FILGRASTIMA

BIOSINTETICA

Atualizado em 08/12/2014

Composição da Filgrastima

cada frasco-ampola de solução de 300 mcgcontém: filgrastima 300 mcg, veículo q.s.p. 1,0 ml (ácido acético, acetato de sódio, polisorbato 80, manitol, água estéril para injeção1).

Posologia e Administração da Filgrastima

adultos: para neutropenia2 relacionada com quimioterápicos, 0,5 MU (5 mcg/kg/dia), por via subcutânea3 ou infusão intravenosa, diluída em solução de glicose4 a 5% e administrada durante 30 minutos. Iniciar a administração apenas 24 horas após a última dose de quimioterapia5 do ciclo. Continuar a administração até que o nadir neutrofílico esperado tenha passado e a contagem neutrofílica tenha retornado ao normal; em geral o tempo de tratamento é de 14 dias, podendo variar conforme o tipo, dose e esquema quimioterápico utilizado. A descontinuação prematura da filgrastima antes do período de nadir neutrofílico esperado não é recomendada. Se necessário, pode-se aumentar a dose. Para promoção de enxerto6 mielóide após transplante da medula óssea7: infusão intravenosa ou injeção subcutânea8, adultos, 5 mcg/kg/dia durante 21 dias. Iniciar o tratamento 2 a 4 horas após a infusão de medula óssea7 autóloga e não menos do que 24 horas após a última dose de quimioterápico e 12 horas após a última dose de radioterapia9. Para tratamento de enxerto6 mielóide após malogro ou demora de transplante da medula óssea7: infusão intravenosa ou injeção subcutânea8, adultos, 5 mcg/kg/dia durante 14 dias. O tratamento deve ser repetido após 7 dias se o enxerto6 não ocorreu. Idosos e crianças: a segurança e eficácia nestas faixas etárias não foram estabelecidas. Diluição: a filgrastima não pode ser diluída em soluções salinas. Se necessário, pode ser diluída em solução de glicose4 a 5%. A filgrastima diluída pode ser absorvida por vidro ou materiais plásticos. Entretanto, se a diluição for realizada conforme as instruções a seguir, o preparado é compatível com vidro e vários materiais plásticos, como o PVC, poliolefina (copolímero de polipropileno e polietileno) e polipropileno. Quando filgrastima for diluída a uma concentração inferior a 1,5 M U.I./ml (15 mcg/ml), deve-se adicionar albumina10 sérica humana a uma concentração final de 2 mg/ml. Não se recomenda diluir a filgrastima a uma concentração inferior a 0,2 M U.I./ml (2 mcg/ml). As soluções diluídas de filgrastima não devem ser preparadas com mais de 24 horas antes do uso e devem ser mantidas refrigeradas (2º a 8ºC), não congelar. O frasco-ampola de filgrastima é de uso único e, portanto, deve ser utilizado em uma só vez, sem o fracionamento da dose. - Superdosagem: os efeitos de superdosagem da filgrastima não foram estabelecidos, e não há relatos na literatura de superdosagem por administração indevida ou deficiência de metabolismo11. Caso a contagem absoluta de neutrófilos12 (CAN) ultrapasse 10.000/mm2 antes que nadir (CAN) tenha ocorrido, recomenda-se que a terapia seja descontinuada.

Precauções da Filgrastima

os efeitos da filgrastima em pacientes com redução substancial dos progenitores mielóides não foram extensamente estudados. A filgrastima atua principalmente nos precursores neutrofílicos, aumentando a contagem neutrofílica. Pacientes com número reduzido de precursores podem apresentar uma menor resposta à filgrastima, especialmente aqueles submetidos a tratamento prévio intenso com quimio ou radioterapia9. Recomenda-se cautela na administração em qualquer condição mielóide pré-maligna ou maligna. Contagens de leucócitos13 iguais ou maiores que 100.000/mm3 foram observadas em menos de 5% dos pacientes tratados com doses de filgrastima acima de 0,3 MU/kg/dia (3 mcg/kg/dia). Nenhum efeito adverso diretamente atribuível a esta condição foi relatado. No entanto, devido aos riscos associados à leucocitose14 grave, contagens de leucócitos13 devem ser realizadas regularmente. Se a contagem leucocitária exceder 50.000/mm3 após o nadir esperado, a filgrastima deve ser imediatamente descontinuada. Deve-se usar cautela em ajustar o tempo da administração da filgrastima aos pacientes que recebem quimio ou radioterapia9. Cuidado especial deve ser observado quando do tratamento com altas doses de quimioterápicos, uma vez que um melhor resultado não foi demonstrado; altas doses de quimioterapia5 citotóxica levam a um aumento das toxicidades cardíaca, pulmonares, neurológicas e dermatológicas. O tratamento com filgrastima não exclui a possibilidade de trombocitopenia15 e anemia16 ocasionadas pela quimioterapia5 mielossupressora. Monitorização regular da contagem plaquetária e hematócrito17 é recomendada. Cautela especial deve ser adotada quando da administração de quimioterápicos conhecidamente trombocitopênicos, em associação ou isoladamente. A monitorização da densidade óssea pode ser indicada nos pacientes com doenças ósseas osteoporóticas submetidos à terapêutica18 com a filgrastima por mais de 6 meses. Não foram realizados estudos em pacientes com alteração grave da função hepática19 e renal20, não sendo a filgrastima recomendada neste grupo de pacientes. Pacientes com baixo número de precursores na medula21 (casos tratados com radioterapia9 extensa ou quimioterapia5) podem apresentar menor resposta ao G-CSF. Deve-se levar em consideração a relação risco-benefício quando existem os seguintes problemas médicos: doença auto-imune22, doença cardiovascular, número excessivo de células mielóides23 imaturas na medula óssea7 ou sangue24 periférico, quadros clínicos inflamatórios, sensibilidade à filgrastima, sensibilidade às proteínas25 derivadas da E. coli, sepse26. - Gravidez27 e lactação28: a segurança da filgrastima não foi estabelecida em pacientes grávidas. O possível risco do uso de filgrastima para o feto29 deve ser avaliado com relação aos benefícios terapêuticos esperados. Não se conhece se a filgrastima é excretada no leite humano. A administração em lactantes30 não é recomendada. - Interferências em exames laboratoriais: pode ocorrer aumento dose-dependente nos níveis de ácido úrico sérico, enzimas hepáticas31 e desidrogenase lática32. As anormalidades bioquímicas retornam ao normal em uma semana após descontinuação da filgrastima, sem nenhuma seqüela clínica. Interações medicamentosas: a segurança e eficácia da filgrastima administrada no mesmo dia que a quimioterapia5 citotóxica mielossupressiva não foram estabelecidas. Considerando a sensibilidade das células mielóides23 de rápida divisão à quimioterapia5 citotóxica mielossupressora, o uso da filgrastima não é recomendado no período de 24 horas antes e 24 horas após a quimioterapia5. Possíveis interações com outros fatores de crescimento e citocinas33 não foram ainda investigados em estudos clínicos.

Reações Adversas da Filgrastima

a filgrastima permanece sob farmacovigilância quanto a efeitos adversos e toxicidade34 em longo prazo, pois é um novo medicamento. Embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicada, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis ainda não descritas nem conhecidas. Os efeitos clínicos adversos mais freqüentemente atribuíveis à filgrastima, em doses adequadas, foram dores ósseas, mas nenhum efeito grave foi relatado que levasse à descontinuação da terapia. Dores musculoesqueléticas discretas ou moderadas e dor intensa são referidas. A dor musculoesquelética é geralmente controlada com os analgésicos35 clássicos. Menos freqüentes são as anormalidades urinárias, predominantemente disúria36 discreta ou moderada, e aumentos reversíveis dose-dependentes da desidrogenase láctica37, fosfatase alcalina38, ácido úrico, gamaglumatil transferase. Diminuição transitória da pressão arterial39, sem necessidade de tratamento clínico, foi reportada ocasionalmente. A pesquisa clínica não mostrou aumento da incidência40 de efeitos colaterais41 associados à quimioterapia5 citotóxica. Podem ocorrer também: leucocitose14 excessiva; reação alérgica42 ou anafilática; arritmia43 supraventricular transitória; esplenomegalia44, com uso crônico45; febre46; lesões47 na pele48; vasculite49, vermelhidão ou dor no local da injeção subcutânea8; artralgias50 ou mialgias51; cefaléia52 leve a moderada; exantema53 ou urticária54; dispnéia55; anorexia56; náusea57/vômito58; alopecia59; diarréia60; fadiga61; estomatite62.

Contra-Indicações da Filgrastima

pacientes com hipersensibilidade à filgrastima ou aos componentes da fórmula (ácido acético, acetato de sódio, polisorbato 80, manitol). Gravidez27.

Indicações da Filgrastima

redução na duração da neutropenia2 e na incidência40 de neutropenia2 febril nos pacientes com neoplasias63 não mielóides tratados com quimioterapia5 citotóxica. Tratamento de neutropenia2 crônica grave. Tratamento de neutropenia2 induzida por fármacos. Tratamento de pacientes aidéticos com neutropenia2 causada pela própria doença ou infecção64 de organismos oportunistas (como os citomegalovírus65) ou por agentes anti-retrovirais (didanosina, zalcitabina, zidovudina). Prolongamento da sobrevida66 de pacientes que sofreram transplante de medula óssea7 autóloga alogênica em que o enxerto6 é demorado ou foi rejeitado, na presença ou ausência de infecção64. Aceleração da recuperação de enxerto6 mielóide em pacientes com linfoma67 não-Hodgkin, leucemia68 linfoblástica aguda e doença de Hodgkin69 que sofreram transplante autólogo da medula óssea7. Tratamento de síndromes mielodisplásicas.

Apresentação da Filgrastima

solução injetável de 300 mcg em embalagem com 5 frascos-ampola.


FILGRASTIMA - Laboratório

BIOSINTETICA
Rua Periquito, 236 - Vl. Uberabinha
São Paulo/SP - CEP: 04514-050
Tel: 55 (011) 5561-2614
Fax: 55 (011)5561-2072
Site: http://www.biosintetica.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "BIOSINTETICA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
3 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
4 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
5 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
6 Enxerto: 1. Na agricultura, é uma operação que se caracteriza pela inserção de uma gema, broto ou ramo de um vegetal em outro vegetal, para que se desenvolva como na planta que o originou. Também é uma técnica agrícola de multiplicação assexuada de plantas florais e frutíferas, que permite associar duas plantas diferentes, mas gerações próximas, muito usada na produção de híbridos, na qual uma das plantas assegura a nutrição necessária à gema, ao broto ou ao ramo da outra, cujas características procura-se desenvolver; enxertia. 2. Na medicina, é a transferência especialmente de células ou de tecido (por exemplo, da pele) de um local para outro do corpo de um mesmo indivíduo ou de um indivíduo para outro.
7 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
8 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
9 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
10 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
11 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
12 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
13 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
14 Leucocitose: É o aumento no número de glóbulos brancos (leucócitos) no sangue, geralmente maior que 8.000 por mm³. Ocorre em diferentes patologias como em resposta a infecções ou processos inflamatórios. Entretanto, também pode ser o resultado de uma reação normal em certas condições como a gravidez, a menstruação e o exercício muscular.
15 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
16 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
17 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
18 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
19 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
20 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
21 Medula: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
22 Doença auto-imune: Desordem do sistema imune em que ele próprio ataca e destrói tecidos que acredita serem estranhos ao corpo.
23 Células Mielóides: Classes de células do sangue provenientes da MEDULA ÓSSEA, série monocítica (MONÓCITOS e seus precursores) e série granulocítica (GRANULÓCITOS e seus precursores).
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
26 Sepse: Infecção produzida por um germe capaz de provocar uma resposta inflamatória em todo o organismo. Os sintomas associados a sepse são febre, hipotermia, taquicardia, taquipnéia e elevação na contagem de glóbulos brancos. Pode levar à morte, se não tratada a tempo e corretamente.
27 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
28 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
29 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
30 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
31 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
32 Lática: Diz-se de ou ácido usado como acidulante e intermediário químico; láctica.
33 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
34 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
35 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
36 Disúria: Dificuldade para urinar. Pode produzir ardor, dor, micção intermitente, etc. Em geral corresponde a uma infecção urinária.
37 Láctica: Diz-se de ou ácido usado como acidulante e intermediário químico; lática.
38 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
39 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
40 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
41 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
42 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
43 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
44 Esplenomegalia: Aumento tamanho do baço acima dos limites normais
45 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
46 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
47 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
48 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
49 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
50 Artralgias: Dor em articulações.
51 Mialgias: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
52 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
53 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
54 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
55 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
56 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
57 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
58 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
59 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
60 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
61 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
62 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
63 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
64 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
65 Citomegalovírus: Citomegalovírus (CMV) é um vírus pertence à família do herpesvírus, a mesma dos vírus da catapora, herpes simples, herpes genital e do herpes zóster.
66 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
67 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
68 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
69 Doença de Hodgkin: Doença neoplásica que afeta o tecido linfático, caracterizada por aumento doloroso dos gânglios linfáticos do pescoço, axilas, mediastino, etc., juntamente com astenia, prurido (coceira) e febre. Atualmente pode ter uma taxa de cura superior a 80%.

Tem alguma dúvida sobre FILGRASTIMA?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.