AGIOLAX

NYCOMED PHARMA

Atualizado em 03/06/2015

AGIOLAX ®

Plantago ovata, Cassia angustifolia
(Plantago, Sene)

Medicamento Fitoterápico

-  FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Granulado - frascos com 100 e 250 g e caixas com 20 envelopes de 5 g.


USO ADULTO E EM CRIANÇAS ACIMA DE 10 ANOS.

-  COMPOSIÇÃO

Cada colher das de sobremesa (5 g) ou cada envelope (5 g) contém:
Semente de Plantago ovata .................... 2,60 g
Casca de semente de Plantago ovata .................... 0,11 g
Fruto de Cassia angustifolia (Sene) * .................... 0,34 a 0,66 g
Excipiente q.s.p .................... 5,00 g
* equivalente a 15 mg de senosídeos, calculados como senosídeo B.
Excipientes: talco, goma arábica, óxido de ferro, sacarose, parafina líquida e sólida, essências de alcarávia, de sálvia e de hortelã.

Concentração dos Princípios Ativos de Agiolax

A semente e a casca da semente do Plantago ovata contêm mucilagem como seu principal constituinte, que proporciona um índice de intumescimento entre 6 e 9. A quantidade de fruto de Cassia angustifolia (Sene) é calculada para que o produto final contenha 0,3% de senosídeos (marcador).
-  NOMENCLATURA BOTÂNICA E PARTE UTILIZADA DAS PLANTAS

Plantago ovata Forsk. (Plantaginaceae), semente e casca da semente (Plantago).
Cassia angustifolia Vahl. (Leguminosae), fruto (Sene).

Informação ao Paciente de Agiolax

AÇÃO ESPERADA DO MEDICAMENTO
Ação laxativa suave, que se evidencia entre 12 e 24 horas do início do tratamento.


CUIDADOS DE ARMAZENAMENTO
Conserve o produto na embalagem original e à temperatura ambiente (15oC a 30oC). Proteger da umidade.


PRAZO DE VALIDADE
O prazo de validade está impresso na embalagem do produto. Não use medicamento com o prazo de validade vencido, pois, além de não obter o efeito desejado, você estará prejudicando sua saúde1.


GRAVIDEZ2 E LACTAÇÃO3
Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informe ao médico se estiver amamentando.


CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO
Agiolax® deve ser ingerido sem mastigar com bastante líquido (1 copo de água ou outro líquido). Aguardar um intervalo de meia a 1 hora após a administração de outro medicamento, para usar Agiolax®.


1
Ingerir 1 colher das de sobremesa ou 1 envelope sem mastigar, após o jantar.    
2
Acompanhado de um copo dÕágua (250 ml).
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.


INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.


REAÇÕES ADVERSAS
Informe ao seu médico o aparecimento de reações desagradáveis tais como: cólicas4, desconforto abdominal, reações alérgicas.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.


INGESTÃO CONCOMITANTE COM OUTRAS SUBSTÂNCIAS
Não há restrições específicas quanto à ingestão concomitante de alimentos ou bebidas. Se você faz uso diário de diuréticos5, corticóides ou medicamentos para o coração6, deve conversar com o seu médico sobre o uso de Agiolax®.


CONTRA-INDICAÇÕES
O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade conhecida aos componentes da fórmula. Agiolax® não deve ser administrado nos seguintes casos: presença de algum sintoma7 abdominal agudo8 ou persistente não diagnosticado, nos casos de doenças inflamatórias intestinais e obstrução intestinal, dor abdominal de causa desconhecida, desidratação9 severa com perda de água e eletrólitos10 e em pacientes portadores de diabetes mellitus11 de difícil controle. Agiolax® não deve ser administrado em crianças menores de 10 anos de idade.


PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
A administração em diabéticos, quando indicada, deve ser feita sob controle médico estrito, pois, cada colher das de sobremesa (5 g) ou cada envelope (5 g) contém 0,96 g de açúcar12. Laxantes13 não devem ser usados diariamente por longos períodos. O uso diário por mais de 2 semanas deve ser feito somente quando indicado pelo seu médico. Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento. No primeiro trimestre da gravidez2 deve ser usado somente sob indicação médica.

Atenção diabéticos: contém açúcar12.

RISCOS DA AUTOMEDICAÇÃO14: NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE1.

Informações Técnicas de Agiolax

 características de Agiolax

As fibras e a mucilagem provenientes do Plantago ovata, restabelecem as condições normais da freqüência intestinal. As fibras atuam como um laxante15 formador de bolo, reduzindo o tempo de permanência do conteúdo fecal no intestino, através da estimulação física das paredes do cólon16, da retenção de fluidos pelas fibras e do aumento do conteúdo intestinal17. Agiolax® aumenta a massa bacteriana fecal.

Além do Plantago ovata, os senosídeos presentes no fruto da Cassia angustifolia também atuam sobre a motilidade intestinal.

Os senosídeos são convertidos pelas bactérias do intestino grosso18 em seu metabólito19 ativo (reinantrona). Os senosídeos aceleram a motilidade intestinal, o que resulta em aumento da freqüência das evacuações, reduzindo, portanto, a absorção de fluidos pela parede intestinal. Estimulam, ainda, a formação de muco e ativam a secreção de cloretos, o que resulta em um aumento da secreção de fluidos.

A formulação de Agiolax® (Plantago ovata, Cassia angustifolia), na forma de grânulos, permite uma menor velocidade de liberação dos senosídeos, evitando-se assim um rápido aumento das concentrações destes.

Propriedades farmacocinéticas
Os senosídeos não são absorvidos no intestino delgado20 e nem fragmentados pelas enzimas digestivas. No intestino grosso18, são convertidos pelas bactérias intestinais em metabólitos21 ativos (reinantrona), cuja disponibilidade sistêmica é muito baixa. Após a administração oral de senosídeos, menos de 5% da dose é excretada na forma de metabólitos21 (produtos parciais conjugados - reina, senidinas) pela via urinária. Nos estudos de farmacocinética realizados em humanos com Cassia angustifolia (Sene) em pó (dose diária: 6,3 g de Agiolax® contendo 20 mg de senosídeos), administrado por via oral durante 7 dias, observou-se uma concentração plasmática máxima de 100 mg reina/ml, sem acúmulo.

Traços de metabólitos21 ativos (ex. reina) passam em quantidades insignificantes através do leite materno, porém, não foram observados efeitos laxativos22 em lactentes23. Estudos em animais demonstraram que a passagem de reina através da placenta é extremamente pequena. A maior parte das fibras de Plantago ovata não é digerível. Uma parte é fragmentada pela flora intestinal em ácidos graxos de cadeia curta, sendo que a maior parte é excretada inalterada com as fezes.


Informação pré-clínica
Existem informações toxicológicas disponíveis sobre Cassia angustifolia (Sene) em pó e sobre os seus constituintes ativos isolados (reina ou senosídeos). A toxicidade24 aguda em ratos e camundongos, após a administração oral de Cassia angustifolia (Sene), bem como de senosídeos ou reina, foi baixa. Estudos de toxicidade24 com doses repetidas de senosídeos e Cassia angustifolia (Sene) administrados em altas doses, indicaram que o rim25 é o órgão alvo para toxicidade24 em ratos e camundongos.

Não houve evidência de efeito fetotóxico ou teratogênico26, em ratos ou coelhos, após a administração oral de senosídeos. Além disso, não houve alteração no desenvolvimento pós-natal ou na fertilidade em ratos.

Aloe-emodina, emodina isolada (antranóides presentes na Cassia angustifolia (Sene)) e o extrato de Cassia angustifolia (Sene), apresentaram ação mutagênica in vitro, enquanto que os senosídeos e a reina não apresentaram. Os estudos in vivo apresentaram resultados negativos. Em estudos de carcinogênese, em ratos e camundongos, não houve evidência de indução de formação de tumor27 pela reina. O extrato puro de Cassia angustifolia (Sene) (aproximadamente 40%) não aumentou a incidência28 de tumores hepáticos, renais ou gastrintestinais.

-  INDICAÇÕES

Constipação29 intestinal.

Contra-Indicações de Agiolax

Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Agiolax® não deve ser administrado em casos de obstrução e estenose30 intestinal, atonia, doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn31, retocolite ulcerativa), apendicite32, dor abdominal de origem desconhecida, desidratação9 severa com perda de água e eletrólitos10 e em pacientes portadores de diabetes mellitus11 de difícil controle.

Agiolax® não deve ser administrado em crianças menores de 10 anos de idade.

Precauções e Advertências de Agiolax

Agiolax® não deve ser administrado na presença de sintomas33 abdominais, agudos ou persistentes, não diagnosticados.

Laxantes13 não devem ser utilizados diariamente por longos períodos. O uso a longo prazo pode causar diarréia34 com conseqüente perda de fluidos e eletrólitos10 (principalmente hipocalemia35). O uso abusivo por longos períodos pode, também, agravar a constipação29 e causar pigmentação do cólon16 (pseudomelanosis coli) que desaparece após a interrupção do tratamento. A importância clínica deste fato não está completamente esclarecida.

O uso prolongado de laxativos22 estimulantes pode intensificar a diminuição da motilidade intestinal.

Agiolax® deve ser administrado somente quando mudanças na dieta ou uso de formadores de bolo não resultarem em efeitos terapêuticos.

Uso na gravidez2 e lactação3: não há relatos de efeitos prejudiciais ao feto36 com o uso de Agiolax® durante a gravidez2, seguindo-se a posologia indicada. No entanto, nos três primeiros meses de gravidez2, Agiolax® deve ser administrado somente se o quadro de constipação29 não puder ser resolvido com mudanças na dieta ou uso de agentes formadores de bolo.

Pequenas quantidades de metabólitos21 ativos da Cassia angustifolia (Sene) são excretadas através do leite materno, mas não foram observados efeitos laxativos22 em lactentes23.

Atenção diabéticos: contém açúcar12.

Cada 5 g do produto contém 0,96 g de açúcar12.

-  REAÇÕES ADVERSAS

Muito raramente podem ocorrer queixas de espasmos37 gastrintestinais. Nestes casos, é necessária uma redução da dose. Durante o tratamento, pode ocorrer uma coloração avermelhada da urina38, porém, sem repercussões clínicas.

Em casos de uso/abuso crônicos, podem ocorrer distúrbios no balanço hidroeletrolítico39. A ocorrência de diarréia34 pode resultar em perda de potássio, e isto pode levar a distúrbios da função cardíaca e miastenia40, principalmente se glicosídeos cardíacos, diuréticos5 e corticóides são administrados concomitantemente. No uso crônico41, pode ocorrer albuminúria42 e hematúria43. Além disso, pode ser observada uma infiltração pigmentária na mucosa intestinal44 (pseudomelanosis coli), que em geral desaparece após descontinuação do produto.

Muito raramente podem ocorrer reações de hipersensibilidade com o uso de Plantago ovata.

Interações Medicamentosas de Agiolax

A hipocalemia35 resultante do uso abusivo de laxantes13 por longos períodos potencializa a ação de glicosídeos cardíacos e interfere na ação de medicações antiarrítmicas (quinidina). O uso concomitante de outras drogas indutoras de hipocalemia35 (ex. diuréticos5 tiazídicos, corticóides e raiz de alcaçuz) pode aumentar o desequilíbrio eletrolítico.

A absorção de drogas administradas concomitantemente a Agiolax® pode ser prejudicada.

Pode ser necessária a redução da dose de insulina45 em pacientes diabéticos insulino-dependentes.

Posologia de Agiolax

Agiolax® deve ser ingerido sem mastigar, com bastante líquido (cerca de 250 ml de chá ou água).

Deve-se aguardar um intervalo de meia a 1 hora após a administração de outro medicamento, para utilizar Agiolax®. O início do efeito esperado ocorre entre 12 a 24 horas, após a administração.

Adultos (inclusive idosos) e crianças acima de 10 anos: 1 colher das de sobremesa (5 g) ou 1 envelope de Agiolax® após o jantar e/ou antes do desjejum.

Não se recomenda o uso contínuo de laxantes13 por períodos superiores a 1 a 2 semanas.

A dose correta para cada indivíduo é a menor dose necessária para se obter o amolecimento das fezes.

A dose máxima diária não deve ultrapassar 30 mg de derivados hidroxiantracênicos, o que equivale, em média, a 10 g de Agiolax® (2 colheres de sobremesa ou 2 envelopes).

Superdose de Agiolax

Nos casos de superdose, podem ocorrer cólicas4 intestinais e diarréia34 severa, com conseqüente perda de líquidos e eletrólitos10. Em caso de superdose, o médico deverá ser imediatamente consultado. Ele irá decidir quais medidas de controle das funções vitais devem ser adotadas e a necessidade de reposição hidroeletrolítica.

Pacientes Idosos de Agiolax

Não há restrições ou recomendações especiais com relação ao uso do produto por pacientes idosos.

SIGA CORRETAMENTE O MODO DE USAR. NÂO DESAPARECENDO OS SINTOMAS33, PROCURE ORIENTAÇÃO MÉDICA.


MS - Registro 1.0639.0184
Farmacêutico Responsável: Wagner Moi - CRF-SP 14.828

N.º do lote, data da fabricação e data da validade: vide rótulo/cartucho.


Fabricado por
Madaus Pharm. Private Ltd
Goa- Índia

Importado e distribuído por
ALTANA Pharma Ltda.
Rodovia SP 340 S/N, Km 133,5 Jaguariúna- SP
CNPJ 60.397.775/0008-40
Indústria Brasileira

ALTANA Pharma Ltda.é o nome da Byk Química e Farmacêutica Ltda.

© Nycomed Pharma Ltda - Brasil 2008 | Todos os direitos reservados
Política de Privacidade | Declaração Legal


AGIOLAX - Laboratório

NYCOMED PHARMA
Rua do Estilo Barroco, 721
Santo Amaro/SP - CEP: 04709-011
Tel: 11 5188 4400
Site: http://www.nycomed.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "NYCOMED PHARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
4 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
5 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
7 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
9 Desidratação: Perda de líquidos do organismo pelo aumento importante da freqüência urinária, sudorese excessiva, diarréia ou vômito.
10 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
11 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
12 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
13 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
14 Automedicação: Automedicação é a prática de tomar remédios sem a prescrição, orientação e supervisão médicas.
15 Laxante: Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamento que trata da constipação intestinal; purgante, purgativo, solutivo.
16 Cólon:
17 Conteúdo Intestinal: Conteúdo compreendido em todo ou qualquer segmento do TRATO GASTROINTESTINAL
18 Intestino grosso: O intestino grosso é dividido em 4 partes principais: ceco (cecum), cólon (ascendente, transverso, descendente e sigmoide), reto e ânus. Ele tem um papel importante na absorção da água (o que determina a consistência do bolo fecal), de alguns nutrientes e certas vitaminas. Mede cerca de 1,5 m de comprimento.
19 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
20 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
21 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
22 Laxativos: Mesmo que laxantes. Que laxa, afrouxa, dilata. Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
23 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
24 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
25 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
26 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
27 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
28 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
29 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
30 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
31 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
32 Apendicite: Inflamação do apêndice cecal. Manifesta-se por abdome agudo, e requer tratamento cirúrgico. Sua complicação mais freqüente é a peritonite aguda.
33 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
34 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
35 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
36 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
37 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
38 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
39 Hidroeletrolítico: Aproximadamente 60% do peso de um adulto são representados por líquido (água e eletrólitos). O líquido corporal localiza-se em dois compartimentos, o espaço intracelular (dentro das células) e o espaço extracelular (fora das células). Os eletrólitos nos líquidos corporais são substâncias químicas ativas. Eles são cátions, que carregam cargas positivas, e ânions, que transportam cargas negativas. Os principais cátions são os íons sódio, potássio, cálcio, magnésio e hidrogênio. Os principais ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato e sulfato.
40 Miastenia: Perda das forças musculares ocasionada por doenças musculares inflamatórias. Por ex. Miastenia Gravis. A debilidade pode predominar em diferentes grupos musculares segundo o tipo de afecção (debilidade nos músculos extrínsecos do olho, da pelve, ou dos ombros, etc.).
41 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
42 Albuminúria: Presença de albumina na urina. A albuminúria pode ser um sinal de nefropatia diabética (doença nos rins causada pelas complicações do diabetes mal controlado) ou aparecer em infecções urinárias.
43 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
44 Mucosa Intestinal: Revestimento dos INTESTINOS, consistindo em um EPITÉLIO interior, uma LÂMINA PRÓPRIA média, e uma MUSCULARIS MUCOSAE exterior. No INTESTINO DELGADO, a mucosa é caracterizada por várias dobras e muitas células absortivas (ENTERÓCITOS) com MICROVILOSIDADES.
45 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.

Tem alguma dúvida sobre AGIOLAX?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.