Preço de QUINOFORM em Fairfield/SP: R$ 39,59

QUINOFORM

EMS S/A

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Quinoform

CADA COMPRIMIDO CONTEM: NORFLOXACINA 400 MG; EXCIPIENTE Q.S.P. 1 COMPRIMIDO.

Posologia e Administração de Quinoform

DEVE SER TESTADA A SENSIBILIDADE DO ORGANISMO CAUSADOR DA INFECCAO1 CONTRA A ATUACAO DE QUINOFORM (NORFLOXACINA), POREM A TERAPIA PODE SER INICIADA ANTES DE SER OBTIDO O RESULTADO DESSES TESTES. INFECCAO1 DO TRATO URINARIO2: 400 MG, 12/12 HORAS, DURANTE 7 - 10 DIAS. CISTITE3 AGUDA NAO COMPLICADA: 400 MG, 12/12 HORAS, DURANTE 3 - 7 DIAS. INFECCOES4 DO TRATO URINARIO2 CRONICA RECIDIVANTE5*: 400 MG, 12/12 HORAS, ATE 12 SEMANAS**. OBS.: (*SE FOR OBTIDA A SUPRESSAO ADEQUADA DENTRO DE SEMANAS DE TRATAMENTO, A DOSE DE QUINOFORM (NORFLOXACINA) PODE SER REDUZIDA PARA 400 MG AO DIA. ** PARA OS CASOS DE PROSTATITE6 CRONICA, O TRATAMENTO POR QUATRO SEMANAS TEM-SE APRESENTADO BASTANTE EFETIVO). GASTROENTERITE7 BACTERIANA AGUDA: 400 MG, 12/12 HORAS, DURANTE 5 DIAS. URETRITE8, FARINGITE9, PROCTITE10, CERVICITE11 GONOCOCICA AGUDAS: 800 MG, DOSE UNICA. FEBRE TIFOIDE12: 400 MG, 8/8 HORAS, DURANTE 14 DIAS. PROFILAXIA: SEPSE13 COM NEUTROPENIA14 INTENSA: 400 MG, 8/8 HORAS, DURANTE A DURACAO DA NEUTROPENIA14 (ATE O MOMENTO NAO SE TEM DADOS DISPONIVEIS PARA RECOMENDAR O TRATAMENTO ALEM DE 8 SEMANAS). GASTROENTERITE7 BACTERIANA: 400 MG/DIA, DE 24 HORAS ANTES ATE 48 HORAS DEPOIS DO CONTATO COM AREAS ENDEMICAS. PACIENTES COM INSUFICIENCIA RENAL15: QUINOFORM (NORFLOXACINA) E ADEQUADA PARA O TRATAMENTO DE PACIENTES COM INSUFICIENCIA RENAL15. NOS PACIENTES COM FILTRACAO GLOMERULAR INFERIOR A 30 ML POR MINUTO POR 1,73 M2, MAS QUE FAZIAM HEMODIALISE16, A MEIA-VIDA PLASMATICA MEDIA FOI DE 8 HORAS. ESTUDOS CLINICOS DESCRITOS NAO MOSTRARAM DIFERENCAS NA VIDA MEDIA EM PACIENTES COM DEPURACAO INFERIOR A 10 ML/KG/1,73 M2, EM COMPARACAO COM AQUELES COM DEPURACAO ENTRE 10 E 30 ML/KG/1,73 M2, PORTANTO, NESSES CASOS, A DOSE RECOMENDADA E DE 1 COMPRIMIDO DE 400 MG UMA VEZ AO DIA. NESSA POSOLOGIA, AS CONCENTRACOES NOS FLUIDOS E TECIDOS ENVOLVIDOS EXCEDEM A CIM DA MAIORIA DOS PATOGENOS URINARIOS SENSIVEIS A NORFLOXACINA. NAO SAO CONHECIDOS DADOS SUFICIENTES PARA RECOMENDAR UMA POSOLOGIA PARA O TRATAMENTO DA GONORREIA17 EM PACIENTES COM DEPURACAO DE CREATININA18 DE 30 ML/MIN/1,73 M2, OU MENOS. - SUPERDOSAGEM: NAO HA EXPERIENCIA COM A SUPERDOSAGEM, PORTANTO, OS SINAIS19, SINTOMAS20 E O TRATAMENTO NAO FORAM IDENTIFICADOS. EM CASO DE SUPERDOSAGEM AGUDA, DEVE-SE ESVAZIAR O ESTOMAGO21 POR VOMITO22 OU LAVAGEM GASTRICA23. OBSERVAR CUIDADOSAMENTE E PROMOVER TRATAMENTO SINTOMATICO24 DE APOIO. DEVE-SE MANTER HIDRATACAO ADEQUADA.

Precauções de Quinoform

ASSIM COMO OUTROS ACIDOS ORGANICOS, QUINOFORM (NORFLOXACINA) DEVE SER USADO COM CAUTELA EM INDIVIDUOS COM HISTORIA DE CONVULSOES OU DE OUTROS FATORES QUE PREDISPOEM A CONVULSOES. RARAMENTE TEM SIDO RELATADAS CONVULSOES EM PACIENTES TRATADOS COM NORFLOXACINA, CONTUDO, AINDA NAO FOI ESTABELECIDA UMA RELACAO CAUSAL COM QUINOFORM (NORFLOXACINA). TEM SIDO OBSERVADAS REACOES DE FOTOSSENSIBILIDADE EM PACIENTES EXCESSIVAMENTE EXPOSTOS A LUZ DO SOL ENQUANTO RECEBEM ALGUNS MEMBROS DESTA CLASSE DE DROGAS. DEVE-SE EVITAR LUZ EXCESSIVA E DESCONTINUAR A TERAPIA SE OCORRER FOTOSSENSIBILIDADE. - RESTRICOES: QUINOFORM (NORFLOXACINA) NAO DEVE SER ADMINISTRADO EM CRIANCAS NA FASE DE PRE-PUBERDADE. COMO OCORRE COM OS ACIDOS ORGANICOS QUINOFORM (NORFLOXACINA) E EXCRETADO NO LEITE MATERNO E ATRAVESSA A BARREIRA PLACENTARIA DEVENDO SER ADMINISTRADO EM GESTANTES E LACTANTES25 SOMENTE MEDIANTE A CONFRONTACAO DOS PARAMETROS DE RISCO E BENEFICIO. QUINOFORM (NORFLOXACINA) DEVE SER CAUTELOSAMENTE ADMINISTRADO A PACIENTES COM HISTORIA DE CONVULSOES. - INTERACOES MEDICAMENTOSAS: A CO-ADMINISTRACAO DE PROBENECIDA NAO AFETA AS CONCENTRACOES SERICAS DE QUINOFORM (NORFLOXACINA), ENTRETANTO A EXCRECAO URINARIA DA DROGA DIMINUI. ASSIM COMO PARA OUTROS ACIDOS ORGANICOS ANTIMICROBIANOS, FOI DEMONSTRADO ANTAGONISMO ``IN VITRO'', ENTRE QUINOFORM (NORFLOXACINA) E NITROFURANTOINA. FORAM RELATADOS NIVEIS PLASMATICOS ELEVADOS DE TEOFILINA AUMENTADOS DURANTE O USO CONCOMITANTE DE QUINOLONAS. TEM OCORRIDO RAROS RELATOS DE EFEITOS COLATERAIS26 RELACIONADOS COM A TEOFILINA EM TERAPIA SIMULTANEA COM NORFLOXACINA, PORTANTO, A MONITORIZACAO DOS NIVEIS PLASMATICOS DE TEOFILINA DEVE SER CONSIDERADA E A POSOLOGIA AJUSTADA, SE NECESSARIO. FORAM RELATADOS NIVEIS ELEVADOS DE CICLOSPORINA COM O USO CONCOMITANTE DE NORFLOXACINA, PORTANTO, OS NIVEIS SERICOS DE CICLOSPORINA DEVEM SER MONITORIZADOS E OS AJUSTES POSOLOGICOS APROPRIADOS REALIZADOS, SE ESTAS DROGAS FOREM USADAS SIMULTANEAMENTE. QUIMINOLONAS INCLUINDO NORFLOXACINA PODEM POTENCIALIZAR OS EFEITOS DO ANTICOAGULANTE27 ORAL WARFARINA E SEUS DERIVADOS. QUANDO ESTES PRODUTOS SAO ADMINISTRADOS CONCOMITANTEMENTE, O TEMPO DE PROTROMBINA28 OU OUTROS TESTES ADEQUADOS DE COAGULACAO29 DEVEM SER MONITORIZADOS BEM PERTO. MULTIVITAMINAS, PRODUTOS CONTENDO FERRO OU ZINCO, ANTIACIDO30 OU SUCRALFATOS NAO DEVEM SER ADMINISTRADOS NEM AO MESMO TEMPO NEM EM UM INTERVALO DE DUAS HORAS DA ADMINISTRACAO DA NORFLOXACINA, POIS PODEM INTERFERIR COM A ABSORCAO, RESULTANDO EM NIVEIS MAIS BAIXOS DE NORFLOXACINA NO SORO31 E NA URINA32. ALGUMAS QUINOFONAS, INCLUINDO A NORFLOXACINA, APRESENTAM INTERFERENCIA COM O METABOLISMO33 DA CAFEINA. ESTA CONDICAO PODE LEVAR A UMA REDUCAO DO CLEARANCE DA CAFEINA E A UM PROLONGAMENTO DO SEU TEMPO DE MEIA-VIDA PLASMATICA. DADOS EM ANIMAIS MOSTRAM QUE AS QUINOLONAS EM COMBINACAO COM FEMBUFENO PODEM LEVAR A CONVULSOES. DESTA FORMA A ADMINISTRACAO CONCOMITANTE DE QUINOLONAS E FEMBUFENO DEVE SER EVITADA.

Reações Adversas de Quinoform

AS REACOES ADVERSAS CONHECIDAS SAO INFREQUENTES E LEVES. OS EFEITOS COLATERAIS26 MAIS COMUNS FORAM GASTRINTESTINAIS, NEUROPSIQUICOS E REACOES CUTANEAS34, INCLUINDO NAUSEAS35, CEFALEIA36, TONTURA37 ERUPCAO38 CUTANEA39, PIROSE40, COLICAS41 OU DOR ABDOMINAL E DIARREIA42. EM RAROS CASOS FORAM RELATADOS OUTROS EFEITOS COLATERAIS26, TAIS COMO, ANOREXIA43, DISTURBIOS DO SONO, DEPRESSAO, ANSIEDADE, NERVOSISMO, IRRITABILIDADE, EUFORIA, DESORIENTACAO, ALUCINACOES44, ZUMBIDO, EPIFORA. EFEITOS COLATERAIS26, LABORATORIAIS ANORMAIS FORAM RARAMENTE OBSERVADOS DURANTE OS ENSAIOS CLINICOS45 DESCRITOS, ENTRETANTO, OS SEGUINTES TIVERAM MAIOR INCIDENCIA46: LEUCOPENIA47, EOSINOFILIA48, NEUTROPENIA14, TROMBOCITOPENIA49 E ELEVACAO DE ALT (TGP) E AST (TGO). OS SEGUINTES EFEITOS COLATERAIS26 ADICIONAIS SAO CONHECIDOS DESDE A COMERCIALIZACAO DA DROGA. TAMBEM FORAM RELATADAS CEFALEIA36, TONTURAS50 E REACOES CUTANEAS34. VALORES LABORATORIAIS ANORMAIS RARAMENTE OBSERVADOS EM INVESTIGACOES CLINICAS COMPREENDEM: LEUCOCITOPENIA, EOSINOFILIA48 E ELEVACAO DE TGO, TGP, FOSFATASE ALCALINA51, BILIRRUBINA52, NITROGENIO UREICO DO SANGUE53 E CREATININA18. REACOES DE HIPERSENSIBILIDADE: FORAM RELATADAS AS REACOES DE HIPERSENSIBILIDADE, INCLUINDO ANGIOEDEMA54 E URTICARIA55. PELE56: FOTOSSENSIBILIDADE. GASTRINTESTINAIS: COLITE57 PSEUDOMEMBRANOSA.

Contra-Indicações de Quinoform

QUINOFORM (NORFLOXACINA) ESTA CONTRA-INDICADO A PACIENTES QUE APRESENTAM HIPERSENSIBILIDADE CONHECIDA AO MEDICAMENTO OU A QUALQUER ANTIBACTERIANO QUINOLINICO QUIMICAMENTE RELACIONADO.

Indicações de Quinoform

QUINOFORM (NORFLOXACINA) POR SER UM AGENTE BACTERICIDA DE AMPLO ESPECTRO DE ACAO ESTA INDICADO NO TRATAMENTO DE INFECCOES4 DO TRATO URINARIO2 QUE SEJAM CAUSADOS POR MICROORGANISMOS SENSIVEIS A NORFLOXACINA. TRATAMENTO DE: INFECCOES4 DO TRATO URINARIO2 ALTAS OU BAIXAS, COMPLICADAS OU NAO, AGUDAS OU CRONICAS. ESTAS INFECCOES4 INCLUEM CISTITE3, PIELITE, CISTOPIELITE, PIELONEFRITE58, PROSTATITE6 CRONICA, EPIDIDIMITE E AQUELAS ASSOCIADAS COM CIRURGIA UROLOGICA, BEXIGA59 NEUROGENICA OU NEFROLITIASE, CAUSADAS POR BACTERIAS SUSCETIVEIS AO QUINOFORM (NORFLOXACINA). GASTRENTERITES AGUDAS BACTERIANAS CAUSADAS POR GERMES SENSIVEIS; URETRITE8, FARINGITE9, PROCTITE10 E CERVICITE11 GONOCOCICAS CAUSADAS POR CEPAS60 DE NEISSERIA GONORRHOEAE PRODUTORAS OU NAO DE PENICILINASE; FEBRE TIFOIDE12. PROFILAXIA DE: SEPSE13 EM PACIENTES COM NEUTROPENIA14 INTENSA: QUINOFORM (NORFLOXACINA) SUPRIME A FLORA AEROBIA ENDOGENA DO INTESTINO, QUE PODE CAUSAR SEPSE13 EM PACIENTES COM NEUTROPENIA14 (POR EXEMPLO, EM PACIENTE COM LEUCEMIA61 QUE RECEBEM QUIMIOTERAPIA62). GASTRENTERITE BACTERIANA: NEUTROPENIA14 INTENSA FOI DEFINIDA EM ESTUDOS CLINICOS, COM CONTAGEM DE NEUTROFILOS63 < 100/MM3 POR UMA SEMANA OU MAIS.

Apresentação de Quinoform

CAIXA COM 14 COMPRIMIDOS DE 40 MG.

QUINOFORM - Laboratório

EMS S/A
Rod. Jornalista F. A. Proença, km 08. Bairro Chácara Assay.
Hortolândia/SP - CEP: 13186-901
Site: http://www.ems.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "EMS S/A"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Trato Urinário:
3 Cistite: Inflamação ou infecção da bexiga. É uma das infecções mais freqüentes em mulheres, e manifesta-se por ardor ao urinar, urina escura ou com traços de sangue, aumento na freqüência miccional, etc.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Recidivante: Característica da doença que recidiva, que acontece de forma recorrente ou repetitiva.
6 Prostatite: Quadro de inflamação da próstata.
7 Gastroenterite: Inflamação do estômago e intestino delgado caracterizada por náuseas, vômitos, diarréia e dores abdominais. É produzida pela ingestão de vírus, bactérias ou suas toxinas, ou agressão da mucosa intestinal por diversos mecanismos.
8 Uretrite: Inflamação da uretra de causa geralmente infecciosa. Manifesta-se por ardor ao urinar e secreção amarelada drenada pela mesma. Em mulheres esta secreção pode não ser evidente.
9 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
10 Proctite: Inflamação da mucosa retal produzida por infecções bacterianas ou virais. Manifesta-se por dor ao defecar, eliminação de muco através do ânus e tenesmo retal.
11 Cervicite: Inflamação infecciosa do colo uterino.Pode não apresentar sintomas ou pode manifestar-se por dor no baixo ventre, secreção vaginal purulenta, dor ou “pontadas” associadas ao coito (dispareunia).
12 Febre tifóide: Infecção produzida por uma bactéria chamada Salmonella tiphy, adquirida através de alimentos contaminados e caracterizada por febre persistente, aumento do tamanho dos tecidos linfáticos (baço, gânglios linfáticos, etc.) e erupções cutâneas. Sem tratamento adequado pode ser muito grave.
13 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
14 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
15 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
16 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
17 Gonorreia: Infecção bacteriana que compromete o trato genital, produzida por uma bactéria chamada Neisseria gonorrhoeae. Produz uma secreção branca amarelada que sai pela uretra juntamente com ardor ao urinar. É uma causa de infertilidade masculina.Em mulheres, a infecção pode não ser aparente. Se passar despercebida, pode se tornar crônica e ascender, atingindo os anexos uterinos (trompas, útero, ovários) e causar Doença Inflamatória Pélvica e mesmo infertilidade feminina.
18 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
19 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
20 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
21 Estômago: O estômago é o órgão situado logo abaixo do diafragma, mais precisamente entre o esôfago e o duodeno. Ele tem a função de armazenar por pequeno período os alimentos, para que possam ser misturados ao suco gástrico e digeridos.
22 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
23 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
24 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
25 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
26 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
27 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
28 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
29 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
30 Antiácido: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
31 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
32 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
33 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
34 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
35 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
36 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
37 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
38 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
39 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
40 Pirose: Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, ela pode ser acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago; azia.
41 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
42 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
43 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
44 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.
45 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
46 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
47 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
48 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
49 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
50 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
51 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
52 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
53 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
54 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
55 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
56 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
57 Colite: Inflamação da porção terminal do cólon (intestino grosso). Pode ser devido a infecções intestinais (a causa mais freqüente), ou a processos inflamatórios diversos (colite ulcerativa, colite isquêmica, colite por radiação, etc.).
58 Pielonefrite: Infecção dos rins produzida em geral por bactérias. A forma de aquisição mais comum é por ascensão de bactérias através dos ureteres, como complicação de uma infecção prévia de bexiga. Seus sintomas são febre, dor lombar, calafrios, eliminação de urina turva ou com traços de sangue, etc. Deve ser tratada cuidadosamente com antibióticos pelo risco de lesão permanente dos rins, com perda de função renal.
59 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
60 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
61 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
62 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
63 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.

Tem alguma dúvida sobre QUINOFORM?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.