ADRIBLASTINA RD

PFIZER

Atualizado em 03/06/2015

Composição da Adriblastina Rd

CADA FRASCO-AMPOLA DE ADRIBLASTINA RD 10 MG, 20 MG, 50 MG E 150 MG CONTEM: CLORIDRATO DE DOXORUBICINA: 10 MG, 20 MG, 50 MG, 150 MG; METILPARABENO: 1 MG, 2 MG, 5 MG, 15 MG; LACTOSE1: 50 MG, 100 MG, 250 MG, 750 MG. O MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO AO ABRIGO DA LUZ SOLAR E DA LUZ DIRETA. DESPREZAR QUALQUER SOLUCAO NAO UTILIZADA, APOS A RECONSTITUICAO, DENTRO DOS LIMITES DE TEMPO ESTABELECIDOS E SOB AS CONDICOES ACONSELHADAS. O CONTATO ACIDENTAL COM A PELE2 OU OS OLHOS3 DEVERA SER TRATADO IMEDIATAMENTE POR LAVAGENS ABUNDANTES COM AGUA E SABAO. - O PRAZO DE VALIDADE E DE 48 MESES; SEU USO APOS ESTE PRAZO PODERA SE ACOMPANHAR DE UMA DIMINUICAO DE SUA EFETIVIDADE. A SOLUCAO OBTIDA APOS O ACRESCIMO DA AGUA ESTERIL PARA INJECOES, PODE SER CONSERVADA, AO ABRIGO DA LUZ DURANTE 24 HORAS EM LUGAR FRESCO, OU DURANTE 48 HORAS A TEMPERATURA ENTRE 4\UP4 OC E 10\UP4 OC. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANCAS. NAO TOME REMEDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MEDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAUDE4.

Posologia e Administração da Adriblastina Rd

VIA INTRAVENOSA: A DOSE E HABITUALMENTE CALCULADA COM BASE NA AREA DE SUPERFICIE CORPOREA. QUANDO USADA COMO AGENTE ANTITUMORAL ISOLADO, A DOSE RECOMENDADA NOS ADULTOS E DE 60-70 MG/M2 A CADA TRES SEMANAS. POR OUTRO LADO, QUANDO USADA EM ASSOCIACAO COM OUTROS AGENTES ANTITUMORAIS, A DOSE DE DOXORUBICINA SERA REDUZIDA PARA 25-50 MG/M2\UP4 A CADA 3 SEMANAS. SE A FUNCAO HEPATICA5 SE APRESENTAR INSUFICIENTE, A DOSE DE DOXORUBICINA SERA REDUZIDA DE ACORDO COM A TABELA SEGUINTE: NIVEIS DE BILIRRUBINA6 SERICA: 1.2-3.0 MG/100 ML. RETENCAO BSP: 9-15%. DOSE RECOMENDADA: 50% DA DOSE NORMAL. NIVEIS DE BILIRRUBINA6 SERICA: > 3.0 MG/100 ML. RETENSAO BSP: > 15%. DOSE RECOMENDADA: 25% DA DOSE NORMAL. A DOSE CUMULATIVA DE DOXORUBICINA POR VIA INTRAVENOSA, INDEPENDENTEMENTE DO PLANO DE DOSAGEM, NAO DEVE ULTRAPASSAR 550 MG/M2\UP4 DE AREA DE SUPERFICIE CORPOREA. APESAR DA EXCRECAO RENAL7 BAIXA, INSUFICIENCIA8 MODERADA DA FUNCAO RENAL7 NAO REQUER HABITUALMENTE UMA REDUCAO DA DOSE RECOMENDADA. VIA INTRAVESICAL: DOXORUBICINA E USADA POR ADMINISTRACAO INTRAVESICAL NO TRATAMENTO DO CARCINOMA9 MONOCITICO, TUMORES PAPILARES DA BEXIGA10 E CARCINOMA9 IN SITU11. TODAVIA, ESTA VIA NAO SERA UTILIZADA NO CASO DE TRATAMENTO DE TUMORES INVASIVOS QUE TENHAM PENETRADO NA PAREDE DA BEXIGA10. A DOSE RECOMENDADA PARA TRATAMENTO TOPICO12 INTRAVESICAL E DE 50 MG POR INSTILACAO, A SER ADMINISTRADA COM INTERVALOS VARIAVEIS DE 1 SEMANA A 1 MES. DEPENDENDO DE O TRATAMENTO SER PROFILATICO OU CURATIVO, A FREQUENCIA DE ADMINISTRACAO E A DURACAO DO TRATAMENTO FICAM A CRITERIO MEDICO. PARA EVITAR UMA DILUICAO EXCESSIVA PELA URINA13, O PACIENTE SERA INSTITUIDO NO SENTIDO DE NAO INGERIR QUALQUER LIQUIDO NAS 12 HORAS QUE ANTECEDEM A INSTILACAO. ISTO LIMITARA A PRODUCAO DE URINA13 PARA APROXIMADAMENTE 50 ML POR HORA. A EXPOSICAO A SOLUCAO MEDICAMENTOSA DURANTE UMA HORA E GERALMENTE SUFICIENTE E O PACIENTE SERA INSTRUIDO NO SENTIDO DE URINAR SOMENTE AO TERMINO DESTE PERIODO DE TEMPO.

Precauções da Adriblastina Rd

DURANTE O PRIMEIRO CICLO DE TRATAMENTO DEVE SER FEITA UMA SUPERVISAO CUIDADOSA E FREQUENTE DO PACIENTE E, POR OCORRER SUPRESSAO DA MEDULA OSSEA14 COM INCIDENCIA15 ELEVADA, DEVEM SER MONITORIZADOS OS LEUCOCITOS16, ERITROCITOS17 E AS PLAQUETAS18. COM OS ESQUEMAS DE DOSAGEM RECOMENDADOS, A LEUCOPENIA19 E HABITUALMENTE TRANSITORIA, ALCANCANDO SEU PONTO MAIS BAIXO 10-14 DIAS APOS O TRATAMENTO, COM A RECUPERACAO OCORRENDO POR VOLTA DO 21\UP4 O DIA . ANTES E POSSIVELMENTE TAMBEM DURANTE O TRATAMENTO E RECOMENDADA A AVALIACAO DA FUNCAO HEPATICA5 PELOS TESTES DE LABORATORIO CONVENCIONAIS (SGOT, SGPT, FOSFATASE ALCALINA20, BILIRRUBINA6, BSP). ESPECIAL ATENCAO DEVE SER DADA A TOXICIDADE21 CARDIACA DA DOXORUBICINA. EMBORA O RISCO DE INSUFICIENCIA CARDIACA22 SEJA MUITO BAIXO (< 1%) QUANDO A DOSE CUMULATIVA FICA ABAIXO DE 550 MG/M2, TAL RISCO AUMENTA CONSIDERAVELMENTE QUANDO ESTE LIMITE RECOMENDADO DE 550 MG/M2 E ULTRAPASSADO. O LIMITE E MAIS BAIXO (400 MG/M2) NOS PACIENTES QUE TENHAM RECEBIDO RADIOTERAPIA23 NA AREA MEDIASTINICA. A DOSE TOTAL DE DOXORUBICINA ADMINISTRADA A CADA PACIENTE DEVE TER EM CONTA TERAPIAS ANTERIORES OU CONCOMITANTES COM OUTROS MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE CARDIOTOXICOS TAIS COMO CICLOSFOSFAMIDA E DAUNORUBICINA. INSUFICIENCIA CARDIACA22 PODE OCORRER ALGUMAS SEMANAS APOS A INTERRUPCAO DO TRATAMENTO COM DOXORUBICINA E FREQUENTEMENTE NAO SE BENEFICIA COM A TERAPIA CARDIACA CONVENCIONAL. E ACONSELHAVEL EFETUAR ECG DE ROTINA, MONITORIZANDO ANTES E APOS CADA CICLO DE TRATAMENTO. ALTERACOES DO ECG TAIS COMO ACHATAMENTO24 OU INVERSAO DE ONDA T E DEPRESSAO DE S-T OU ARRITMIAS25 NAO SIGNIFICAM NECESSARIAMENTE QUE A TERAPIA COM DOXORUBICINA DEVE SER SUSPENSA, ENQUANTO QUE UMA REDUCAO DE VOLTAGEM DE QRS E CONSIDERADA MAIS ESPECIFICAMENTE PROGNOSTICA DE CARDIOTOXICIDADE. SE ISSO OCORRER, A VANTAGEM DE SE CONTINUAR A TERAPIA DEVE SER CUIDADOSAMENTE AVALIADA CONTRA O RISCO DE SE PRODUZIR DANO CARDIACO IRREVERSIVEL. INSUFICIENCIA CARDIACA22 TAMBEM PODE OCORRER APOS UMA DOSE CUMULATIVA ELEVADA MESMO SEM ALTERACOES ANTERIORES. OS POSSIVEIS EFEITOS ADVERSOS DE DOXORUBICINA SOBRE A FERTILIDADE NO MACHO OU NA FEMEA, SUA TERATOGENICIDADE E OS POSSIVEIS EFEITOS DANOSOS NO FETO26, NAO TEM SIDO ADEQUADAMENTE AVALIADOS. DADOS EXPERIMENTAIS, TODAVIA, SUGEREM QUE A DOXORUBICINA PODE REDUZIR A VITALIDADE FETAL E PORTANTO SEU USO DURANTE A GESTACAO DEVE SER EVITADO. COMO A MAIORIA DOS MEDICAMENTOS CITOTOXICOS27 E MIELOSSUPRESSORES, O PRODUTO TEM SE MOSTRADO CARCINOGENICO EM ANIMAIS SOB PARTICULARES CONDICOES EXPERIMENTAIS. DOXORUBICINA PODE DAR UMA COLORACAO VERMELHA A URINA13 ATE 1-2 DIAS APOS A ADMINISTRACAO. PARA PREVENIR O CONTATO DA SOLUCAO DE DOXORUBICINA COM A PELE2 DO PESSOAL QUE MANUSEIA O MEDICAMENTO DEVEM SER USADAS LUVAS PROTETORAS. SE UMA SOLUCAO DE DOXORUBICINA ENTRAR EM CONTATO COM A PELE2 E ACONSELHAVEL UMA LAVAGEM IMEDIATA E COMPLETA COM AGUA E SABAO. CUIDADO ESPECIAL DEVE SER TOMADO QUANDO A DOXORUBICINA E ADMINISTRADA INTRAVESICALMENTE: AS REGIOES PERIURETRAIS DEVEM SER COMPLETAMENTE LAVADAS TANTO DURANTE A INSTILACAO COMO IMEDIATAMENTE APOS A ELIMINACAO DA SOLUCAO PELA BEXIGA10. - INTERACOES MEDICAMENTOSAS: ADRIBLASTINA RD NAO DEVE SER MISTURADA COM HEPARINA POIS PODE FORMAR UM PRECIPITADO. PODE SER USADA EM COMBINACAO COM OUTROS AGENTES QUIMIOTERAPICOS ANTITUMORAIS MAS ESSES MEDICAMENTOS NAO DEVEM SER MISTURADOS NA MESMA SERINGA28. EM ASSOCIACAO COM CICLOFOSFAMIDA PODE AUMENTAR OS EFEITOS CARDIOTOXICOS.

Reações Adversas da Adriblastina Rd

VIA VENOSA: MIELOSSUPRESSAO E CARDIOTOXICIDADE SAO AS DUAS MAIORES REACOES ADVERSAS (V. PRECAUCOES). ALOPECIA29 E A MAIS FREQUENTE REACAO ADVERSA E OCORRE EM CERCA DE 85% DOS CASOS TRATADOS. NO HOMEM SE ACOMPANHA DE UMA PARADA DO CRESCIMENTO DA BARBA. ISSO E HABITUALMENTE REVERSIVEL NO FINAL DO TRATAMENTO. ESTOMATITE30 PODE OCORRER CERCA DE 5-10 DIAS APOS A ADMINISTRACAO E E CARACTERIZADA POR AREAS DE EROSOES MUITO DOLOROSAS AO LONGO DAS MARGENS DA LINGUA31 OU NA MUCOSA32 SUBLINGUAL. O ESQUEMA DE DOSAGEM EM QUE DOXORUBICINA E ADMINISTRADA EM TRES DIAS CONSECUTIVOS CAUSA UMA INCIDENCIA15 E GRAVIDADE MAIORES DE ESTOMATITE30. NAUSEA33, VOMITO34 E DIARREIA35 PODEM TAMBEM OCORRER. FEBRES, CALAFRIOS36 E URTICARIA37 FORAM RELATADOS OCASIONALMENTE. ANAFILAXIA38 PODE OCORRER. LESOES39 GRAVES DOS TECIDOS, INCLUSIVE NECROSE40 PODEM OCORRER SE HOUVER EXTRAVASAMENTO DE DOXORUBICINA DURANTE A ADMINISTRACAO; ESPECIALMENTE NOS CASOS DE VEIAS41 PEQUENAS OU QUANDO E UTILIZADA A MESMA VEIA DURANTE ADMINISTRACOES REPETIDAS TEM SIDO RELATADA ESCLEROSE42 VENOSA. VIA INTRAVESICAL: PODEM OCORRER AS SEGUINTES REACOES ADVERSAS: HEMATURIA43, ARDOR44 E DOR NA BEXIGA10 E NA URETRA45, DISURIA46, ESTRANGURIA E MICCAO47 FREQUENTE. ESSAS REACOES SAO HABITUALMENTE DE INTENSIDADE MODERADA E DE CURTA DURACAO. - ADMINISTRACAO: DOXORUBICINA NAO E ATIVA POR VIA ORAL E NAO DEVE SER ADMINISTRADA POR VIA INTRAMUSCULAR OU INTRATECAL. SUA ADMINISTRACAO DEVE SER FEITA SOMENTE POR INJECAO48 INTRAVENOSA OU, NO CASO DE TRATAMENTO LOCO-REGIONAL DE TUMORES, POR INFUSAO INTRA-ARTERIAL LENTA OU POR ADMINISTRACAO TOPICA INTRAVESICAL POR MEIO DE UM CATETER. E RECOMENDADO QUE NA ADMINISTRACAO POR VIA INTRAVENOSA, A MESMA SEJA FEITA ATRAVES DO TUBO DE UM EQUIPO DE INFUSAO, INDEPENDENTEMENTE DO GOTEJAMENTO, APOS A VERIFICACAO DE QUE A AGULHA ESTA CORRETAMENTE NA VEIA. ESSA TECNICA DIMINUI O RISCO DE EXTRAVASAMENTO PERIVENOSO DO MEDICAMENTO E PERMITE A LAVAGEM DA VEIA APOS A ADMINISTRACAO. ADRIBLASTINA RD DEVE SER DISSOLVIDA EM SOLUCAO DE CLORETO DE SODIO A 0,9% OU EM AGUA ESTERIL PARA INJECOES. A CONCENTRACAO RECOMENDADA E DE 2MG/ML. NO CASO DE TERAPIA INTRAVESICAL, ADRIBLASTINA RD DEVERA SER DISSOLVIDA EM AGUA ESTERIL PARA INJECOES A TEMPERATURA AMBIENTE; A CONCENTRACAO RECOMENDADA E DE 1 MG/ML. APOS A INTRODUCAO DO SOLVENTE, O CONTEUDO DO FRASCO-AMPOLA DISSOLVER-SE-A, AGITANDO SUAVEMENTE O FRASCO-AMPOLA, SEM INVERSAO, DENTRO DE 30 SEGUNDOS. TEM SIDO DEMONSTRADO QUE A ADMINISTRACAO DE UMA DOSE UNICA A CADA TRES SEMANAS REDUZ MUITO O EFEITO TOXICO DESAGRADAVEL REPRESENTADO PELAS MUCOSITES49; DE OUTRO LADO DIVIDINDO A DOSE EM TRES DIAS SUCESSIVOS (20-25 MG/M2 EM CADA DIA) CONSEGUE-SE EFICACIA MAIOR MESMO AS CUSTAS DE TOXICIDADE21 MAIS ELEVADA. A DOSE SERA REDUZIDA EM PACIENTES QUE TENHAM SIDO TRATADOS ANTERIORMENTE COM OUTROS CITOTOXICOS27 E EM PACIENTES IDOSOS.

Contra-Indicações da Adriblastina Rd

ADRIBLASTINA RD E CONTRA-INDICADA EM PACIENTES COM HIPERSENSIBILIDADE AOS HIDROXIBENZOATOS. E CONTRA-INDICADA TAMBEM EM PACIENTES COM MIELOSSUPRESSAO ATIVA INDUZIDA POR TRATAMENTO QUIMIO-ANTIBLASTICO OU RADIOTERAPIA23 ANTERIORES E EM PACIENTES JA TRATADOS COM AS DOSES CUMULATIVAS RECOMENDADAS DE DOXORUBICINA OU DAUNOBLASTINA (V. PRECAUCOES). DOXORUBICINA NAO E RECOMENDADA EM PACIENTES COM CARDIOPATIA OU COM HISTORIA DE CARDIOPATIA, EMBORA NAO EXISTAM AINDA DADOS CONCLUSIVOS DISPONIVEIS SOBRE A IMPORTANCIA DO FATOR RISCO REPRESENTADO PELA TOXICIDADE21 CARDIACA INDUZIDA PELA DOXORUBICINA, BEM COMO A GRAVIDEZ50 E O ALEITAMENTO. O TRATAMENTO TOPICO12 INTRAVESICAL COM DOXORUBICINA E TAMBEM CONTRA-INDICADO EM PACIENTES COM TUMORES DE BEXIGA10 COMPLICADOS POR ESTENOSE51 DA URETRA45 QUE IMPEDE O USO DO CATETER URETRAL52 OU POR INFECCOES53 DO TRATO URINARIO54 RESISTENTES A TERAPIA HABITUAL E NO CASO DE TUMORES INVASIVOS DA PAREDE DA BEXIGA10.

Indicações da Adriblastina Rd

DOXORUBICINA TEM SIDO USADA COM EXITO PARA PRODUZIR REGRESSAO EM VARIAS NEOPLASIAS55 TAIS COMO CARCINOMA9 DA MAMA56, PULMAO57, BEXIGA10, TIREOIDE58 E TAMBEM CARCINOMA9 OVARIANO; SARCOMAS OSSEOS E DOS TECIDOS MOLES; LINFOMAS DE HODGKIN E NAO HODGKIN, NEUROBLASTOMA, TUMOR59 DE WILMS, LEUCEMIA60 LINFOBLASTICA AGUDA E LEUCEMIA60 MIELOBLASTICA AGUDA. DOXORUBICINA TEM PROPORCIONADO RESULTADOS POSITIVOS NOS TUMORES SUPERFICIAIS DA BEXIGA10 POR ADMINISTRACAO INTRAVESICAL APOS RESSECCAO TRANSURETRAL61. OUTROS TUMORES SOLIDOS TEM RESPONDIDO TAMBEM, MAS O ESTUDO DESTES ATE O PRESENTE MOMENTO E MUITO LIMITADO PARA JUSTIFICAR INDICACOES ESPECIFICAS.

Apresentação da Adriblastina Rd

FRASCOS-AMPOLA CONTENDO 10 MG, 20 MG, 50 MG E 150 MG DE CLORIDRATO DE DOXORUBICINA SOB A FORMA DE PO LIOFILIZADO62.

ADRIBLASTINA RD - Laboratório

PFIZER
Av. Presidente Tancredo de Almeida Neves, 1555
Guarulhos/SP - CEP: 07112-070
Tel: 0800-16-7575
Site: http://www.pfizer.com.br
CNPJ n° 46.070.868/0001-69

Ver outros medicamentos do laboratório "PFIZER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Olhos:
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
6 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
7 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
8 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
9 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
10 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
11 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
12 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
15 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
16 Leucócitos: Leucócitos ou glóbulos brancos são células produzidas na medula óssea, especializadas na defesa do organismo, auxiliando no combate a vírus, bactérias e outros agentes invasores que penetram o organismo.
17 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO.
18 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
19 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
20 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
21 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
22 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
23 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
24 Achatamento: 1. Ato ou efeito de achatar (-se); achatadura, depressão, rebaixamento. 2. Na astronomia, trata-se de um parâmetro geralmente muito pequeno, que caracteriza a não esfericidade de um astro em rotação, igual à variação relativa de uma grandeza quando se passa do equador ao polo. 3. Que tem ou tomou forma chata, plana.
25 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
26 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
27 Citotóxicos: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
28 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
29 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
30 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
31 Língua:
32 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
33 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
34 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
35 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
36 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
37 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
38 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
39 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
40 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
41 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
42 Esclerose: 1. Em geriatria e reumatologia, é o aumento patológico de tecido conjuntivo em um órgão, que ocorre em várias estruturas como nervos, pulmões etc., devido à inflamação crônica ou por razões desconhecidas. 2. Em anatomia botânica, é o enrijecimento das paredes celulares das plantas, por espessamento e/ou pela deposição de lignina. 3. Em fitopatologia, é o endurecimento anormal de um tecido vegetal, especialemnte da polpa dos frutos.
43 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
44 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
45 Uretra: É um órgão túbulo-muscular que serve para eliminação da urina.
46 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
47 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
48 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
49 Mucosites: Inflamações de membranas mucosas, produzidas por uma infecção ou lesão secundária à radioterapia, quimioterapia, carências nutricionais, etc.
50 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
51 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
52 Uretral: Relativo ou pertencente à uretra.
53 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
54 Trato Urinário:
55 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
56 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
57 Pulmão: Órgão do sistema respiratório situado na cavidade torácica e responsável pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
58 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
59 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
60 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
61 Transuretral: Que se situa ou se realiza através da uretra.
62 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.

Tem alguma dúvida sobre ADRIBLASTINA RD?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.