Cambem

UCI FARMA

Atualizado em 03/06/2015

Cambem
Cambendazol

Apresentações de Cambem

Blister com 2 comprimidos.Frasco contendo 20 ml de suspensão.
Bula :
Cambem
Cambendazol
Comprimido e suspensão - Uso oral
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Cambem

Cada comprimido contém:
Cambendazol....................180 mg
Excipiente* q.s.p. ....................1 comprimido
*(amido de milho, estearato de magnésio, lactose1, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, polissorbato, fosfato dicálcio, metilmetacrilato, corante vermelho Ponceau)
Cada ml da suspensão contém:
Cambendazol....................6 mg
Veículo** q.s.p. ....................1 ml
**(celulose microcristalina, silicone, sacarose, sacarina2, glicerol, polissorbato, metilparabeno, propilparabeno, aroma artificial de caramelo, corante amarelo crepúsculo, água purificada)

Informações ao Paciente de Cambem

· CAMBEM® é um medicamento com ação vermífuga, utilizado no tratamento da estrongiloidíase.· A estrongiloidíase é uma parasitose causada pelo Strongyloides stercoralis. A transmissão ocorre pela penetração das larvas do parasita3 na pele4 (normalmente dos pés) do hospedeiro, causando coceira, inchaço5 e inflamação6 local devido a invasão. Após a penetração, as larvas alcançam a circulação7 sangüínea e atingem os pulmões8, o que provoca tosse, febre9, expectoração10 sanguinolenta11. Em seguida, a larva migra para o intestino, onde se desenvolve chegando à fase adulta.
A estrongiloidíase causa sintomas12 variáveis, podendo ser assintomática ou apresentar manifestações digestivas, como diarréia13, disenteria crônica, cólica abdominal, emagrecimento, fraqueza, anemia14. A forma grave da doença ocorre em pacientes imunodeprimidos, disseminando-se para vários locais do organismo, evoluindo, freqüentemente, para óbito15.
· CAMBEM® deve ser conservado em lugar seco, fresco (entre 15 a 30o C) e protegido da luz, na sua embalagem original até o término de seu uso.
· O número do lote, as datas de fabricação e validade estão carimbados no cartucho do produto.
· Não utilize o medicamento com prazo de validade vencido.
· Para a administração correta de CAMBEM®, leia atentamente o item Instruções de Uso, contido na parte final desta bula.
· A administração de CAMBEM® SUSPENSÃO a pacientes diabéticos deve ser cautelosa devido à presença de açúcar16 no medicamento (200 mg de açúcar16/ ml).
· CAMBEM® não deve ser utilizado por pacientes alérgicos ao cambendazol.
· Pode ocorrer sonolência durante o tratamento com CAMBEM®. Portanto, recomenda-se cautela na condução de veículos, na operação de máquinas e outras atividades que requerem atenção.
· Durante o tratamento com CAMBEM®, deve-se evitar a ingestão de bebidas alcoólicas.
· Informe ao médico a ocorrência de gravidez17 durante o tratamento ou após o seu término.
· Informe ao médico se estiver amamentando.
· Informe ao médico sobre os medicamentos que está utilizando.
· Obedeça a posologia indicada pelo médico e não interrompa o tratamento sem o seu conhecimento.
· Informe imediatamente ao médico se ocorrerem reações indesejáveis.
NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE18. TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Informações Técnicas de Cambem

O cambendazol, derivado benzimidazólico, apresenta atividade anti-helmíntica19 de amplo espectro, atingindo as parasitoses causadas por Ancylostoma brasilienses (larva migrans), Ancylostoma caninum, Toxocara canis, Toxocara cati e principalmente o Strongyloides stercoralis.
É o fármaco20 de escolha para o tratamento da estrongiloidíase, incluindo as formas crônica e grave da parasitose ou quando o paciente não responde à terapia com tiabendazol.
A eficácia do cambendazol é justificada por agir sobre as fases larvárias e adulta do Strongyloides stercoralis.
O cambendazol apresenta atividade anti-helmíntica19 superior a do tiabendazol, possivelmente devido ao metabolismo21 mais lento do fármaco20.
Age inibindo a formação de microtúbulos através do bloqueio da captação de glicose22, resultando na depleção23 de glicogênio24 dos parasitas e formação reduzida da adenosina trifosfato (ATP25), necessária para a sobrevivência26 e reprodução27 dos parasitas. Conseqüentemente ocorre paralisia28 e morte dos vermes, os quais são eliminados com as fezes. O cambendazol não interfere no metabolismo21 da glicose22 no homem devido o sistema microtubular das células29 do hospedeiro ser diferente daquele dos helmintos30.
Após a administração oral, o cambendazol é rapidamente absorvido pelo trato gastrintestinal, atingindo concentração sérica máxima em 1 a 2 horas.
A meia-vida do cambendazol é de, aproximadamente, 8 horas. Apresenta biotransformação hepática31, sendo eliminado principalmente pela urina32 e, 5%, pelas fezes.

Indicações de Cambem

CAMBEM® é indicado no tratamento da estrongiloidíase, incluindo as formas crônica e disseminada, ou em pacientes que não respondem à terapia com tiabendazol.

Contra-Indicações de Cambem

Em casos de hipersensibilidade ao cambendazol ou a qualquer componente da fórmula.

Precauções de Cambem

Durante o tratamento com o cambendazol os reflexos do paciente podem ser diminuídos. Por isso, é necessária cautela na condução de veículos, na operação de máquinas e outras atividades que requerem atenção.A administração do cambendazol deve ser cautelosa em pacientes com disfunção hepática31 ou renal33.
Durante o tratamento com o cambendazol não se recomenda a ingestão de bebidas alcoólicas, devido à potencialização dos efeitos do álcool.
A presença de sacarose na formulação de CAMBEM® SUSPENSÃO deve ser considerada na administração do medicamento a pacientes diabéticos (200 mg de açúcar16/ ml).
Diagnósticos clínico e laboratorial devem ser realizados para a identificação do parasita3 intestinal e posterior escolha do fármaco20 específico para uma terapêutica34 eficaz da parasitose. Após o tratamento medicamentoso, aconselha-se realizar exame clínico e laboratorial para confirmação da erradicação do agente causador da infecção35.
Recomenda-se a monitorização do paciente através de exame parasitológico, após a administração da segunda dosagem do medicamento.
O paciente deve ser instruído sobre os métodos de transmissão e prevenção das parasitoses, como condições básicas de higiene pessoal e ambiental.
Insuficiência renal36 ou hepática31: a farmacocinética do cambendazol em pacientes com disfunção renal33 ou hepática31 não é conhecida. Portanto, nesses casos, o risco/benefício do tratamento com cambendazol deve ser criteriosamente analisado e realizado somente sob estrito acompanhamento médico.
Gravidez17 e lactação37: não foram realizados estudos clínicos em mulheres grávidas com a utilização do cambendazol. O medicamento poderá ser administrado durante a gestação, sob estrito acompanhamento médico, quando os benefícios para a mãe justificarem o potencial de risco para o feto38.
Não há relatos sobre a eliminação do cambendazol no leite materno. A administração deve ser cautelosa e sob orientação médica se o cambendazol for utilizado durante a lactação37.
Idosos: devem utilizar a posologia para adultos.

Reações Adversas de Cambem

CAMBEM® é um fármaco20 bem tolerado, apresentando baixa incidência39 de efeitos colaterais40. Geralmente, os efeitos adversos são leves e transitórios não causando a suspensão da terapia.
Os efeitos adversos freqüentemente observados são náusea41, vômito42, dor abdominal, diarréia13, sonolência, tontura43, cefaléia44, astenia45.

Interações Medicamentosas de Cambem

Derivados xantínicos (aminofilina, teobromina, teofilina): o uso concomitante com o cambendazol pode aumentar os níveis séricos dos xantínicos e, conseqüentemente, o potencial tóxico destas substâncias.

Posologia e Administração de Cambem

A posologia-padrão recomendada de CAMBEM®, para adultos e crianças, é de 5 mg de cambendazol para cada quilo de peso corpóreo ao dia, em tomada única; repetindo-se a dose após 10 dias.Na estrongiloidíase disseminada o cambendazol pode ser associado a outros benzimidazóis, sendo o regime da terapia dependente da gravidade da parasitose e do quadro clínico do paciente.
A dose recomendada de CAMBEM® para o tratamento da estrongiloidíase é a seguinte:
Crianças de 2 a 6 anos de idade 10 ml da suspensão.
Crianças de 7 a 12 anos de idade meio a 1 comprimido ou 20 ml da suspensão.
Adultos e crianças acima de 12 anos de idade 2 comprimidos.
A dose de CAMBEM® deve ser administrada em tomada única.
A dose deverá ser repetida 10 dias após a primeira administração do medicamento.
Não é necessária a administração de laxantes46 ou purgantes antes ou após a administração de CAMBEM®.

Instruções de Uso de Cambem

CAMBEM® COMPRIMIDO e SUSPENSÃO devem ser ingeridos durante as refeições, se necessário, com o auxílio de água, leite, suco de frutas ou refrigerante.
Os comprimidos de CAMBEM® podem ser triturados ou mastigados antes da ingestão.
CAMBEM® SUSPENSÃO pode ser misturado com suco de frutas, refrigerantes, leite, papinhas ou sopinhas e com alimentos em geral.
Agite bem o frasco de CAMBEM® SUSPENSÃO antes da administração.
Para a utilização posológica correta, as doses de CAMBEM® SUSPENSÃO devem ser administradas utilizando-se o copo-medida contido na embalagem do produto. O copo-medida possui indicações visuais de doses.

Superdosagem de Cambem

Os principais sintomas12 de intoxicação são sonolência, náusea41, vômito42, tontura43, agitação.
O tratamento consiste na realização de medidas usuais de esvaziamento gástrico, controle dos sintomas12 e monitorização do sistema cardiovascular47 e respiratório.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Farmacêutica Responsável: Dra. Dirce de Paula Zanetti. CRF-SP nº 7758
Registro MS nº 1.0550.0032

Cambem - Laboratório

UCI FARMA
Rua do Cruzeiro, 374
São Bernardo do Campo/SP - CEP: 09725-310
Tel: (011)414-2022
Fax: (011)448-5253

Ver outros medicamentos do laboratório "UCI FARMA"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
3 Parasita: Organismo uni ou multicelular que vive às custas de outro, denominado hospedeiro. A presença de parasitos em um hospedeiro pode produzir diferentes doenças dependendo do tipo de afecção produzida, do estado geral de saúde do hospedeiro, de mecanismos imunológicos envolvidos, etc. São exemplos de parasitas: a sarna, os piolhos, os áscaris (lombrigas), as tênias (solitárias), etc.
4 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
5 Inchaço: Inchação, edema.
6 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
7 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
8 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
9 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
10 Expectoração: Ato ou efeito de expectorar. Em patologia, é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões; escarro.
11 Sanguinolenta: 1. Em que há grande derramamento de sangue; sangrenta. 2. Tinto ou misturado com sangue. 3. Que se compraz em ver ou derramar sangue; sanguinária.
12 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
13 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
14 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
15 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
16 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
17 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
18 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
19 Anti-helmíntica: Diz-se da substância ou produto que combate vermes.
20 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
21 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
22 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
23 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
24 Glicogênio: Polissacarídeo formado a partir de moléculas de glicose, utilizado como reserva energética e abundante nas células hepáticas e musculares.
25 ATP: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
26 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
27 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
28 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
29 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
30 Helmintos: Designação comum a diversas espécies de vermes endoparasitas, pertencentes aos filos dos platelmintos, asquelmintos e outros de afinidade taxonômica incerta; verme.
31 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
32 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
33 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
34 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
35 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
36 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
37 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
38 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
39 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
40 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
41 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
42 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
44 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
45 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
46 Laxantes: Medicamentos que tratam da constipação intestinal; purgantes, purgativos, solutivos.
47 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.

Tem alguma dúvida sobre Cambem?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.