DALACIN C FOSFATO

PFIZER

Atualizado em 08/12/2014

Composição de Dalacin C Fosfato

cada ml contém: fosfato de clindamicina(equivalente a 150 mg da base) 198 mg; álcool benzílico 9 mg; edetato dissódico 0,5 mg; hidróxido de sódio q.s.p. pH 6,3; ácido clorídrico1 q.s.p. pH 6,3; água para injeção2 q.s.p. 1 ml.

Posologia e Administração de Dalacin C Fosfato

adultos: via parenteral (administração IM ou EV): infecções3 moderadas ou infecções3 devidas a microorganismos patogênicos altamente sensíveis: 600 mg/dia, em 2 doses iguais; infecções3 moderadamente graves: 600-1200 mg/dia, em 2, 3 ou 4 doses iguais; infecções3 graves: 1200-2700 mg/dia, em 2, 3 ou 4 doses iguais. - Nota: para infecções3 ainda mais graves, pode ser necessário aumentar essas doses. Em circunstâncias que ameaçam a vida do paciente, doses tão elevadas quanto 4,8 gramas diários tem sido administradas, por via endovenosa, a adultos. Não são recomendadas injeções intramusculares únicas acima de 600 mg. O fosfato de clindamicina deve ser diluído antes da administração endovenosa, para uma diluição de 300 mg em 50 ml de diluente (6 mg/ml) ou mais. Não é recomendada a administração de mais de 1200 mg em uma infusão única de 1 hora. Alternativamente, o medicamento pode ser administrado na forma de uma infusão rápida e única da primeira dose, acompanhada por infusão endovenosa contínua, da seguinte maneira: para manter níveis séricos de clindamicina acima de 4, 5 ou 6 mcg/ml, o índice de infusão rápida deve ser, respectivamente, 10, 15 ou 20 mg/min, durante 30 minutos e o índice de infusão de manutenção deve ser, respectivamente, 0,75, 1,00 ou 1,25 mg/min. Crianças (com mais de 1 mês de idade) - via parenteral (administração IM ou EV): infecções3 moderadas ou infecções3 devidas a microorganismos patogênicos altamente sensíveis: 10-15 mg/kg/dia, em 3 a 4 doses iguais; infecções3 moderadamente graves: 15-25 mg/kg/dia, em 3 ou 4 doses iguais; infecções3 graves: 25-40 mg/kg/dia, em 3 ou 4 doses iguais. Como uma alternativa para a dosagem com base em peso corporal, a dose para crianças pode ser determinada em metros quadrados de superfície corporal: 350 mg/m2/dia para infecções3 moderadas a moderadamente graves e 450 mg/m2/dia para infecções3 moderadamente graves a graves. - Nota: em infecções3 graves, recomenda-se que as crianças recebam não menos que 300 mg/dia, qualquer que seja o peso corporal.

Precauções de Dalacin C Fosfato

uso durante a gravidez4: não foi determinada a segurança para uso durante a gravidez4. Emprego em recém-nascidos e lactentes5: quando Dalacin C for administrado a lactentes5, e recomendável controle adequado das funções de sistemas orgânicos. Não foram determinadas a segurança e as doses adequadas para lactentes5 com menos de um mês de idade. Foi demonstrado antagonismo entre Dalacin C e eritromicina in vitro. Em virtude de possíveis complicações clínicas, esses dois medicamentos não devem ser administrados simultaneamente. Reações anafilactóides sérias requerem imediato tratamento de emergência6 com epinefrina; oxigênio e corticosteróides por via endovenosa também devem ser administrados, conforme indicado. Em antibioticoterapia a ocorrência de diarréia7 é uma possibilidade a ser considerada. Clindamicina, como outros antibióticos, pode induzir sintomas8 desse tipo. Casos moderados exibindo mínima alteração de mucosa9 podem responder à simples interrupção da droga. Casos moderados a severos, incluindo aqueles com ulceração10 ou formação pseudomembranosa, devem ser controlados com líquidos, eletrólitos11 e suplementação12 protéica conforme o indicado. Outras causas de colite13 devem ser consideradas. Diarréia7 tem sido observada após algumas semanas do término do tratamento com Clindamicina. O médico deve estar alerta para esta possibilidade. Estudos recentes indicaram uma toxina14 (ou toxinas15) produzidas por bactérias do gênero Clostridium (especialmente C. difficilis) como a principal causa direta da colite13 associada a antibióticos. Esses estudos também indicaram que o Clostridium toxigênico é normalmente sensível in vitro à vancomicina. Quando 125 mg a 500 mg de vancomicina é administrada oralmente, 4 vezes ao dia, observa-se rápido desaparecimento da toxina14 em amostras fecais e coincidente melhora clínica da diarréia7. Dalacin C deve ser prescrito com cautela para indivíduos atópicos. Durante tratamento prolongado devem ser realizados testes periódicos da função hepática16 e renal17 e contagens sangüíneas periódicas. O uso de Dalacin C pode resultar em proliferação de microorganismos não susceptíveis particularmente levedos. Se ocorrerem infecções3 secundárias, devem ser tomadas medidas adequadas, conforme indicado pela situação clínica. Dalacin C não deve ser injetado por via endovenosa sem ser diluído, mas sim posto em infusão pelo menos 20-60 minutos, conforme indicado na seção Posologia e administração. Para pacientes18 com doença renal17 e/ou hepática16 bastante graves, a dose deve ser determinada com cuidado; os níveis séricos de clindamicina devem ser controlados durante tratamento com dose elevada.

Reações Adversas de Dalacin C Fosfato

reações de hipersensibilidade: se ocorrer, o uso do medicamento deve ser interrompido. Hepáticas19: anormalidades no teste da função hepática16 (elevação das transaminases séricas) têm sido observadas durante tratamento com Dalacin C. Hematopoiéticas: neutropenia20 (leucopenia21) e eosinofilia22 passageiras têm sido relatadas; a relação com o tratamento é desconhecida.

Contra-Indicações de Dalacin C Fosfato

este medicamento é contra-indicado para indivíduos com antecedentes de hipersensibilidade a preparações que contenham clindamicina ou lincomicina.

Indicações de Dalacin C Fosfato

tratamento de infecções3 causadas por variedades susceptíveis dos seguintes microorganismos, sensíveis à clindamicina: estreptococos e estafilococos: infecções3 do trato respiratório superior e inferior, infecções3 da pele23 e dos tecidos moles, septicemia24; pneumococos: infecções3 do trato respiratório superior e inferior; bactérias anaeróbicas: infecções3 do trato respiratório inferior, tais como empiema25, pneumonite26 anaeróbica e abscessos27 pulmonares; infecções3 da pelve28 e dos tecidos moles; septicemia24; infecções3 intra-abdominais, tais como peritonite29 e abscesso30 intra-abdominal (tipicamente resultantes de microorganismos anaeróbicos residentes no trato gastrintestinal normal); infecções3 da pele23 e do trato genital femininos, tais como endometrite, abscessos27 tubo-ovarianos não gonocócicos, celulite31 pélvica32 e infecção33 vaginal pós-cirúrgica. Dalacin é indicado como tratamento auxiliar em infecções3 dentárias causadas por microorganismos susceptíveis.

Apresentação de Dalacin C Fosfato

caixas individuais com ampolas de 2 e 4 ml. Caixas com 10 frascos-ampola de 6 ml.


DALACIN C FOSFATO - Laboratório

PFIZER
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
Guarulhos/SP - CEP: 07112-070
Tel: 0800-16-7575
Site: http://www.pfizer.com.br
CNPJ n° 46.070.868/0001-69

Ver outros medicamentos do laboratório "PFIZER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
3 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
6 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
7 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
10 Ulceração: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
11 Eletrólitos: Em eletricidade, é um condutor elétrico de natureza líquida ou sólida, no qual cargas são transportadas por meio de íons. Em química, é uma substância que dissolvida em água se torna condutora de corrente elétrica.
12 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
13 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
14 Toxina: Substância tóxica, especialmente uma proteína, produzida durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capaz de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
15 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
16 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
17 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
18 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
19 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
20 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
21 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
22 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
23 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
24 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
25 Empiema: Coleção de pus na cavidade pleural.
26 Pneumonite: Inflamação dos pulmões que compromete principalmente o espaço que separa um alvéolo de outro (interstício pulmonar). Pode ser produzida por uma infecção viral ou lesão causada por radiação ou exposição a diferentes agentes químicos.
27 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
28 Pelve: 1. Cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ossos ilíacos), sacro e cóccix; bacia. 2. Qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
29 Peritonite: Inflamação do peritônio. Pode ser produzida pela entrada de bactérias através da perfuração de uma víscera (apendicite, colecistite), como complicação de uma cirurgia abdominal, por ferida penetrante no abdome ou, em algumas ocasiões, sem causa aparente. É uma doença grave que pode levar pacientes à morte.
30 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
31 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
32 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
33 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.

Tem alguma dúvida sobre DALACIN C FOSFATO?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.