Preço de SCAFLAM em Fairfield/SP: R$ 44,35

SCAFLAM

Mantecorp

Atualizado em 09/12/2014

          SCAFLAM*
NIMESULIDA

         

Formas Farmacêuticas e Apresentações de Scaflam

USO ADULTO E PEDIÁTRICOAntiinflamatório não-esteróide

USO ADULTO
Comprimidos 100 mg, Granulado 100 mg e Supositórios 100 mg.

          Composição
Cada comprimido contém 100 mg de nimesulida. Componentes inativos: dioctil sulfosuccinato de sódio, hidroxipropilcelulose, lactose1, amido glicolato de sódio, celulose microgranular, óleo vegetal hidrogenado e estearato de magnésio.

         Cada envelope com granulado contém 100 mg de nimesulida. Componentes inativos: éter cetílico polioxietileno, ácido cítrico, aroma natural de laranja, açúcar2 refinado, maltose.

          Cada supositório contém 100 mg de nimesulida. Componentes inativos: Witepsol H15 e Tween 61.
         
Apresentações
Comprimidos   Caixa com 12 comprimidos.
Granulado   Caixa com 12 envelopes de 2 g.
Supositórios   Caixa com 8 supositórios.

USO PEDIÁTRICO (crianças acima de 1 ano)
Suspensão 50 mg/5 ml, Supositórios 50 mg ou 100 mg e Gotas 50 mg/ml

          Composição
Cada 5 ml de SCAFLAM Suspensão contêm 50 mg de nimesulida. Componentes inativos: goma xantam, metilparabeno, propilparabeno, ácido cítrico anidro, sorbitol3 solução 70%, citrato de sódio diidratado, lauril sulfato de sódio, aroma artificial de morango, açúcar2 refinado, água destilada.

         Cada supositório contém 50 mg ou 100 mg de nimesulida. Componentes inativos: Witepsol H15 e Tween 61.

        Cada ml de SCAFLAM Gotas contém 50 mg de nimesulida. Cada gota4 contém 2,5 mg de nimesulida e não contém açúcar2. Componentes inativos: propilenoglicol, sacarina5 sódica, metilparabeno, propilparabeno, ciclamato de sódio, sorbitol3 solução a 70%, goma xantam, aroma de morango e água purificada.
         
Apresentações
Suspensão - Embalagem com 1 frasco com 60 ml.
Supositórios - Caixa com 8 supositórios.
Gotas - Frasco com 15 ml.

Informação ao Paciente de Scaflam

SCAFLAM é um medicamento à base de nimesulida, que apresenta propriedades antiinflamatórias, analgésicas e antipiréticas.

SCAFLAM Comprimidos, Suspensão e Gotas deve ser conservado em temperatura entre 2°C e 30°C, protegido da luz. SCAFLAM Granulado deve ser conservado em temperatura entre 2°C e 30°C, protegido da luz e umidade. SCAFLAM Supositórios deve ser conservado em temperatura entre 2°C e 25°C, protegido da luz.

O prazo de validade de SCAFLAM encontra-se gravado na embalagem externa. Em caso de vencimento, inutilize o produto.

Informe seu médico a ocorrência de gravidez6 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando. A utilização de SCAFLAM nessas situações não é recomendada.
         
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

No caso de SCAFLAM Suspensão, agite antes de usar.

Aconselha-se tomar os comprimidos com um pouco de água. No caso do granulado, misture o conteúdo de um envelope em um pouco de água. Tanto os comprimidos quanto o granulado devem ser ingeridos preferencialmente após as refeições.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis como enjôos, dores abdominais, reações alérgicas, dor de cabeça7, sonolência e vertigem8. Alguns destes efeitos geralmente são leves e passageiros e não levam à suspensão do tratamento, porém apenas o médico pode avaliar esta necessidade.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Não se aconselha ingestão conjunta de SCAFLAM com álcool ou outros medicamentos que provoquem irritação do estômago9.

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
         
Pacientes idosos devem seguir o tratamento com SCAFLAM comprimidos, granulado ou supositórios apenas sob estrito acompanhamento médico.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE10.

Informação Técnica de Scaflam

A nimesulida (4'-nitro-2'-fenoximetanossulfonanilida) é um fármaco11 antiinflamatório não-esteróide que difere dos outros compostos desta categoria por apresentar um radical sulfonanilida em lugar de um radical carboxílico. À semelhança de outros fármacos antiinflamatórios não-esteróides (AINES), possui também ação analgésica e antipirética. A nimesulida inibe seletivamente a enzima12 ciclooxigenase-2, reduzindo a síntese de prostaglandinas13 relacionadas à inflamação14. Este modo de ação também influi sobre a agregação plaquetária, causando-lhe inibição parcial.

A estrutura química da nimesulida indica um mecanismo do tipo scavenger, através do qual o fármaco11 neutraliza a formação de radicais livres de oxigênio produzidos ao nível da cascata do ácido araquidônico e liberados em grande quantidade na origem do processo inflamatório por diversos tipos de células15 (granulócitos16, neutrófilos17, macrófagos18), sem influenciar a quimiotaxia19 e a fagocitose20.

Os mecanismos descritos são mais eficazes in vivo, o que sugere uma possível ativação biológica do composto, tornando-o um fármaco11 de ação antiinflamatória potente. Alguns estudos indicam ter a nimesulida melhor tolerabilidade e causar menor incidência21 de efeitos colaterais22 em comparação com outros fármacos desta classe terapêutica23.

A nimesulida é prontamente absorvida a partir do trato gastrintestinal, alcançando o pico de concentração plasmática em 1 a 2 horas.  O nível plasmático de ligação protéica é de 99% e a meia-vida de eliminação é de 2 a 5 horas. O steady-state é alcançado dentro de 24 a 36 horas, com duas administrações diárias.  
A nimesulida sofre metabolização hepática24 dando origem a metabólitos25 que são eliminados principalmente pela urina26 (65%). O principal metabólito27 é a 4-hidroxinimesulida, que também é farmacologicamente ativa. Não dá origem a fenômenos de acúmulo, mesmo após a administração repetida, demonstrando boa tolerabilidade sistêmica e gastrintestinal.

Após a administração única de 100 mg de nimesulida, o fármaco11 presente nos tecidos do trato genital feminino é de 40% da concentração plasmática.

Indicações de Scaflam

Processos inflamatórios dolorosos ou não dolorosos, acompanhados ou não por febre28. SCAFLAM é indicado como analgésico29, antitérmico30 e antiinflamatório no tratamento de processos inflamatórios dolorosos, estados febris e infecciosos das vias aéreas superiores como sinusites, faringoamigdalites, otites31, laringotraqueítes, bronquites e estados gripais, sendo utilizado também após amigdalectomias e/ou adenoidectomias. SCAFLAM tem indicação em processos osteoarticulares como mialgias32, miosites, lombociatalgias e dores pós-operatórias. Em ginecologia é utilizado na dismenorréia33.

Contra-Indicações de Scaflam

            ·    Hipersensibilidade individual ao produto, ao ácido acetilsalicílico ou a outros fármacos antiinflamatórios não-esteróides.·    Úlcera péptica34 em fase ativa, ulcerações35 recorrentes com hemorragia36 gastrintestinal ou doença intestinal inflamatória.
·    Pacientes com distúrbio de coagulação37.
·    Pacientes com disfunção renal38 grave (
clearance de creatinina39 abaixo de 30 ml/min).
·    Pacientes com disfunção hepática24.

         

Precauções e Advertências de Scaflam

O produto deve ser administrado com cautela a pacientes com histórico de doenças hemorrágicas40, portadores de afecções41 do trato gastrintestinal superior42 e em pacientes sob tratamento com anticoagulantes43 e outros fármacos inibidores da agregação plaquetária. Pacientes em tratamento com substâncias de limitada tolerabilidade gástrica devem ser submetidos a rigoroso controle médico.

Por ser a eliminação do fármaco11 predominantemente renal38, o produto deve ser administrado com cuidado a pacientes com prejuízo da função hepática24 ou renal38. Pacientes com clearance de creatinina39 de 30 a 80 ml/min devem ter a posologia reduzida. Em caso de disfunção renal38 grave, a droga é contra-indicada. O tratamento deve ser suspenso e deve-se proceder a um exame oftalmológico, caso ocorram perturbações visuais em pacientes apresentando histórico de alterações oculares devidas a outros fármacos antiinflamatórios não-esteróides.

Não foram relatadas até o momento evidências teratogênicas ou detecção no leite materno, porém o emprego não é aconselhado durante os períodos de gravidez6 e lactação44.

Em pacientes idosos, recomenda-se cautela na administração do produto.

Como os outros antiinflamatórios não-esteróides, a nimesulida deve ser usada com cuidado em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva45, hipertensão46, comprometimento da função renal38 ou depleção47 do volume extracelular, que são altamente suscetíveis de sofrerem redução do fluxo sangüíneo renal38. Desta forma, a nimesulida deve ser usada com cuidado em pacientes com problemas de coagulação37 (por exemplo, hemofílicos) e em pacientes sob terapia com anticoagulantes43.

Pacientes com asma48 toleram bem a nimesulida; mas a possibilidade de precipitação de broncoespasmo49 não pode ser inteiramente excluída.

Os efeitos adversos podem ser reduzidos utilizando-se a menor dose eficaz durante o menor período possível. Pacientes tratados com outros antiinflamatórios não-esteróides durante longo período de tempo devem ficar sob supervisão médica regular para monitoramento de efeitos adversos.

Pacientes que apresentaram sintomas50 compatíveis com disfunção hepática24 durante o tratamento com a nimesulida (por exemplo anorexia51, náuseas52, vômitos53, dor abdominal, fadiga54, urina26 escura ou icterícia55) devem ser cuidadosamente monitorados.

Pacientes que apresentaram testes de função hepática24 anormais devem descontinuar o tratamento. Estes pacientes não devem reiniciar o tratamento com a nimesulida. Reações adversas hepáticas56 relacionadas à droga foram relatadas após períodos de tratamento inferiores a um mês.

O uso concomitante de outros antiinflamatórios não-esteróides durante a terapia com a nimesulida não é recomendado.

Com relação ao uso da nimesulida em crianças, algumas reações graves foram relatadas em crianças medicadas com a nimesulida, inclusive casos muito raros compatíveis com a Síndrome57 de Reye.

Uso durante a gravidez6 e a lactação44
Como para os demais antiinflamatórios não esteroidais, o uso durante a gravidez6 não é recomendado.

O uso de antiinflamatórios não esteroidais até o final da gravidez6 está associado a uma incidência21 maior de distócia e atonia uterina. Os AINEs também estão associados à indução do fechamento do ducto arterioso.

          Até o momento não há informação disponível sobre a excreção da nimesulida no leite materno e, portanto, este não deve ser administrado a mulheres amamentando.

Interações Medicamentosas de Scaflam

Nimesulida/Fármacos de alta ligação plasmáticaA nimesulida tem níveis plasmáticos elevados de ligação protéica e pode ser deslocada de seus sítios de ligação pela administração concomitante de outras drogas, como fenofibrato, ácido salicílico, ácido valpróico e tolbutamida. Além disso, a nimesulida também pode deslocar outras drogas, como o ácido acetilsalicílico e o metotrexato, das proteínas58 plasmáticas. No entanto, não há evidência até o momento de que estas interações tenham significância clínica. Não há evidência de que a nimesulida afete a glicemia de jejum59 ou a tolerância à glicose60 em pacientes diabéticos tratados por sulfoniluréias61.

Nimesulida/Varfarina
Normalmente a nimesulida não afeta a resposta à varfarina; no entanto, como alguns poucos pacientes podem apresentar aumento do efeito anticoagulante62, recomenda-se que o status da coagulação37 do paciente seja monitorado quando as duas drogas forem administradas concomitantemente.

Nimesulida/Ácido acetilsalicílico/Outros AINEs
O uso de dois ou mais antiinflamatórios não-esteróides, inclusive o ácido acetilsalicílico, pode levar a um aumento dos efeitos adversos gastrintestinais.

Nimesulida/Fenitoína
Pode haver potencialização da ação da fenitoína.

AINEs/Lítio/Metotrexato/Probenecida/Ciclosporina/Álcool
Embora não tenham sido relatadas especificamente com a nimesulida, foram documentadas interações entre antiinflamatórios não-esteróides e o lítio, o metotrexato, a probenecida e a nimesulida. Portanto, recomenda-se cuidado na administração concomitante de nimesulida com qualquer uma destas drogas, devido ao aumento do risco de hemorragias63 gastrintestinais.

Não houve interações clinicamente significativas com a administração concomitante de nimesulida com digoxina, teofilina, glibenclamida, cimetidina e antiácidos64.

Deve-se ter cuidados com pacientes que apresentem anormalidades hepáticas56, particularmente se houver intenção de administrar nimesulida em combinação com outras drogas potencialmente hepatotóxicas.

Reações Adversas de Scaflam

As reações adversas são muito raras (menos de 1/10.000) e na maioria das vezes reversíveis.

Pele65 e tecidos subcutâneos   Os mais freqüentemente relatados foram: erupção66, urticária67, prurido68, eritema69 e angioedema70. Casos isolados de Síndrome57 de Stevens Johnson e necrólise epidérmica.

Gastrintestinais   Os mais freqüentemente relatados foram: náuseas52, dor gástrica, dor abdominal, diarréia71, constipação72 e estomatite73. Raramente foram relatados: úlceras74 pépticas, perfuração ou hemorragia36 gastrintestinal que podem ser graves.

Hepáticos   Alterações dos parâmetros hepáticos (transaminases), geralmente transitórias e reversíveis. Casos isolados de hepatite75 aguda e insuficiência hepática76 fulminante.

Sistema nervoso77   Sonolência, cefaléia78, tontura79 e vertigem8. Casos isolados de encefalopatia80 (Síndrome57 de Reye).

Renais    Oligúria81, edema82, hematúria83 isolada e insuficiência renal84.

Sistema sangüíneo e linfático85   Casos isolados de púrpura86 e trombocitopenia87.

Sistema respiratório88   Casos isolados de reações anafiláticas89 como dispnéia90 e asma48, a maioria em pacientes com histórico de alergia91 à aspirina e a outros antiinflamatórios não-esteróides.

Distúrbios gerais   Casos isolados de hipotermia92.

Posologia de Scaflam

          ADULTO          Comprimidos: 50-100 mg duas vezes por dia, podendo alcançar até 200 mg duas vezes por dia.
Granulado: 100 mg duas vezes por dia, podendo alcançar até 200 mg duas vezes por dia.
Supositórios: 100 mg duas vezes por dia podendo alcançar até 400 mg por dia.
          No caso do granulado, dissolver o conteúdo de um envelope em um pouco de água.

Tanto os comprimidos quanto o granulado devem ser ingeridos preferencialmente após as refeições.

Em caso de insuficiência renal84, a posologia deve ser adaptada às necessidades de cada paciente, de acordo com os valores do filtrado glomerular.

PEDIÁTRICO
         
Suspensão:
A dose diária é de 0,5 ml (5 mg) por quilo de peso corporal, dividida em duas tomadas iguais.
          . Crianças de 1 a 3 anos - 2,5 ml duas vezes por dia.
          4 a 7 anos - 5 ml duas vezes por dia.
          8 a 10 anos - 7,5 ml duas vezes por dia.
         
Supositórios:
. Crianças de 3 a 9 anos: 50 mg duas vezes por dia.
. Crianças acima de 9 anos e adultos: 100 mg duas vezes por dia.
Consultar o médico se a febre28 persistir por mais de 3 dias ou se a dor continuar por mais de 5 dias com a utilização do medicamento.


Gotas:
Uma gota4 (2,5 mg) por quilo de peso corporal a cada 12 horas.


Sugestões:
. Crianças de 1 a 3 anos: 50 mg por dia, ou seja, 10 gotas (25 mg) a cada 12 horas.
. Crianças de 4 a 7 anos: 100 mg por dia, ou seja, 20 gotas (50 mg) a cada 12 horas.
. Crianças acima de 8 anos: 150 mg por dia, ou seja, 30 gotas (75 mg) a cada 12 horas.

Pacientes Idosos de Scaflam


Estudos clínicos realizados em idosos não indicaram a necessidade de alteração da dose normal. No entanto, como os pacientes idosos podem ser mais suscetíveis aos efeitos adversos, uma dose reduzida pode ser apropriada em casos isolados.

Superdosagem de Scaflam

Poucos casos de superdose intencional foram relatados e não apresentaram sinais93 de intoxicação.
         
Tratamento sintomático94 (lavagem gástrica95, investigação e restauração do equilíbrio hidroeletrolítico96) deve ser iniciado em caso de superdose. Se ocorrer intoxicação, poderá ser necessária diurese97 alcalina e, se houver comprometimento da função renal38, poderá ser necessária a realização de uma hemodiálise98.

SCAFLAM - Laboratório

Mantecorp
Caixa Postal: 18388 - CEP: 04699-970 - São Paulo - SP
Tel: 08000-117788
Email: atendimento@mantecorp.com
Site: http://www.mantecorp.com

Ver outros medicamentos do laboratório "Mantecorp"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
4 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
5 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Cabeça:
8 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
9 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
10 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
11 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
12 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
13 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
14 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
15 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
16 Granulócitos: Leucócitos que apresentam muitos grânulos no citoplasma. São divididos em três grupos, conforme as características (neutrofílicas, eosinofílicas e basofílicas) de coloração destes grânulos. São granulócitos maduros os NEUTRÓFILOS, EOSINÓFILOS e BASÓFILOS.
17 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
18 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
19 Quimiotaxia: Na biologia, representa a mudança de orientação de organismos de vida livre ou células, em resposta a um estímulo químico; quimiotactismo, quimiotatismo.
20 Fagocitose: Processo de ingestão e destruição de partículas sólidas, como bactérias ou pedaços de tecido necrosado, por células ameboides chamadas de fagócitos.
21 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
22 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
23 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
24 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
25 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
26 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
27 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
28 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
29 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
30 Antitérmico: Medicamento que combate a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
31 Otites: Toda infecção do ouvido é chamada de otite.
32 Mialgias: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
33 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
34 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
35 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
36 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
37 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
38 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
39 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
40 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
41 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
42 Trato Gastrintestinal Superior: O segmento do TRATO GASTROINTESTINAL que inclui o ESÔFAGO, o ESTÔMAGO e o DUODENO.
43 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
44 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
45 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
46 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
47 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
48 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
49 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
50 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
51 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
52 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
53 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
54 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
55 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
56 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
57 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
58 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
59 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
60 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
61 Sulfoniluréias: Classe de medicamentos orais para tratar o diabetes tipo 2 que reduz a glicemia por ajudar o pâncreas a fabricar mais insulina e o organismo a usar melhor a insulina produzida.
62 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
63 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
64 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
65 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
66 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
67 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
68 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
69 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
70 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
71 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
72 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
73 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
74 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
75 Hepatite: Inflamação do fígado, caracterizada por coloração amarela da pele e mucosas (icterícia), dor na região superior direita do abdome, cansaço generalizado, aumento do tamanho do fígado, etc. Pode ser produzida por múltiplas causas como infecções virais, toxicidade por drogas, doenças imunológicas, etc.
76 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
77 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
78 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
79 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
80 Encefalopatia: Qualquer patologia do encéfalo. O encéfalo é um conjunto que engloba o tronco cerebral, o cerebelo e o cérebro.
81 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
82 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
83 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
84 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
85 Linfático: 1. Na histologia, é relativo à linfa, que contém ou que conduz linfa. 2. No sentido figurado, por extensão de sentido, a que falta vida, vigor, energia (diz-se de indivíduo); apático. 3. Na história da medicina, na classificação hipocrática dos quatro temperamentos de acordo com o humor dominante, que ou aquele que, pela lividez das carnes, flacidez dos músculos, apatia e debilidade demonstradas no comportamento, atesta a predominância de linfa.
86 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
87 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
88 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
89 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
90 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
91 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
92 Hipotermia: Diminuição da temperatura corporal abaixo de 35ºC.Pode ser produzida por choque, infecção grave ou em estados de congelamento.
93 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
94 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
95 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
96 Hidroeletrolítico: Aproximadamente 60% do peso de um adulto são representados por líquido (água e eletrólitos). O líquido corporal localiza-se em dois compartimentos, o espaço intracelular (dentro das células) e o espaço extracelular (fora das células). Os eletrólitos nos líquidos corporais são substâncias químicas ativas. Eles são cátions, que carregam cargas positivas, e ânions, que transportam cargas negativas. Os principais cátions são os íons sódio, potássio, cálcio, magnésio e hidrogênio. Os principais ânions são os íons cloreto, bicarbonato, fosfato e sulfato.
97 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
98 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.

Tem alguma dúvida sobre SCAFLAM?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.