Travatan

ALCON

Atualizado em 09/12/2014

Travatan®

Travopost
0,004%

Forma Farmacêutica, Via de Administração e Apresentação de Travatan

Frasco plástico conta-gotas contendo 2,5 ml de Solução Oftálmica Estéril.

USO ADULTO.

Composição de Travatan

Cada ml de TRAVATAN Solução Oftálmica 0,004 % contém:

Travoprosta....................0,040 mg
Veículo constituído de óleo de rícino polioxil 40 hidrogenado, trometamol, ácido bórico, manitol, edetato dissódico, ácido clorídrico1 e/ou hidróxido de sódio, cloreto de benzalcônio como conservante e água purificada q.s.p. 1 ml.

Informações ao Paciente de Travatan

Ação de Travatan

TRAVATAN Solução Oftálmica reduz a pressão intra-ocular. A redução da pressão intra-ocular se inicia aproximadamente 2 horas após a aplicação e o efeito máximo é atingido após 12 horas.

Indicações de Travatan

TRAVATAN Solução Oftálmica está indicado para a redução da pressão intra-ocular em pacientes com glaucoma2 de ângulo aberto ou hipertensão3 ocular.

Riscos de Travatan

Contra-indicações:

Alergia4 conhecida ao Travoprosta, cloreto de benzalcônio ou qualquer outro ingrediente do produto.

Advertências e Precauções

TRAVATAN Solução pode alterar gradualmente a coloração dos olhos5. Esta alteração pode ser permanente. O escurecimento da pele6 envolta dos olhos5 tem sido relatado com o uso de TRAVATAN Solução.TRAVATAN Solução pode alterar gradualmente os cílios7 dos olhos5 tratados. As alterações incluem o aumento do comprimento, espessura, cor e/ou número de cílios7.
Para evitar a contaminação não toque o conta-gotas do frasco. O uso de soluções contaminadas pode resultar em sérios danos para os olhos5 e conseqüente perda da visão8. Caso ocorra alguma condição ocular durante o tratamento tal como trauma, infecção9 ou cirurgia ocular, procure imediatamente orientação médica para decidir quanto a continuar ou não o uso do frasco dose-múltipla. Se reações oculares, particularmente conjuntivite10 e reações nas pálpebras11 ocorrerem, procure orientação médica. O produto contém um conservante que pode ser absorvido por lentes de contato. As lentes de contato devem ser retiradas antes da instilação do produto e recolocadas 15 minutos após a aplicação.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que estejam amamentando sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Informe seu médico se ocorrer gravidez12 ou iniciar amamentação13 durante o uso deste medicamento.
Não existem estudos em crianças com este medicamento.
Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis.
Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde14.

Interações medicamentosas:

Não foram descritas.

Modo de Uso de Travatan

TRAVATAN é uma solução incolor a amarelo clara.
Pingue uma gota15 no(s) olho16(s) afetado(s) uma vez por dia à noite. Não pingar mais que uma vez por dia, pois a aplicação com maior freqüência pode diminuir o efeito de redução da pressão intra-ocular.
TRAVATAN Solução pode ser usado junto com outros medicamentos oftálmicos para diminuir a pressão intra-ocular. Se mais de um produto oftálmico estiver sendo usado, os produtos devem ser administrados com intervalo de, no mínimo, 5 minutos.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Não use medicamento com prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.

Reações Adversas de Travatan

O evento adverso ocular mais comum, relatado em 35 a 50 % dos pacientes, foi vermelhidão dos olhos5. Os eventos adversos oculares relatados com incidência17 de 5 a 10 % incluíram diminuição da acuidade visual18, desconforto ocular, sensação de corpo estranho, dor e coceira.
Os eventos adversos oculares relatados com incidência17 de 1 a 4% incluíram visão8 anormal, inflamação19 das pálpebras11, visão8 borrada, catarata20, conjuntivite10, olho16 seco, distúrbios oculares, alteração de cor da íris21, inflamação19 da córnea22, crosta na borda da pálpebra, sensibilidade à luz, hemorragia23 subconjuntival e lacrimejamento.
Os eventos adversos não oculares relatados com incidência17 de 1 a 5 % foram: lesão24 acidental, ansiedade, artrite25, dor nas costas26, diminuição dos batimentos cardíacos, bronquite, dor no peito27, sintomas28 de resfriado, depressão, problemas no estômago29, dor de cabeça30, aumento do colesterol31, pressão alta, pressão baixa, infecção9, dor, distúrbios da próstata32, sinusite33, descontrole na eliminação da urina34 e infecção9 urinária.

ATENÇÃO : Este é um medicamento novo e embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis para a comercialização, efeitos indesejáveis e não conhecidos podem ocorrer. Neste caso, informe seu médico.

Conduta na Superdose de Travatan

Se uma grande quantidade de TRAVATAN Solução Oftálmica for colocada nos olhos5 de uma só vez, lave os olhos5 com água. Se o produto for acidentalmente ingerido, procure orientação médica.

Cuidados de Conservação e Uso de Travatan

Conserve em temperatura ambiente (15 a 30 ºC). Para evitar a contaminação não toque o conta-gotas do frasco.Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Informações Técnicas Aos Profissionais de Saúde14 de Travatan

Características Farmacológicas de Travatan

TRAVATAN 0,004% é uma solução aquosa oftálmica, tamponada e estéril de Travoprosta, com um pH em torno de 6,0 e osmolalidade35 de aproximadamente 290 mOsm/kg.

Mecanismo de ação: A Travoprosta ácido livre é um agonista36 seletivo para o receptor prostanóide FP. O mecanismo de ação exato ainda não é conhecido. Acredita-se que os agonistas para o receptor FP reduzem a pressão intra-ocular através do aumento do escoamento uveoescleral.

Absorção: A Travoprosta é absorvida através da córnea22 e hidrolisada para o ácido livre ativo . Dados de 4 estudos farmacocinéticos de dose múltipla (total de 107 pacientes) mostraram que as concentrações plasmáticas do ácido livre ficaram abaixo de 0,01 ng/ml (limite de quantificação do ensaio) em 2 terços dos pacientes. Nos indivíduos com concentrações plasmáticas quantificáveis (N=38) a Cmax média foi de 0,018 ± 0,007 (variando 0,01 a 0,052 ng/ml) e foi alcançada dentro de 30 minutos. A partir destes estudos a meia-vida plasmática da travoprosta foi estimada em 45 minutos. Não houve diferenças nas concentrações plasmáticas entre os dias 1 e 7, indicando que o estado de equilíbrio foi logo alcançado e que não há acúmulo significante.

Metabolismo37: A travoprosta (pró-droga de éster isopropil) é hidrolisada pelas esterases na córnea22 para o ácido livre biologicamente ativo. Sistemicamente, a travoprosta ácido livre é metabolizada para metabólitos38 inativos através da beta-oxidação da cadeia alfa do ácido carboxílico resultando nos análogos 1,2-dinor e 1,2,3,4-tetranor por oxidação do grupo 15-hidroxil, bem como pela redução da dupla ligação 13,14.

Excreção: A eliminação da travoprosta ácido livre do plasma39 humano é rápida resultando em concentrações abaixo do limite de quantificação dentro de 1 hora após a instilação ocular. A meia-vida de eliminação final da travoprosta ácido livre foi estimada a partir de 14 indivíduos e variou de 17 minutos a 86 minutos com a meia-vida média de 45 minutos. Menos de 2% da dose tópica ocular de travoprosta foi excretada na urina34 dentro de 4 horas como travoprosta ácido livre.

Resultados de Eficácia de Travatan

Em estudos clínicos, pacientes com glaucoma2 de ângulo aberto ou hipertensão3 ocular com pressão intra-ocular basal de 25 a 27 mmHg, tratados com TRAVATAN Solução Oftálmica 0,004%, uma vez por dia à noite, demonstraram reduções da pressão intra-ocular de 7 a 8 mmHg. Em análises de subgrupos destes estudos a redução média da PIO em pacientes da raça negra foi maior em até 1,8 mmHg em relação à pacientes de outras raças. Ainda não se sabe se esta diferença está relacionada à raça ou à íris21 fortemente pigmentada.
Em um ensaio multicêntrico, aleatório e controlado, pacientes com pressão intra-ocular basal média de 24 a 26 mmHg, em tratamento com TIMOPTIC * (solução oftálmica de maleato de timolol 0,5%), duas vezes por dia, que foram tratados com TRAVATAN Solução Oftálmica 0,004%, em dose única diária adjuntivamente ao TIMOPTIC * 0,5%, demonstraram reduções da PIO de 6 a 7 mmHg.
TRAVATAN Solução Oftálmica foi estudado em pacientes com insuficiência hepática40 e também em pacientes com insuficiência renal41. Nenhuma alteração hematológica clinicamente relevante ou na análise laboratorial da urina34 foi observada nestes pacientes.

Indicações de Travatan

TRAVATAN Solução Oftálmica Estéril está indicado para a redução da pressão intra-ocular em pacientes com glaucoma2 de ângulo aberto ou hipertensão3 ocular.

Contra-Indicações de Travatan

Hipersensibilidade conhecida à travoprosta, cloreto de benzalcônio ou qualquer outro ingrediente do produto.

Modo de Usar e Cuidados de Conservação Depois de Aberto de Travatan

Para evitar contaminação não tocar o conta-gotas. Conservar o produto em temperatura ambiente (15 a 30 ºC)

Posologia de Travatan

A dose recomendada é uma gota15 no(s) olho16(s) afetado(s) uma vez por dia à noite. A dose de TRAVATAN Solução Oftálmica não deve exceder uma vez por dia, visto que tem sido demonstrado que a aplicação com maior freqüência pode diminuir o efeito de redução da pressão intra-ocular.
A redução da pressão intra-ocular se inicia aproximadamente 2 horas após a aplicação e o efeito máximo é atingido após 12 horas.
TRAVATAN Solução pode ser usado concomitantemente com outros medicamentos oftálmicos de uso tópico42 para diminuir a pressão intra-ocular. Se mais de um produto oftálmico tópico42 estiver sendo usado, os produtos devem ser administrados com intervalo de, no mínimo, 5 minutos.

Advertências de Travatan

Foi relatado que TRAVATAN causa alterações nos tecidos pigmentados. As alterações relatadas com maior freqüência foram aumento na pigmentação da íris21 e tecido43 periorbital (pálpebra) e aumento na pigmentação e crescimento de cílios7. Estas alterações podem ser permanentes. TRAVATAN pode alterar gradualmente a coloração dos olhos5, aumentando a quantidade de pigmento castanho na íris21 através do aumento do número de melanossomas (grânulos de pigmento) nos melanócitos44. Os efeitos a longo prazo nos melanócitos44 e as conseqüências de um dano potencial aos melanócitos44 e/ou depósito de grânulos de pigmento em outras áreas dos olhos5 não são atualmente conhecidos. A alteração da coloração da íris21 ocorre lentamente e pode não ser perceptível por meses ou anos.
Os pacientes devem estar cientes da possibilidade de alteração da cor da íris21.
O escurecimento da pele6 palpebral tem sido relatado em associação ao uso de TRAVATAN Solução Oftálmica.
TRAVATAN Solução Oftálmica pode alterar gradualmente os cílios7 dos olhos5 tratados. As alterações incluem o aumento do comprimento, espessura, pigmentação e/ou número de cílios7.
Os pacientes tratados em apenas um dos olhos5 devem estar cientes da possibilidade de aumento da pigmentação castanha da íris21, do tecido43 periorbitário e/ou palpebral e dos cílios7, no olho16 tratado, ocorrendo assim heterocromia entre os olhos5. Pode ocorrer disparidade entre os olhos5 no comprimento, espessura e/ou número de cílios7.

Precauções de Travatan

Gerais: Casos de ceratite bacteriana têm sido associados com o uso de frascos dose-múltipla de produtos oftálmicos tópicos. Estes frascos foram inadvertidamente contaminados pelos pacientes, os quais, na maioria dos casos, tinham uma doença corneana intercorrente ou uma ruptura na superfície epitelial.
Os pacientes podem sofrer um aumento lento da pigmentação castanha da íris21. Esta alteração pode não ser perceptível por meses ou anos, ocorrendo predominantemente em pacientes com íris21 de cores misturadas, tais como castanha azulada, castanha acinzentada, castanha amarelada, castanha esverdeada, mas também foi observada em pacientes de olhos5 castanhos. Acredita-se que a alteração de cor seja devida ao aumento do conteúdo de melanina45 dos melanócitos44 estromais da íris21. O mecanismo de ação exato ainda não é conhecido. Tipicamente, a pigmentação castanha ao redor da pupila se espalha concentricamente em direção à periferia nos olhos5 afetados, porém a íris21 inteira ou partes dela podem tornar-se acastanhadas. Até que mais informações sobre o aumento da pigmentação castanha estejam disponíveis, os pacientes devem ser examinados regularmente e, dependendo da situação, o tratamento deve ser interrompido se o aumento da pigmentação ocorrer.
TRAVATAN Solução Oftálmica deve ser usado com precaução em pacientes com história de inflamação19 intra-ocular (irite46/uveíte47) e não devem ser usados em paciente com inflamação19 intra-ocular ativa.
Edema macular48, incluindo edema macular48 cistóide, tem sido relatado com análogos da prostaglandina49 F 2 a . Estes relatos ocorreram principalmente em pacientes afácicos, pseudofácicos com ruptura de cápsula posterior ou em pacientes com fatores de risco conhecidos para edema macular48. TRAVATAN Solução Oftálmica deve ser usado com precaução nestes pacientes.
TRAVATAN Solução Oftálmica não foi avaliado no tratamento de fechamento de ângulo, glaucoma2 inflamatório ou neovascular.
TRAVATAN Solução Oftálmica contém um conservante, cloreto de benzalcônio, que pode ser absorvido por lentes de contato. Os pacientes devem retirar as lentes de contato antes da instilação do produto e recolocá-las 15 minutos após a aplicação.

Carcinogênese, mutagênese e diminuição da fertilidade : Estudos de carcinogenicidade de 2 anos em camundongos e ratos com doses subcutâneas de 10, 30 ou 100 mcg/kg/dia, não evidenciaram potencial carcinogênico. Entretanto, com doses de 100 mcg/kg/dia, ratos machos foram tratados somente por 82 semanas e a máxima dose tolerada não foi alcançada no estudo em camundongos. A maior dose (100 mcg/kg) corresponde a níveis de exposição acima de 400 vezes a exposição humana na máxima dose ocular humana recomendada (MDOHR) de 0,04 mcg/kg, com base nos níveis plasmáticos ativos da droga. travoprosta não foi mutagênica no teste de Ames, nos testes de micronúcleos em camundongos e nos ensaios de aberração de cromossomos50 em ratos. Um leve aumento na freqüência mutagênica foi observado em um de dois ensaios de linfoma51 de camundongo na presença de enzimas de ativação S-9 de ratos.
Travoprosta não afetou o índice de reprodução52 ou fertilidade de ratos machos e fêmeas em doses subcutâneas de até 10 m g/kg/dia (250 vezes a máxima dose ocular humana recomendada de 0,04mcg/kg/dia). O número médio de corpos lúteos foi reduzido e as perdas na pós-implantação foram aumentadas nessa dose. Estes efeitos não foram observados na dose de 3 mcg/kg/dia (75 vezes a máxima dose ocular humana recomendada).

Gravidez12 Categoria C : Efeitos teratogênicos53: travoprosta foi teratogênica54 em ratas, em doses intravenosas de até 10 mcg/kg/dia (250 vezes a máxima dose humana ocular recomendada), o que foi evidenciado pelo aumento da incidência17 de malformação55 esquelética bem como malformação55 visceral e externa, tais como esternebras fundidas, cabeça30 abobadada e hidrocefalia56. Travoprosta não foi teratogênica54 em ratas em doses intravenosas de até 3 mcg/kg/dia (75 vezes a máxima dose humana ocular recomendada) ou em camundongos em doses subcutâneas de 1,0 mcg/kg/dia (25 vezes a máxima dose humana ocular recomendada). Travoprosta produziu aumento de perdas na pós-implantação e diminuição da viabilidade fetal em ratas com doses intravenosas >3 mcg/kg/dia (75 vezes a máxima dose humana ocular recomendada) e em camundongos com doses subcutâneas >0,3mcg/kg/dia (7,5 vezes a máxima dose humana ocular recomendada).
A incidência17 de mortalidade57 pós-natal foi aumentada e o ganho de peso corpóreo do neonatal foi reduzido, na prole de ratas tratadas com travoprosta por via subcutânea58, desde o sétimo dia de gravidez12 até o vigésimo primeiro dia de lactação59, com doses ³ 0,12 mcg/kg/dia (3 vezes a máxima dose humana ocular recomendada). O desenvolvimento do neonatal foi também afetado, o que foi evidenciado pela demora na abertura dos olhos5, descolamento auricular, separação prepucial e diminuição da atividade motora.
Estudos adequados e bem controlados não foram realizados em mulheres grávidas. TRAVATAN Solução Oftálmica deve ser usado na gravidez12 somente se o beneficio potencial justificar o risco potencial para o feto60.

Uso em Idosos, Crianças e Outros Grupos de Risco de Travatan

Idosos: Não foram observadas diferenças na eficácia e segurança entre pacientes idosos e outros pacientes.

Crianças: A segurança e a eficácia não foram estabelecidas para pacientes61 pediátricos.

Lactantes62: Um estudo em ratas lactantes62 demonstrou que a travoprosta marcada radioativamente e/ou seus metabólitos38 são excretados no leite. Não se sabe se esta droga ou seus metabólitos38 são excretados no leite humano. Devido ao fato de muitas drogas serem excretadas no leite materno, devem ser tomadas precauções quando TRAVATAN Solução Oftálmica for administrado à mulheres lactantes62

Interações Medicamentosas de Travatan

Não foram descritas.

Reações Adversas de Travatan

O evento adverso ocular mais comum que foi observado em estudos clínicos controlados com TRAVATAN Solução 0,004% foi hiperemia63, relatada em 35 a 50 % dos pacientes. Aproximadamente 3% dos pacientes interromperam a terapia devido à hiperemia63 conjuntival. Os eventos adversos oculares relatados com incidência17 de 5 a 10 % incluíram diminuição da acuidade visual18, desconforto ocular, sensação de corpo estranho, dor e prurido64.
Os eventos adversos oculares relatados com incidência17 de 1 a 4% incluíram visão8 anormal, blefarite65, visão8 borrada, catarata20, conjuntivite10, olho16 seco, distúrbio ocular, "flare", alteração de cor da íris21, ceratite, crosta na borda da pálpebra, fotofobia66, hemorragia23 subconjuntival e lacrimejamento.
Os eventos adversos não oculares relatados com incidência17 de 1 a 5 % foram: lesão24 acidental, angina67 de peito27, ansiedade, artrite25, dor nas costas26, bradicardia68, bronquite, dor no peito27, síndrome69 do resfriado, depressão, dispepsia70, distúrbio gastrintestinal, dor de cabeça30, hipercolesterolemia71, hipertensão3, hipotensão72, infecção9, dor, distúrbios da próstata32, sinusite33, incontinência urinária73 e infecção9 do trato urinário74.

Superdose de Travatan

Em caso de superdose, lavar os olhos5 com água. Se o produto for acidentalmente ingerido o tratamento deve ser sintomático75.

Armazenagem de Travatan

Conservar o produto em temperatura ambiente (15 a 30 º C).


NÃO USE REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE14.

Travatan - Laboratório

ALCON
AV. N. SRA. DA ASSUNCAO, 736
SAO PAULO/SP - CEP: 05359001
Tel: (011 )268-7433
Fax: (011 )819-2171

Ver outros medicamentos do laboratório "ALCON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
3 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
4 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
5 Olhos:
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Cílios: Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
8 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
11 Pálpebras:
12 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
13 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
14 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
15 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
16 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
17 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
18 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
19 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
20 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
21 Íris: Membrana arredondada, retrátil, diversamente pigmentada, com um orifício central, a pupila, que se situa na parte anterior do olho, por trás da córnea e à frente do cristalino. A íris é a estrutura que dá a cor ao olho. Ela controla a abertura da pupila, regulando a quantidade de luz que entra no olho.
22 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
23 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
24 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
25 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
26 Costas:
27 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
28 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
29 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
30 Cabeça:
31 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
32 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
33 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
34 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
35 Osmolalidade: Molalidade de uma solução que exerce a mesma pressão osmótica que uma solução ideal de uma substância não dissociada. É uma medida indireta da concentração somada de todos os solutos de uma determinada solução.
36 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
37 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
38 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
39 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
40 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
41 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
42 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
43 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
44 Melanócitos: Células da pele que produzem o pigmento melanina.
45 Melanina: Cada uma das diversas proteínas de cor marrom ou preta, encontrada como pigmento em vegetais e animais.
46 Irite: Inflamação da íris, iridite.
47 Uveíte: Uveíte é uma inflamação intraocular que compromete total ou parcialmente a íris, o corpo ciliar e a coroide (o conjunto dos três forma a úvea), com envolvimento frequente do vítreo, retina e vasos sanguíneos.
48 Edema macular: Inchaço na mácula.
49 Prostaglandina: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
50 Cromossomos: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
51 Linfoma: Doença maligna que se caracteriza pela proliferação descontrolada de linfócitos ou seus precursores. A pessoa com linfoma pode apresentar um aumento de tamanho dos gânglios linfáticos, do baço, do fígado e desenvolver febre, perda de peso e debilidade geral.
52 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
53 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
54 Teratogênica: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
55 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
56 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
57 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
58 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
59 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
60 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
61 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
62 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
63 Hiperemia: Congestão sanguínea em qualquer órgão ou parte do corpo.
64 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
65 Blefarite: Inflamação do bordo externo das pálpebras ou pestanas. Também conhecida como palpebrite, sapiranga, sapiroca ou tarsite.
66 Fotofobia: Dor ocular ou cefaléia produzida perante estímulos visuais. É um sintoma freqüente na meningite, hemorragia subaracnóidea, enxaqueca, etc.
67 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
68 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
69 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
70 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
71 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
72 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
73 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
74 Trato Urinário:
75 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre Travatan?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.