TYROPLUS

Atualizado em 28/03/2008
OBS: Todos os medicamentos do Laboratório Enila tiveram sua produção suspensa segundo Resolução - RE nº 892, de 29 de maio de 2003 da Anvisa.
 

- Composição
Tyroplus 1: liotironina sódica (T3) 15 mcg;L-tiroxina sódica (T4) 60 mcg. Tyroplus 3: liotironina sódica (T3) 45 mcg; L-tiroxina sódica (T4) 180 mcg.

- Posologia e Administração
a resposta do paciente é determinada pelo julgamento clínico em paralelo aos achados laboratoriais. Para hipotireoidismo1, recentemente diagnosticado ou mesmo não tratado, a terapêutica2 deve ser a seguinte: inicialmente tomar 1/2 comprimido de Tyroplus 1, diariamente, aumentando-se a dosagem de 1/2 comprimido a cada 1 ou 2 semanas. O aumento gradual na dosagem de Tyroplus é de importância fundamental. Em crianças, esses acréscimos devem ser realizados a cada duas semanas. Nos casos de pacientes com hipotireoidismo1 ainda não compensado, em uso anterior de outros hormônios tireoidianos, poder-se-á substituir pelo Tyroplus desde que se lhes aumente a dosagem a cada 2 semanas. Os ajustes medicamentosos deverão ser realizados segundo às necessidades individuais dos pacientes. Um comprimido de Tyroplus 1 geralmente equivale a 64 mg de tireóide dessecada, 0,1 ml de levotiroxina3 sódica (T4) ou 25 mcg de liotironina sódica (T3). Tyroplus é, geralmente, administrado em uma única dose diária de preferência antes do desjejum.

- Precauções
pacientes com hipotireoidismo1 e, principalmente, com mixedema4, são particularmente sensíveis às preparações tireoidianas; portanto, deve-se iniciar o tratamento com pequenas doses, aumentando-se gradualmente. Em pacientes com diabetes mellitus5 a introdução de terapia com hormônios tireoidianos pode acarretar um aumento da necessidade diária de insulina6 ou de agentes hipoglicêmicos orais. Por outro lado, a diminuição da dose de hormônio7 tireoidiano pode causar reações hipoglicêmicas se a dosagem de insulina6 ou agentes hipoglicemiantes orais8 não for modificada de acordo. Tyroplus deve ser utilizado com precaução em pacientes com distúrbios cardiovasculares inclusive hipertensão9. O aparecimento de precordialgia ou qualquer outra manifestação de piora da função cardíaca do paciente, implica numa redução imediata da dosagem. Deve-se tomar precaução com pacientes que estejam sob terapia com anticoagulantes10 (warfarin ou bishidroxicumarin), pois o uso concomitante com Tyroplus pode potencializar os efeitos do anticoagulante11 utilizado. Aconselha-se que antes do início da terapia com Tyroplus, seja feita uma redução de 1/3 da dosagem do anticoagulante11. Posteriormente, esta dosagem pode ser corrigida baseando-se em determinações freqüentes do tempo de protrombina12. Em pacientes cujo hipotireoidismo1 é secundário a um hipopituitarismo, provavelmente, a insuficiência13 supra-renal14 também estará presente. Quando a insuficiência13 supra-renal14 e o hipotireoidismo1 coexistem, a insuficiência13 supra-renal14 deve ser corrigida por corticosteróides antes da administração de hormônios tireoidianos.

- Reações adversas
durante o tratamento, mesmo em baixa dosagem, pode ocorrer dor anginosa, palpitações15 e espasmos16 musculoesqueléticos. Doses elevadas podem acarretar taquicardia17, diarréia18, inquietação, excitabilidade, arritmia19 cardíaca (principalmente em pessoas idosas): efeitos estes que desaparecem com a redução da dose ou com a suspensão do tratamento. Como todas as preparações tireoidianas, a dosagem de Tyroplus deve ser individualizada de modo a se aproximar da secreção deficitária da tireóide do paciente.

- Contra-Indicações
insuficiência13 supra-renal14 não tratada. Infarto20 agudo21 do miocárdio22.

- Indicações
distúrbios da tireóide: hipotireoidismo1, mixedema4, bócio23 não tóxico, infertilidade24 masculina e feminina secundária ao hipotireoidismo1.

- Apresentação
caixa com 50 comprimidos.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
2 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
3 Levotiroxina: Levotiroxina sódica ou L-tiroxina (T4) é um hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireoide.
4 Mixedema: Infiltração cutânea causadora de edema firme e elástico nos tecidos, especialmente do rosto e dos membros, acarretada por diminuição da atividade da glândula tireoide (hipotireoidismo).
5 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
6 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
7 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
8 Hipoglicemiantes orais: Medicamentos usados por via oral em pessoas com diabetes tipo 2 para manter os níves de glicose próximos ao normal. As classes de hipoglicemiantes são: inibidores da alfaglicosidase, biguanidas, derivados da fenilalanina, meglitinides, sulfoniluréias e thiazolidinediones.
9 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
10 Anticoagulantes: Substâncias ou medicamentos que evitam a coagulação, especialmente do sangue.
11 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
12 Protrombina: Proteína plasmática inativa, é a precursora da trombina e essencial para a coagulação sanguínea.
13 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
14 Supra-renal:
15 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
16 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
17 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
18 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
19 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
20 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
21 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
22 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
23 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
24 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.

Tem alguma dúvida sobre TYROPLUS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.