FOLIFER

ATIVUS

Atualizado em 08/12/2014

Folifer
Ferro Aminoácido Quelato
Ácido Fólico

   

Formas Farmacêuticas e Apresentações de Folifer

Comprimidos Revestidos: caixa com 30 comprimidos.

Líquido (solução oral) - frasco com 100 ml

Gotas (solução oral) - frasco com 30 ml

USO ADULTO / pediátrico

Composição de Folifer

Comprimidos Revestidos - cada comprimido contém:

Ferro Aminoácido Quelato 150mg

(Equivalente a 30mg de Ferro Elementar)

Ácido Fólico 5 mg

Excipientes: Amido de Milho, Estearato de Magnésio, Polietilenoglicol, Talco, Corante, Dióxido de Titânio, Copolimero Àcido Metacrilico.

Líquido (solução oral) - cada 5 ml contém:

Ferro Aminoácido Quelato 75 mg

(Equivalente a 15 mg de Ferro elementar)

Ácido Fólico 2,5 mg

Excipiente: Sorbitol1, Açúcar2, EDTA, Metilparabeno, Essência, Hidróxido de Sódio e Água Destilada.

Gotas (solução oral) - cada 1 ml contém:

Ferro Aminoácido Quelato 30 mg

(Equivalente a 6 mg de Ferro elementar)

Ácido Fólico 0,2 mg

Excipiente: Sorbitol1, Açúcar2, EDTA, Metilparabeno, Essência, Hidróxido de Sódio e Água Destilada.

Informações ao Paciente de Folifer

FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) foi desenvolvido para suprir as necessidades de Ferro e Ácido Fólico em pacientes que estão necessitando de um maior aporte nutricional como gestantes ou pacientes com anemias causadas pela carência dessas substâncias.

CUIDADOS NA CONSERVAÇÃO: O medicamento deve ser conservado ao abrigo do calor excessivo, da umidade, da luz e em temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC).


Prazo de validade: 24 meses após a data de fabricação.

Verifique a data de fabricação no cartucho.

Não use medicamento com prazo de validade vencido.


CONDUTA NA GRAVIDEZ3 E LACTAÇÃO4: Não há contra-indicação do uso de FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) durante a gravidez3 e lactação4, ao contrário, seu uso está indicado nestas duas situações onde o consumo de Ferro e Ácido Fólico está aumentado. Informe seu médico a ocorrência de gravidez3 na vigência do tratamento ou após seu término. Informar se estiver amamentando.


CUIDADOS NA ADMINISTRAÇÃO: A utilização do Ferro no tratamento das anemias e a prevenção das mesmas se faz sempre por administração prolongada. A interrupção precoce pode impedir a formação de reservas de Ferro e ocasionar recidivas5 da doença em curto espaço de tempo. FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) não tem sua absorção prejudicada pela presença de alimentos (ovos, leite, café, chá), sendo inclusive recomendado sua administração próximo às refeições. Não se recomenda sua utilização concomitantemente com as Tetraciclinas. Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.


REAÇÕES ADVERSAS: A estabilidade do Ferro Aminoácido Quelato é preservada tanto em meio ácido como alcalino, por isto é bem tolerado e geralmente não produz os sintomas6 gastrintestinais, porém, diarréia7, vômitos8 e náuseas9 podem ocorrer em indivíduos muito sensíveis. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando antes do início ou durante o tratamento.


TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.


CONTRA-INDICAÇÕES: É contra-indicado a pacientes que apresentem hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula. Pacientes com anemia10 por carência de vitamina11 B12 não devem fazer uso de Ácido Fólico.


NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE12.

Informações Técnicas de Folifer

Absorção do Ferro Aminoácido Quelato: Os minerais aminoácidos quelatos, de uma forma geral, não sofrem ionização no tubo gastrintestinal devido a sua estabilidade no pH ácido do estômago13 e alcalino do intestino delgado14. FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico), ao contrário dos outros produtos compostos por sais ferrosos, não têm sua absorção prejudicada por componentes da dieta como fitatos, oxalatos e fibras. O Ferro Aminoácido Quelato é absorvido como tal, ocupando sistemas enzimáticos de absorção pré-existentes (gama-glutamil transpeptidase). A ação enzimática sobre o Ferro Aminoácido Quelato permite que este composto alcance o interior da célula15 e daí seja transferido para o sangue16 e distribuído para órgãos alvos como medula óssea17, baço18, fígado19 e para as próprias hemácias20. No fígado19 é armazenado como Ferritina. A absorção do Ferro Aminoácido Quelato é 3 vezes superior à do sulfato ferroso. Reservas orgânicas de ferro: A melhor absorção do FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) permite uma maior biodisponibilidade do ferro terapêutico e consequentemente uma maior rapidez na saturação das reservas orgânicas com menores doses de ferro elementar. Atinge-se este objetivo em 4 a 6 semanas de terapêutica21 (com o sulfato ferroso estas reservas são saturadas em 4 a 6 meses de tratamento com doses 3 a 4 vezes maiores). A manutenção destas reservas é feita com doses equivalentes a dose terapêutica21 diária, mas administrada em 1 ou 2 vezes por semana. Cinética22 do Ferro: O ferro é absorvido pela mucosa intestinal23 e fica disposto no seu interior sob duas formas: uma mais estável, ligada à Ferritina, e outra mais lábil que é mobilizada quando necessário. Parte do Ferro ligado a Ferritina pode ser utilizado na medula24 para a síntese de hemoglobina25. Na gestante, o ferro é transportado pela Trasferrina materna, alcança as vilosidades placentárias onde é captado pelo epitélio26 coriônico e armazenado, para em seguida se ligar à Transferrina do feto27 para ser utilizado na produção das hemácias20. Ácido Fólico e associação com o Ferro: A prevenção e o tratamento da anemia10 exigem duas etapas para uma real eficiência terapêutica21 ou profilática. Uma se refere a multiplicação celular a nível de medula óssea17, fato que ocorre quando há suprimento de Ácido Fólico para a duplicação do DNA. A outra se refere a incorporação do Ferro à molécula da hemoglobina25. Para tanto é necessário que este oligoelemento alcance os tecidos formadores dos glóbulos vermelhos em concentrações adequadas. O conhecimento destas necessidades exigia um medicamento no qual fosse possível administrar estas duas substâncias concomitantes mas, com os sais comuns de ferro, nunca foi possível obter uma estabilidade confiável no produto. A não dissociação iônica do ferro aminoácido quelato permitiu elaborar um produto com ferro associado ao Ácido Fólico de alta estabilidade, bem tolerado pelo sabor agradável, de posologia bastante simplificada e resposta terapêutica21 com doses e tempos inferiores aos necessários pelos sais comuns. As anemias ferroprivas originadas tanto por baixa ingestão de ferro como por situações fisiológicas28 em que a demanda deste íon29 é excessiva nem sempre, portanto, vão responder a simples administração de ferro, isto porque , muitas vezes, ela vai estar associada a deficiência também do Ácido Fólico. Assim crianças prematuras estão predispostas a desenvolver anemia ferropriva30 por não ter sido possível armazenar ferro devido a interrupção precoce da gravidez3, mas por outro lado as necessidades de Ácido Fólico nestas crianças é extremamente elevada pela intensa multiplicação celular que ocorre durante o crescimento. Lactantes31, principalmente os alimentos com leite de vaca "in natura" ou leites pulverizados não enriquecidos apresentam com freqüência, intensa deficiência de Ácido Fólico, associada ao ferro. Gestantes e lactantes31 apresentam uma demanda excessiva tanto do ácido fólico como do ferro. Nas gestantes, o Ácido Fólico é importante na prevenção das malformações32 do tubo neural33.

Indicações de Folifer

FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) está indicado em todas as situações fisiológicas28 ou patológicas que exigem administração do Ferro e/ou Ácido Fólico como medicação preventiva ou terapêutica21. Inúmeras são as situações clinicas em que FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) pode ser prescrito, entre as quais destacamos:

• Profilaxia e tratamento da anemia ferropriva30 do pré- escolar, escolar e adolescente.

• Profilaxia e tratamento da anemia10 e ainda, na prevenção de malformações32 do tubo neural33 na gestante.

• Profilaxia e tratamento da anemia10 e complemento fólico na lactante34.

• Profilaxia e tratamento das anemias ferroprivas em crianças, adultos e idosos.

- CONTRA- INDICAÇÕES:

É contra-indicado como medicação única no tratamento da anemia perniciosa35 e outras anemias megaloblásticas decorrentes da deficiência de vitamina11 B12, por causa da presença de Ácido Fólico em sua composição. É contra-indicado aos que apresentam hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

Precauções de Folifer

Os compartimentos de reserva de ferro no organismo são saturados em curto espaço de tempo e com doses relativamente baixas com FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) quando comparamos com as doses e tempos necessários com os sais comuns. Em casos de anemias mais severas é recomendável o controle destas reservas dos níveis de Ferritina sérica (cerca de 50 mcg/l). Uma vez que atingido este valor, pode-se passar para uma terapêutica21 de manutenção com dose semanal.

Interações Medicamentosas de Folifer

A ingestão excessiva de ferro e de ácido fólico pode interferir com a absorção intestinal do zinco. As Tetraciclinas têm sua absorção prejudicada pelos compostos ferrosos comuns. Embora ainda não se tenha nenhuma confirmação sobre este efeito com o Ferro Aminoácido Quelato, é recomendável evitar a administração de FOLIFER (Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico) concomitantemente com este grupo de antimicrobianos.

Reações Adversas de Folifer

Não tem sido observado os sintomas6 gastrintestinais comuns aos compostos ferrosos, tais como: diarréia7, constipação36, dor abdominal, náusea37 e vômitos8 e esta tolerância ainda é maior se administrar o medicamento 40 a 60 minutos antes das principais refeições.

Posologia de Folifer

Terapêutico Profilático

ADULTOS/ ADOLESCENTES comprimidos 1 a 2 comprimidos ao dia 1 a 2 comprimidos/semana

líquido 10 a 20 ml/dia 10 a 20 ml/semana

CRIANÇAS líquido 0,5 ml/Kg/dia 0,5 ml/Kg/semana

LACTENTES38 gotas 5 gotas/kg/dia 5 gotas/kg/semana

*Duração da Terapêutica21: Para o tratamento da anemia10 recomenda-se a administração em uma ou duas tomadas ao dia, 1 hora antes das refeições, pelo período de 4 a 6 semanas. A *Dose de Manutenção pode ser administrada em um único dia da semana ou fracionada em 2 ou 3 tomadas na semana. Nas situações de demanda excessiva como a gestação e lactação4, a dose deve ser diária, durante todo o período.

Superdosagem de Folifer

A ingestão acidental ou voluntária de doses excessivas de Ferro Aminoácido Quelato + Ácido Fólico não é tão perigosa como nas intoxicações com os sais comuns de ferro, pois a DL50 em ratos é cerca de 3 vezes menor para o Ferro Aminoácido Quelato. De qualquer forma, ocorrência desta situação exige procedimentos de rotina para esvaziamento gástrico e administração de eméticos. Nos casos mais graves é necessário a administração de Desferroxamina por via endovenosa ou oral.

Advertências e Recomendações Para Pacientes39 com Idade Superior a 65 Anos de Folifer

Não existe nenhuma restrição para o uso deste medicamento nesta faixa etária.

FOLIFER - Laboratório

ATIVUS
Rua Fonte Mécia, 2050 - São Pedro
Valinhos/SP - CEP: 13270-000
Tel: (19) 3849 8600
Site: http://www.ativus.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ATIVUS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
2 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
5 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
8 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
9 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
10 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
11 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
14 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
15 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
18 Baço:
19 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
20 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
21 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
22 Cinética: Ramo da física que trata da ação das forças nas mudanças de movimento dos corpos.
23 Mucosa Intestinal: Revestimento dos INTESTINOS, consistindo em um EPITÉLIO interior, uma LÂMINA PRÓPRIA média, e uma MUSCULARIS MUCOSAE exterior. No INTESTINO DELGADO, a mucosa é caracterizada por várias dobras e muitas células absortivas (ENTERÓCITOS) com MICROVILOSIDADES.
24 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
25 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
26 Epitélio: Epitélio ou tecido epitelial é um tecido constituído por células justapostas, ou seja, intimamente unidas entre si. Sua principal função é revestir a superfície externa do corpo, os órgãos e as cavidades corporais internas. Os epitélios são eficientes barreiras contra a entrada de agentes invasores e a perda de líquidos corporais. Eles têm também funções secretoras, sensoriais e de absorção. O tecido epitelial é um dos quatro tipos de tecidos básicos do nosso organismo, juntamente com os tecidos conjuntivo, muscular e nervoso.
27 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
28 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
29 Íon: Átomo ou grupo atômico eletricamente carregado.
30 Anemia Ferropriva: Anemia por deficiência de ferro. É o tipo mais comum de anemia. Há redução da quantidade total de ferro corporal até a exaustão das reservas de ferro. O fornecimento de ferro é insuficiente para atingir as necessidades de diferentes tecidos, incluindo as necessidades para a formação de hemoglobina e dos glóbulos vermelhos.
31 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
32 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
33 Tubo neural: Estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Durante a gestação humana, o tubo neural dá origem a três vesículas: romboencéfalo, mesencéfalo e prosencéfalo.
34 Lactante: Que produz leite; que aleita.
35 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
36 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
37 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
38 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
39 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.

Tem alguma dúvida sobre FOLIFER?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.