBRYD® até que seja a dose correta para você.

Descontinuação do VIIBRYD®: Contate o seu médico antes de interromper ou reduzir a sua dose de VIIBRYD®. Sintomas3 como tonturas15, náuseas14, diarreia25, dor de cabeça12, parestesia28 (formigamento, dormência29, queimação ou sensações de formigamento), vômitos24, irritabilidade, ansiedade, sudorese13 excessiva, fadiga30, insônia (incapacidade de dormir), pesadelo e outros sintomas3 têm sido relatados após interrupção de medicamentos semelhantes à VIIBRYD®. Estes sintomas3 geralmente desaparecem sem necessidade de tratamento; no entanto, há relatos de sintomas3 sérios de descontinuação. Informe o seu médico imediatamente se você tiver estes ou quaisquer outros sintomas3. O seu médico pode ajustar a dose de VIIBRYD® para aliviar os sintomas3.
Os comprimidos não devem ser partidos ou mastigados.
Siga as orientações do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não descontinue o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você esquecer uma dose de VIIBRYD®, tomar a dose esquecida assim que você se lembrar. Se for quase a hora da próxima dose, pule a dose esquecida e tome a próxima dose no horário normal. Não tome duas doses de VIIBRYD® ao mesmo tempo.
Em caso de dúvida, procure orientação do farmacêutico, de seu médico ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os outros medicamentos, VIIBRYD® pode causar alguns efeitos colaterais31. Você pode não apresentar nenhum deles. Para a maioria dos pacientes, os efeitos colaterais31 tendem a ser menores e temporários. No entanto, alguns podem ser sérios. Alguns destes efeitos colaterais31 podem estar relacionados com a dose. Consulte o seu médico se apresentar estes ou outros efeitos colaterais31, já que a dose poderá ter que ser ajustada.

Reações muito comuns (ocorrem em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento):
diarreia25 e náuseas14.
Reação comum (ocorre em 1% a 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): boca32 seca, vômitos24, dispepsia33 (desconforto gastrointestinal), flatulência (gases), olhos34 secos, tontura35, sonolência, parestesia28 (formigamento, dormência29, queimação, ou sensação de formigamento), tremor, insônia (incapacidade de dormir), sonhos anormais, diminuição da libido36 (diminuição do desejo sexual), diminuição do apetite, inquietação, alterações do orgasmo, fadiga30 (cansaço), nervosismo, gastroenterite37 (transtorno intestinal), palpitações38, artralgia39 (dor nas articulações40), ejaculação41 retardada, disfunção erétil, aumento do apetite, visão42 embaçada, enxaquecas43, sedação44, hiperidrose45 (sudorese13 excessiva), sudorese13 noturna.
Reações incomuns (ocorrem em 0,1% a 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): extra-sístoles46 ventriculares (palpitação47 grave), catarata48, sensação anormal, disgeusia49 (falta de paladar50), ataque de pânico, mania, polaciúria (micção51 anormalmente frequente), síndrome serotoninérgica52

Reações raras (ocorrem em 0,01% a 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Nenhuma notificada.
Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento):
Nenhuma notificada.

Outras reações adversas relatadas após a comercialização de VIIBRYD® foram: pancreatite53 aguda (inflamação54 repentina do pâncreas55).
Atenção: este é um medicamento novo e, embora estudos tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo quando prescrito e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Neste caso, informe o seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM TOMAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Existe experiência clínica limitada com overdose de VIIBRYD® em humanos. Nos estudos clínicos foram identificadas as seguintes reações adversas associadas a overdose de VIIBRYD®, nas doses de 200 – 280 mg (5 a 7 vezes a dosagem recomendada): síndrome serotoninérgica52, letargia56, inquietação, alucinações19 e desorientação. Não são conhecidos antídotos específicos para o cloridrato de vilazodona.
Em caso de superdose do medicamento, entre em contato com um médico ou pronto-atendimento do hospital imediatamente, mesmo se não houver sintomas3.
Em caso de uso de uma grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS

 

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA - SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA

 

Reg. ANVISA/MS – 1.0147.0183

Farm. Resp.: Elizabeth Mesquita CRF-SP n° 14.337

Licenciado por:
Forest Laboratories Holdings Limited, Hamilton, Bermuda e por
Merck KGaA, Darmstadt, Alemanha

Fabricado por:
Forest Laboratories Ireland, Ltd. Dublin 17, Ireland
Embalado por: AndersonBrecon Inc. 4545 Assembly Dr. – Rockford Illinois – Estados Unidos da América

Importado por: Allergan Produtos Farmacêuticos LTDA Av. Dr. Cardoso de Melo, 1855
Bloco 1 - 13º andar – Vila Olímpia São Paulo - CEP 04548-005
CNPJ: 43.426.626/0001-77

 

SAC: 0800 14 4077

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
5 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
6 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
7 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
10 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
11 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
12 Cabeça:
13 Sudorese: Suor excessivo
14 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
15 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
16 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
17 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
18 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
19 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
20 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
21 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
22 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
23 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
24 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
25 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
26 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
27 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
28 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
29 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
30 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
31 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
32 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
33 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
34 Olhos:
35 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
36 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
37 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
38 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
39 Artralgia: Dor em uma articulação.
40 Articulações:
41 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
42 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
43 Enxaquecas: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
44 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
45 Hiperidrose: Excesso de suor, que costuma acometer axilas, palmas das mãos e plantas dos pés.
46 Extra-sístoles: São contrações prematuras do coração que interrompem brevemente o compasso normal das batidas e são sentidas, geralmente, como uma pausa, seguida ou não de um batimento mais forte. Muitas pessoas referem que sentem como se o coração fosse parar. Podem se originar nos átrios ou nos ventrículos, sendo chamadas, respectivamente, de extra-sístoles atriais ou ventriculares.
47 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
48 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
49 Disgeusia: Termo médico que designa alterações na percepção do paladar do paciente ou a sua diminuição.
50 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
51 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
52 Síndrome serotoninérgica: Síndrome serotoninérgica ou síndrome da serotonina é caracterizada por uma tríade de alterações do estado mental (ansiedade, agitação, confusão mental, hipomania, alucinações e coma), das funções motoras (englobando tremores, mioclonias, hipertonia, hiperreflexia e incoordenação) e do sistema nervoso autônomo (febre, sudorese, náuseas, vômitos, diarreia e hipertensão). Ela pode ter causas diversas, mas na maioria das vezes ocorre por uma má interação medicamentosa, quando dois ou mais medicamentos que elevam a neurotransmissão serotoninérgica por meio de distintos mecanismos são utilizados concomitantemente ou em overdose.
53 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
54 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
55 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
56 Letargia: Em psicopatologia, é o estado de profunda e prolongada inconsciência, semelhante ao sono profundo, do qual a pessoa pode ser despertada, mas ao qual retorna logo a seguir. Por extensão de sentido, é a incapacidade de reagir e de expressar emoções; apatia, inércia e/ou desinteresse.

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.