Preço de FORMOCAPS em Houston/SP: R$ 51,04

FORMOCAPS

BIOSINTETICA

Atualizado em 08/12/2014

FORMOCAPS

Fumarato de Formoterol
12mcg
Cápsulas

Forma Farmacêutica e Apresentações de Formocaps

Embalagem contendo 30 cápsulas de FORMOCAPS(Fumarato de formoterol) 12 mcg
com inalador.
Embalagem contendo 30 cápsulas de FORMOCAPS
(Fumarato de formoterol) 12 mcg
(refil).

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Formocaps

Cada cápsula contém:
Fumarato de formoterol .................... 12 mcg
Excipiente: manitol

Informações ao Paciente de Formocaps

Ação esperada do medicamento: FORMOCAPS(Fumarato de formoterol) é um broncodilatador1
de ação prolongada utilizado no
tratamento de doenças respiratórias das vias
aéreas.
Cuidados de armazenamento: Conservar
em temperatura ambiente (entre 15oC e
30oC) e proteger da umidade.
Prazo de validade: Desde que sejam observados
os cuidados de armazenamento, o
produto apresenta prazo de validade de 24
meses. Não utilize o produto após o vencimento
do prazo de validade.
Gravidez2 e lactação3: Informe seu médico a
ocorrência de gravidez2 na vigência do tratamento
ou após o seu término.
É desconhecida a passagem do medicamento
para o leite materno. Informar ao seu
médico se está amamentando.
Cuidados de administração: Siga a orientação
do seu médico, respeitando sempre os
horários, as doses e a duração do tratamento.
Manipule as cápsulas somente no momento
da administração. Leia as instruções contidas
na bula para o manuseio do inalador e
administração do medicamento.
Interrupção do tratamento: Não interromper
o tratamento sem o conhecimento do seu
médico.
Reações adversas: Informe seu médico o
aparecimento de reações desagradáveis.
Avise imediatamente seu médico no caso de
reações alérgicas, como edema4 (face5, mão6,
lábios), falta de ar, urticária7 e espirros.
Raramente pode ocorrer: agitação, broncoespasmo8,
queda de potássio, cansaço, pele9
seca, alteração da freqüência cardíaca.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO
FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Ingestão concomitante com outras substâncias:
Avise seu médico se estiver usando
digoxina, medicamentos anti-hipertensivos e
diuréticos10.
Contra-indicações e precauções: Informe
seu médico sobre qualquer medicamento que
esteja usando, antes do início, ou durante o
tratamento.
FORMOCAPS (Fumarato de formoterol) é
contra-indicado para pacientes11 que apresentem
hipersensibilidade a quaisquer componentes
da formulação.
Avise seu médico caso você esteja grávida
ou amamentando, se você tem problemas no
coração12, pressão alta, epilepsia13 (convulsões),
problemas na tireóide ou diabetes14.
NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO
DO SEU MÉDICO, PODE
SER PERIGOSO PARA A SAÚDE15.

Informações Técnicas de Formocaps

MODO DE AÇÃO
O formoterol é um potente agonista16 seletivo
beta2-adrenérgico17 de longa duração. Exerce
efeito broncodilatador1 em pacientes com
obstrução reversível das vias aéreas. O efeito
inicia-se rapidamente (em 1 a 3 minutos), com
pico de ação de 1 a 3 horas, permanecendo
ainda significativo por 8 a 12 horas após a
inalação. Com as doses terapêuticas, os efeitos
cardiovasculares são pequenos e ocorrem
apenas ocasionalmente.
Possui mecanismo broncodilatador1 de ação
similar aos outros beta2-agonistas e está
relacionado à estimulação da produção de
AMPc pela ativação da adenil ciclase. No
entanto, o mecanismo que prolonga a sua
duração de ação permanece desconhecido.
O formoterol inibe a liberação de histamina18
e dos leucotrienos19 do pulmão20 humano sensibilizado
passivamente. Algumas propriedades
antiinflamatórias, tais como inibição de
edema4 e do acúmulo de células21 inflamatórias,
têm sido observadas em experimentos com
animais.

Farmacocinética de Formocaps

AbsorçãoFumarato de formoterol é bem absorvido
quando utilizado em pó seco para inalação.
Uma dose única de 120 mcg tem sua concentração
máxima (de 92 pg/mL) em 5 minutos.
Assim como relatado para outros fármacos
inalados, é provável que cerca de 90% do
formoterol administrado por um inalador sejam
deglutidos e, então, absorvidos a partir
do trato gastrintestinal. Isto significa que as
características farmacocinéticas da formulação
oral se aplicam em grande parte ao pó
para inalação.
Distribuição
A ligação do formoterol às proteínas22 plasmáticas
é de 61% - 64% (34% principalmente
à albumina23). Não há saturação dos sítios de
ligação na faixa de concentração atingida
com doses terapêuticas.
Biotransformação
O fumarato de formoterol é extensivamente
metabolizado pelo fígado24, produzindo como
metabólito25 um conjugado ácido inativo.
Eliminação
O fármaco26 e seus metabólitos27 são completamente
eliminados do organismo; aproximadamente
dois terços de uma dose oral
aparecem na urina28 e um terço nas fezes.
Após a inalação, cerca de 6% - 9% da dose,
em média, são excretados inalterados na urina28.
Doses de 24 mcg promovem uma excreção
renal29 da droga inalterada após 12 horas.
O clearance (depuração) renal29 do formoterol
é de 150 ml/min.
A meia-vida de eliminação é de aproximadamente
10 horas.

Indicações de Formocaps

Tratamento profilático dos broncoespasmos30
em pacientes com doença obstrutiva reversível
das vias aéreas, tais como asma31 brônquica,
asma31 noturna e doença pulmonar obstrutiva
crônica, com ou sem enfisema32. Profilaxia
de broncoespasmo8 induzido por exercício.
Como o efeito broncodilatador1 de FORMOCAPS
(Fumarato de formoterol) é ainda significativo
por 12 horas após a inalação, a terapia
de manutenção de duas vezes ao dia pode
controlar, na maioria dos casos, o broncoespasmo8
associado a condições crônicas, tanto
durante o dia como à noite.

Contra-Indicações de Formocaps

FORMOCAPS (Fumarato de formoterol)é contra-indicado para pacientes11
com um histórico de hipersensibilidade
ao fumarato de formoterol ou ao
manitol.

PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
Terapia antiinflamatória: Em geral,
os pacientes asmáticos que requeiram
terapia regular com beta2-agonistas
devem também receber doses adequadas
e regulares de um agente antiinflamatório
inalado (ex., corticosteróides
e/ou cromoglicato sódico) ou corticosteróides
orais. Quando fumarato
de formoterol for prescrito, deve ser
avaliada a adequação da terapia antiinflamatória
a receber. Os pacientes devem
ser alertados a manter inalterada
a terapia antiinflamatória após a introdução
de FORMOCAPS (Fumarato de
formoterol), mesmo quando os sintomas33
melhorarem. A persistência dos
sintomas33 ou o aumento do número de
doses de FORMOCAPS (Fumarato de
formoterol) necessárias para o controle
dos sintomas33 indicam normalmente
a piora da condição subjacente e justificam
a reavaliação médica da terapia.
Condições concomitantes: Cuidado
especial e supervisão, com ênfase particular
nos limites de dosagem, são
necessários em pacientes tratados
com FORMOCAPS (Fumarato de formoterol),
quando coexistirem as seguintes
condições: insuficiência34 coronariana,
arritmias35 cardíacas (especialmente
bloqueio atrioventricular de
terceiro grau), desordens cardiovasculares,
hipertensão36 e hipertireoidismo37.
Pelo efeito hiperglicêmico dos beta2-
estimulantes, recomenda-se controle
adicional de glicose38 sangüínea em
pacientes diabéticos.
Hipocalemia39: Hipocalemia39 potencialmente
grave pode resultar da terapia
com beta2-agonistas. Recomenda-se
cuidado especial em asma31 grave, já
que esse efeito pode ser potencializado
por hipóxia40 e tratamento concomitante
(veja "Interações Medicamentosas").
Recomenda-se que os níveis
de potássio sérico sejam monitorizados
em tais situações.
Broncoespasmo8 paradoxal41: Assim
como em outras terapias por inalação,
o potencial para broncoespasmo8 paradoxal41
deve ser considerado. Se isso
ocorrer, o medicamento deve ser imediatamente
descontinuado e substituído
por terapia alternativa.

Gravidez2 e Lactação3 de Formocaps

Classificado como categoria C pela
classificação de risco durante a gestação
do FDA. Seu uso durante a gravidez2
deve ser evitado, a não ser que não
exista alternativa mais segura. Como
outros estimulantes beta2-adrenérgicos42,
o formoterol pode inibir o trabalho
de parto, por seu efeito relaxante na
musculatura lisa uterina.
Não se sabe se o formoterol passa
para o leite materno, portanto, as mães
em tratamento com o medicamento
não devem amamentar.
BULA FORMOCAPS
Formato: 150 x 210 mm
Cor: Black
Modelo de bula: 2frmca1
Código: 5293
5293

Importado e distribuído por:
LABORATÓRIOS BIOSINTÉTICA LTDA.
Av. das Nações Unidas, 22.428
São Paulo - SP
CNPJ nº 53.162.095/0001-06
Indústria Brasileira
Atendimento ao Consumidor:
0800-15-1036

Cód. Laetus nº 77

Interações Medicamentosas de Formocaps

A administração concomitante de outrosagentes simpatomiméticos pode
potencializar os efeitos não desejados
de FORMOCAPS (Fumarato de formoterol).
A administração de FORMOCAPS (Fumarato
de formoterol) a pacientes em
tratamento com inibidores da monoaminoxidase43
ou antidepressivos tricíclicos
deve ser conduzida com cautela,
já que a ação de estimulantes beta2-
adrenérgicos42 pode ser potencializada
(risco aumentado de agitação, taquicardia44
e hipomania).
O tratamento concomitante com derivados
xantínicos, esteróides ou diuréticos10
pode potencializar um possível
efeito hipocalêmico dos beta2-agonistas.
A hipocalemia39 pode aumentar a
susceptibilidade45 a arritmias35 cardíacas
em pacientes tratados com digitálicos,
como a digoxina
Os bloqueadores beta-adrenérgicos42
podem diminuir ou antagonizar o efeito
de FORMOCAPS (Fumarato de formoterol).
Portanto, o medicamento não deve
ser administrado juntamente com
bloqueadores beta-adrenérgicos42 (inclusive
colírios), a não ser que existam
razões que obriguem seu uso.

Reações Adversas de Formocaps

Sistema músculo-esquelético: câimbras46
musculares ocorrem ocasionalmente.
Sistema cardiovascular47: podem ocorrer
alterações mínimas da pressão arterial48
e da freqüência cardíaca em doses terapêuticas
de formoterol. Já em altas
doses podem ocorrer alterações eletrocardiográficas
mas, em geral, o formoterol
é considerado seguro em pacientes
asmáticos com altas doses. Palpitações49
pela via inalatória são mais
raras do que pela via oral.
Sistema metabólico: aumentos significativos
da glicemia50 são observados
com o uso de altas doses de formoterol
inalatório. Quedas dose-dependentes
dos níveis séricos de potássio têm sido
observadas após inalação do formoterol.
Sistema dermatológico: foram observados
raramente prurido51 e rush cutâneo52.
Sistema nervoso central53: ocasionalmente
ocorrem cefaléia54, vertigem55,
ansiedade, tremores generalizados,
fadiga56 e insônia.
Trato respiratório: alguns pacientes
apresentam tosse durante o uso de formoterol.
Pode ocorrer broncoespasmo8
paradoxal41 durante a administração de
medicamentos inalatórios.
Outras: reações de hipersensibilidade,
como reações anafiláticas57, foram observadas
raramente.

Posologia e Administração de Formocaps

Para uso em adultos e em crianças acimade cinco anos de idade.
Terapia de manutenção de asma31:
Adultos - Inalação de 1 a 2 cápsulas (12-24
mcg), duas vezes ao dia
Crianças acima de cinco anos - Inalação de
1 cápsula (12 mcg), duas vezes ao dia. Dose
máxima de 24 mcg/dia.
Se necessário podem ser usadas a cada dia
1 a 2 cápsulas, adicionalmente às requeridas
para a terapia de manutenção, para o alivio
de sintomas33. Se a necessidade de dose adicional
for mais que ocasional, nova consulta
médica deve ser feita e a terapia reavaliada,
já que isso pode indicar uma deterioração
da condição subjacente.
Terapia para broncoespasmo8 induzido por
exercício ou antes de exposição inevitável
a alérgeno58 desconhecido:

Adultos - 1 cápsula (12 mcg) deve ser inalada,
com aproximadamente 15 minutos de antecedência
ao esforço físico. Em pacientes com
asma31 grave, a inalação de 2 cápsulas (24
mcg) pode ser necessária.
Crianças acima de cinco anos - 1 cápsula
(12 mcg) deve ser inalada, com aproximadamente
15 minutos de antecedência. A
medicação irá assegurar proteção contra o
broncoespasmo8 por cerca de 8 horas.
FORMOCAPS (Fumarato de formoterol) não
é recomendado a crianças com menos de
cinco anos de idade.FORMOCAPS (Fumarato
de formoterol) não é recomendado a
crianças com menos de cinco anos de idade.
Limpeza do inalador: Para melhor conservação
de seu inalador, faça uso de escova
ou pincel macio, removendo resíduos após
cada uso. Após o último uso do dia, limpe o
bocal e o compartimento da cápsula com uma
haste flexível de algodão, podendo ocasionalmente
umedecê-la em solução antisséptica
(como, por exemplo, água oxigenada 10 volumes).
Não utilize álcool, pois poderá danificar
a superfície plástica. Seguindo estes cuidados
de conservação, a vida útil estimada de
seu inalador é de 3 meses.

Superdose de Formocaps

A superdosagem provavelmente conduzirá
aos efeitos típicos da estimulação excessiva
beta-adrenérgica, a saber: náusea59, vômitos60,
cefaléia54, tremores, insônia, palpitação61, taquicardia44,
angina62, hipertensão36 ou hipotensão63,
arritmia64 ventricular, acidose metabólica65, hipocalemia39
e hiperglicemia66.
São indicados a suspensão da medicação,
tratamentos sintomático67 e de suporte. É recomendado
monitorização cardíaca. Os casos
graves devem ser hospitalizados.
Deve ser avaliado o uso de betabloqueador
cardiosseletivo com extrema cautela, já que
o uso desta medicação pode provocar broncoespasmo8.

Uso em Idosos de Formocaps

A segurança e a eficácia de FORMOCAPS
(Fumarato de formoterol) são similares entre
os pacientes adultos e aqueles com mais de
65 anos de idade. Não há dados que indiquem
o ajuste de dose.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
MS - 1.1213.0311
Resp. Técn. Farm.: Luiz A. M. Mendes
CRF-SP nº 13.559
No do lote, data de fabricação e validade:
vide cartucho.
Fabricado por:
Cipla Ltd. - Mumbai - Índia

FORMOCAPS - Laboratório

BIOSINTETICA
Rua Periquito, 236 - Vl. Uberabinha
São Paulo/SP - CEP: 04514-050
Tel: 55 (011) 5561-2614
Fax: 55 (011)5561-2072
Site: http://www.biosintetica.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "BIOSINTETICA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Broncodilatador: Substância farmacologicamente ativa que promove a dilatação dos brônquios.
2 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
3 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
4 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
5 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
6 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
7 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
8 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
9 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
10 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
11 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
12 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
13 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
14 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
15 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
16 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
17 Adrenérgico: Que age sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
18 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
19 Leucotrienos: É qualquer um dos metabólitos dos ácidos graxos poli-insaturados, especialmente o ácido araquidônico, que atua como mediador em processos alérgicos e inflamatórios.
20 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
21 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
22 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
23 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
24 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
25 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
26 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
27 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
28 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
29 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
30 Broncoespasmos: Contrações dos músculos lisos bronquiais, capazes de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. São contrações vistas com frequência na asma.
31 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
32 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
33 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
34 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
35 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
36 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
37 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
38 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
39 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
40 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
41 Paradoxal: Que contém ou se baseia em paradoxo(s), que aprecia paradoxo(s). Paradoxo é o pensamento, proposição ou argumento que contraria os princípios básicos e gerais que costumam orientar o pensamento humano, ou desafia a opinião consabida, a crença ordinária e compartilhada pela maioria. É a aparente falta de nexo ou de lógica; contradição.
42 Adrenérgicos: Que agem sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
43 Inibidores da monoaminoxidase: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
44 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
45 Susceptibilidade: 1. Ato, característica ou condição do que é suscetível. 2. Capacidade de receber as impressões que põem em exercício as ações orgânicas; sensibilidade. 3. Disposição ou tendência para se ofender e se ressentir com (algo, geralmente sem importância); delicadeza, melindre. 4. Em física, é o coeficiente de proporcionalidade entre o campo magnético aplicado a um material e a sua magnetização.
46 Câimbras: Contrações involuntárias, espasmódicas e dolorosas de um ou mais músculos.
47 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
48 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
49 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
50 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
51 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
52 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
53 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
54 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
55 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
56 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
57 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
58 Alérgeno: Substância capaz de provocar reação alérgica em certos indivíduos.
59 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
60 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
61 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
62 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
63 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
64 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
65 Acidose metabólica: A acidose metabólica é uma acidez excessiva do sangue caracterizada por uma concentração anormalmente baixa de bicarbonato no sangue. Quando um aumento do ácido ultrapassa o sistema tampão de amortecimento do pH do organismo, o sangue pode acidificar-se. Quando o pH do sangue diminui, a respiração torna-se mais profunda e mais rápida, porque o corpo tenta liberar o excesso de ácido diminuindo o volume do anidrido carbônico. Os rins também tentam compensá-lo por meio da excreção de uma maior quantidade de ácido na urina. Contudo, ambos os mecanismos podem ser ultrapassados se o corpo continuar a produzir excesso de ácido, o que conduz a uma acidose grave e ao coma. A gasometria arterial é essencial para o seu diagnóstico. O pH está baixo (menor que 7,35) e os níveis de bicarbonato estão diminuídos (<24 mmol/l). Devido à compensação respiratória (hiperventilação), o dióxido de carbono está diminuído e o oxigênio está aumentado.
66 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
67 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre FORMOCAPS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.