ARES

UNIAO QUIMICA

Atualizado em 03/06/2015

ARES
Brometo de Ipratrópio
Solução para Inalação


- FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:
Solução para inalação: frasco contendo 20ml.

USO PEDIÁTRICO E ADULTO

Composição de Ares

Cada ml da solução para inalação contém: Brometo de ipratrópio    0,250mg
Veículo: cloreto de sódio, ácido clorídrico1, cloreto de benzalcônio, edetato dissódico, água purificada.
                               
- INFORMAÇÕES AO PACIENTE

AÇÃO ESPERADA DO MEDICAMENTO:
É um agente broncodilatador2 para o tratamento preventivo3 e sintomático4 da asma5 brônquica, bronquite crônica6, enfisema7 pulmonar, asma5 e processos broncoespásticos crônicos.

CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO:
Conserve o produto na embalagem original, em temperatura ambiente (15 a 30ºC) e protegido da luz.

PRAZO DE VALIDADE:
24 meses a partir da data de fabricação (vide cartucho). Não use medicamentos com o prazo de validade vencido.

GRAVIDEZ8 E LACTAÇÃO9:
Durante os 3 primeiros meses de gravidez8 e durante o aleitamento, o uso de Brometo de Ipratrópio não é recomendado. Informe ao seu médico a ocorrência de gravidez8 na  vigência do tratamento ou após seu término. Informe ao médico se está amamentando.

CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO:
O paciente deve manter os olhos10 fechados durante a inalação. Contacte seu médico imediatamente se os sintomas11 não apresentarem melhora dentro de 30 minutos após o uso do medicamento.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

REAÇÕES ADVERSAS:
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, como aumento do broncoespasmo12, dermatite13, dor aguda nos olhos10, íleo paralítico14, secura da boca15, irritação da garganta16 e tosse. Quando do contato acidental com os olhos10, podem ocorrer ligeiros transtornos reversíveis da acomodação visual.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

CONTRA-INDICAÇÕES E PRECAUÇÕES:
O produto não deve ser usado por pacientes com hipersensibilidade aos componentes da fórmula ou  sensibilidade às substâncias atropínicas. Deve ser usado com cautela em casos de glaucoma17 de ângulo fechado e hipertrofia18 prostática.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE19.

- INFORMAÇÕES TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS:
O Brometo de Ipratrópio quimicamente é um derivado da atropina. A broncodilatação20 produzida pelo ipratrópio é um efeito principalmente local-específico. O ipratrópio parece produzir a broncodilatação20 pela inibição competitiva dos receptores colinérgicos no músculo liso21 dos brônquios22. Este efeito antagoniza a ação da acetilcolina23 no receptor da membrana e, além disso, bloqueia a ação broncoconstritora dos impulsos eferentes vagais.
A absorção sistêmica é mínima após inalação. O ipratrópio é muito pouco absorvido através dos pulmões24 e do trato gastrointestinal. O ipratrópio não atravessa a barreira hematoencefálica. A pequena porção de ipratrópio absorvida é metabolizada no fígado25, sendo que seus metabólicos possuem pequena ou nenhuma ação anticolinérgica. Os efeitos do medicamento se iniciam dentro de 5 a 15 minutos após sua inalação. O efeito permanece por cerca de 3 a 4 horas, podendo chegar a 6 ou 8 horas em alguns pacientes. A eliminação ocorre principalmente através das fezes; mais de 90% da dose inalada é engolida e eliminada inalterada. A porção absorvida é excretada principalmente na urina26.

Indicações de Ares

ARES é indicado para o tratamento da exarcebação aguda da bronquite crônica6. Também é indicado para o tratamento da crise aguda do broncoespasmo12 em pacientes asmáticos, devendo ser usado em combinação com uma medicação beta-2-agonista27, como o fenoterol.

Contra-Indicações de Ares

O uso do Brometo de Ipratrópio é contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade aos componentes da fórmula ou à substâncias atropínicas.

Precauções e Advertências de Ares

Gerais: Em geral recomenda-se prudência com o uso de anticolinérgicos em pacientes com glaucoma17 de ângulo fechado e hipertrofia18 prostática, embora possa considerar o risco mínimo de complicação quando do emprego do produto em doses terapêuticas.
O paciente deve manter os olhos10 fechados durante a inalação, evitando-se o contato do medicamento com os olhos10. Caso isso aconteça, pode ocorrer irritação ou visão28 borrada; nesses casos os olhos10 devem ser lavados com água fria.
O paciente deve ser orientado para contactar o médico imediatamente se os sintomas11 não apresentarem melhora dentro de 30 minutos após o uso do medicamento.
Gravidez8: A segurança do uso do Ipratrópio durante a gravidez8 ainda não foi estabelecida. Desse modo deve-se observar as precauções habituais quanto ao uso do produto durante esse período, especialmente durante o primeiro trimestre.
Amamentação29: A segurança do uso do Ipratrópio durante a lactação9 ainda não foi estabelecida.
Pediatria: Estudos realizados em crianças que usaram o Brometo de Ipratrópio, demostraram que não ocorrem problemas específicos relacionados à idade.

- INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS:

O Brometo de Ipratrópio potencializa o efeito broncodilatador2 dos beta-2-adrenérgicos30 e da aminofilina, podendo à critério médico ser associado aos mesmos e aos corticosteróides.
O uso concomitante de outros anticolinérgicos, incluindo as preparações oftálmicas, ou outros medicamentos com ação anticolinérgica com o ipratrópio pode resultar em adição de efeitos.
Acredita-se que a tacrina exerce seu efeito pelo aumento da concentração efetiva de acetilcolina23, o uso concomitante pode reduzir os efeitos tanto da tacrina quanto do ipratrópio.
A solução para inalação não deve ser misturado ao cromoglicato, porque esta mistura produz um precipitado devido à reação entre o cromoglicato dissódico e o cloreto de benzalcônio, conservante da solução de Brometo de Ipratrópio.

Interferência em Exames Laboratoriais de Ares

Não são conhecidos relatos sobre a interferência do ipratrópio em exames laboratoriais.

Reações Adversas/Colaterais de Ares

Raramente podem ocorrer aumento do broncoespasmo12, dermatite13, angioedema31, rash32 cutâneo33, urticária34, dor aguda nos olhos10 e íleo paralítico14. O médico deve ser informado se as seguintes reações persistirem: tosse, boca15 seca, paladar35 desagradável, visão28 borrada ou outras alterações na visão28, ardência nos olhos10, tontura36, dor de cabeça37, náusea38, nervosismo, palpitação39, sudorese40, tremor e retenção urinária41.

- POSOLOGIA:
Solução para inalação:
Adulto: 0,250-0,500mg (25-50 gotas ou 1-2ml), a cada 4 a 6 horas.
Crianças acima de 5 anos: 0,125 - 0,250mg  (13-25 gotas ou ½ a 1ml), a cada 4-6 horas.
Crianças menores de 5 anos: a posologia deve ser adaptada à critério médico, sendo que os estudos realizados demonstraram ser a dose adequada de 0,050-0,125 (5 a 13 gotas ou 0,2 a 0,5ml), a cada 4-6 horas.
A solução para inalação deve ser administrada via inalatória por nebulização42 da solução. Se necessário, diluí-la em 3-5ml de solução salina (cloreto de sódio a 0,9%), utilizando-se oxigênio ou ar comprimido. ARES pode ser combinado com um beta-2-agonista27, como o fenoterol, na inalação para tratamento da crise aguda do broncoespasmo12.

- SUPERDOSAGEM:

Não se observaram manifestações sistêmicas de maior grau de gravidade, mesmo com o uso de doses de até 1,2mg (aproximadamente 30 vezes a dose terapêutica43) do Brometo de Ipratrópio. No entanto, qualquer manifestação que necessite de maiores cuidados deve receber tratamento sintomático4. Inibidores da colinesterase podem ser empregados no aparecimento de sinais44 de grave intoxicação por anticolinérgicos.

Pacientes Idosos de Ares

Não são conhecidos problemas específicos do uso do ipratrópio relacionados à idade.

ARES - Laboratório

UNIAO QUIMICA
Rua Cel. Luiz Tenório de Brito, 90
Embu-Guaçu/SP - CEP: 06900-000
Tel: SAC 0800 11 1559

Ver outros medicamentos do laboratório "UNIAO QUIMICA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Broncodilatador: Substância farmacologicamente ativa que promove a dilatação dos brônquios.
3 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
4 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
5 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
6 Bronquite crônica: Inflamação persistente da mucosa dos brônquios, em geral produzida por tabagismo, e caracterizada por um grande aumento na produção de muco bronquial que produz tosse e expectoração durante pelo menos três meses consecutivos durante dois anos.
7 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
8 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
9 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
10 Olhos:
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
13 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
14 Íleo paralítico: O íleo adinâmico, também denominado íleo paralítico, reflexo, por inibição ou pós-operatório, é definido como uma atonia reflexa gastrintestinal, onde o conteúdo não é propelido através do lúmen, devido à parada da atividade peristáltica, sem uma causa mecânica. É distúrbio comum do pós-operatório podendo-se afirmar que ocorre após toda cirurgia abdominal, como resposta “fisiológica“ à intervenção, variando somente sua intensidade, afetando todo o aparelho digestivo ou parte dele.
15 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
16 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
17 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
18 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
19 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
20 Broncodilatação: Aumento do diâmetro dos brônquios e dos bronquíolos pulmonares devido ao relaxamento do músculo liso das vias aéreas.
21 Músculo Liso: Um dos músculos dos órgãos internos, vasos sanguíneos, folículos pilosos etc.; os elementos contráteis são alongados, em geral células fusiformes com núcleos de localização central e comprimento de 20 a 200 mü-m, ou ainda maior no útero grávido; embora faltem as estrias traversas, ocorrem miofibrilas espessas e delgadas; encontram-se fibras musculares lisas juntamente com camadas ou feixes de fibras reticulares e, freqüentemente, também são abundantes os ninhos de fibras elásticas. (Stedman, 25ª ed)
22 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
23 Acetilcolina: A acetilcolina é um neurotransmissor do sistema colinérgico amplamente distribuído no sistema nervoso autônomo.
24 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
25 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
26 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
27 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
28 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
29 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
30 Adrenérgicos: Que agem sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
31 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
32 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
33 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
34 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
35 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
36 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
37 Cabeça:
38 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
39 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
40 Sudorese: Suor excessivo
41 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
42 Nebulização: Método utilizado para administração de fármacos ou fluidificação de secreções respiratórias. Utiliza um mecanismo vaporizador através do qual se favorece a penetração de água ou medicamentos na atmosfera bronquial.
43 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
44 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.

Tem alguma dúvida sobre ARES?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.