Redoxon Pediátrico (Gotas 200 mg/mL)

BAYER S.A.

Atualizado em 18/09/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Redoxon®
ácido ascórbico
Gotas 200 mg/mL

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Solução oral (gotas)
Embalagem contendo 1 frasco de 20 mL

USO ORAL
USO PEDIÁTRICO

COMPOSIÇÃO:

Cada ml de Redoxon® contém:

ácido ascórbico (vitamina1 C) 200 mg
veículo q.s.p. 1 mL

Excipientes: sacarina2 sódica di-hidratada, metilparabeno, propilparabeno, glicerol, hidróxido de sódio, caramelo concentrado, aroma de caramelo, essência de ameixa, essência de laranja doce e água purificada.

Cada mL corresponde a 20 gotas.

Porcentagem da Ingestão Diária Recomendada (IDR) em relação à posologia máxima para as faixas etárias de 0 a 10 anos:

  0-6 meses 7-11 meses 1-3 anos 4-6 anos 7-10 anos
P 50 mínimo 3,08 kg 8 kg 9,82 kg 17,63 kg 24,49 kg
P 50 máximo 7,55 kg 10 kg 15,19 kg 21,7 kg 32,23 kg
Dose mínima 3 gotas 8 gotas 9 gotas 17 gotas 24 gotas
Dose máxima 7 gotas 10 gotas 15 gotas 21 gotas 32 gotas
% IDR mínima 120% 266% 300% 566% 685%
% IDR máxima 280% 333% 500% 700% 914%

P 50 mínimo = peso médio de 50% dos lactentes3 e crianças referentes à menor idade da faixa etária. Ex: 0 meses – peso médio de 50% dos lactentes3 é 3,08 kg.
P 50 máximo = peso médio de 50% dos lactentes3 e crianças referentes à maior idade da faixa etária. Ex: 6 meses – peso médio de 50% dos lactentes3 é 7,55 kg.
Dose mínima = dose em gotas recomendada para a menor idade da faixa etária.
Dose máxima = dose em gotas recomendada para a maior idade da faixa etária.
% IDR mínima = porcentagem da IDR calculada para a menor idade da faixa etária.
% IDR máxima = porcentagem da IDR calculada para a maior idade da faixa etária.

Marcondes, Eduardo. Crescimento in Sucupira, ACSL; Bricks,LF; Kobinger MEBA; Saito MI and Zuccolotto, SMC. Pediatria em Consultório 4ª Edição, Ed. Savier, 2000, Pág 16-21.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Redoxon® é indicado como suplemento vitamínico nos seguintes casos:

  • auxiliar do sistema imunológico4;
  • antioxidante;
  • pós-cirúrgico e cicatrizante;
  • doenças crônicas e convalescença;
  • dietas restritivas e inadequadas;
  • como auxiliar nas anemias carenciais;

Redoxon® também é indicado como suplemento vitamínico para recém nascidos, lactentes3 e crianças em fase de crescimento.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

O ácido ascórbico (vitamina1 C) é uma importante vitamina1 hidrossolúvel e antioxidante (neutraliza os efeitos dos radicais livres), participando de diversas reações metabólicas no organismo. Por se armazenar em baixas quantidades no corpo humano5, a vitamina1 C precisa ser obtida através de fontes externas (alimentação ou suplementação6) de forma regular e em quantidade suficiente.

A vitamina1 C auxilia e fortalece as defesas do organismo no sistema imunológico4: a vitamina1 C contribui para a proteção das células7 contra a ação dos radicais livres (espécies reativas de oxigênio) geradas pela resposta inflamatória.

A vitamina1 C é necessária para o funcionamento adequado dos glóbulos brancos, sua movimentação, eliminação de agentes agressores (como vírus8 e bactérias, por exemplo), atividade antimicrobiana e para a síntese de colágeno9 e cicatrização de feridas. Além disso, as quantidades de vitamina1 C no sangue10 (plasma11) e nos glóbulos brancos (leucócitos12) decaem rapidamente durante infecções13 e estresse. O aumento da ingestão de vitamina1 C se mostrou benéfico em grupos de risco para infecções13 e diminuiu a duração e a gravidade dos resfriados comuns.

A vitamina1 C tem um importante papel na produção de colágeno9.

O colágeno9 é fundamental para a manutenção da barreira física representada pela pele14 e mucosas15 contra infecções13. A formação prejudicada de colágeno9 provoca diversos sintomas16 observados no escorbuto17 (deficiência grave de vitamina1 C) como o atraso na cicatrização de feridas, distúrbios do crescimento ósseo, fragilidade dos vasos e má formação da dentina (substância importante para a formação dos dentes).

O ácido ascórbico desempenha papel importante na absorção do ferro dos alimentos, transformando-os da forma férrica em ferrosa, auxiliando assim, na proteção contra a anemia ferropriva18 (deficiência de ferro).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Redoxon® é contraindicado:

  • para pacientes19 com hipersensibilidade (alergia20) à susbstância ativa (ácido ascórbico) ou a qualquer um dos componentes da formulação;
  • para pacientes19 com cálculo21 renal22 (pedra nos rins23) por oxalato ou com eliminação de oxalato pela urina24;
  • para pacientes19 com insuficiência renal25 grave (deficiência do funcionamento do rim26) ou falência renal22. O uso de altas doses de vitamina1 C em pacientes cujos rins23 não funcionem efetivamente, pode provocar a formação de cristais e/ou pedras nos rins23 ou levar a insuficiência renal25.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Precauções e Advertências

A dose diária recomendada não deve ser ultrapassada, a não ser que clinicamente indicado e recomendado por um médico ou profissional de saúde27.

Pacientes que tomem outras vitaminas, polivitamínicos, qualquer outro medicamento ou estejam sob cuidados médicos, devem consultar o médico antes de tomar Redoxon®.

A vitamina1 C aumenta a absorção de ferro. Crianças com hemocromatose28 devem consultar um profissional de saúde27 antes de usar Redoxon®.

A vitamina1 C é parcialmente metabolizada em ácido oxálico. Crianças com hiperoxalúria, nefrolitíase ou predisposição para nefrolitíase devem consultar um profissional de saúde27 antes de usar Redoxon®.

Adultos e adolescentes com 12 anos ou mais devem evitar a ingestão acima de 500 mg/dia.

Pacientes com insuficiência renal25 grave (mau funcionamento dos rins23), incluindo os que recebem diálise29, devem consultar um profissional da saúde27 antes de usar Redoxon®, pois um ajuste de dose pode ser necessário.

A vitamina1 C pode causar anemia hemolítica30 em certos pacientes com deficiência de glicose31-6-fosfato desidrogenase (G6PD). Os pacientes com esta deficiência devem consultar um profissional de saúde27 antes de usar o produto. Quando clinicamente indicado, o uso em lactentes3 prematuros e recém-nascidos deve ser monitorado rigorosamente.

A vitamina1 C pode interferir com alguns exames laboratoriais, resultando em resultados falsos. Informe ao seu médico ou profissional de saúde27 ao tomar este produto e se exames de laboratório estiverem planejados. A vitamina1 C pode interferir com kits de exames e glicosímetros, resultando em resultados falsos. Consulte o folheto informativo do kit de exame ou do glicosímetro32 para orientação.

Redoxon® não contém açúcares (glicídios) podendo ser utilizado por diabéticos.

Fertilidade, gravidez33 e lactação34

Não há evidências de que níveis endógenos normais de vitamina1 C causem efeitos reprodutivos adversos em seres humanos.

Durante a gestação, geralmente a ingestão de Redoxon® é considerada segura desde que utilizada na dose recomendada. Entretanto, durante a gravidez33, Redoxon® deve ser administrado somente sob recomendação médica. A dose recomendada não deve ser ultrapassada.

Quando tomado de acordo com as recomendações durante a lactação34, a suplementação6 com Redoxon® é segura. Entretanto, durante a lactação34, Redoxon® deve ser administrado somente quando clinicamente indicado e recomendado pelo médico. A dose recomendada não deve ser ultrapassada.

A vitamina1 C é excretada no leite materno. Isso deve ser levado em consideração se a criança estiver recebendo suplementação6.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Efeitos na habilidade de dirigir e usar máquinas

Redoxon® não afeta ou tem influência desprezível na capacidade de dirigir veículos e de operar máquinas.

Interações Medicamentosas

A desferroxamina usada juntamente com o ácido ascórbico pode aumentar a toxicidade35 do ferro nos tecidos, especialmente no coração36, causando descompensação cardíaca.

A suplementação6 com antioxidantes, incluindo a vitamina1 C, pode reduzir os níveis sanguíneos de ciclosporina. Doses crônicas ou altas doses de vitamina1 C podem interferir na eficácia de dissulfiram. Doses elevadas de vitamina1 C reduzem significativamente a concentração sérica de indinavir, podendo assim interferir com a sua eficácia.

Doses elevadas de vitamina1 C podem interferir com a eficácia da varfarina.

Interações com Alimentos/Suplementos

A vitamina1 C pode aumentar a absorção de ferro, especialmente em pacientes com deficiência de ferro. Pequenas elevações graduais de ferro podem ser importantes em pacientes com hemocromatose28 hereditária (doença genética em que ocorre depósito de ferro no organismo), pois elas podem agravar a sobrecarga de ferro.

Interações em Exames de Laboratório

Como a vitamina1 C é um forte agente redutor (ou seja, doador de elétrons), ela pode causar interferência química em exames de laboratório que envolvem oxidação – reações de redução, tais como as análises de glicose31, creatinina37, carbamazepina, ácido úrico e fosfatos inorgânicos na urina24, no soro38 e de sangue10 oculto nas fezes, resultando em resultados falsos. Utilizar exames específicos que não dependam de propriedades redutoras ou, descontinuar a vitamina1 C da dieta irá evitar qualquer interferência indesejável. Consulte as informações do fabricante para determinar se o ácido ascórbico interfere no exame.

A vitamina1 C pode interferir em exames que medem glicose31 na urina24 e no sangue10, resultando em resultados falsos, embora ela não tenha efeito sobre a glicemia39. Consulte o folheto informativo do glicosímetro32 ou kit de exame para determinar se o ácido ascórbico interfere em exames e para buscar orientação sobre exatidão nas leituras.

A vitamina1 C interfere nos testes de pesquisa de acetaminofeno na urina24, baseados na hidrólise e formação de cromógeno azul de indofenol, podendo levar a um resultado negativo do teste na presença de acetaminofeno.

A vitamina1 C (acima de 1g/dia) pode resultar em falso-negativo no teste de guáiaco.

O ácido ascórbico deve ser descontinuado se houver suspeita de interferência no teste de guáiaco. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Conservar em temperatura ambiente (15 a 30°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

Redoxon® gotas apresenta-se na forma de uma solução límpida a levemente opalescente de coloração marrom com cheiro de frutas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Posologia

Recém-nascidos e prematuros: 1 a 3 gotas por dia.

Crianças: 1 gota40 por quilo de peso por dia.

Modo de usar

As gotas podem ser tomadas com água, suco, alimentos ou ainda de acordo com orientação médica.

Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas16, procure orientação médica ou de seu cirurgião-dentista.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações adversas listadas foram identificadas durante o uso de Redoxon® após a sua aprovação. Como estas reações são relatadas voluntariamente, nem sempre é possível estimar a sua frequência com confiança.

Alterações gastrintestinais: Eventos gastrintestinais leves como náuseas41, vômitos42, diarreia43, bem como dores gastrintestinais e abdominais.

Alterações do sistema imunológico4Reação alérgica44, reação anafilática45 e choque anafilático46.

Foram relatadas reações alérgicas (hipersensibilidade) com respectivas manifestações laboratoriais e clínicas, incluindo asma47, reações leves a moderadas que potencialmente podem afetar a pele14, o trato respiratório, o trato gastrintestinal e o sistema cardiovascular48, incluindo sintomas16, tais como erupção49 cutânea50, urticária51, edema52 alérgico (inchaço53), angioedema54 (inchaço53 e vermelhidão na pele14), prurido55 (coceira na pele14), distúrbios cardiorrespiratórios e reações graves, incluindo choque anafilático46.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não há evidencias de que Redoxon® possa levar a uma superdose, se usado conforme recomendação.

Deve-se fazer um ajuste para a ingestão de vitamina1 C a partir de todas as suas fontes.

Os sinais56 e sintomas16 clínicos, achados laboratoriais e as consequências da superdose são altamente diversificados, dependem da sensibilidade do paciente e das circunstâncias envolvidas.

As manifestações gerais da superdose com vitamina1 C podem incluir o aumento de distúrbios gastrintestinais como constipação57, diarreia43, náuseas41 e vômitos42. Se tais sintomas16 ocorrerem, Redoxon® deve ser interrompido e um profissional da saúde27 deve ser consultado.

As manifestações clínicas específicas podem incluir o seguinte:

A ingestão aguda e crônica de vitamina1 C de todas as fontes acima de 50 mg/dia em lactentes3, acima de 400 mg/dia em crianças de 1 a 3 anos de idade, acima de 650 mg/dia em crianças de 4 a 8 anos de idade, acima de 1200 mg/dia em crianças de 9 a 13 anos de idade, acima de 1800 mg/dia em adolescentes de 14 a 18 anos de idade e acima de 2000 mg/dia em adultos aumenta o risco de efeitos adversos.

A superdose aguda ou crônica de vitamina1 C (acima de 2 g/dia em adultos) pode elevar significativamente os níveis de oxalato na urina24 e no soro38. Em alguns casos, isso pode causar hiperoxalúria, cristalúria de oxalato de cálcio, deposição de oxalato de cálcio, formação de cálculo21 renal22, nefropatia58 túbulo-intersticial59 e insuficiência renal25 aguda. Os pacientes com doenças renais de base tais como hiperoxalúria, nefrolitíase ou histórico de nefrolitíase e/ou insuficiência renal25 grave, incluindo aqueles em diálise29, podem ser sensíveis aos efeitos de toxicidade35 da vitamina1 C em doses mais baixas.

A superdose de vitamina1 C (acima de 3 g/dia em crianças e acima de 15 g/dia em adultos) pode provocar hemólise60 oxidativa (rompimento de glóbulos vermelhos por oxigênio) ou coagulação61 intravascular62 disseminada em pessoas com deficiência da enzima63 glicose31-6-fosfato desidrogenase (G6PD).

Também houve relação da hemólise60 com a administração de vitamina1 C em recém-nascidos com deficiência de glicose31-6-fosfato desidrogenase (G6PD) e em lactentes3 prematuros normais.

O consumo crônico64 de altas doses de vitamina1 C (acima de 500 mg/dia em adultos) pode agravar a sobrecarga de ferro e resultar em danos nos tecidos de pacientes com hemocromatose28.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas16 procure orientação médica.
 

MS – 1.7056.0006
Farm. Resp.: Dra. Dirce Eiko Mimura - CRF-SP n° 16532

Fabricado por:
Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Itapecerica da Serra – SP

Ou

Fabricado por:
Takeda Pharma Ltda. - Jaguariúna - SP

Registrado por:
Bayer S.A.
Rua Domingos Jorge, 1.100 – Socorro - 04779 – 900 - São Paulo - SP
CNPJ 18.459.628/0001-15 - Indústria Brasileira


SAC 0800 723 1010

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Sacarina: Adoçante sem calorias e sem valor nutricional.
3 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
4 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
5 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
6 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
9 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
11 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
12 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
13 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
14 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
15 Mucosas: Tipo de membranas, umidificadas por secreções glandulares, que recobrem cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
16 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
17 Escorbuto: Doença aguda ou crônica causada pela carência de vitamina C, caracterizada por hemorragias, alteração das gengivas e queda da resistência às infecções.
18 Anemia Ferropriva: Anemia por deficiência de ferro. É o tipo mais comum de anemia. Há redução da quantidade total de ferro corporal até a exaustão das reservas de ferro. O fornecimento de ferro é insuficiente para atingir as necessidades de diferentes tecidos, incluindo as necessidades para a formação de hemoglobina e dos glóbulos vermelhos.
19 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
20 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
21 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
22 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
23 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
24 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
25 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
26 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
27 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
28 Hemocromatose: Distúrbio metabólico caracterizado pela deposição de ferro nos tecidos em virtude de seu excesso no organismo. Os locais em que o ferro mais se deposite são fígado, pâncreas, coração e hipófise.
29 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
30 Anemia hemolítica: Doença hereditária que faz com que os glóbulos vermelhos do sangue se desintegrem no interior dos veios sangüíneos (hemólise intravascular) ou em outro lugar do organismo (hemólise extravascular). Pode ter várias causas e ser congênita ou adquirida. O tratamento depende da causa.
31 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
32 Glicosímetro: Pequeno acessório portátil usado por pessoas diabéticas para checar os níveis de glicose sangüínea. Após um pequeno corte na pele com uma agulha ou bisturi, é colocada uma gota de sangue em uma fita própria para leitura dos níveis de glicose no glicosímetro. O monitor ou glicosímetro faz a leitura e mostra o nível de glicose por um número que aparece no display digital do aparelho.
33 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
34 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
35 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
36 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
37 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
38 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
39 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
40 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
44 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
45 Reação anafilática: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
46 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
47 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
48 Sistema cardiovascular: O sistema cardiovascular ou sistema circulatório sanguíneo é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
49 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
50 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
51 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
52 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
53 Inchaço: Inchação, edema.
54 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
55 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
56 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
57 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
58 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
59 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
60 Hemólise: Alteração fisiológica ou patológica, com dissolução ou destruição dos glóbulos vermelhos do sangue causando liberação de hemoglobina. É também conhecida por hematólise, eritrocitólise ou eritrólise. Pode ser produzida por algumas anemias congênitas ou adquiridas, como consequência de doenças imunológicas, etc.
61 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
62 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
63 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
64 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.

Tem alguma dúvida sobre Redoxon Pediátrico (Gotas 200 mg/mL)?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.