Hantina

APSEN

Atualizado em 08/12/2014

Hantina®

Nitrofurantoína

Formas Farmacêuticas e Apresentações da Hantina

Suspensão oral - 5 mg/ml - em caixa com 1 frasco contendo 120 ml

USO PEDIÁTRICO OU ADULTO

Composição da Hantina

Cada ml da suspensão oral contém:

Nitrofurantoína ..................................................... 5 mgVeículo* q.s.p. ............................................................. 1 ml
*Veículo: Sacarose, Sacarina1 sódica, Ácido cítrico, Citrato de sódio, Metilparabeno, Propilparabeno, Hidroxietilcelulose, Glicerol, Sorbitol2 70%, Silicato de alumínio e magnésio, Álcool etílico, Mentol cristalizado, Vanilina, Essência de aniz natural, Dimeticona, Hidróxido de sódio, Polioxil 40 óleo de rícino hidrogenado, Metabissulfito de sódio, Água deionizada.


Informações ao Paciente da Hantina

Ação esperada do medicamento: HANTINA® é um antimicrobiano específico para o trato urinário3, cujo princípio ativo é a nitrofurantoína. A nitrofurantoína é empregada em infecções4 urinárias provocadas por bactérias sensíveis, como curativo ou preventivo5.

Cuidados de armazenamento: A suspensão oral deve ser mantida em sua embalagem original, na temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e proteger da luz.

Prazo de validade: Não utilize medicamento com a validade vencida. O prazo de validade de HANTINA® suspensão oral está impresso na embalagem e é de 24 meses após a data de fabricação.

Gravidez6 e lactação7: Informe seu médico a ocorrência de gravidez6 na vigência do tratamento ou após o seu
término. Informar igualmente se estiver amamentando. Nestes casos, somente o seu médico pode determinar se você deve continuar o tratamento com HANTINA®.

Cuidados de administração: Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Em crianças, tome a suspensão oral durante as refeições e junto com alimentos doces.

Interrupção do tratamento: Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Reações Adversas: Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis. As reações mais freqüentes são náuseas8, perda de apetite, vômitos9, dor abdominal e diarréia10. Para reduzir a ocorrência dessas reações, administre HANTINA® com leite e durante as refeições. A coloração amarelada da urina11 é normal quando se toma o medicamento.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS

Ingestão concomitante com outras substâncias: HANTINA® não deve ser administrado com medicamentos
contendo probenecida. A alcalinização do suco gástrico pode interferir com a absorção do fármaco12. Qualquer medicamento só deve ser utilizado sob a supervisão e cuidado médico.

Contra-indicações e precauções: Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
HANTINA® deve ser empregada com cuidado em pacientes com diabetes13, hipovitaminose B, nefro14 ou hepatopatia, anemia15 e doenças debilitantes.

Riscos da auto-medicação:
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO; PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE16.

Informações Técnicas da Hantina

Características da Hantina

HANTINA® é um medicamento antimicrobiano específico para o trato urinário3, cujo princípio ativo é a nitrofurantoína. A nitrofurantoína é um derivado do furano empregado em infecções4 urinárias provocadas por bactérias sensíveis, como curativo ou preventivo5. Seu espectro antibacteriano inclui a maioria dos uropatogênicos Escherichia coli, Streptococcus faecalis e Staphylococcus aureus, Proteus, Salmonella, enterobactérias, enterococo, estreptococos. Os microorganismos do grupo KES - Klebsiella, Enterobacter, Serratia - e pseudomonas, apresentam resistência parcial à nitrofurantoína.A nitrofurantoína interfere no metabolismo17 bacteriano, afetando as enzimas responsáveis pela síntese protéica, sem ocasionar resistência microbiana, nem mesmo a transferível.
A HANTINA®, nitrofurantoína em macrocristais, permite o retardamento da solubilidade no aparelho gastroentérico, reduzindo com isso os efeitos indesejáveis (náuseas8 e vômitos9) sem, contudo, modificar sua concentração na excreção urinária. A nitrofurantoína é absorvida com facilidade no tubo digestivo. A ligação às proteínas18 plasmáticas é da ordem de 20 a 60%, e a meia-vida é de cerca de 20 minutos nos pacientes com função renal19 normal.
Metabolizada em parte a nível hepático, a nitrofurantoína é excretada inalterada (40% da dose), na urina11, por
filtração glomerular e a excreção tubular, sendo uma fração do fármaco12 reabsorvida distalmente. Trinta minutos após a administração, são encontradas concentrações terapêuticas na urina11.
A nitrofurantoína é excretada por via renal19, na forma ativa.
A nitrofurantoína é altamente solúvel na urina11, conferindo-lhe uma coloração amarelada.
O reduzido teor de eliminação biliar e fecal explica porque não atinge a flora bacteriana intestinal normal, a qual conserva-se inalterada e equilibrada. A administração simultânea com alimentos não interfere na biodisponibilidade do produto. A alcalinização urinária favorece o grau de ionização do fármaco12, aumentando a concentração e reduzindo a reabsorção tubular e a eficácia antibacteriana.

Indicações da Hantina

Tratamento de infecções4 urinárias agudas e crônicas tais como: cistites, pielites, pielocistites e pielonefrites,
produzidas por bactérias sensíveis à nitrofurantoína, (Escherichia coli, Enterococos, Staphylococcus aureus,
Klebsiella sp., Proteus sp. ou outras).
Profilaxia das infecções4 urinárias, antes e durante as intervenções cirúrgicas, ou investigações instrumentais
das vias urinárias.


Contra-Indicações da Hantina

Hipersensibilidade à nitrofurantoína. Insuficiência20 de glicose21-6-fosfodesidrogenase.Anúria22, oligúria23 ou comprometimento significativo da função renal19 (clearance
de creatinina24 abaixo de 40 ml/minuto).
O tratamento destes pacientes apresenta um aumento do risco de toxicidade25 devido a redução da excreção
da nitrofurantoína.
Na fase final da gestação e em crianças com menos de três meses de idade, devido ao risco de anemia hemolítica26,
motivada pela imaturidade do sistema enzimático.

Advertências da Hantina

Reações pulmonares agudas, subagudas e crônicas, foram observadas em pacientes tratados com a nitrofurantoína.
Caso ocorram, o tratamento deverá ser suspenso e tomadas as medidas apropriadas.
Casos de anemia hemolítica26, semelhantes aos que ocorrem por sensibilidade à primaquina, foram relatados.
Qualquer sinal27 de hemólise28 indica a suspensão do tratamento, pois ela é reversível com a retirada do medicamento.

Precauções da Hantina

O aparecimento de sinais29 pulmonares, de parestesias30 das extremidades ou de hemólise28, requer a suspensão da terapia.A neuropatia periférica31 poderá raramente ocorrer, em pacientes portadores de diabetes13, hipovitaminose B, nefro14 ou hepatopatia, anemia15 e doenças debilitantes.
A nitrofurantoína deve ser empregada com cuidado nesse grupo de pacientes. A redução posológica ou a
suspensão do medicamento, promoverá a necessária reversão do quadro clínico.
É possível, como para qualquer antibacteriano, o desenvolvimento de microorganismos resistentes, especialmente o Pseudomonas. É importante realizar o teste de sensibilidade à nitrofurantoína e os exames bacteriológicos para detectar possível resistência.
A coloração amarelada forte da urina11, não tem relevância prática.

Gravidez6 e lactação7
A segurança da nitrofurantoína na gravidez6 e lactação7 não foi estabelecida, razão pela qual, o seu emprego
nestas condições exige avaliação criteriosa dos riscos e benefícios.

Idosos
Devem ser observadas as mesmas recomendações relativas aos adultos e crianças.

Interações Medicamentosas da Hantina

A probenecida reduz a excreção tubular da nitrofurantoína o que pode provocar uma concentração urinária
insuficiente e conseqüente aumento da taxa plasmática, com maior risco de efeitos tóxicos. A alcalinização
do suco gástrico pode interferir com a absorção do fármaco12, devendo ser evitada a administração simultânea de antiácidos32.

Reações Adversas da Hantina

Anorexia33, náuseas8 e vômitos9 poderão ocorrer, além de dor abdominal e diarréia10 . A incidência34 desses sintomas35 é reduzida com a ingestão do medicamento acompanhado de leite ou alimento sólido.Cefaléia36, tonteira, sonolência e mialgias37, são controláveis da mesma forma ou com a administração de medicação auxiliar. Erupções cutâneas38, febre39, calafrios40, icterícia41, eosinofilia42 e reações pleuro-pulmonares poderão ocorrer nos pacientes hipersensíveis à droga. A supressão do medicamento assegura o imediato desaparecimento desses sintomas35.

Posologia da Hantina

SUSPENSÃO ORAL
ADULTOS: 50 a 100 mg, 4 vezes ao dia, durante 7 a 10 dias, às refeições. Nos casos necessários, a critério médico, a dose diária poderá ser de 8 a 10 mg/kg, ou por períodos mais prolongados.

SUSPENSÃO ORAL
CRIANÇAS: 5 a 7 mg por kg de peso/dia, divididos em 4 vezes ao dia, durante 7 a 10 dias, durante as refeições e junto com alimentos doces.

A tabela a seguir tem o objetivo de facilitar a administração de HANTINA® Suspensão. Está baseada numa posologia média de 5 a 7 mg de HANTINA® Suspensão por kg/peso, administrada durante 24 horas.


OBSERVAÇÃO: A terapêutica43 deverá ser continuada, no mínimo, por mais 3 dias, após a urina11 tornar-se límpida e isenta de germes. Caso a infecção44 persista, será necessária a reavaliação do caso. Se for necessário o uso do medicamento por longo prazo, a redução da dose deverá ser considerada.

Conduta na Superdosagem da Hantina

Não existe antídoto45 específico para a nitrofurantoína. Nos casos de superdosagem devem ser adotadas as medidas necessárias de acordo com a sintomatologia e o quadro clínico do paciente.

- PACIENTES IDOSOS

As doses e cuidados para pacientes46 idosos, são as mesmas recomendadas para os adultos e crianças.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Nº do Lote; Data de Fabricação e Data de Validade: vide Cartucho e/ou Rótulo
MS - 1.0118.0142
Farmacêutico Responsável:
Dr. Eduardo Sérgio Medeiros Magliano
CRF SP nº 7179

APSEN FARMACÊUTICA S/A

Rua La Paz, nº 37/67 - Santo Amaro
CEP 04755-020 - São Paulo - SP
CNPJ 62.462.015/0001-29
Indústria Brasileira

Centro de Atendimento ao Cliente
0800 16 5678
Ligação gratuita
infomed@apsen.com.br
www.apsen.com.br

Hantina - Laboratório

APSEN
RUA LA PAZ, 37/67. Santo Amaro.
São Paulo/SP - CEP: 04755020
Tel: 0800 165678
Email: infomed@apsen.com.br
Site: http://www.apsen.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "APSEN"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
2 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
3 Trato Urinário:
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
8 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
9 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
10 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
11 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
12 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
13 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
14 Nefro: Unidades funcionais do rim formadas pelos glomérulos renais e seus respectivos túbulos.
15 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
18 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
19 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
20 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
21 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
22 Anúria: Clinicamente, a anúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas.
23 Oligúria: Clinicamente, a oligúria é o débito urinário menor de 400 ml/24 horas ou menor de 30 ml/hora.
24 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
25 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
26 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
27 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
28 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
29 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
30 Parestesias: São sensações cutâneas subjetivas (ex.: frio, calor, formigamento, pressão, etc.) que são vivenciadas espontaneamente na ausência de estimulação.
31 Neuropatia periférica: Dano causado aos nervos que afetam os pés, as pernas e as mãos. A neuropatia causa dor, falta de sensibilidade ou formigamentos no local.
32 Antiácidos: É uma substância que neutraliza o excesso de ácido, contrariando o seu efeito. É uma base que aumenta os valores de pH de uma solução ácida.
33 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
34 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
35 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
36 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
37 Mialgias: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
38 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
39 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
40 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
41 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
42 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
43 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
44 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
45 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.
46 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.

Tem alguma dúvida sobre Hantina?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.