Isopto Carpine

ALCON

Atualizado em 08/12/2014

Isopto Carpine®

2% Cloridrato de Pilocarpina
Solução Oftálmica Estéril

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Forma Farmacêutica e Apresentação do Isopto Carpine

Frasco plástico conta-gotas contendo 15 ml de solução oftálmica estéril de cloridrato de pilocarpina nas concentrações de 2% e 4 %.

Composições do Isopto Carpine

ISOPTO CARPINE 2%

Cada ml contém:

Cloridrato de pilocarpina....................20,0 mg
Veículo constituído de hipromelose, ácido bórico, citrato de sódio, ácido clorídrico1 e/ou hidróxido de sodio, cloreto de benzalcônio como conservante e água purificada q.s.p 1 ml.

ISOPTO CARPINE 4%

Cada ml contém:

Cloridrato de pilocarpina....................40,0 mg
Veículo constituído de hipromelose, ácido bórico, citrato de sódio, ácido clorídrico1 e/ou hidróxido de sódio, cloreto de benzalcônio como conservante e água purificada q.s.p 1 ml.

Indicações do Isopto Carpine

O cloridrato de pilocarpina é um miótico (parassimpatomimético) indicado no controle da pressão intra-ocular. ISOPTO CARPINE pode ser usado em combinação com outros mióticos, beta-bloqueadores, inibidores da anidrase carbônica, agentes simpatomiméticos ou hiperosmóticos.

Contra-Indicações do Isopto Carpine

Mióticos são contra-indicados quando a miose2 não é recomendada, como nos casos de irite3 aguda, glaucoma4 por bloqueio pupilar e hipersensibilidade aos componentes da fórmula.

Precauções do Isopto Carpine

Geral: A miose2 geralmente provoca dificuldade de adaptação para visão5 no escuro. Os pacientes devem ser avisados para ter cuidado ao dirigir à noite ou executar outras atividades perigosas sob iluminação deficiente.

Carcinogênese, mutagênese e diminuição da fertilidade: Não foram realizados estudos de longo prazo em animais para se avaliar o potencial carcinogênico da pilocarpina.

Gravidez6: Não foram realizadosestudos de reprodução7 em animais com a pilocarpina. Não se sabe se a pilocarpina pode causar dano ao feto8 quando administrada durante a gravidez6 ou se pode afetar a capacidade de reprodução7.

ISOPTO CARPINE deve ser usado durante a gravidez6 somente nos casos em que for indispensável.

Lactantes9: Não se sabe se esta droga é excretada no leite humano. Devido ao fato de muitas drogas serem excretadas no leite materno, devem ser tomadas precauções quando ISOPTO CARPINE for administrado a mulheres lactantes9.

Advertências do Isopto Carpine

EXCLUSIVAMENTE PARA USO TÓPICO10. NÃO DEVE SER INJETADO.

Reações Adversas do Isopto Carpine

Podem ocorrer sintomas11 transitórios de ardor12 e queimação. Espasmo13 ciliar, congestão vascular14 conjuntival, cefaléia15 temporal ou supra-orbitária e indução de miopia16 podem ocorrer, especialmente em pacientes jovens, que tenham começado a administração recentemente. Indivíduos mais velhos e aqueles com opacidade do cristalino17 poderão experimentar uma redução na acuidade visual18 sob iluminação deficiente. Como com todos os mióticos, relataram-se raros casos de descolamento da retina19 quando usados em indivíduos sensíveis. Pode ocorrer a opacificação do cristalino17 com o uso prolongado de pilocarpina.

Posologia e Administração do Isopto Carpine

Duas gotas no olho20, 3 ou 4 vezes por dia, ou a critério médico.
Alguns pacientes podem requerer instilações mais freqüentes. Indivíduos de íris21 mais pigmentadas podem requerer concentrações mais altas.

NÃO USE REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE22.

Isopto Carpine - Laboratório

ALCON
AV. N. SRA. DA ASSUNCAO, 736
SAO PAULO/SP - CEP: 05359001
Tel: (011 )268-7433
Fax: (011 )819-2171

Ver outros medicamentos do laboratório "ALCON"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
2 Miose: Contração da pupila, que pode ser fisiológica, patológica ou terapêutica.
3 Irite: Inflamação da íris, iridite.
4 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
5 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
8 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
9 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
10 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
11 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
12 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
13 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
14 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
15 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
16 Miopia: Incapacidade para ver de forma clara objetos que se encontram distantes do olho.Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais, e mais recentemente com o uso de cirurgia a laser.
17 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
18 Acuidade visual: Grau de aptidão do olho para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos.
19 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
20 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
21 Íris: Membrana arredondada, retrátil, diversamente pigmentada, com um orifício central, a pupila, que se situa na parte anterior do olho, por trás da córnea e à frente do cristalino. A íris é a estrutura que dá a cor ao olho. Ela controla a abertura da pupila, regulando a quantidade de luz que entra no olho.
22 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.

Tem alguma dúvida sobre Isopto Carpine?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.