TEOLONG

ABBOTT

Atualizado em 09/12/2014

Teolong

Teofilina

Cápsula - Embalagem com 30 cápsulas 100, 200 e 300 mg. Com microgrânulos de liberação programada.
Xarope - Frasco com 210 ml, acompanhado de colher-medida de 5 ml.

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Teolong

Cápsula: Cada cápsula contém:
Teolong 100
Teolong 200
Teolong 300

Teofilina de liberação programada    
100 mg
200 mg
300 mg


Xarope:
cada 15 ml (3 colheres - medidas) contém:

Teofilina....................100 mg

INFORMAÇÃO AO PACIENTE:
Conservar a cápsula em lugar fresco, ao abrigo da luz e umidade e o xarope em lugar fresco, ao abrigo da luz.
O prazo de validade do produto é de 36 meses, a contar da data de sua fabricação.

NÃO USE MEDICAMENTOS COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO.
Assim como qualquer medicamento Teolong sé deve ser usado durante o primeiro trimestre de gravidez1, sob orientação e cuidados médicos.
A ocorrência de gestação durante a amamentação2 deve ser comunicada imediatamente ao médico.
O uso do produto durante a amamentação2 deve ser feito somente sob orientação e cuidados médicos.
O produto deve ser administrado de acordo com a orientação dada pelo médico e somente ele poderá recomendar a sua interrupção.
No caso de surgirem reações desagradáveis, tais como náusea3, vômito4, diarréia5, cafaléia, irritabilidade, insônia e palpitações6, o médico deve ser imediatamente
comunicado.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Não se deve ingerir bebidas alcoólicas durante o uso de Teolong.

NÃO TOME REMÉDIOS SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE7.


INFORMAÇÃO TÉCNICA:
Teolong contém como princípio ativo a teofilina, um pó branco, cristalino8, sem odor e com sabor amargo, quimicamente a 1,3 dimetilxantina, um alcalóide
xantínico de diversas ações, tais como:
Ação broncodilatadora:
A Teofilina e seus derivados são essencialmente utilizados devido à sua ação relaxante da musculatura lisa brônquica. Esta ação broncodilatadora é mais importante
quando o brônquio9 esta contraído, parecendo não atuar sobre o brônquio9 normal.
Ação protetora do mastócito:
Embora a ação sobre a musculatura lisa brônquica seja conhecida há vários anos, descobriu-se recentemente que a teofilina exerce uma ação protetora parcial do mastócito no decorrer de reações de hipersensibilidade anafilática: ela inibi a desgranulação do mastócito e reduz a quantidade de mediadores liberados,
particularmente a histamina10.
Ação sobre a resistência arterial pulmonar:
A Teofilina diminui a resistência arterial pulmonar anormalmente elevada, o que, associado à ação broncodilatadora, contribui para melhorar a competência
pulmonar.
Ação analéptica respiratória:
A Teofilina teria uma ação direta sobre a respiração através de uma estimulação do sistema nervoso central11. Ela acelera a freqüência respiratória. Entretanto, o mecanismo desta ação ainda não está totalmente esclarecido.
A Teofilina atua diretamente no ciclo energético da musculatura brônquica através da inibição da enzima12 fosfodiesterase, o que resulta no acúmulo do amp cíclico (adenosina 3,5 monosfosfato). a elevação das taxas de amp cíclico determina, provavelmente, uma redução do influxo intracelular do íon13 cálcio. através desta redução ocorre uma diminuição da atividade da atpase; consequentemente, a energia responsável pela contração da célula14 muscular, então, relaxa. o mesmo mecanismo também implica na redução da atividade dos mastócitos15.
Esse modo de ação também explica a eficácia da Teofilina tanto em casos agudos quanto na profilaxia de recidivas16.
Outras reações possíveis:
modificações dos efeitos dos mediadores do sistema nervoso autônomo17;
efeitos sobre eventuais receptores purinérgicos;
interação com as prostaglandinas18.
Indicações principais:
bronquites em geral, enfisema19 e dispnéias de origem obstrutiva
patologias que se acompanhem de broncoespasmo20 e insuficiência cardíaca congestiva21
asma22 brônquica e suas manifestações.
Indicações Complementares:
diurético23: nas doenças cardíacas e renais e suas conseqüências (edemas24, uremias), eclâmpsia25.
dilatador das artérias coronárias26 nas doenças do coração27 de origem arterioscleróticas. angina28 do peito29, asma22 cardíaca.
antiespasmódico: nos acidentes cerebrais angioespásticos, nos estados vasoespásticos periféricos.

Contra-Indicações de Teolong

Intolerância à Teofilina.

Precauções de Teolong

Uso na gravidez1: Devido à passagem da teofilina através da barreira feto30-placentária, muito embora não haja relato de efeitos adversos para o desenvolvimento fetal, teolong só deve ser administrado às gestantes se efetivamente necessário, devendo ser evitado durante o primeiro trimestre de gravidez1. Uso na lactação31: Devido a Teofilina se distribuir rapidamente no leite materno e poder determinar reações adversas no lactente32, é recomendável controle clínico quando teolong for administrado durante o período de amamentação2.
Outros: Em pacientes com insuficiência hepática33 e/ou renal34, deve-se monitorar o nível sangüíneo da teofilina, devido à redução da sua capacidade de eliminação. em pacientes com gota35, úlcera gástrica36, hipertensão37 e doenças cardíacas graves, deve-se avaliar a relação risco/benefício.

Controle clínico para:
insuficiência cardíaca38, coronária ou hepática39
hipertireoidismo40
antecedentes convulsivos
úlcera41 gastroduodenal em evolução
tratamentos anteriores em curso, principalmente por troleandomicina, eritromicina ou cimetidina

Interações Medicamentosas de Teolong

Teolong não deve ser administrado com outros derivados xantínicos, pois pode ocorrer potencialização dos efeitos e das reações adversas. O metabolismo42 da teofilina pode também ser diminuído pelo uso concomitante de cimetidina, propranolol, alopurinol e antibióticos macrolídeos (aritromicina, troleandomicina, etc.), aumentando conseqüentemente os níveis séricos. A fenitoína e os barbitúricos aumentam o "clearance" da Teofilina. Ocorre um aumento da diurese43 ministrado junto com furosemida. Junto com a reserpina, pode desencadear taquicardia44.

Reações Adversas de Teolong

De um modo geral, as reações adversas são observadas nos casos de superdosagem quando os níveis séricos de teofilina estão acima de 20 msg/ml e podem significar os primeiros sinais45 de doses muito elevadas. foram relatadas as seguintes reações adversas: gastrintestinais: náusea3, vômito4, dor epigástrica, hematemese46, diarréia5.
s.n.c.: cafaléia, irritabilidade, excitação, insônia, convulsões.
cardiovasculares: palpitação47, taquicardia44, extra-sistolia, hipertensão37, arritmias48 ventriculares.
respiratórias: taquipnéia49.
renais: albuminúria50, potencialização da diurese43.
outros: "rash51" cutâneo52, hiperglicemia53.

Posologia de Teolong

Cápsula:
3 a 6 anos
           TEOLONG 100 mg -
                               1 cápsula 2 vezes ao dia.
6 a 12 anos
           TEOLONG 200 mg -
                               1 cápsula 2 vezes ao dia.
Adultos
           TEOLONG 300 mg -
                               1 cápsula 2 vezes ao dia.


Para crianças e pessoas com dificuldade de deglutição54 de cápsulas, recomenda-se abrir a cápsula e colocar os microgrânulos em uma colher contendo algum alimento pastoso sem prejuízo de sua ação prolongada. Segundo Goodman & Gilman, "a terapia broncodilatadora crônica, obtida por meio da administração oral
de teofilina, também deve ser individualizada. Baseado nos valores do clearance plasmático da teofilina, uma concentração média de 10 microgramas por mililitro pode ser obtida com doses de 9 a 10 mg/kg nos adultos não fumantes e de 23 mg/kg em crianças abaixo de 12 anos. Entretanto, devido à grande variação individual nos índices do clearance, a posologia diária individual não deve exceder a 6 mg/kg nos adultos não fumantes e a 13 mg/kg nas crianças abaixo de 12
anos. Os fumantes e as crianças poderão necessitar de doses mais freqüentes, como seja de 8 em 8 horas.
Como na prática clínica nem sempre é possível fazer-se a determinação dos níveis séricos, é recomendável iniciar-se o tratamento com posologias menores e, se necessário, aumentar a cada três dias cerca de 25% da dose inicial.

Xarope:
Adultos:
        Dose inicial: 60 ml (dose única)
        Manutenção: 30 ml - 3 a 4 vezes ao dia
        Em média, 1 colher de sopa = 15 ml (farm. bras.)

Crianças:
         Dose inicial: 5 mg/kg do peso corporal (dose única)
         Manutenção: 1 a 9 anos - 4 mg/kg do peso corporal, quatro vezes ao dia
         9 a 16 anos - 3 mg/kg do peso corporal, quatro vezes ao dia.
         Administração para crianças menores de 1 ano, a critério médico.

Superdosagem de Teolong

Os primeiros sinais45 de superdosagem são geralmente náuseas55, vômito4 ou fadiga56. Para estes efeitos adversos leves, deve-se interromper o
tratamento por pouco tempo e reiniciá-lo com doses baixas. a terapêutica57 sintomatológica poderá ser necessária. Caso ocorram outros sintomas58 significativos de superdosagem, tais como agitação, confusão mental, taquicardia44, hipotensão59, hipertermia, mas sem presença de convulsões, recomenda-se induzir ao vômito4 (lavagem gástrica60) e administrar um catartico.
Caso o paciente apresente convulsões, deve-se estabelecer a permeabilidade61 das vias aéreas, administrar oxigênio, tratar as convulsões com diazepam intravenoso - 0,1 a 3 mg/kg até 10 mg e monitorar os sinais vitais62, mantendo a pressão arterial63 e promovendo hidratação adequada.  

TEOLONG - Laboratório

ABBOTT
Rua Nova York, 245 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04560-108
Tel: 11-5536-7000
Fax: 011-5531-7205
Site: http://www.abbottbrasil.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "ABBOTT"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
3 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
4 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
5 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
6 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
7 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
8 Cristalino: 1. Lente gelatinosa, elástica e convergente que focaliza a luz que entra no olho, formando imagens na retina. A distância focal do cristalino é modificada pelo movimento dos músculos ciliares, permitindo ajustar a visão para objetos próximos ou distantes. Isso se chama de acomodação do olho à distância do objeto. 2. Diz-se do grupo de cristais cujos eixos cristalográficos são iguais nas suas relações angulares gerais constantes 3. Diz-se de rocha constituída quase que totalmente por cristais ou fragmentos de cristais 4. Diz-se do que permite que passem os raios de luz e em consequência que se veja através dele; transparente. 5. Límpido, claro como o cristal.
9 Brônquio: Condutos através dos quais o ar é transportado desde a traquéia até os alvéolos pulmonares. Possui um esqueleto cartilaginoso e tecido muscular liso revestido por uma membrana mucosa com células especializadas.
10 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
11 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
12 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
13 Íon: Átomo ou grupo atômico eletricamente carregado.
14 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
15 Mastócitos: Células granulares que são encontradas em quase todos os tecidos, muito abundantes na pele e no trato gastrointestinal. Como os BASÓFILOS, os mastócitos contêm grandes quantidades de HISTAMINA e HEPARINA. Ao contrário dos basófilos, os mastócitos permanecem normalmente nos tecidos e não circulam no sangue. Os mastócitos, provenientes das células-tronco da medula óssea, são regulados pelo FATOR DE CÉLULA-TRONCO.
16 Recidivas: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
17 Sistema nervoso autônomo: Parte do sistema nervoso que controla funções como respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e da digestão.
18 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
19 Enfisema: Doença respiratória caracterizada por destruição das paredes que separam um alvéolo de outro, com conseqüente perda da retração pulmonar normal. É produzida pelo hábito de fumar e, em algumas pessoas, pela deficiência de uma proteína chamada Antitripsina.
20 Broncoespasmo: Contração do músculo liso bronquial, capaz de produzir estreitamento das vias aéreas, manifestado por sibilos no tórax e falta de ar. É uma contração vista com freqüência na asma.
21 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
22 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
23 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
24 Edemas: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
25 Eclâmpsia: Ocorre quando a mulher com pré-eclâmpsia grave apresenta covulsão ou entra em coma. As convulsões ocorrem porque a pressão sobe muito e, em decorrência disso, diminui o fluxo de sangue que vai para o cérebro.
26 Artérias coronárias: Veias e artérias do CORAÇÃO.
27 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
28 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
29 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
30 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
31 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
32 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
33 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
34 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
35 Gota: 1. Distúrbio metabólico produzido pelo aumento na concentração de ácido úrico no sangue. Manifesta-se pela formação de cálculos renais, inflamação articular e depósito de cristais de ácido úrico no tecido celular subcutâneo. A inflamação articular é muito dolorosa e ataca em crises. 2. Pingo de qualquer líquido.
36 Úlcera gástrica: Lesão na mucosa do estômago. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100 % dos casos.
37 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
38 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
39 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
40 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
41 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
42 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
43 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
44 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
45 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
46 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
47 Palpitação: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.
48 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
49 Taquipneia: Aceleração do ritmo respiratório.
50 Albuminúria: Presença de albumina na urina. A albuminúria pode ser um sinal de nefropatia diabética (doença nos rins causada pelas complicações do diabetes mal controlado) ou aparecer em infecções urinárias.
51 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
52 Cutâneo: Que diz respeito à pele, à cútis.
53 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
54 Deglutição: Passagem dos alimentos desde a boca até o esôfago; ação ou efeito de deglutir; engolir. É um mecanismo em parte voluntário e em parte automático (reflexo) que envolve a musculatura faríngea e o esfíncter esofágico superior.
55 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
56 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
57 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
58 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
59 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
60 Lavagem gástrica: É a introdução, através de sonda nasogástrica, de líquido na cavidade gástrica, seguida de sua remoção.
61 Permeabilidade: Qualidade dos corpos que deixam passar através de seus poros outros corpos (fluidos, líquidos, gases, etc.).
62 Sinais vitais: Conjunto de variáveis fisiológicas que são pressão arterial, freqüência cardíaca, freqüência respiratória e temperatura corporal.
63 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.

Tem alguma dúvida sobre TEOLONG?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.