ESTRAGEST TTS

NOVARTIS

Atualizado em 08/12/2014

Composição de Estragest Tts

um sistema Estragest TTS (0,125/25) contém 15mg de acetato de noretisterona (NETA) e 5 mg de estradiol (E2), liberando 125 mcg e 25 mcg por dia, respectivamente. Excipientes: etanol, hidroxipropilcelulose, polietileno tereftalato, copolímero de etilenovinilacetato, parafina líquida, poliisobutileno, cobertura de silicone na parte interna da película protetora (removida antes do sistema ser utilizado).

Posologia e Administração de Estragest Tts

Estragest TTS fornece terapia contínua de associação de estrógeno1/progestágeno para mulheres com útero2 íntegro. O adesivo é aplicado duas vezes por semana, isto é, o sistema deve ser trocado a cada 3 a 4 dias. Mulheres que não receberam terapia de reposição hormonal (TRH) anteriormente podem iniciar o tratamento quando necessário. Em mulheres que estejam substituindo a TRH seqüencial, o tratamento deve ser iniciado ao final do sangramento esperado. Em algumas mulheres pode ocorrer sangramento irregular ou spotting durante os primeiros meses da terapia com Estragest TTS. Na maioria das mulheres ocorre amenorréia3 após 3 meses de tratamento com Estragest TTS. Em outro grupo, sangramento ou spotting ainda pode ocorrer raramente, porém será aceitável. Se, a qualquer momento, sangramento ou spotting for inaceitável, Estragest TTS deve ser descontinuado. Uso em idosos: não há necessidade de posologia especial. - Superdosagem: em decorrência do modo de administração, é improvável a ocorrência de superdosagem por estradiol ou NETA, mas pode ser rapidamente revertida pela remoção do adesivo.

Precauções de Estragest Tts

Estragest TTS, como qualquer outra forma de terapia com hormônio4 sexual, deve ser prescrito somente após exames clínico geral e ginecológico completo, para serem excluídas anormalidades endometriais e câncer5 de mama6. Como ocorre com outros esquemas de TRH, as pacientes que recebem tratamento prolongado devem ser acompanhadas regularmente, incluindo monitoração do endométrio7, se necessário. Em todos os casos de sangramento vaginal persistente não diagnosticado ou spotting, devem-se tomar condutas diagnósticas adequadas, incluindo amostragem endometrial se indicado, para excluir anormalidade e o tratamento deve ser reavaliado. A maioria dos estudos não demonstrou associação entre as doses usuais da terapia de reposição estrogênica e o risco de desenvolvimento do câncer5 de mama6. Alguns estudos relataram pequeno aumento do risco de câncer5 de mama6 em mulheres em terapia de reposição estrogênica por períodos prolongados (mais de 5 anos). Embora os efeitos da terapia da associação estrógeno1/progestágeno não sejam conhecidos, as evidências disponíveis indicam que progestágenos não influenciam significativamente o risco de câncer5 de mama6 em pacientes que fazem uso prolongado de estrógenos. Recomenda-se que, para tratamento prolongado, os benefícios potenciais sejam avaliados em relação aos possíveis riscos para cada paciente. Recomenda-se evitar a administração de estrógenos a mulheres previamente tratadas para câncer5 de mama6. Mulheres recebendo esta terapia, em particular as que apresentam histórico familiar de câncer5 de mama6 (parentes de primeiro grau) ou qualquer outra doença da mama6 associada a aumento do risco de câncer5 de mama6, devem fazer exames regulares de mama6 e devem ser orientadas sobre o auto-exame das mamas8. Recomenda-se mamografia9 antes do início do tratamento e a intervalos regulares em pacientes de alto risco. Leiomiomas ou fibróides uterinos preexistentes podem aumentar durante a terapia com estrógenos. Mulheres com endometriose10 devem ser cuidadosamente monitoradas. As seguintes condições podem piorar com a TRH: hipertensão11, asma12, insuficiência cardíaca13, distúrbios renais ou hepáticos, enxaqueca14 ou epilepsia15. É primordial que pacientes acometidas sejam monitoradas e que a TRH seja interrompida se houver aumento dos ataques epilépticos. Se houver diagnóstico16 ou suspeita de piora de qualquer das condições mencionadas durante a TRH, os benefícios e os riscos da TRH devem ser reavaliados com base em cada caso. Aconselha-se atenção em caso de pacientes com histórico de icterícia17 e prurido18 relacionados à terapia com estrógeno1. Na ocorrência de icterícia17 colestática durante o tratamento, o medicamento deve ser suspenso e as investigações apropriadas realizadas. Mulheres com hipertrigliceridemia familiar precisam de atenção especial. Além disso, recomendam-se condutas hipolipemiantes antes do início da TRH. Embora as observações até o momento indiquem que os estrógenos, incluindo o estradiol transdérmico, administrados em associação a baixas doses de progestágeno transdérmico, não comprometem o metabolismo19 de carboidratos, pacientes diabéticas devem ser monitoradas durante o início da terapia até que novas informações estejam disponíveis. - Gravidez20 e lactação21: Estragest TTS não deve ser usado durante a gravidez20 e a lactação21. - Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e/ou operar máquinas: desconhecidos. - Interações medicamentosas e outras formas de interações: medicamentos que induzem as enzimas hepáticas22 microssomais, por exemplo, barbituratos, hidantoínas, carbamazepina, meprobamato, fenilbutazona ou rifampicina, podem comprometer a atividade dos estrógenos e progestágenos.

Reações Adversas de Estragest Tts

os efeitos adversos apresentados por mulheres que utilizaram Estragest TTS em estudos clínicos controlados demonstraram perfil semelhante aos associados a outros produtos transdérmicos de TRH. Sistema nervoso central23: cefaléia24, tontura25. Sistema cardiovascular26: palpitação27, distúrbios tromboembólicos, exacerbação de veias28 varicosas e aumento da pressão arterial29. Trato gastrintestinal: distensão abdominal, náuseas30 e cólicas31 abdominais; disfunção hepática32 assintomática e icterícia17 colestática. Pele33 e anexos34: eritema35 transitório e irritação no local de aplicação com ou sem prurido18, dermatite36 alérgica de contato; pigmentação pós-inflamatória reversível; prurido18 generalizado e exantema37. Sistema endócrino38: desconforto nas mamas8. Trato urogenital39: sangramento/spotting e hiperplasia endometrial40. Outros: edema41 e/ou alteração de peso, dor nas pernas (não relacionada à doença tromboembólica e geralmente passageira, com 3 a 6 semanas de duração), reações anafilactóides (algumas das pacientes tinham histórico anterior de alergia42 ou distúrbios alérgicos).

Contra-Indicações de Estragest Tts

Estragest TTS é contra-indicado em casos de suspeita ou câncer5 de mama6 conhecido; suspeita ou câncer5 do endométrio7 ou outra neoplasia43 dependente de estrógeno1; sangramento genital anormal sem diagnóstico16; doença hepática32 grave; porfiria44; trombose venosa profunda45 ativa ou distúrbios tromboembólicos, ou histórico documentado destas condições; hipersensibilidade conhecida aos componentes do sistema terapêutico. Também é contra-indicado na gravidez20 e lactação21, embora Estragest TTS seja indicado apenas para mulheres há no mínimo 2 anos na pós-menopausa46. - Advertências: sabe-se que ocorre sensibilização de contato com todas as aplicações tópicas. Embora seja extremamente rara, pacientes que desenvolvam sensibilização de contato a qualquer um dos componentes do adesivo devem ser alertados da possibilidade de reação de hipersensibilidade grave com a exposição contínua ao agente causador. Estudos epidemiológicos indicaram que a terapia de reposição hormonal (TRH) pode estar associada ao aumento do risco relativo de desenvolvimento de tromboembolia venosa (TEV), isto é, trombose venosa profunda45 ou embolia47 pulmonar. Portanto, a relação risco/benefício deve ser avaliada cuidadosamente em consulta com a paciente ao se prescrever TRH a mulheres com fator de risco48 para TEV. Em geral, os fatores de risco reconhecidos para TEV incluem histórico pessoal, histórico familiar (ocorrência de TEV em parente direto relativamente com pouca idade pode indicar predisposição genética) e obesidade49 grave. O risco de TEV também aumenta com a idade. Não há consenso sobre o possível papel das veias28 varicosas na TEV. O risco de TEV pode ser temporariamente aumentado com imobilização prolongada, cirurgia eletiva50 de grande porte ou pós-traumática ou trauma importante. Dependendo da natureza do evento e da duração da imobilização, deve-se considerar a descontinuação temporária da TRH.

Indicações de Estragest Tts

tratamento de sinais51 e sintomas52 da deficiência de estrógeno1, por exemplo, ondas de calor, distúrbios do sono e atrofia53 urogenital39, assim como alterações de humor. Estragest TTS é indicado para mulheres com útero2 íntegro, há no mínimo 2 anos na pós-menopausa46.

Apresentação de Estragest Tts

caixas com 8 sistemas terapêuticos transdérmicos.


ESTRAGEST TTS - Laboratório

NOVARTIS
Av. Prof. Vicente Rao, 90 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04706-900
Tel: 55 (011) 532-7122
Fax: 55 (011) 532-7942
Site: http://www.novartis.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "NOVARTIS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
2 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
3 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
4 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
5 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
6 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
7 Endométrio: Membrana mucosa que reveste a cavidade uterina (responsável hormonalmente) durante o CICLO MENSTRUAL e GRAVIDEZ. O endométrio sofre transformações cíclicas que caracterizam a MENSTRUAÇÃO. Após FERTILIZAÇÃO bem sucedida, serve para sustentar o desenvolvimento do embrião.
8 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
9 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
10 Endometriose: Doença que acomete as mulheres em idade reprodutiva e consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada interna do útero que é renovada mensalmente pela menstruação. Os locais mais comuns da endometriose são: Fundo de Saco de Douglas (atrás do útero), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga e parede da pélvis.
11 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
12 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
13 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
14 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
15 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
16 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
17 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
18 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
19 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
20 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
21 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
22 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
23 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
24 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
25 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
26 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
27 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
28 Veias: Vasos sangüíneos que levam o sangue ao coração.
29 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
30 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
31 Cólicas: Dor aguda, produzida pela dilatação ou contração de uma víscera oca (intestino, vesícula biliar, ureter, etc.). Pode ser de início súbito, com exacerbações e períodos de melhora parcial ou total, nos quais o paciente pode estar sentindo-se bem ou apresentar dor leve.
32 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
33 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
34 Anexos: 1. Que se anexa ou anexou, apenso. 2. Contíguo, adjacente, correlacionado. 3. Coisa ou parte que está ligada a outra considerada como principal. 4. Em anatomia geral, parte acessória de um órgão ou de uma estrutura principal. 5. Em informática, arquivo anexado a uma mensagem eletrônica.
35 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
36 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
37 Exantema: Alteração difusa da coloração cutânea, caracterizada por eritema, com elevação das camadas mais superficiais da pele (pápulas), vesículas, etc. Pode ser produzido por uma infecção geralmente viral (rubéola, varicela, sarampo), por alergias a medicamentos, etc.
38 Sistema Endócrino: Sistema de glândulas que liberam sua secreção (hormônios) diretamente no sistema circulatório. Em adição às GLÂNDULAS ENDÓCRINAS, o SISTEMA CROMAFIM e os SISTEMAS NEUROSSECRETORES estão inclusos.
39 Urogenital: Na anatomia geral, é a região relativa aos órgãos genitais e urinários; geniturinário.
40 Hiperplasia endometrial: Caracterizada por alterações biomorfológicas do endométrio (estroma e glândulas), que variam desde um estado fisiológico exacerbado até o carcinoma “in situ”. É o resultado de uma estimulação estrogênica persistente na ausência ou insuficiência de estímulo progestínico.O fator prognóstico mais importante nas pacientes afetadas é a atipia celular: cerca de 20% das pacientes com hiperplasia atípica evoluem para câncer invasivo.
41 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
42 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
43 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
44 Porfiria: Constituem um grupo de pelo menos oito doenças genéticas distintas, além de formas adquiridas, decorrentes de deficiências enzimáticas específicas na via de biossíntese do heme, que levam à superprodução e acumulação de precursores metabólicos, para cada qual correspondendo um tipo particular de porfiria. Fatores ambientais, tais como: medicamentos, álcool, hormônios, dieta, estresse, exposição solar e outros desempenham um papel importante no desencadeamento e curso destas doenças.
45 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
46 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
47 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
48 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
49 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
50 Eletiva: 1. Relativo à eleição, escolha, preferência. 2. Em medicina, sujeito à opção por parte do médico ou do paciente. Por exemplo, uma cirurgia eletiva é indicada ao paciente, mas não é urgente. 3. Cujo preenchimento depende de eleição (diz-se de cargo). 4. Em bioquímica ou farmácia, aquilo que tende a se combinar com ou agir sobre determinada substância mais do que com ou sobre outra.
51 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
52 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
53 Atrofia: 1. Em biologia, é a falta de desenvolvimento de corpo, órgão, tecido ou membro. 2. Em patologia, é a diminuição de peso e volume de órgão, tecido ou membro por nutrição insuficiente das células ou imobilização. 3. No sentido figurado, é uma debilitação ou perda de alguma faculdade mental ou de um dos sentidos, por exemplo, da memória em idosos.

Tem alguma dúvida sobre ESTRAGEST TTS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.