Bula do paciente Bula do profissional

Diálise Peritoneal 1,5%
(Bula do profissional de saúde)

HALEX ISTAR INDÚSTRIA FARMACÊUTICA SA

Atualizado em 25/10/2022

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Diálise Peritoneal 1,5%
Glicose anidra + lactato de sódio + cloreto de sódio + cloreto de cálcio diidratado + cloreto de magnésio hexaidratado
Injetável (15 + 5,04 + 5,61 + 0,24 + 0,15) mg/mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução injetável
Caixa contendo 10 bolsas plásticas de 1000 mL

VIA DE ADMINISTRAÇÃO: PERITONEAL E INDIVIDUALIZADA. SISTEMA FECHADO – ISTARBAG® (PVC)
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada mL de Diálise Peritoneal contém:

glicose anidra (D.C.B.: 04485) 15,00 mg
lactato de sódio ( D.C.B.: 00278) 5,04 mg
cloreto de sódio (D.C.B.: 02421) 5,61 mg
cloreto de cálcio di-hidratado (D.C.B.: 02370) 0,24 mg
cloreto de magnésio hexaidratado (D.C.B.: 02400) 0,15 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Veículo: ácido cítrico monoidratado, metabissulfito de sódio, hidróxido de sódio e água para injetáveis.


Conteúdo Eletrolítico

cálcio (Ca++) 3,3mEq/L
magnésio (Mg++) 1,5mEq/L
sódio (Na+) 141,0mEq/L
cloreto (Cl-) 100,8mEq/L
lactato 45,0 mEq/L

Osmolaridade: 372,44mOsm/L
Conteúdo Calórico: 51Cal/L
pH: 5,0 a 6,5

INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

INDICAÇÕES

Este medicamento é destinado ao tratamento de:

  • Hipercalcemia,
  • Hiperpotassemia,
  • Intoxicação com agentes dialisáveis,
  • Edema intratável,
  • Insuficiência renal aguda,
  • Necrose tubular aguda,
  • Glomerulonefrite aguda,
  • Complicação obstétrica,
  • Incompatibilidade transfusional,
  • Insuficiência renal crônica, exacerbação da enfermidade renal crônica, como terapêutica dialisante crônica.
  • Intoxicação exógena de bicloreto de mercúrio, tetracloreto de carbono, sulfamida, salicilato, álcool etílico, álcool metílico, barbitúricos, etc.
  • Intoxicações endógenas, coma hepático e uremia.

RESULTADOS DE EFICÁCIA

Segundo a Europen Pharmacopeia 5.0, a solução para diálise peritoneal (DP) contém uma concentração de eletrólitos próxima a composição do plasma, podendo conter glicose ou outro agente osmótico em concentrações variadas. A concentração dos componentes, em mEq/L, podem se apresentar na seguinte faixa: sódio (125 a 150), potássio (0 a 45), cálcio (0 a 5,0), magnésio (0,50 a 3,0), acetato ou lactato ou bicarbonato (30 a 60), cloreto (90 a 120) e glicose (25 a 250mmol/L).

Conforme Ansari (2011) as indicações para DP podem ser divididas em dois grupos: fatores renais e fatores não- renais. Os fatores incluem: tratamento da lesão renal aguda, pacientes instáveis hemodinamicamente, presença de sangramento ou condição hemorrágica que impeça o acesso vascular para hemodiálise, paciente com dificuldade para acesso vascular, remoção de toxinas de alto peso moléculas (10 kD). Já os fatores não renais incluem: pancreatite aguda, significante hipotermia ou hipertermia, insuficiência cardíaca refratária, insuficiência hepática, infusão de fármacos ou nutrientes como terapia de suporte em pacientes doentes graves.

De acordo com Lobato (2000) a insuficiência renal aguda é a principal indicação para a utilização de DP, sendo que a mesma também é indicada em intoxicações agudas, em distúrbios e metabólicos severos (acidose metabólica, hipercalcemia e hipercalemia), pancreatite, hipertermia e hipotermia.

Conforme Palmer (2013) soluções de DP contendo alta concentração de sódio (> 140mEq/L) tem demonstrado eficácia e boa tolerância em episódios de hipotensão.

Em um estudo realizado por Cohen (1963), durante um período de 11 meses foram executados 18 procedimentos de DP no Hospital Cívico de Hamilton. A DP foi realizada devido a diversas causas, como: glomerulonefrite crônica, pilonefrite crônica, nefrose do néfron inferior, intoxicação por salicilato, intoxicação por álcool metílico, intoxicação por barbiturato, cirrose alcoólica, coma hepático e sangramento esofageal, sendo que os pacientes apresentaram boa recuperação e menor tempo de hospitalização.

Coles e colaboradores (1997) realizaram um estudo com 47 pacientes apresentando: glomerulonefrite (n=14), causa não determinada de insuficiência renal (n=13), nefrosclerose hipertensiva (n=6), rim policístico (n= 16), nefrite intestinal (n=4), pielonefrite (n=1) e outras causas (n=3). Os pacientes foram divididos em três grupos, sendo um grupo recebeu solução de DP contendo lactato, o outro grupo solução contendo bicarbonato e o terceiro grupo solução contendo lacatao + bicarbonato. Todos os fluidos de diálise utilizados foram eficientes nos diversos tratamento e em corrigir a acidose urêmica.

Segundo Ansari (2011) a DP pode trazer algumas complicações, como: peritonite por bactérias gram-positivas e gram-negativas, dor no local da incisão, perfuração de órgãos, sangue no dialisado e insuficiência respiratória.

Conforme Gault (1973) a hipernatermia é uma complicação relativamente comum durante a DP. A maioria das soluções de diálise contém 140 mEq/L de sódio. A redução desta concentração para 132mEq/L de sódio, mesma concentração de sódio utilizada na hemodiálise, alivia este tipo de problema.

De acordo com Teitelbaum & Burkart (2003) a utilização de soluções de DP contendo bicarbonato podem estar associadas com muitos problemas, incluindo a precipitação de carbonatos de cálcio e magnésio.

Segundo Lee & Chan, 1999, a concentração alta de glicose na solução de DP pode levar a hiperglicemia, hiperinsulinemia e diminuição do glucagon plasmático.

Portanto, baseando-se na pesquisa realizada, podemos afirmar que a solução para diálise peritoneal com conteúdo eletrolítico de cálcio (3,3mEq/L ou 1,65mmol/L), magnésio (1,5mEq/L ou 0,75mmol/L), sódio (141mEq/L ou mmol/L), cloreto (100,8mEq/L ou mmol/L) e lactato (45mEq/L ou mmol) é eficaz no tratamento de alterações renais, distúrbios metabólicos severos (acidose metabólica, hipercalcemia, hipercalemia) e intoxicação exógena e endógena. Os pacientes devem ser cuidadosamente monitorados para que complicações como peritonite, alterações metabólicas e insuficiência respiratória sejam evitadas.

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS

As soluções para diálise são preparações de composição variada, que contém os eletrólitos, cálcio, magnésio, sódio, cloreto, lactato e glicose, podendo conter também acetato e potássio. Estas soluções permitem a remoção seletiva de substâncias tóxicas, de eletrólitos séricos, ureia, ácido úrico, creatinina e de líquidos excessivos do organismo. A administração da solução para diálise peritoneal permite a troca de íons entre a solução e o sangue do paciente, o que ocorre através das membranas da cavidade peritoneal. Além disso, a presença da glicose na formulação e a hiperosmolaridade das soluções para diálise permitem a remoção de fluídos excessivos do plasma na cavidade peritoneal do paciente.

O produto fornece ao organismo, os íons necessários à sua recuperação, hidratando e desintoxicando as células afetadas. A glicose age também como desintoxicante e energética.

CONTRAINDICAÇÕES

Este medicamento é contraindicado nos casos de:

  • Processo infeccioso generalizado,
  • Peritonite generalizada,
  • Tumores intra-abdominais.

Gravidez: Categoria de risco C. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

ADVERTÊNCIAS E PECAUÇÕES

Cautela deve ser tomada, no que concerne às alterações eletrolíticas e ácido-básicas, potencialmente introduzidas pela solução para diálise.

Deve-se ter cuidado com a administração da solução para diálise peritoneal em pacientes com determinadas condições abdominais, tais como: peritonite química ou bacteriana, processos infecciosos localizados no abdômen, lesões abdominais, traumatismos, cirurgia abdominal recente, sangramento peritoneal em pacientes com hiperidratação. Além disso, as concentrações dos eletrólitos do plasma de pacientes com falha renal aguda devem ser monitoradas regularmente durante o procedimento.

O risco de infecções deve ser minimizado pelo uso de técnicas assépticas durante o procedimento e sua finalização. Se peritonites ocorrerem, os estudos de identificação e da sensibilidade dos microrganismos isolados devem ser instituídos, para determinar a escolha e a dosagem dos antibióticos a serem usados. Os antibióticos de amplo-espectro podem ser indicados, antes mesmo da identificação do microrganismo envolvido na infecção. Além disso, quantidades significativas de proteínas, aminoácidos e vitaminas podem ser perdidas durante a diálise, e a terapia de reposição deve ocorrer sempre que necessário.

A segurança na gravidez e lactação não foi estabelecida, portanto, a utilização das soluções para diálise peritoneal nestes casos deve ser cautelosa e determinada pelo profissional médico.

Gravidez e Lactação

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Categoria de risco C – Não há estudos adequados em mulheres. Em experiências animais ocorreram alguns efeitos colaterais no feto, mas o benefício do produto pode justificar o risco potencial durante a gravidez.

Populações especiais

Pacientes Idosos: Nos pacientes idosos todo medicamento deve ser administrado com cautela e sob prescrição médica, pois estes normalmente apresentam variações fisiológicas que podem alterar o efeito do medicamento.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Não há. Em determinadas situações estas soluções para diálise podem ser utilizadas para a correção de hipercalemias. Neste caso, a adição do cloreto de potássio (até 4mEq/L) pode consequentemente ser indicada para impedir a hipocalemia severa nos pacientes. No entanto, alguns aditivos podem ser incompatíveis e a incompatibilidade deve ser investigada, antes que qualquer adição de substâncias e/ou medicamentos seja realizada. A técnica asséptica deve ser utilizada ao introduzir os aditivos. Após a adição, a solução deverá ser misturada e imediatamente utilizada, não podendo ser armazenada.

CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO DO MEDICAMENTO

Cuidados de conservação

Mantenha o produto em temperatura ambiente (15–30°C), protegido da luz e umidade. Prazo de validade a partir da data de fabricação: 36 meses.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após aberto, usar imediatamente, pois este medicamento é de caráter estéril, não se pode em hipótese a guarda e conservação das soluções utilizadas, devendo as mesmas serem descartadas. Antes de serem administradas as soluções para diálise devem ser inspecionadas visualmente para se observar a presença de partículas, turvação na solução, fissuras e quaisquer violações na embalagem primária. Não utilizar se detectado partículas ou algum tipo de precipitado.

Características físicas e organolépticas do produto

Este medicamento é um líquido, límpido, incolor e inodoro. Isento de partículas estranhas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

POSOLOGIAE MODO DE USAR

Via de administração: uso exclusivo peritoneal e individualizado, não deve ser administrado por outras vias. Estas soluções devem ser visualmente inspecionadas antes da administração.

Uso adulto.

O tratamento é sintomático e de suporte, sendo que o médico responsável pela supervisão do tratamento determina as doses, a frequência do tratamento, a duração da interrupção e o volume da troca da solução para cada paciente individualmente.

Duração do tratamento a critério médico.

Pequenas gotículas entre a bolsa e a sobrebolsa podem estar presentes e é característico do produto e processo produtivo. Alguma opacidade do plástico da bolsa pode ser observada devido ao processo de esterilização. Isto é normal e não afeta a qualidade ou segurança da solução. A opacidade irá diminuir gradualmente.

REAÇÕES ADVERSAS

As reações adversas decorrentes da administração da solução para diálise peritoneal podem estar relacionadas à própria solução, aos problemas mecânicos, à contaminação do equipamento ou à técnica imprópria na colocação do cateter. As complicações do procedimento incluem dor abdominal, sangramento, peritonites químicas e bacterianas (dor abdominal e distensão abdominal) e infecção subcutânea em torno de um cateter peritoneal (febre, sudorese, calafrios e náuseas). Cautela deve ser tomada no que concerne às alterações eletrolíticas e ácido-básicas, potencialmente introduzidas com a solução para diálise. As reações adversas relacionadas à solução podem incluir, além de desequilíbrios do líquido e do eletrólito, hipovolemia (diminuição do volume circulante de sangue), hipotensão (pressão arterial baixa), hipertensão (pressão arterial alta), e hiperidratação.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificação de Eventos Adversos a Medicamentos – VIGIMED, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

SUPERDOSE

O uso excessivo de soluções para Diálise Peritoneal 1,5% poderá ocasionar uma remoção significativa de água do paciente. Neste caso, dever-se-á estabelecer uma terapia de reposição de acordo com as necessidades e eletrólitos. Pode haver também ganho de glicose com consequentes alterações metabólicas e ganho de peso. As medidas para controle da glicemia e controle de ganho calórico devem ser estabelecidas a critério médico.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

Reg. M.S. Nº: 1.0311.0070
Resp. Técnico: Viviane Desideri - CRF-GO nº 2362.

HALEXISTAR Indústria Farmacêutica
BR 153 Km 3 Chácara Retiro
Goiânia - GO CEP 74665-833
CNPJ 01.571.702/0001-98
Indústria Brasileira


SAC 0800 646 6500

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

Tem alguma dúvida sobre Diálise Peritoneal 1,5%?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.