Preço de AAS em Wilmington/SP: R$ 5,81

AAS

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda

Atualizado em 03/06/2015

AAS®

Ácido acetilsalicílico

- Forma farmacêutica e de apresentação

AAS comprimidos Adulto: embalagem contendo 200 ou 500 comprimidos.
AAS comprimidos Infantil: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Aas

AAS AdultoCada comprimido contém:
ácido acetilsalicílico     500 mg
excipientes q.s.p.     1 comp.
Contém: amido de milho, croscarmelose sódica.

AAS Infantil
Cada comprimido contém:
ácido acetilsalicílico     100 mg
excipiente q.s.p.     1 comp.
Contém: vanilina, sacarina1 sódica, lactose2 monoidratada, dióxido de silício, amido de milho,
corante amarelo nº5, corante amarelo nº6.

Informação ao Paciente de Aas

Ação esperada do medicamento
AAS é um produto que possui em sua fórmula uma substância chamada ácido acetilsalicílico.
Esta substância tem a propriedade de baixar a febre3 (antitérmico4), aliviar a dor (analgésico5) e
reduzir a inflamação6 (antiinflamatório). Por isso, é utilizado para alívio dos sintomas7 de várias
doenças como gripes, resfriados e outros tipos de infecções8.
Cuidados de conservação
AAS deve ser protegido da umidade e deve-se evitar a exposição ao calor excessivo
(temperatura superior a 40°C).
Prazo de validade
Impresso na embalagem.
Ao comprar qualquer medicamento verifique o prazo de validade. Não use remédio com prazo
de validade vencido. Além de não obter o efeito desejado, você poderá prejudicar sua saúde9.
Gravidez10 e lactação11
Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez10 na vigência do tratamento ou após o seu
término. Informe também seu médico caso esteja amamentando. AAS não deve ser
utilizado no último trimestre de gravidez10.
Cuidados de administração
AAS deve ser ingerido de preferência após as refeições ou com um pouco de leite. O
comprimido INFANTIL (100 mg de ácido acetilsalicílico) deve ser colocado na boca12 e deixado
dissolver.
Evitar a ingestão concomitante de bebidas alcoólicas.
Manter o intervalo mínimo de 4 horas entre cada administração; não ultrapassar as doses
estabelecidas na posologia sem prévia orientação médica. Siga a orientação do seu médico,
respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Interrupção do tratamento
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico, pois isto poderá
prejudicar o tratamento de sua doença.
Reações adversas
Informe seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis com o uso de AAS, em
especial sintomas7 como acidez no estômago13, reações cutâneas14 alérgicas, zumbido, tonteira, e
outras atribuíveis ao medicamento.
AAS não deve ser utilizado por pacientes alérgicos a outros analgésicos15 e antiinflamatórios do
mesmo tipo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Contra-indicações e Precauções
AAS está contra-indicado a pacientes com doenças no estômago13, fígado16 e rins17. Não deve ser
usado em hemofílicos e naqueles pacientes que estejam fazendo uso de anticoagulantes18. O
AAS só poderá ser empregado durante a gravidez10 e lactação11 sob orientação médica.

Crianças ou adolescentes não devem usar este medicamento para catapora19 ou
sintomas7 gripais antes que um médico seja consultado sobre a Síndrome20 de Reye,

uma rara, mas grave doença associada a este medicamento.

"O produto AAS infantil contém o corante amarelo de tartrazina que pode causar
reações de natureza alérgica, entre as quais asma21 brônquica, especialmente em

pessoas alérgicas ao ácido acetilsalicílico."

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO. PODE SER
PERIGOSO PARA SUA SAÚDE9.

Informação Técnica de Aas

Características de Aas

O ácido acetilsalicílico pertence ao grupo de fármacos antiinflamatórios não-esteróides, compropriedades analgésica, antipirética e antiinflamatória. Seu mecanismo de ação beseia-se na
inibição irreversível da enzima22 ciclooxigenase, envolvida na síntese das prostaglandinas23.
O ácido acetilsalicílico também inibe a agregação plaquetária, bloqueando a síntese do
tromboxano A2 nas plaquetas24.

Indicações de Aas

Para o alívio sintomático25 da cefaléia26, odontalgia, dor de garganta27, dismenorréia28, mialgia29 ou
artralgia30, lombalgia31 e dor artrítica de pequena intensidade.
No resfriado comum ou na gripe32, para o alívio sintomático25 da dor e da febre3.

Contra-Indicações de Aas

AAS está contra-indicado em todos os pacientes com hipersensibilidade ao ácidoacetilsalicílico e a outros antiinflamatórios não esteróides. AAS não deve ser
empregado em pacientes predispostos a dispepsias ou sabidamente portadores de
alguma lesão33 da mucosa34 gástrica. Seu emprego deve ser evitado nos pacientes
portadores de lesão33 hepática35 grave, em hemofílicos e naqueles que estejam fazendo
uso de anticoagulantes18. A administração deve ser cautelosa nos pacientes com função
renal36 comprometida, particularmente nas crianças, e sempre que o paciente estiver
desidratado. O AAS somente deverá ser empregado durante a gravidez10 sob orientação
médica.

Precauções e Advertências de Aas

Não exceder a posologia recomendada na bula sem prévia orientação médica.
O ácido acetilsalicílico, que devido a algumas de suas propriedades prolonga o tempo
de coagulação37 sangüínea, não deve ser usado em altas doses nos últimos três meses
de gestação, exceto sob estrito acompanhamento médico, pois pode causar problemas
no feto38 ou complicações durante o parto.
O mesmo cuidado deve ser tomado em relação às mulheres que estejam amamentando.
Existem relatos sugerindo que o uso de ácido acetilsalicílico em crianças e
adolescentes com febre3 devida a infecção39 viral, especialmente nas gripes ou catapora19,
pode causar uma doença séria, porém rara, chamada "Síndrome20 de Reye". Por esta
razão, estes pacientes não devem usar este medicamento antes de consultar um
médico sobre a "Síndrome20 de Reye". O uso de AAS não é aconselhável quando há
suspeita de dengue40.

Interações Medicamentosas de Aas

Alguns efeitos do ácido acetilsalicílico no trato gastrintestinal podem ser potencializados peloálcool. Pode ser aumentada a atividade dos anticoagulantes18 cumarínicos e a atividade
hipoglicemiante41 das sulfoniluréias42. Os anticoagulantes18 podem acentuar o efeito hemorrágico43
do ácido acetilsalicílico sobre a mucosa34 gástrica. O ácido acetilsalicílico diminui o efeito de
agentes uricosúricos como a probenecida e a sulfinpirazona. Barbitúricos e outros sedativos
podem mascarar os sintomas7 respiratórios da superdosagem com ácido acetilsalicílico e tem
sido relatado aumento da toxicidade44 daqueles. A atividade do metotrexato pode estar
marcadamente acentuada e sua toxicidade44 aumentada.

Reações Adversas de Aas

O ácido acetilsalicílico pode provocar irritação da mucosa34 gástrica e sangramento
digestivo, sobretudo em dose alta e tratamento prolongado.
Embora pouco comuns, podem ocorrer casos de hipersensibilidade manifestada por
broncoespasmo45, asma21, rinite46, urticária47 e outras manifestações cutâneas14.
O uso prolongado do ácido acetilsalicílico em altas doses tem sido associado com
diminuição da função renal36.

Posologia e Modo de Usar de Aas

AAS adulto - 1 a 2 comprimidos, podendo repetir a dose a cada 4 ou 6 horas até um máximode 8 comprimidos ao dia.
AAS infantil - Crianças até 1 ano de idade, a critério médico; de 1 ano a 2 anos, 1/2 a 1
comprimido; de 3 a 5 anos, 1 a 2 comprimidos, de 6 a 9 anos, 2 a 3 comprimidos; de 10 a 12
anos, 4 a 5 comprimidos. Estas doses podem ser repetidas até 3 vezes ao dia, podendo variar
segundo orientação médica.
AAS deve ser ingerido de preferência após as refeições ou com um pouco de leite. O
comprimido INFANTIL (100 mg de ácido acetilsalicílico) deve ser colocado na boca12 e deixado
dissolver.

Superdosagem de Aas

Nos casos de intoxicação moderada, o esvaziamento do estômago13 por aspiração ou êmese48,
ou a lavagem gástrica49, serão normalmente medidas suficientes.
Nos casos de intoxicação grave (concentrações de salicilato acima de 500 mcg/ml de plasma50
em adultos e 300 mcg/ml em crianças) deve-se realizar lavagem gástrica49 juntamente com
diurese51 por infusão intravenosa de solução fisiológica52 com bicarbonato de sódio, ou Ringerlactato
ou solução de glicose53.

Pacientes Idosos de Aas

Nos pacientes idosos, devido deterioração da função renal36 e gástrica há necessidade de umacompanhamento clínico mais cuidadoso, com o objetivo de evitar efeitos colaterais54 de maior
gravidade.

Dizeres Legais de Aas

Siga corretamente o modo de usar. Não desaparecendo os sintomas7, procure
orientação médica.

Lote, fabricação e validade: VIDE RÓTULO E/OU CARTUCHO

M.S. 1.1300.0995

Farm. Resp: Antônia A. Oliveira
CRF-SP nº 5854

Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda.
Rua Conde Domingos Papais, 413
Suzano - SP
CEP 08613-010
C.N.P.J. 02.685.377/0008-23
Indústria Brasileira

IB 120606 B

Atendimento ao Consumidor 0800-703-0014
www.sanofi-aventis.com.br

Ver informações do laboratório

AAS - Laboratório

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Rua Conde Domingos Papais, 413
Suzano/SP - CEP: 08613-010
Site: http://www.sanofi-aventis.com.br
C.N.P.J. 02.685.377/0008-23 - Indústria Brasileira

Ou

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Av Brasil, 22.155- Rio de Janeiro - RJ
CNPJ 02.685.377/0019-86 - Indústria Brasileira
Atendimento ao Consumidor 0800-703-0014
www.sanofi-aventis.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
2 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
3 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
4 Antitérmico: Medicamento que combate a febre. Também pode ser chamado de febrífugo, antifebril e antipirético.
5 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
12 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
13 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
14 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
15 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
16 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
17 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
18 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
19 Catapora: Doença infecciosa aguda, comum na infância, também chamada de varicela. Ela é provocada por vírus e caracterizada por febre e erupção maculopapular rápida, seguida de erupção de vesículas eritematosas muito pruriginosas.
20 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
21 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
22 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
23 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
24 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
25 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
26 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
27 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
28 Dismenorréia: Dor associada à menstruação. Em uma porcentagem importante de mulheres é um sintoma normal. Em alguns casos está associada a doenças ginecológicas (endometriose, etc.).
29 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
30 Artralgia: Dor em uma articulação.
31 Lombalgia: Dor produzida na região posterior inferior do tórax. As pessoas com lombalgia podem apresentar contraturas musculares, distensões dos ligamentos da coluna, hérnias de disco, etc. É um distúrbio benigno que pode desaparecer com uso de antiinflamatórios e repouso.
32 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
33 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
34 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
35 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
36 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
37 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
38 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
39 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
40 Dengue: Infecção viral aguda transmitida para o ser humano através da picada do mosquito Aedes aegypti, freqüente em regiões de clima quente. Caracteriza-se por apresentar febre, cefaléia, dores musculares e articulares e uma erupção cutânea característica. Existe uma variedade de dengue que é potencialmente fatal, chamada dengue hemorrágica.
41 Hipoglicemiante: Medicamento que contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
42 Sulfoniluréias: Classe de medicamentos orais para tratar o diabetes tipo 2 que reduz a glicemia por ajudar o pâncreas a fabricar mais insulina e o organismo a usar melhor a insulina produzida.
43 Hemorrágico: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
44 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
45 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
46 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
47 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
48 Êmese: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Sinônimo de vômito. Pode ser classificada como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
49 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
50 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
51 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
52 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
53 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
54 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre AAS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.