ALVENT

FARMALAB

Atualizado em 03/06/2015

ALVENT ®
Brometo de ipratrópio

Solução para nebuIização - Cartucho contendo 20 flaconetes plásticos de 2 ml

USO ADULTO OU PEDIÁTRICO

Cada ml de solução para nebulização1 de ALVENT® contém:
Brometo de ipratrópio (equivalente a 250 mcg de ipratrópio) 260,9 mcg
Veículo.................. q s.p ............... 1.0 ml

Componentes não ativos: diidrogênio fosfato de sódio monoidratado, fosfato de sódio diidratado, cloreto de sódio e água purificada.

Informações ao Paciente de Alvent

O brometo de ipratrópio é um agente broncodilatador2.

Conserve em temperatura ambiente (entre 15º e 30º C) e proteja da umidade.

Prazo de validade:24 meses.

ATENÇÃO: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos desejados.

ALVENT® é utilizado somente para uso inalatório, através de nebulização1. ALVENT® pode ser administrado através de qualquer tipo de aparelho nebulizador.

Informe seu médico sobre a ocorrência de gravidez3 na vigência do tratamento ou após seu término. Informe-o se estiver amamentando.  Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico.

Informe seu médico sobre o aparecimento de reações desagradáveis, tais como boca4 seca, retenção urinária5 e constipação6.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DE CRIANÇAS.

ALVENT® é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida à droga, a qualquer outro componente da formulação ou à atropina e seus derivados. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.

NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE7.

Informação Técnica de Alvent

O brometo de ipratrópio é um agente anticolinérgico amônio quaternário derivado da atropina, com propriedades anticolinérgicas e com alta bronco-seletividade. Pela inibição da síntese de GMPc ACh-induzida e provavelmente pela inibição de uma possível Iiberação excedente de mediadores por bloqueio dos receptores colinérgicos na superfície dos mastócitos8, o brometo de ipratrópio exibe uma acentuada broncodilatação9 e com ação moderadamente prolongada. O ipratrópio apresenta atividade antimuscarínica superior no músculo liso10 brônquico do que em glândulas11 secretoras. A ação broncodilatadora inicia-se 3 a 5 minutos após a inalação e dura por 4 a 6 horas. O brometo de ipratrópio protege contra diferentes broncoespasmos12 induzidos física e quimicamente e pelo meio ambiente, com efeitos variáveis e extensos. Para o tratamento de broncoconstrição aguda, o brometo de ipratrópio é menos adequado que os beta2-agonistas, mas para profilaxia de broncoconstrição aguda o ipratrópio pode ser usado.

Além disso, o brometo de ipratrópio pode proporcionar benefícios adicionais na combinação com beta2-agonistas. O brometo de ipratrópio não determina alterações clinicamente significantes nos gases sangüíneos arteriais.

O brometo de ipratrópio é muito pouco absorvido no trato gastrointestinal. Foi relatado como sendo parcialmente metabolizado após administração oral e excretado na urina13 e fezes como droga inalterada e metabólitos14.

A inalação de brometo de ipratrópio, mesmo em dosagens máximas, não mostrou qualquer efeito tóxico nos estudos avaliados.

Indicações de Alvent

ALVENT® é indicado como broncodilatador2 no tratamento da asma15 brônquica e da doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), como bronquite crônica16 e enfisema17 pulmonar.

Contra-Indicações de Alvent

ALVENT® é contra-indicado em pacientes com hipersensibilidade conhecida à droga, a qualquer outro componente da formulação ou à atropina e seus derivados e em pacientes com glaucoma18, hipertrofia19 prostática, retenção urinária5 e oclusão intestinal.

Precauções e Advertências de Alvent

ALVENT® deve ser usado sob orientação médica. Pacientes devem ser instruídos para administração correta de ALVENT® e avisados sobre a ocorrência, embora rara, de visão20 borrada temporária, precipitação ou piora de glaucoma18 de ângulo fechado ou dor nos olhos21 quando a solução entrar em contato direto com estes. O uso de um nebulizador com adaptador bucal ao invés de máscara facial pode ser preferível para reduzir a probabilidade da solução atingir os olhos21.

O brometo de ipratrópio deve ser usado com cautela em pacientes com coronariopatias e cardiopatias.

Existem raros relatos de broncospasmo paradoxal22 associado com a administração do brometo de ipratrópio através da nebulização1. O paciente deve ser advertido para procurar auxílio médico se uma resposta reduzida tomar-se aparente.

Gravidez3 e lactação23: O brometo de ipratrópio tem sido usado por vários anos e não existem evidências de efeitos indesejáveis durante a gravidez3. Estudos em animais não demonstraram riscos. Todavia, medicamentos não devem ser usados na gravidez3, especialmente durante o primeiro trimestre, a menos que o beneficio esperado supere qualquer possível risco ao feto24.

Interações medicamentosas: Existem evidências que a administração concomitante de brometo de ipratrópio e drogas simpaticomiméticas produzem um maior alívio do broncoespasmo25 que cada uma administrada isoladamente. O brometo de ipratrópio demonstrou produzir broncodilatação9 efetiva em pacientes recebendo agentes beta-adrenérgicos26 e derivados xantínicos. ALVENT® pode seutilizado em associação com corticosteróides sem resultar em interações medicamentosas prejudiciais.

Reações Adversas de Alvent

Devido à baixa absorção sistêmica do brometo de ipratrópio, efeitos colaterais27 anticolinérgicos, tais como taquicardia28, palpitações29, alterações visuais, alterações da motilidade gastrintestinal e retenção urinária5, são raras e reversíveis em doses terapêuticas. Alguns pacientes podem apresentar boca4 seca, náuseas30 e vômitos31.

Posologia de Alvent

ALVENT® é utilizado somente para uso inalatório. ALVENT® é administrado por inalação, através de nebulizadores adequados ou de um aparelho com pressão positiva intermitente32.

Adultos e crianças acima de 14 anos: 1 flaconete (2 ml), 1 a 2 vezes ao dia. De acordo com a gravidade da doença, a posologia pode ser aumentada, segundo orientação médica, para 1 flaconete de 2 ml, até 4 vezes ao dia. Crianças de 3 a 14 anos: Metade do flaconete - ½ dose (1 ml), 1 a 2 vezes ao dia, podendo ser aumentada até o máximo de ½ dose (1 ml), 3 vezes ao dia

Caso necessário, a solução para nebulização1 pode ser diluída com solução fisiológica33 estéril na proporção 1:1.

Para permitir o uso de 1 ml de solução, os flaconetes apresentam uma graduação de meia-dose (1 ml). No caso de meia-dose ser requerida, a solução restante deve ser utilizada dentro de 12 horas.

Instruções de Uso de Alvent

1. Retire a tira de flaconetes de dentro da embalagem de alumínio2. Destaque o flaconete da tira pressionando sucessivamente para baixo e para cima (figura A);
3. Separe o flaconete da tira na parte superior e, após, no centro (figura B);
4. Abra o flaconete girando a tampa (figura C);
5. Aperte levemente o flaconete dentro da câmara do nebulizador, até a marca da dose prescrita ser atingida (figura D);
6. Se somente metade da dose for usada, tampe o flaconete girando a tampa e pressionando-a no lugar (figura E). Use a solução restante dentro de 12 horas.

Superdosagem de Alvent

Não foram reportados casos de superdosagem.

USO GERIÁTRICO:

ALVENT® pode ser usado por pessoas acima de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções comuns ao produto.

Venda Sob Prescrição Médica


ALVENT - Laboratório

FARMALAB
Av. Brig. Faria Lima, 1734 - 2º e 3º and
São Paulo/SP - CEP: 01452-001
Tel: 55 (011) 867- 0012
Fax: 55 (011) 813-0500
Email: chiesi.brasil@ibm.net
Site: http://www.farmalabchiesi.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "FARMALAB"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Nebulização: Método utilizado para administração de fármacos ou fluidificação de secreções respiratórias. Utiliza um mecanismo vaporizador através do qual se favorece a penetração de água ou medicamentos na atmosfera bronquial.
2 Broncodilatador: Substância farmacologicamente ativa que promove a dilatação dos brônquios.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
5 Retenção urinária: É um problema de esvaziamento da bexiga causado por diferentes condições. Normalmente, o ato miccional pode ser iniciado voluntariamente e a bexiga se esvazia por completo. Retenção urinária é a retenção anormal de urina na bexiga.
6 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Mastócitos: Células granulares que são encontradas em quase todos os tecidos, muito abundantes na pele e no trato gastrointestinal. Como os BASÓFILOS, os mastócitos contêm grandes quantidades de HISTAMINA e HEPARINA. Ao contrário dos basófilos, os mastócitos permanecem normalmente nos tecidos e não circulam no sangue. Os mastócitos, provenientes das células-tronco da medula óssea, são regulados pelo FATOR DE CÉLULA-TRONCO.
9 Broncodilatação: Aumento do diâmetro dos brônquios e dos bronquíolos pulmonares devido ao relaxamento do músculo liso das vias aéreas.
10 Músculo Liso: Um dos músculos dos órgãos internos, vasos sanguíneos, folículos pilosos etc.; os elementos contráteis são alongados, em geral células fusiformes com núcleos de localização central e comprimento de 20 a 200 mü-m, ou ainda maior no útero grávido; embora faltem as estrias traversas, ocorrem miofibrilas espessas e delgadas; encontram-se fibras musculares lisas juntamente com camadas ou feixes de fibras reticulares e, freqüentemente, também são abundantes os ninhos de fibras elásticas. (Stedman, 25ª ed)
11 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
12 Broncoespasmos: Contrações dos músculos lisos bronquiais, capazes de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. São contrações vistas com frequência na asma.
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
15 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
16 Bronquite crônica: Inflamação persistente da mucosa dos brônquios, em geral produzida por tabagismo, e caracterizada por um grande aumento na produção de muco bronquial que produz tosse e expectoração durante pelo menos três meses consecutivos durante dois anos.
17 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
18 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
19 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
20 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
21 Olhos:
22 Paradoxal: Que contém ou se baseia em paradoxo(s), que aprecia paradoxo(s). Paradoxo é o pensamento, proposição ou argumento que contraria os princípios básicos e gerais que costumam orientar o pensamento humano, ou desafia a opinião consabida, a crença ordinária e compartilhada pela maioria. É a aparente falta de nexo ou de lógica; contradição.
23 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
24 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
25 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
26 Adrenérgicos: Que agem sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
27 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
28 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
29 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
30 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
31 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
32 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
33 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.

Tem alguma dúvida sobre ALVENT?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.