CANCIDAS

Merck Sharp & Dohme

Atualizado em 03/06/2015

CANCIDAS  
(Acetato de caspofungina, MSD)

Forma Farmacêutica e Apresentação de Cancidas

Pó para Solução para Infusão Intravenosa

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) 50 mg é apresentado em caixas com um frasco-ampola contendo 55.5 mg de acetato de caspofungina que é equivalente a 50 mg de base anidra livre de caspofungina.


CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) 70 mg é apresentado em caixas com um frasco-ampola contendo 77.7 mg de acetato de caspofungina que é equivalente a 70 mg de base livre de caspofungina.

USO ADULTO

Composição de Cancidas

CANCIDAS  (Acetato de caspofungina, MSD) 50 mg: cada frasco-ampola de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) contém 55.5 mg de acetato de caspofungina que é equivalente a 50 mg de base anidra livre de caspofungina.


CANCIDAS  (Acetato de caspofungina, MSD) 70 mg: cada frasco-ampola de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) contém 77.7 mg de acetato de caspofungina que é equivalente a 70 mg de base livre de caspofungina.


Ingredientes inativos
Cada frasco-ampola de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) contém os seguintes ingredientes inativos: sacarose, manitol, ácido acético glacial e hidróxido de sódio (para ajustar o pH).

Informações ao Paciente de Cancidas

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) é um medicamento indicado para o tratamento da aspergilose invasiva, uma infecção1 causada por fungos, em pacientes que apresentaram resistência ou intolerância a outros tratamentos. Conserve os frascos fechados, em temperatura entre 2 e 8° C. Os frascos reconstituídos podem ser armazenados em temperatura até 25 ° C durante 24 horas antes da preparação da solução para infusão. A solução final para infusão intravenosa pode ser armazenada na bolsa ou no frasco em até 25° C durante 24 horas, ou durante 48 horas quando mantida sob refrigeração em temperatura entre 2 e 8°C.

Ao adquirir o medicamento, confira sempre o prazo de validade impresso na parte externa da embalagem. Nunca use medicamento com prazo de validade vencido. Além de não obter o efeito desejado, pode prejudicar a sua saúde2. Informe seu médico a ocorrência de gravidez3 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. A maioria dos pacientes que recebe CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) para o tratamento de aspergilose invasiva não precisa interromper o(s) tratamento(s) indicados para outras afecções4 clínicas; o médico determinará se é necessário ajuste posológico para essas medicações. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Informe ao seu médico a ocorrência de qualquer reação adversa; as mais comuns são febre5 e irritações da veia no local da infusão (prurido6, vermelhidão, inchaço7 ou formação de coágulos). Outros efeitos indesejáveis relacionados à medicação relatados incluem: cefaléia8, dor, náusea9, diarréia10, vômito11, rubor da face12 e do pescoço13, erupção14 cutânea15, prurido6 e alterações de alguns testes laboratoriais (exames de sangue16). Raramente, podem ocorrer outros efeitos além dos citados e, a exemplo do que ocorre com qualquer medicação obtida somente com prescrição médica, alguns podem ser graves. Peça mais informações ao seu médico. Relate imediatamente ao seu médico a ocorrência de efeitos indesejáveis ou de quaisquer outros sintomas17 incomuns.

O uso concomitante de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) e ciclosporina não é recomendado, e seu médico deverá ser informado se você estiver tomando ciclosporina; além disso, você deve sempre informar ao médico todas as outras medicações que estiver tomando ou que planeja tomar, inclusive as medicações obtidas sem prescrição. É particularmente importante informar ao seu médico se você está tomando medicações para o tratamento da AIDS (tais como efavirenz, nelfinavir ou nevirapina), medicações anticonvulsivantes (para epilepsia18) tais como fenitoína e carbamazepina, o corticosteróide dexametasona, o antibiótico rifampicina e o imunossupressor19 tacrolimus.


CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) é contra-indicado para pacientes20 com hipersensibilidade a qualquer componente do produto. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

Informações Técnicas de Cancidas

Descrição: CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) contém como ingrediente ativo acetato de caspofungina, que é quimicamente descrito como o sal do diacetato de pneumocandina B0 1-[(4R,5S)-5-[(2-aminoetil)amino]-N² -(10,12-dimetil-1-oxotetradecil)-4-hidróxi-L-ornitina]-5-[(3R)-3-hidróxi-L-ornitina].
A fórmula empírica é C52H88N10O152C2H4O2 e o peso molecular é 1213,42.
o acetato de caspofungina, ingrediente ativo de CANCIDAS™ (Acetato de caspofungina, MSD), inibe a síntese do b(1,3)-D-glucana, um componente essencial da parede celular de muitos fungos filamentosos e leveduras, que não faz parte das células21 dos mamíferos.

Farmacocinética

Absorção: uma vez que o acetato de caspofungina é administrado por via intravenosa, a absorção não é relevante.

Distribuição: as concentrações plasmáticas da caspofungina declinam de maneira polifásica após infusões intravenosas únicas de 1 hora. Uma fase-a curta ocorre imediatamente após a infusão, seguida de uma fase-ß com uma meia-vida de 9 a 11 horas que caracteriza grande parte do perfil e apresenta claro comportamento log-linear de 6 a 48 horas após a dose, durante as quais a concentração plasmática diminui por uma ordem de magnitude. Uma fase-g adicional também ocorre, com meia-vida de 27 horas. A distribuição, em vez da excreção ou da biotransformação, constitui o mecanismo dominante que influencia a depuração plasmática. A caspofungina liga-se extensamente à albumina22 (aproximadamente 97%), e a distribuição nos eritrócitos23 é mínima. Os resultados do equilíbrio de massa mostraram que aproximadamente 92% do [³H] foi encontrado nos tecidos 36 a 48 horas após uma dose única de 70 mg de acetato de [³H] caspofungina. Ocorre pouca excreção ou biotransformação da caspofungina durante as primeiras 30 horas após a administração.

Metabolismo24: a caspofungina é lentamente metabolizada por hidrólise e N-acetilação. A caspofungina sofre também degradação química espontânea para um composto peptídico de anel aberto, o L-747969. Em pontos de tempo mais tardios (5 a 20 dias após a dose), é observado um baixo nível (3 a 7 picomols/mg de proteína, ou 0,6 a 1,3% da dose administrada) de ligação covalente do radiomarcado no plasma25 após a administração de uma dose única de acetato de [³H] caspofungina, que pode ser devido a dois intermediários reativos formados durante a degradação química da caspofungina a L-747969. O metabolismo24 adicional envolve a hidrólise em aminoácidos constitutivos e seus derivados, incluindo a diidroxihomotirosina e a N-acetil-diidroxihomotirosina. Esses dois derivados da tirosina26 são encontrados apenas na urina27, sugerindo rápida depuração plasmática desses derivados pelos rins28.

Eliminação: em um estudo farmacocinético com uma dose única do radiomarcado, foram colhidos plasma25, urina27 e fezes durante 27 dias. Aproximadamente 75% da radioatividade foi recuperada: 41% na urina27 e 34% nas fezes. As concentrações plasmáticas da radioatividade e da caspofungina foram similares durante as primeiras 24 a 48 horas após a dose; a seguir, os níveis do medicamento caíram mais rapidamente. O radiomarcado permaneceu quantificável até o 27° dia, enquanto as concentrações da caspofungina caíram abaixo do limite de quantificação 6 a 8 dias após a dose. Uma pequena quantidade de caspofungina é excretada inalterada na urina27 (aproximadamente 1,4% da dose). A depuração renal29 da droga original é baixa (aproximadamente 0,15 mL/min).

Populações específicas

Sexo

A concentração plasmática da caspofungina em homens e mulheres sadios foi similar no 1° dia após uma dose única de 70 mg. Após 13 doses diárias de 50 mg, a concentração plasmática da caspofungina em algumas mulheres elevou-se cerca de 20% em relação aos homens.

Pacientes Geriátricos
A concentração plasmática da caspofungina em homens e mulheres sadios idosos (a partir de 65 anos de idade) aumentou ligeiramente (aproximadamente 28% na AUC) em comparação aos homens sadios jovens. A idade não constitui um fator determinante significativo da farmacocinética da caspofungina em pacientes com infecções30 fúngicas31.


Insuficiência Hepática32
As concentrações plasmáticas da caspofungina após uma dose única de 70 mg em pacientes com insuficiência hepática32 leve (escore de Child-Pugh de 5 a 6) aumentaram aproximadamente em 55% em comparação aos indivíduos sadios de controle. Em um estudo de doses múltiplas com 14 dias de duração (70 mg no 1o dia, seguidos por 50 mg diariamente), as concentrações plasmáticas em pacientes com insuficiência hepática32 leve aumentaram modestamente (19 para 25%) no 7o e no 14o dia, em relação a indivíduos sadios de controle.

Farmacodinâmica

Atividade in vitro
A caspofungina exerce atividade in vitro contra espécies de Aspergillus (incluindo Aspergillus fumigatus, Aspergillus flavus, Aspergillus niger, Aspergillus nidulans e Aspergillus terreus) e espécies de Candida (incluindo Candida albicans, Candida dubliniensis, Candida glabrata, Candida guilliermondii, Candida kefyr, Candida krusei, Candida lipolytica, Candida lusitaniae, Candida parapsilosis, Candida pseudotropicalis e Candida tropicalis). Foi realizado teste de sensibilidade de acordo com uma modificação dos métodos M-38P (para espécies de Aspergillus) e M27-A (para espécies de Candida) do Comitê Nacional de Padrões Clínico-Laboratoriais (NCCLS). Não foram estabelecidos métodos padronizados de teste de sensibilidade para os inibidores da síntese do ß(1,3)-D-glucana e os resultados dos estudos de sensibilidade não se correlacionam necessariamente com o resultado clínico.


Atividade in vivo
A caspofungina exerceu atividade quando administrada por via parenteral a animais imunocompetentes e imunossuprimidos com infecções30 disseminadas por Aspergillus e Candida para as quais os end points foram aumento da sobrevida33 dos animais infectados (Aspergillus e Candida) e desaparecimento dos fungos dos órgãos-alvo (Candida). Em um modelo de infecção1 pulmonar letal em ratos por A. fumigatus, a caspofungina foi extremamente ativa na prevenção e no tratamento da aspergilose pulmonar.

Resistência cruzada
O acetato de caspofungina exerce atividade contra cepas34 de Candida com resistência intrínseca ou adquirida ao fluconazol, à anfotericina B ou à flucitosina compatível com seus mecanismos distintos de ação.

Resistência à Medicação

O desenvolvimento de resistência das espécies de Candida à caspofungina ocorre muito raramente no laboratório, não tendo sido identificados isolados clínicos de Candida com resistência intrínseca à caspofungina. A relevância para o resultado clínico é desconhecida.

Interações Medicamentosas de Cancidas

Estudos in vitro e in vivo do acetato de caspofungina em combinação com a anfotericina B não demonstram antagonismo da atividade antifúngica contra A. fumigatus ou C. albicans. Os resultados dos estudos in vitro sugerem alguma evidência de atividade aditiva/indiferente ou sinérgica contra A. fumigatus e atividade aditiva/indiferente contra C. albicans. A significância clínica desses resultados é desconhecida.

Estudos clínicosPacientes com 18 a 80 anos de idade com aspergilose invasiva foram admitidos em um estudo não-comparativo e aberto para avaliar a segurança, a tolerabilidade e a eficácia de CANCIDAS™ (Acetato de caspofungina, MSD). Os pacientes admitidos apresentavam resistência ou intolerância a outro(s) tratamento(s) antifúngico(s). Os pacientes que apresentaram progressão da doença ou que não apresentaram melhora apesar do tratamento durante 7 dias ou mais com anfotericina B, formulações lipídicas de anfotericina B, itraconazol ou um azol sob investigação com atividade relatada contra Aspergillus foram classificados como resistentes. A intolerância ao tratamento prévio foi definida como duplicação dos níveis de creatinina35 (ou creatinina35 de 2,5 mg/dL36 ou mais durante o tratamento), outras reações agudas ou toxicidade37 relacionada à infusão. Para serem incluídos no estudo, os pacientes com doença pulmonar deveriam ter apresentado aspergilose invasiva classificada como definitiva (histopatologia38 tecidual positiva ou cultura positiva de tecido39 obtido por meio de procedimento invasivo) ou provável (evidência positiva no exame radiológico ou na tomografia computadorizada40, com cultura confirmatória do lavado broncoalveolar41 ou do escarro, ensaio imunoabsorvente ligado à enzima42 de galactomanana e/ou reação em cadeia da polimerase). Os pacientes com doença extrapulmonar deveriam apresentar aspergilose invasiva definida. As definições foram elaboradas de acordo com os Critérios do Grupo de Estudo de Micoses1. Os pacientes receberam uma dose única de carga de 70 mg de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) e, subseqüentemente, uma dose de 50 mg ao dia. A duração média do tratamento foi de 31,1 dias, com variação de 1 a 162 dias.

Um painel independente de especialistas avaliou os dados dos pacientes, inclusive o diagnóstico43 de aspergilose invasiva, a resposta e a tolerabilidade ao tratamento antifúngico anterior, o curso do tratamento com CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) e o resultado clínico.
Uma resposta favorável era definida como desaparecimento completo (resposta completa) ou melhora clinicamente significativa (resposta parcial) de todos os sinais44 e sintomas17 e achados radiográficos atribuíveis. Doença estável e não progressiva era considerada uma resposta desfavorável.


Entre os 58 pacientes admitidos no estudo, 54 atenderam os critérios diagnósticos de admissão e apresentaram dados de resultados; destes, 45 pacientes receberam tratamento durante mais de 7 dias. Quarenta e quatro (81%) apresentavam resistência e 10 (19%) apresentavam intolerância ao tratamento antifúngico prévio. Trinta e nove pacientes apresentavam doença pulmonar e 15 doença extrapulmonar. As afecções4 subjacentes foram malignidade hematológica (N=20), transplante alogênico de medula óssea45 ou transplante de células-tronco46 (N=16), transplante de órgãos (N=7), tumor47 sólido (N=2) ou outras afecções4 (N=9). Todos os pacientes admitidos no estudo receberam tratamentos concomitantes para suas outras afecções4 subjacentes. Dezesseis pacientes receberam tacrolimus e CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) concomitantemente; destes, 8 receberam também micofenolato mofetil.


No geral, o painel de especialistas determinou que 41% (22/54) dos pacientes que receberam no mínimo uma dose de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) apresentaram resposta favorável. Entre os pacientes que receberam CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) por um período superior a 7 dias, 49% (22/45) apresentaram resposta favorável. As taxas de resposta favorável para os pacientes que apresentavam resistência ou intolerância aos tratamentos prévios foram de 34% (15/44) e de 70% (7/10), respectivamente. As taxas de resposta entre os pacientes com doença pulmonar e doença extrapulmonar foram de 46% (18/39) e de 27% (4/15), respectivamente.

Também foi realizada uma revisão dos prontuários médicos de 206 pacientes com aspergilose invasiva para avaliar a resposta aos tratamentos convencionais (não os de pesquisa). As características dos pacientes e os fatores de risco importantes nessa revisão foram similares aos dos pacientes admitidos no estudo não comparativo aberto (veja acima) e foram usadas as mesmas definições rigorosas para o diagnóstico43 e os resultados. Para inclusão nesse estudo, os pacientes deveriam ter apresentado aspergilose invasiva e ter recebido, no mínimo, 7 dias de tratamento antifúngico convencional. A taxa de resposta favorável desse estudo de controle histórico foi de 17% (35/206) para o tratamento convencional, comparada à taxa de resposta favorável de 41% (22/54) para CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) no estudo não comparativo aberto. Os resultados das análises multivariadas demonstraram relação de probabilidade de mais de 3 para CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD), com um intervalo de confiança de 95% excluindo 1, sugerindo benefício do tratamento com CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD).

TOXICOLOGIA EM ANIMAIS

Toxicidade37 Aguda: a DL50 intravenosa aproximada para camundongos e ratos situa-se entre 25 e 50 mg/kg.


Toxicidade37 Crônica: várias alterações relacionadas ao tratamento foram observadas nos estudos de toxicidade37 intravenosa em ratos e macacos Rhesus, tais como sinais44 de liberação de histamina48 em ratos, níveis de transaminases séricas aumentados em macacos e irritação no local da injeção49 nas duas espécies.


Em estudos de toxicidade37 intravenosa com 5 e 14 semanas de duração em ratos, 5 mg/kg/dia produziram sinais44 de liberação de histamina48, que consistiam em hiperemia50 e edema51 das extremidades, movimentos lentos ou ataxia52 e postura reclinada. Esses sinais44 ocorreram apenas durante os primeiros 7 a 9 dias da administração, presumivelmente em razão da depleção53 da histamina48 endógena. No geral, nos estudos com ratos, 2 mg/kg/dia foram estabelecidos como o nível sem efeito para liberação de histamina48. Não foram relatados sinais44 de liberação de histamina48 em estudos de administração intravenosa com 5, 14 e 27 semanas de duração em macacos. Em estudos farmacológicos auxiliares, uma infusão de 8 mg/kg durante 20 minutos não produziu efeitos adversos em macacos; entretanto, injeções em bolo de 5 ou 8 mg/kg produziram de fato sinais44 de liberação de histamina48 que foram revertidos com injeção49 de ciproheptadina.


Nos estudos de toxicidade37 intravenosa com 5, 14 e 27 semanas de duração em macacos, os níveis de ALT e/ou AST aumentaram ligeiramente, porém, retornaram aos níveis do período basal ou permaneceram ligeiramente elevados durante o transcorrer dos estudos. Em um estudo de 5 semanas de duração, pequenos focos difusos de necrose54 subcapsular foram observados com microscópio no fígado55 de alguns animais; entretanto, esse achado histopatológico não se repetiu em outros estudos com até 27 semanas de duração que empregaram a mesma dose ou doses mais altas. O nível sem efeito para as elevações nas transaminases séricas após tratamento intravenoso é de 1,5 mg/kg/dia em macacos e de mais de 5 mg/kg/dia em ratos (a dose mais alta testada).


Durante os estudos de toxicidade37 intravenosa de 5, 14 e 27 semanas de duração com ratos e macacos, foram observados sinais44 clínicos e histopatológicos de irritação no local da injeção49. No geral, o nível posológico sem efeito para irritação no local da injeção49 foi de 1,8 mg/kg/dia (0,18 mg/mL) em ratos e de 3 mg/kg/dia (0,25 mg/mL) em macacos. Nos estudos com animais, a lavagem eficaz dos cateteres endovenosos antes e após a administração minimizou a irritação no local da injeção49.

Indicação de Cancidas

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) é indicado para o tratamento da aspergilose invasiva em pacientes que apresentam resistência ou intolerância a outros tratamentos.

Contra-Indicações de Cancidas

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) é contra-indicado para pacientes20 com hipersensibilidade a qualquer componente do produto.

Precauções de Cancidas

O uso concomitante de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) com ciclosporina não é recomendado. Em um estudo clínico, 3 de 4 indivíduos sadios que receberam 70 mg de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) do 1° ao 10° dia e que também receberam duas doses de 3 mg/kg de ciclosporina com intervalo de 12 horas no 10° dia desenvolveram aumentos transitórios dos níveis de alanina transaminase (ALT) -2 a 3 vezes o limite superior da normalidade (LSN) no 11° dia. Em um painel separado de indivíduos admitidos no mesmo estudo, 2 de 8 indivíduos que receberam 35 mg por dia de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) durante 3 dias e ciclosporina (duas doses de 3 mg/kg administradas com 12 horas de intervalo) no 1° dia apresentaram pequenos aumentos nos níveis de ALT (ligeiramente acima do LSN) no 2° dia. Nos dois grupos, os aumentos de aspartato transaminase (AST) assemelharam-se aos observados com a ALT, porém, foram de menor magnitude (veja REAÇÕES ADVERSAS). Por essa razão, o uso concomitante de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) e ciclosporina não é recomendado até que o uso de múltiplas doses seja estudado em pacientes.

Gravidez3

Não há experiência clínica envolvendo mulheres grávidas. Em ratas, a caspofungina causou redução dos pesos corpóreos fetais e aumento da incidência56 de ossificação incompleta do crânio57 e do tronco, com a administração de uma dose tóxica de 5 mg/kg/dia a fêmea prenhe. Além disso, com essa mesma dose, houve aumento da incidência56 de costela cervical em ratos. A caspofungina demonstrou cruzar a barreira placentária em estudos com animais.

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não deve ser usado durante a gravidez3, a menos que estritamente necessário.

Nutrizes58

Não se sabe se essa medicação é excretada no leite humano; portanto, mulheres recebendo CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não devem amamentar.

Carcinogenicidade

Não foram realizados estudos prolongados com animais para avaliar o potencial carcinogênico da caspofungina.

Mutagênese

O acetato de caspofungina foi avaliado nas seguintes séries de ensaios in vitro e não se mostrou mutagênico ou genotóxico: ensaios de mutagênese bacteriana (Ames), de células21 de mamíferos (fibroblastos59 de pulmão60 de hamster chinês V79), teste de eluição alcalina/ruptura de filamento de DNA de hepatócito de rato e teste de aberração cromossômica em células21 de ovário61 de hamster chinês. Além disso, no teste in vivo de cromossomas de medula óssea45 de camundongo, o acetato de caspofungina não foi genotóxico em doses de até 12,5 mg/kg administradas por via intravenosa.

Reprodução62

As fêmeas de rato que receberam 0,5, 2 e 5 mg/kg/dia de acetato de caspofungina por via intravenosa durante 16 dias antes da coabitação, durante a coabitação e até o 7o dia de gestação não mostraram efeitos relacionados com a substância no acasalamento, na fecundidade, na fertilidade ou na sobrevida33 embrionária. Os ratos machos tratados com 0,5, 2 e 5 mg/kg/dia por via intravenosa (dose máxima testada) durante 28 dias antes do acasalamento não mostraram efeito na fertilidade.

Desenvolvimento

Não foram observados efeitos no desenvolvimento dos ratos com uma dose de 2 mg/kg/dia. Com a dose tóxica de 5 mg/kg/dia administrada a fêmea prenhe, que resultou em exposição plasmática de aproximadamente 1,5 vezes a exposição plasmática observada com a administração de 70 mg a seres humanos, a caspofungina causou redução dos pesos corpóreos fetais e aumento da incidência56 de ossificação incompleta do crânio57 e do tronco. Além disso, com essa mesma dose, houve aumento da incidência56 de costela cervical em ratos.


Em um estudo de toxicidade37 intravenosa em coelhos, no qual o acetato de caspofungina foi administrado a coelhas prenhes nas posologias de 1, 3 e 6 mg/kg/dia do sétimo ao vigésimo dia de gestação, não foram detectados nos fetos achados morfológicos externos, viscerais ou esqueléticos relacionados ao tratamento. Portanto, o nível sem efeito para toxicidade37 no desenvolvimento foi superior a 6 mg/kg/dia. O nível sem efeito para toxicidade37 materna (com base em reduções mínimas no ganho médio de peso corpóreo materno e no consumo de alimento) foi de 3 mg/kg/dia. As coelhas prenhes que receberam 5 mg/kg/dia apresentaram exposições plasmáticas de aproximadamente 1,5 vezes a exposição plasmática observada em seres humanos aos quais se administrou 70 mg.
O acetato de caspofungina mostrou cruzar a barreira placentária em estudos com animais.

Uso Pediátrico

O acetato de caspofungina não foi estudado em crianças; seu uso não é recomendado para pacientes20 com menos de 18 anos de idade.

Uso em idosos
Não é necessário ajuste posológico para pacientes20 idosos (a partir de 65 anos de idade).

Interações Medicamentosas de Cancidas

Estudos in vitro mostram que o acetato de caspofungina não é um inibidor de qualquer enzima42 do sistema do citocromo P450 (CYP). Em estudos clínicos, a caspofungina não induziu o metabolismo24 do CYP3A4 de outras medicações. A caspofungina não é um substrato para a glicoproteína-P e é um substrato fraco para as enzimas do citocromo P450.

CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) reduziu em 26% a concentração sangüínea de 12 horas (C12h) do tacrolimus (FK-506). Para os pacientes que estejam recebendo as duas terapias, recomenda-se monitorização-padrão das concentrações sangüíneas e ajuste posológico apropriado do tacrolimus.

Em dois estudos clínicos, a ciclosporina (uma dose de 4 mg/kg ou duas doses de 3 mg/kg) aumentou em aproximadamente 35% a AUC da caspofungina, provavelmente em decorrência da captação reduzida da caspofungina pelo fígado55. CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não aumentou os níveis plasmáticos da ciclosporina. Ocorreram aumentos transitórios de ALT e AST quando CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) e ciclosporina foram administrados concomitantemente.

Os resultados de triagem farmacocinética na população sugerem que a administração concomitante de indutores da depuração de medicamentos e/ou indutores/inibidores mistos com CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) pode resultar em reduções clinicamente significativas das concentrações da caspofungina. Esses resultados foram obtidos em um pequeno número de pacientes, aos quais se administrou indutores e/ou indutores/inibidores mistos efavirenz, nelfinavir, nevirapina, rifampicina, dexametasona, fenitoína ou carbamazepina antes e/ou concomitantemente com a caspofungina. Portanto, ao administrar CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) concomitantemente com efavirenz, nelfinavir, nevirapina, rifampicina, dexametasona, fenitoína, ou carbamazepina deve-se considerar o aumento da dose diária de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) para 70 mg, após a dose de carga habitual de 70 mg (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO).

Estudos clínicos envolvendo voluntários sadios mostram que a farmacocinética de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não é alterada pelo itraconazol, pela anfotericina B, pelo micofenolato, ou pelo tacrolimus. CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não exerce efeito na farmacocinética do itraconazol, da anfotericina B ou do metabólito63 ativo do micofenolato.

Reações Adversas de Cancidas

A segurança global da caspofungina foi avaliada em 612 indivíduos que receberam doses únicas ou múltiplas de acetato de caspofungina. Entre os pacientes admitidos nos estudos clínicos fases II e III, 58 pacientes apresentavam aspergilose invasiva e 277, candidíase64 orofaríngea65 e/ou esofágica (indicações ainda não aprovadas para CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD). Os 58 pacientes com aspergilose invasiva foram admitidos em um estudo aberto e não comparativo; a maioria desses pacientes apresentava malignidades hematológicas subjacentes. Três estudos controlados com medicação ativa, envolvendo basicamente pacientes infectados pelo HIV66, compararam a segurança da caspofungina com o fluconazol (N=93) ou a anfotericina B (N=89) no tratamento da candidíase64 orofaríngea65 e/ou esofágica.

As experiências adversas clínicas relacionadas à medicação cuja incidência56 foi > 3% em pacientes tratados com CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) no estudo não comparativo na aspergilose são apresentadas na tabela 1.

TABELA 1
Experiências Clínicas Adversas Relacionadas à Medicação Relatadas por Pacientes com Aspergilose Invasiva (estudo aberto, não comparativo)* Incidência56 > 3% por Sistema Orgânico
 CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) 50 mg N=58
(percentual)
Organismo em geral  
Febre5 3,4
Vascular67 Periférico  
Flebite68/Tromboflebite69 e/ou complicações
na linha venosa  3,4
Sistema Digestivo70  
Náusea9 3,4
Vômito11 3,4
Pele71 e Anexos72 da Pele71    
Rubor da face12 e do pescoço13 3,4

*A relação com a medicação foi determinada pelo pesquisador como possível, provável ou definitiva. Os pacientes receberam 70 mg de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) no 1o dia e a seguir, 50 mg ao dia durante o período restante do tratamento.
As experiências adversas clínicas relacionadas à medicação que ocorreram em > 3% dos pacientes em 3 estudos controlados com medicação ativa nas outras indicações estudadas, que não a aspergilose, são apresentadas na tabela 2.

TABELA 2

Experiências Clínicas Adversas Relacionadas à Medicação Entre os Pacientes com Candidíase64 Orofaríngea65 e/ou Esofágica (estudos comparativos)* Incidência56 > 3% pa-
ra no mínimo uma dose da medicação (por comparação) por Sistema Orgânic
 CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD)
50 mg
Fluconazol
200 mg CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD)
50 mg
CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD)
70 mg AnfotericinaB
0,5 mg/kg
 (N=84) (N=93) (N=80) (N=65) (N=89)
 (percentual)  (percentual)  (percentual)  (percentual)  (percentual)  
Organismo em geral          
Astenia73/fadiga74  ** ** 0,0 0,0 6,7
Calafrios75 ** ** 2,5 1,5 75,3
Edema51/tumefação76  ** ** 0,0 0,0 5,6
Edema51, facial  ** ** 0,0 3,1 0,0
Febre5 3,6 1,1 21,3 26,2 69,7
Doença semelhante à gripe77
** ** 0,0 3,1 0,0
Mal-estar ** ** 0,0 0,0 5,6
           
Dor  ** ** 1,3 4,6 5,6
Dor abdominal  3,6 2,2 2,5 0,0 9,0
Sensação de calor ** ** 0,0 1,5 4,5
Sistema Cardiovascular78          
Taquicardia79  ** ** 1,3 0,0 4,5
Vascular67 Periférico          
Flebite68/tromboflebite69
e/ou complicação na linha venosa
23,8 17,2   12,5  15,4  22,5  
Vasculite80  ** **   0,0  0,0  3,4  
Sistema Digestivo70          
Anorexia81  ** **   1,3  0,0  3,4  
Diarréia10  3,6 2,2  1,3  3,1  11,2  
Náusea9  6,0 6,5   2,5  3,1  21,3  
Vômito11  1,2 3,2   1,3  3,1  13,5  
Sistema Musculoesquelético
         
Mialgia82  ** **   0,0  3,1  2,2  
Sistema Nervoso83 e Psiquiátrico          
Cefaléia8  6,0 1,1   11,3  7,7  19,1  
Parestesia84  ** **   1,3  3,1  1,1  
Tremor  ** **   0,0  0,0  7,9  
Sistema Respiratório85          
Taquipnéia86  ** **   1,3   0,0   4,5  
Pele71 e Anexos72 da Pele71          
Eritema87  ** **   1,3  1,5  7,9  
Erupção14 cutânea15  ** **   1,3  4,6  3,4  
Sudorese88  ** **   1,3  0,0  3,4  

*CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) ainda não está aprovado para o tratamento da candidíase64 orofaríngea65 e/ou esofágica. A relação com a medicação foi determinada pelo pesquisador como possível, provável ou definitiva. Os pacientes nesses três estudos eram basicamente HIV66 positivos, enquanto a maioria dos pacientes no estudo sobre aspergilose apresentava malignidades subjacentes, conforme descrito no texto. Os pacientes que receberam 35 mg de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) por dia nesses estudos não estão incluídos nesta tabela.
**Incidência56 < 3%

Achados de Testes Laboratoriais
As anormalidades laboratoriais relacionadas à medicação que ocorreram em > 3% dos pacientes em 3 estudos controlados com medicação ativa nas outras indicações estudadas, que não a aspergilose, são apresentadas na tabela 3.

TABELA 3
Anormalidades Laboratoriais Relacionadas à Medicação em Pacientes com Candidíase64 Orofaríngea65 e/ou Esofágica (estudos comparativos)* Incidência56 > 3% (para no mínimo 1 dose da medicação) por Categoria de Teste Laboratorial  
 CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD)
50 mg
CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD)
70 mg
Fluconazol
200 mg
Anfotericina B
0,5 mg/kg

 (N=164) (N=65) (N=93) (N=89)
 (percentual) (percentual) (percentual) (percentual)
Bioquímica do Sangue16          
Aumento da ALT  10,5 10,8 12,0 22,7
Aumento da AST  13,0 10,8 13,0 22,7
Aumento da uréia89 sangüínea  0,0 0,0 1,2 10,3
Redução da albumina22 sérica  8,6 4,6 5,4 14,9
Aumento da fosfatase alcalina90 sérica  10,4 7,7 12,0 19,3
Redução do bicarbonato sérico  0,9 0,0 0,0 6,6
Redução do cálcio sérico  1,8 0,0 3,3 1,1
Aumento da creatinina35 sérica  0,0 1,5 2,2 28,1
Redução do potássio sérico  3,7 10,8 4,3 31,5
Redução do sódio sérico  1,8 1,5 3,3 1,1
Aumento do ácido úrico sérico  0,6 0,0 0,0 3,4
Aumento da bilirrubina91 sérica total  0,0 0,0 3,3 4,5
Redução da proteína sérica total  3,1 0,0 3,3 3,4
Hematologia          
Eosinofilia92 3,1 3,1 1,1 1,1
Redução do Hematócrito93  11,0 1,5 5,4 32,6
Redução da hemoglobina94  12,3 3,1 5,4 37,1
Neutropenia95  1,8 3,1 3,3 1,1
Plaquetopenia96  3,1 1,5 2,2 3,4
Leucopenia97  6,1 4,6 8,7 7,9
Urina27 tipo I          
Hematúria98  0,0 0,0 0,0 4,0
Aumento de cilindros urinários  0,0 0,0 0,0 8,0
Aumento do pH urinário  0,8 0,0 0,0 3,6
Proteinúria99  1,2 0,0 3,3 4,5
Eritrocitúria  1,1 3,8 5,1 12,0
Leucocitúria  0,0 7,7 0,0 24,0

*CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) ainda não está aprovado para o tratamento da candidíase64 orofaríngea65 e/ou esofágica. Os pacientes que receberam 35 mg de CANCIDAS™ (Acetato de caspofungina, MSD) por dia nesses estudos não estão incluídos nesta tabela.

Posologia e Administração de Cancidas

Recomendações Gerais

Uma dose única de carga de 70 mg deve ser administrada no 1o dia seguida por 50 mg diariamente. CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) deve ser administrado por infusão intravenosa lenta, durante aproximadamente 1 hora. A duração do tratamento deve basear-se na gravidade da doença subjacente, na recuperação da imunossupressão100 e na resposta clínica. Embora não haja informação que demonstre aumento da eficácia com doses mais altas, os dados disponíveis sobre segurança sugerem que o aumento da dose diária para 70 mg pode ser considerado em pacientes nos quais CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) foi bem tolerado sem evidência de resposta clínica.

Não há necessidade de ajuste posológico para pacientes20 idosos (a partir de 65 anos de idade).

Não há necessidade de ajuste posológico com base no sexo, na raça ou no comprometimento renal29.

Ao administrar CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) concomitantemente com os indutores do metabolismo24 e/ou os indutores/inibidores mistos efavirenz, nelfinavir, nevirapina, rifampicina, dexametasona, fenitoína ou carbamazepina deve-se considerar aumento da dose diária de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) para 70 mg, após a dose de carga usual de 70 mg.

Pacientes com Insuficiência Hepática32

Pacientes com insuficiência hepática32 leve (escore de Child-Pugh de 5 a 6) não requerem ajuste posológico. Entretanto, para pacientes20 com insuficiência hepática32 moderada (escore de Child-Pugh de 7 a 9), após a dose inicial de carga de 70 mg, recomenda-se a administração de 35 mg de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) por dia. Não há experiência clínica em pacientes com insuficiência hepática32 grave (escore de Child-Pugh acima de 9).

Reconstituição de CANCIDAS TM (Acetato de caspofungina, MSD) NÃO USAR DILUENTES CONTENDO GLICOSE101 (a-D-GLICOSE101), uma vez que CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) não se mantém estável em diluentes que contenham glicose101. NÃO MISTURAR NEM PROCEDER A INFUSÃO CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) E OUTRAS MEDICAÇÕES, uma vez que não há dados disponíveis sobre a compatibilidade de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) com outras substâncias, aditivos ou medicações intravenosas. Inspecionar visualmente a solução de infusão quanto à presença de micropartículas ou alteração de cor.

Etapa 1 Reconstituição dos frascos convencionais
Para reconstituir a medicação em pó, deixar o frasco convencional refrigerado de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) atingir a temperatura ambiente e acrescentar sob condições de assepsia102 10,5 mL de água estéril para injeção49, água bacteriostática para injeção49 com metilparabeno e propilparabeno ou água bacteriostática para injeção49 com álcool benzílico a 0,9%. A concentração dos frascos reconstituídos será 7 mg/mL (frasco de 70 mg) ou 5 mg/mL (frasco de 50 mg).

O pó, de coloração branca a esbranquiçada, irá se dissolver completamente. Misture delicadamente, até que seja obtida uma solução transparente. As soluções reconstituídas devem ser visualmente inspecionadas quanto à presença de micropartículas ou alteração de cor. Essa solução reconstituída pode ser armazenada durante até 24 horas em temperatura até 25° C.

Etapa 2 Adição de CANCIDAS (Acetato de caspofungina, MSD) reconstituído à solução de infusão
Os diluentes para as soluções de infusão finais são: solução salina estéril para injeção49 ou solução de lactato103 de Ringer. A solução-padrão é preparada acrescentando-se, sob condições de assepsia102, o volume apropriado da medicação reconstituída (como mostrado na tabela abaixo) a uma bolsa ou frasco de 250 mL para administração intravenosa. Podem ser usadas infusões de volume reduzido em 100 mL, quando clinicamente necessário, para as doses diárias de 50 mg ou 35 mg. Não usar se a solução apresentar-se turva ou com precipitados. Essa solução de infusão deve ser usada em 24 horas se armazenada em temperatura até 25° C ou em 48 horas se armazenada sob refrigeração em temperatura entre 2 e 8° C. CANCIDAS™ (Acetato de caspofungina, MSD) deve ser administrado por infusão intravenosa lenta, durante aproximadamente 1 hora.

Preparação das Soluções de Infusão de Cancidas

DOSE *
Volume de CANCIDAS
(Acetato de aspofungina
, MSD) reconstituído para transferência para bolsa
ou frasco para uso intravenoso Preparação típica CANCIDAS
(Acetato de caspofungina, MSD) Infusão de volume reduzi-do (CANCIDAS (Acetato decaspofungi-na, MSD) recons-tituído adicionado a 100 mL) concentração final
 Volume de CANCIDAS (Acetato de caspofun-gina, MSD) reconstituído para transferência para bolsa ou frasco para uso intravenoso Preparação típica CANCIDAS
(Acetato de caspofungina, MSD) reconstituído adicion-ado a 250 mL) concen-tração final Infusão de volume reduzido(CANCIDAS (Acetato de caspofun-gina,MSD)reconstituído adicionado a 100 mL) con-centração final
70 mg 10 mL 0,27 mg/mL não recomendado
70 mg (de dois
frascos de 50 mg)** 14 mL 0,27 mg/mL não recomendado
50 mg 10 mL 0,19 mg/mL -
50 mg em volume reduzido 10 mL - 0,45 mg/mL
35 mg para insufi-ciência hepática104 moderada (de um frasco de 50 mg) 7 mL 0,14 mg/mL -
35 mg para insufi-ciência hepática104 moderada (de um
frasco de 50 mg) em volume reduzido 7 mL - 0,32 mg/mL

* Devem ser usados 10,5 mL para a reconstituição de todos os frascos
** Se não houver frascos de 70 mg, a dose de 70 mg pode ser preparada a partir de dois frascos de 50 mg

Superdosagem de Cancidas

Não foram relatados casos de superdosagem. A dose mais alta, de 100 mg, administrada como dose única a 5 indivíduos, em geral apresentou boa tolerabilidade. A caspofungina não é dialisável.

PACIENTES IDOSOS:

Não é necessário ajuste posológico para pacientes20 idosos (a partir de 65 anos de idade).

CANCIDAS - Laboratório

Merck Sharp & Dohme
Rua 13 de Maio, 815
Sousas, Campinas/SP
Tel: 0800-122232
Site: http://www.msdonline.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Merck Sharp & Dohme"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Afecções: Quaisquer alterações patológicas do corpo. Em psicologia, estado de morbidez, de anormalidade psíquica.
5 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
6 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
7 Inchaço: Inchação, edema.
8 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
9 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
10 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
11 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
12 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
13 Pescoço:
14 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
15 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
16 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
19 Imunossupressor: Medicamento que suprime a resposta imune natural do organismo. Os imunossupressores são dados aos pacientes transplantados para evitar a rejeição de órgãos ou para pacientes com doenças autoimunes.
20 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
21 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
22 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
23 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
24 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
25 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
26 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
27 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
28 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
29 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
30 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
31 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
32 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
33 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
34 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
35 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
36 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
37 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
38 Histopatologia: Histologia de tecidos orgânicos que apresentam lesões. A histologia é uma disciplina biomédica que realiza estudos da estrutura microscópica, composição e função dos tecidos vivos.
39 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
40 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
41 Lavado broncoalveolar: O lavado broncoalveolar é um procedimento com objetivos diagnósticos e terapêuticos, utilizado para se obter amostras das vias aéreas menores, as quais não se podem observar através de um broncoscópio. Depois de ajustar o broncoscópio dentro da via respiratória inferior, o médico instila solução salina através desse instrumento. A seguir, aspira-se o líquido e com ele as células e algumas bactérias para o interior do broncoscópio. O exame dessas substâncias ao microscópio contribui para diagnosticar alguns tumores e infecções.
42 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
43 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
44 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
45 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
46 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
47 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
48 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
49 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
50 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
51 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
52 Ataxia: Reflete uma condição de falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários podendo afetar a força muscular e o equilíbrio de uma pessoa. É normalmente associada a uma degeneração ou bloqueio de áreas específicas do cérebro e cerebelo. É um sintoma, não uma doença específica ou um diagnóstico.
53 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
54 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
55 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
56 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
57 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
58 Nutrizes: Mulheres que amamentam; amas de leite; que alimentam.
59 Fibroblastos: Células do tecido conjuntivo que secretam uma matriz extracelular rica em colágeno e outras macromoléculas.
60 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
61 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
62 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
63 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
64 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
65 Orofaríngea: Relativo à orofaringe.
66 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
67 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
68 Flebite: Inflamação da parede interna de uma veia. Pode ser acompanhada ou não de trombose da mesma.
69 Tromboflebite: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
70 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
71 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
72 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
73 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
74 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
75 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
76 Tumefação: Ato ou efeito de tumefazer-se. Em patologia, significa aumento de volume em algum tecido do corpo; tumor, intumescência, inchação.
77 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
78 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
79 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
80 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
81 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
82 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
83 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
84 Parestesia: Sensação cutânea subjetiva (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) vivenciada espontaneamente na ausência de estimulação.
85 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
86 Taquipneia: Aceleração do ritmo respiratório.
87 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
88 Sudorese: Suor excessivo
89 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
90 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
91 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
92 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
93 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
94 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
95 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
96 Plaquetopenia: Plaquetopenia ou trombocitopenia é a diminuição do número de plaquetas (trombócitos) que participam na coagulação. Habitualmente o sangue contém de 150.000 a 350.000 plaquetas por microlitro. Muitas doenças podem reduzir o número de plaquetas, as principais causas são uma produção insuficiente na medula óssea, o sequestro das plaquetas por um baço grande, o aumento do uso dos trombócitos, da sua destruição ou a sua diluição no sangue.
97 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
98 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
99 Proteinúria: Presença de proteínas na urina, indicando que os rins não estão trabalhando apropriadamente.
100 Imunossupressão: Supressão das reações imunitárias do organismo, induzida por medicamentos (corticosteroides, ciclosporina A, etc.) ou agentes imunoterápicos (anticorpos monoclonais, por exemplo); que é utilizada em alergias, doenças autoimunes, etc. A imunossupressão é impropriamente tomada por alguns como sinônimo de imunodepressão.
101 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
102 Assepsia: É o conjunto de medidas que utilizamos para impedir a penetração de micro-organismos em um ambiente que logicamente não os tem. Logo um ambiente asséptico é aquele que está livre de infecção.
103 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
104 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.

Tem alguma dúvida sobre CANCIDAS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.