Preço de ATENSINA em Ashburn/SP: R$ 7,34

ATENSINA

Boehringer Ingelheim

Atualizado em 03/06/2015

Atensina®
Anti-hipertensivo


ATENSINA atua sobre o sistema nervoso1 simpático2, reduzindo o fluxo adrenérgico3 para o sistema cardiocirculatório, assim diminuindo a resistência vascular4 periférica e determinando uma redução da pressão arterial5. O produto é eficaz em doses muito pequenas e caracteriza-se por sua ampla margem terapêutica6, permitindo uma posologia eficiente e bastante segura, de acordo com as necessidades de cada paciente.

Composição da Atensina

Comprimidos com 0,100 mg ou 0,150 mg ou 0,200 mg de cloridrato de clonidina.

Indicações da Atensina

Todas as formas de hipertensão arterial7.

Contra-Indicações da Atensina

Hipersensibilidade à clonidina. Doença do nódulo sinusal8.

Precauções da Atensina

O tratamento da hipertensão arterial7 requer controles médicos regulares. ATENSINA pode, na dependência da dose utilizada, reduzir a freqüência do pulso. Em presença de doenças do sistema de condução observaram-se transtornos do ritmo ao se usarem doses elevadas de clonidina. Nas crises hipertensivas causadas por feocromocitoma9, a clonidina não corrige os valores pressóricos anormalmente elevados, mas também não contribui para a exacerbação da crise, não oferecendo, portanto, risco em pacientes com feocromocitoma9 não diagnosticado. O tratamento da hipertensão10 com ATENSINA em presença de insuficiência renal11 requer cuidados e controles médicos especiais. Reações individualmente variáveis podem prejudicar a capacidade de dirigir veículos ou de lidar com maquinário, o que deve ser considerado especialmente no início do tratamento com ATENSINA. Em casos de interrupção brusca de clonidina após um tratamento prolongado com doses elevadas (doses diárias superiores a 0,6 mg) foram descritas ocasionalmente inquietação e taquicardia12 e, em casos multo raros, elevação pronunciada da pressão arterial5 e (ou) nervosismo, tremores. cefaléias13 e náuseas14.

Gravidez15 e Lactação16 da Atensina

Após vários anos de estudos com clonidina não foram registrados indícios de efeitos desfavoráveis ou prejudiciais em gestantes. Mesmo assim, devem ser observadas as medidas habituais de precauções a respeito do uso de medicamentos na gravidez15, sobretudo durante o primeiro trimestre. Clonidina passa para o leite materno, sem, todavia, exercer qualquer ação desfavorável sobre o lactente17, quando do uso do produto em doses terapêuticas.

Interações Medicamentosas da Atensina


O efeito hipotensor de ATENSINA é potencializado por outros anti-hipertensivos. A este respeito, existem experiências de combinações com diuréticos18, vasodilatadores e betabloqueadores. No uso concomitante de betabloqueadores e (ou) glicosídios cardíacos podem ocorrer uma diminuição acentuada da freqüência cardíaca (bradicardia19) ou, muito raramente transtornos do ritmo cardíaco (bloqueio AV). Se, durante um tratamento concomitante com betabloqueadores, for necessário suspender a terapia anti-hipertensiva, deve-se, de inicio, reduzir lenta e progressivamente o betabloqueador e, posteriormente, também de modo progressivo, a ATENSINA. Antidepressivos tricíclicos podem reduzir a ação hipotensora da ATENSINA. Clonidina pode aumentar o efeito sedativo de álcool, hipnóticos e tranqüilizantes. A tolazolina pode reduzir ou inibir, de modo dose-dependente, o efeito da clonidina, sendo apropriada, assim, como antídoto20.

Reações Adversas da Atensina

Reações adversas são, em geral, diretamente relacionáveis às doses empregadas. Sobretudo no início do tratamento podem ocorrer secura da boca21 e sensação e cansaço, que tem a desaparecer com a continuação da terapêutica6. Distúrbios ortostático podem surgir, especialmente quando doses elevadas são utilizadas pela primeira vez. Em casos raros ATENSINA pode provocar reações centrais como obnubilação e vertigem22. Muito raramente, mencionam-se obstipação23, transtornos do sono da potência e distúrbios circulatórios. Apenas em casos excepcionais e (ou) com o uso de altas doses, foram referidas reações de hipersensibilidade, transtornos da percepção, pesadelo, ginecomastia24, dores das glândulas parótidas25, estado de depressão, secura da mucosa26 nasal diminuição da lacrimação.

Posologia da Atensina

A doença hipertensiva desenvolve-se muito lentamente e, assim sendo, é para preservar o bem-estar do paciente, não é recomendável uma redução rápida dos valores pressóricos, exceto nos casos de crise hipertensiva. Para a maioria dos casos de hipertensão10 leve é suficiente uma dose diária de ATENSINA, variando de 0,075 a 0,200 mg. Deste modo, recomenda-se iniciar o tratamento com uma dose única diária, à noite de 0,075 mg, 0,100 mg, 0,150 mg ou 0,200 mg, de acordo com o grau de severidade do quadro clínico. Na eventualidade de não ser obtido o controle desejado dos valores tensionais dentro de 1 a 3 semanas, a dose diária poderá ser aumentada, administrando se pela manhã dose idêntica à da noite. Para alguns casos pode ser necessário ampliar a posologia, sucessivamente, até que a pressão arterial5 se situe em níveis adequados. Salvo determinadas exceções, um aumento da dose diária para mais de 0,450 mg não proporciona em geral uma redução adicional importante dos valores pressóricos. Somente nas formas de hipertensão10 grave pode ser necessário um aumento da dose diária até 0,900 mg, que deverá ser subdividida em 3 doses individuais de 0,300 mg cada.

Superdosagem da Atensina

Sintomas27: Sonolência, secura da boca21, hipotensão28, distúrbios ortostáticos, bradicardia19, vômitos29, diminuição ou ausência de reflexos, respiração superficial. Tratamento: Na maioria dos casos é suficiente um tratamento sintomático30. Após ingestão de dose excessiva, efetuar lavagem gástrica31 e administrar um vasopressor e um analéptico. Como antídoto20 específico é apropriada a tolazolina (10 mg de tolazolina IV neutralizam o efeito de 0,6 mg de clonidina).

Apresentações da Atensina

Comprimidos de 0,100 mg:
Embalagens com 30 comprimidos. Comprimidos de 0,150 mg: Embalagens com 30 comprimidos. Comprimidos de 0,200 mg: Embalagens com 30 comprimidos.

BOEHRINGER INGELHEIM do Brasil Química a e Farmacêutica Ltda.

ATENSINA - Laboratório

Boehringer Ingelheim
Av. Maria Coelho Aguiar,215-Bl. F - 3ºand
São Paulo/SP - CEP: 05804-970
Tel: 55 (011) 3741-2181
Fax: 55 (011) 3741-1648
Site: http://www.boehringer-ingelheim.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "Boehringer Ingelheim"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
2 Simpático: 1. Relativo à simpatia. 2. Que agrada aos sentidos; aprazível, atraente. 3. Em fisiologia, diz-se da parte do sistema nervoso vegetativo que põe o corpo em estado de alerta e o prepara para a ação.
3 Adrenérgico: Que age sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
4 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
6 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Nódulo Sinusal: Pequena massa de fibras musculares cardíacas modificadas, localizada na junção da VEIA CAVA SUPERIOR com o átrio direito. Os impulsos da contração provavelmente começam neste nó, propagam-se pelo átrio (ÁTRIO CARDÍACO) sendo então transmitidos pelo feixe de His (FEIXE ATRIOVENTRICULAR) para o ventrículo (VENTRÍCULO CARDÍACO).
9 Feocromocitoma: São tumores originários das células cromafins do eixo simpático-adrenomedular, caracterizados pela autonomia na produção de catecolaminas, mais freqüentemente adrenalina e/ou noradrenalina. A hipertensão arterial é a manifestação clínica mais comum, acometendo mais de 90% dos pacientes, geralmente resistente ao tratamento anti-hipertensivo convencional, mas podendo responder a bloqueadores alfa-adrenérgicos, bloqueadores dos canais de cálcio e nitroprussiato de sódio. A tríade clássica do feocromocitoma, associado à hipertensão arterial, é composta por cefaléia, sudorese intensa e palpitações.
10 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
11 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
12 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
13 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
14 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
15 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
16 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
17 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
18 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
19 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
20 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
21 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
22 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
23 Obstipação: Prisão de ventre ou constipação rebelde.
24 Ginecomastia: Aumento anormal de uma ou ambas as glândulas mamárias no homem. Associa-se a diferentes enfermidades como cirrose, tumores testiculares, etc. Em certas ocasiões ocorrem de forma idiopática.
25 Glândulas parótidas: A maior das três glândulas salivares pares, situada atrás do arco ascendente do maxilar inferior, sob a orelha.
26 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
27 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
28 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
29 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
30 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
31 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.

Tem alguma dúvida sobre ATENSINA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.