ETOPUL

MEIZLER

Atualizado em 08/12/2014

ETOPUL
Etopósido
Solução Injetável - i.v.

Forma Farmacêutica e Apresentação de Etopul

Etopul apresenta-se sob a forma de solução injetável, transparente, incolor ou levemente amarelada, para uso intravenoso, acondicionado em ampolas de 5mL, contendo 100mg de Etopósido (20mg/mL). Caixas contendo 10 ampolas.

USO ADULTO

Composição de Etopul

Cada mL de solução contém:
Etopósido ....................20 mg
Ácido Cítrico ....................2 mg
Álcool Benzílico ....................30 mg
Polissorbato 80    ....................80 mg
Polietilenoglicol 300 ....................0,65 mg
Etanol (30,5‰ v/v) ....................q.s.p.1 mL
    
FORMAÇÕES AO PACIENTE:
O medicamento deve ser conservado em sua embalagem original, sob temperatura entre  15 ºC e 25 ºC, ao abrigo da luz, calor e umidade excessiva.
O prazo de validade de Etopul é de 24 meses, a contar da sua data de fabricação, nas condições acima citadas (vide rótulos e cartuchos).

"NÃO USE O MEDICAMENTO SE O PRAZO DE VALIDADE ESTIVER VENCIDO"

Informe seu médico a ocorrência de gravidez1 na vigência do tratamento ou após seu término. Informe seu médico se está amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.

"TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS"

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.
Etopul não deve ser usado na gravidez1 e lactação2.

"NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DE SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE3"

Etopul é para uso exclusivamente intravenoso.

Informações Técnicas de Etopul

Modo de Ação de Etopul

Etopósido, também conhecido como UP-16, é uma podofilina semi-sintética derivada da planta de mandrágora.O efeito predominante macromolecular de Etopósido é, aparentemente, a inibição da síntese de DNA. O mecanismo exato ainda não foi elucidado. Etopósido parece induzir indiretamente a quebra do cordão de DNA, provavelmente por ativação da endonuclease e por inibição da topoisomerase intranuclear tipo II ou formação de radical livre na via metabólica de uma reação enzimática com o grupo hidroxila na posição C-4 do anel E.
Aparentemente, Etopósido é um inibidor ciclo-celular dependente e ciclo-fásico específico, induzindo a suspensão da mitose na fase G2 e lesando células4 nas fases G2 e S.
Etopósido tem mostrado causar suspensão da metáfase em fibroblastos5 de animais. Porém, seu principal efeito parece ser na fase G2 da divisão celular, em células4 de mamíferos. São observadas duas respostas diferentes relacionadas à dose. Em altas concentrações (10µg/mL ou mais), observa-se a lise6 de células4 entrando em mitose. Em concentrações mais baixas (0,3 a 10µg/mL), as células4 são impedidas de entrar na prófase. Etopósido não interfere na união dos microtúbulos.

Farmacocinética:
Após administração intravenosa, os picos de concentração plasmática e a relação concentração plasmática/tempo exibem acentuadas variações individuais.
Etopósido sofre rápida distribuição após administração intravenosa. Etopósido tem pequena distribuição no líquido pleural e foi detectado na saliva, fígado7, baço8, rins9, miométrio10, tecido11 cerebral saudável e em tecidos de tumores cerebrais.
Atravessa a barreira hemato-encefálica12 em apenas 10‰. Aparentemente, Etopósido e seus metabólitos13 têm pouca penetração no SNC14.
A distribuição de Etopósido na bile15 é mínima, não se sabe se a droga é distribuída no leite materno. Etopósido atravessa a barreira placentária em animais.
Etopósido liga-se em 94‰ à proteínas16 plasmáticas.
Estudos, em condições específicas, indicam que, provavelmente, Etopósido distribui-se mais rapidamente em tecido11 de tumor17 cerebral do que em tecido11 cerebral saudável. Concentrações da droga são maiores no tecido11 pulmonar saudável do que em metástases18 pulmonares.
Após administração intravenosa de Etopósido, as concentrações plasmáticas da droga declinam geralmente de maneira bifásica, contudo alguns estudos indicam que Etopósido pode ter eliminação trifásica com uma fase terminal prolongada. Em adultos, com funções hepática19 e renal20 normais, a meia-vida inicial é de 35 minutos a 3 horas e a meia-vida terminal é de 3 a 19 horas.
Etopósido é biotransformado pelo fígado7, resultando em um hidroxiácido da droga, no isômero picrolactona e em aglicona. Esses dois últimos não foram detectados em todos os pacientes. Aparentemente, nenhum deles apresenta atividade citotóxica relevante.
Aproximadamente 40‰ a 60‰ da dose é excretada de forma inalterada e metabólitos13, na urina21, após 48 a 72 horas da administração; 2‰ a 16‰ são excretados nas fezes em 72 horas; aproximadamente 20‰ a 30‰ da dose é excretada inalterada na urina21 em 24 horas e 30‰ a 45‰ em 48 horas.
O clearence plasmático total de Etopósido varia entre 19 a 28mL/minuto por m2 em adultos e 18 a 39mL/minuto por m2 em crianças, com funções hepática19 e renal20 normais. O clearence renal20 da droga é aproximadamente 30‰ a 40‰ do clearence plasmático total.

Indicações de Etopul

Etopul é um agente antineoplásico, utilizado no tratamento de carcinoma22 testicular refratário, em pacientes já submetidos a quimioterapia23, radioterapia24 e cirurgia. É utilizado também em carcinoma22 de pulmão25 de células4 pequenas, linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin, leucemia26 mielocítica aguda, sarcoma de Kaposi27 e sarcoma28 de Ewing, em terapia combinada29 ou não.

Contra-Indicações de Etopul

Etopul é contra-indicado para pacientes30 que demonstraram prévia hipersensibilidade ao Etopósido ou a qualquer outro componente da fórmula. É contra-indicado em varicela31 existente ou recente, e infecções32 causadas por Herpes zoster33.
Considerar a relação risco/benefício em presença de depressão de medula óssea34, disfunção hepática19, disfunção cardíaca, infecção35 e disfunção renal20, para a administração deste medicamento.

Precauções Gerais de Etopul


Durante o tratamento com Etopul, a equipe médica deve avaliar os benefícios com o uso de Etopósido frente ao risco em potencial de reações adversas. A maioria das reações adversas são reversíveis se diagnosticadas precocemente. Se reações muito graves ocorrerem, a dose deve ser reduzida ou ainda suspensa a terapia. Nestes casos, o reinício da terapia com Etopul deve ser feito com cautela.
A depressão de medula óssea34 é o efeito tóxico mais importante no tratamento com Etopul. Assim, recomenda-se que sejam feitas, no início da terapia e antes de cada ciclo, contagens sangüíneas de plaquetas36, hemoglobina37, leucócitos38 total e diferencial. Se a contagem de plaquetas36 estiver abaixo de 50.000/mm3 ou de neutrófilos39 abaixo de 500/mm3, a terapia deve ser suspensa até que os valores de contagem sangüínea estejam recuperados. A mielossupressão está relacionada à dose e é limitada também pela dose, com o nadir (o ponto mais baixo, onde ocorre a maior depressão) de granulócitos40 ocorrendo em 7 a 14 dias após a administração da droga, e o nadir de plaquetas36, em 9 a 16 dias. A recuperação costuma ocorrer em 20 dias após a administração da dose, e não é cumulativa.
A ocorrência de leucemia26 aguda, com ou sem uma fase pré-leucêmica, foi relatada, porém com baixa freqüência, em pacientes tratados com Etopul em associação a outros agentes antineoplásicos.
Náuseas41 e vômitos42 são os principais sintomas43 da toxicidade44 gastrintestinal. A intensidade destes sintomas43 varia de fraca a moderada, sendo que em 1‰ dos pacientes foi necessário interromper a terapia. Esses sintomas43 podem ser controlados com terapias antieméticas tradicionais.
Hipotensão45 breve, após administração intravenosa rápida, foi relatada em 1‰ a 2‰ dos pacientes. Essa hipotensão45 não está associada à toxicidade44 cardíaca ou alterações no ECG. Para que não ocorra hipotensão45, recomenda-se que Etopul seja administrado por infusão intravenosa lenta, por um período de 30 a 60 minutos. Se ainda assim ocorrer hipotensão45, deve-se interromper a infusão, administrar fluidos ou outra terapia de suporte adequada. Geralmente a pressão sangüínea46 normaliza-se em algumas horas após a interrupção da infusão. Após a normalização, retomar a infusão, porém com velocidade mais lenta.
Reações alérgicas como calafrios47, febre48, flushing, taquicardia49, broncospasmo, dispnéia50 e/ou hipotensão45 foram observados em 0,7‰ a 2,0‰ dos pacientes que receberam Etopul por via intravenosa e em menos de 1,0‰ dos pacientes que receberam Etopósido por via oral. Essas reações costumam melhorar com a interrupção da infusão e administração de agentes vasoconstritores, corticosteróides, anti-histamínicos e expansores de volume apropriados. Contudo, essas reações podem ser fatais.
Inchaço51 facial ou da língua52, tosse, diaforese53, cianose54, estreitamento na garganta55, laringospasmo, dor na nuca e/ou perda da consciência ocorreram algumas vezes em associação aos sintomas43 já descritos. Além disso, apnéia56 aparentemente associada à hipersensibilidade foi observada, porém com pouca freqüência.
"Rash57", urticária58 e/ou pruridos quase não são observados com as doses recomendadas. Em doses experimentais, foi relatada a ocorrência de "rash57" maculopapular59 eritematoso60 generalizado juntamente com perivasculite.
Alopecia61 foi relatada em 66‰ dos pacientes sob terapia com Etopul.

Efeitos Adversos da Droga        Porcentagem de  
                    Incidências Registradas
__________________________________________________________

Toxicidade44 Hematológica             

Leucopenia62             
(menos que 1.000 leucócitos38/mm3)    3‰ a 17‰    
            
Leucopenia62             
(menos que 4.000 plaquetas36/mm3)        60‰ a 91‰    
            
Trombocitopenia63             
(menos que 50.000 plaquetas36/mm3)    1‰ a 20‰    
            
Trombocitopenia63            
(menos que 100.000 plaquetas36/mm3)    22‰ a 41‰    
            
Anemia64                    0‰ a 33‰     


Toxicidade44 Gastrintestinal             
            
Náuseas41 e vômitos42             31‰ a 43‰    
            
Dores abdominais            0‰ a 2‰    
            
Anorexia65                10‰ a 13‰    
            
Diarréia66                1‰ a 13‰    
            
Distúrbios hepáticos            0‰ a 3‰    

            
Alopecia61                8‰ a 66‰    
            
Neurotoxicidade periférica        1‰ a 2‰    
            
Hipotensão45                1‰ a 2‰    
            
Reações alérgicas            1‰ a 2‰    
            

Uso na gravidez1 e lactação2:
Etopul está classificado na categoria "D", do FDA. Etopul pode causar danos fetais quando administrado à mulheres grávidas. Etopul mostrou ser teratogênico67 em ratos e camundongos. Assim, Etopul não deve ser administrado à gestantes.
Não existem dados confirmando que Etopul é excretado no leite materno. Contudo, devido ao fato de várias drogas serem excretadas no leite materno e o risco em potencial de efeitos adversos no lactente68, não é recomendada a amamentação69 no período sob terapia com Etopul.
Deve ser considerado que a droga é potencialmente carcinogênica, mutagênica e esterilizante.

Uso em crianças:
A segurança e eficácia de Etopul ainda não foram estabelecidas.
Etopul contém polissorbato 80 e álcool benzílico.
Em bebês70 prematuros, uma síndrome71, que representa risco de vida, manifesta-se por insuficiência renal72 e hepática19, degeneração73 pulmonar, trombocitopenia63 e ascite74, pode estar associada à administração de vitamina75 E injetável que contém polissorbato 80.
Há evidências não-confirmadas de que a administração de injeções contendo álcool benzílico em recém-nascidos pode acarretar toxicidade44.
Assim, o uso de Etopul em crianças não é recomendado.

Uso em idosos:
O uso de Etopul em idosos não requer ajuste de dose.

Interações Medicamentosas de Etopul

A terapia combinada29 entre Etopul e cisplatina mostrou-se positiva no tratamento de alguns tumores. Estudos indicam que Etopósido e cisplatina atuam sinergicamente, aumentando a atividade antineoplásica de ambos.
A administração de Etopul a pacientes previamente tratados com cisplatina deve ser monitorada, pois esses pacientes podem apresentar dificuldade na eliminação de Etopul.
Estudos em animais indicam que a atividade antineoplásica de Etopul e alguns outros agentes antineoplásicos (carmustina, citarabina, ciclofosfamida) tem potencial aditivo ou sinérgico.
O uso concomitante de medicamentos depressores de medula óssea34 e radioterapia24 causa efeito aditivo na depressão medular.
Etopul pode interagir com vacinas de vírus76 vivos porque, estando suprimidos os mecanismos de defesa normal, pode haver potencialização da replicação do vírus76 da vacina77 e diminuição na formação de anticorpos78.

Reações Adversas de Etopul


Mielossupressão (trombocitopenia63 e leucopenia62), alopecia61, febre48, calafrios47, hemorragia79 ou hematomas80 não-habituais, náuseas41, vômitos42, taquicardia49, anorexia65, cansaço não-habitual, broncospasmos, dispnéia50, dor abdominal, constipação81, disfagia82, bloqueio transitório cortical, neurites83 ópticas, reincidência84 de dermatites provocadas por radiação, hipotensão45 (especialmente se a injeção85 for aplicada rapidamente).

Posologia de Etopul

A dose recomendada de Etopul é de 60 a 120mg/m2, via intravenosa, diariamente, por 5 dias. Devido à mielossupressão, os ciclos não devem ser repetidos em intervalos inferiores a 21 dias. Antes de cada ciclo, deve-se checar a contagem sangüínea quanto à mielossupressão. A droga somente deve ser administrada se não existirem evidências de mielossupressão.
Imediatamente antes da administração, a dose necessária de Etopul deve ser diluída em Soro86 Fisiológico87 0,9‰, obtendo uma solução de concentração não superior a 0,25mg de Etopósido/mL; essa solução deve ser administrada em infusão intravenosa por um período mínimo de 30 minutos.
O extravasamento de líquido deve ser evitado.
No caso de idosos, não há necessidade de adequação das doses.

Administração de Etopul


Utilizar proteção para as mãos88 para abrir as ampolas.
Devem ser observados os cuidados de assepsia89 durante toda a manipulação do medicamento até o término da injeção85.
As ampolas devem ser manuseadas apenas por pessoas treinadas. Este manuseio deve ser feito em área propriamente designada (sobre bandeja lavável ou sobre papel plástico descartável) e por funcionárias não-grávidas, já que se trata de um agente citotóxico90.
Deve-se também utilizar proteção para os olhos91, luvas, máscaras e aventais descartáveis.
Seringas e material para infusão devem ser cuidadosamente manuseados e montados para evitar vazamentos.
Todas as superfícies expostas devem ser limpas, lavando em seguida mãos88 e rosto.
Todas as agulhas usadas devem ser colocadas em recipientes apropriados e todos os outros resíduos descartados adequadamente.
Qualquer porção não utilizada da solução, ainda dentro das ampolas, deve ser absorvida com algodão e eliminada por meios adequados.
Se houver contato acidental com os olhos91, deve-se lavar imediatamente com água e sabão e remover toda a roupa contaminada. Se o produto for acidentalmente ingerido ou inalado, recomenda-se procurar um médico imediatamente.
Não utilizar o medicamento após a data de vencimento.
Uso exclusivamente intravenoso.
A solução injetável destina-se a uma única dose, para uso imediato.

Superdosagem de Etopul


Ainda não foi estabelecido nenhum antídoto92 comprovado para superdosagem com Etopul.


USO RESTRITO A HOSPITAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

ETOPUL - Laboratório

MEIZLER
Alameda Juruá, 149 - Alphaville
Barueri/SP - CEP: 06455-010
Tel: 11-4195-6613
Fax: 11-4195-6621
Email: diretoria@meizler.com.br
Site: http://www.meizler.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "MEIZLER"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
2 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
5 Fibroblastos: Células do tecido conjuntivo que secretam uma matriz extracelular rica em colágeno e outras macromoléculas.
6 Lise: 1. Em medicina, é o declínio gradual dos sintomas de uma moléstia, especialmente de doenças agudas. Por exemplo, queda gradual de febre. 2. Afrouxamento, deslocamento, destruição de aderências de um órgão. 3. Em biologia, desintegração ou dissolução de elementos orgânicos (tecidos, células, bactérias, microrganismos) por agentes físicos, químicos ou enzimáticos.
7 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
8 Baço:
9 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
10 Miométrio: A capa de músculos lisos do útero, que forma a massa principal do órgão.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Encefálica: Referente a encéfalo.
13 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
14 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
15 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
16 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
17 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
18 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
19 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
20 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
21 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
22 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
23 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
24 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
25 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
26 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
27 Sarcoma de Kaposi: Câncer originado de células do tecido vascular, freqüentemente associado à AIDS. Manifesta-se por lesões vermelho-violáceas em diferentes territórios cutâneos e mucosos.
28 Sarcoma: Neoplasia maligna originada de células do tecido conjuntivo. Podem aparecer no tecido adiposo (lipossarcoma), muscular (miossarcoma), ósseo (osteosarcoma), etc.
29 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
30 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
31 Varicela: Doença viral freqüente na infância e caracterizada pela presença de febre e comprometimento do estado geral juntamente com a aparição característica de lesões que têm vários estágios. Primeiro são pequenas manchas avermelhadas, a seguir formam-se pequenas bolhas que finalmente rompem-se deixando uma crosta. É contagiosa, mas normalmente não traz maiores conseqüências à criança. As bolhas e suas crostas, se não sofrerem infecção secundária, não deixam cicatriz.
32 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
33 Zoster: Doença produzida pelo mesmo vírus que causa a varicela (Varicela-Zóster). Em pessoas que já tenham tido varicela, o vírus se encontra em forma latente e pode ser reativado produzindo as características manchas avermelhadas, vesículas e crostas no território de distribuição de um determinado nervo. Como seqüela pode deixar neurite, com dores importantes.
34 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
35 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
36 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
37 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
38 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
39 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
40 Granulócitos: Leucócitos que apresentam muitos grânulos no citoplasma. São divididos em três grupos, conforme as características (neutrofílicas, eosinofílicas e basofílicas) de coloração destes grânulos. São granulócitos maduros os NEUTRÓFILOS, EOSINÓFILOS e BASÓFILOS.
41 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
42 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
43 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
44 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
45 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
46 Pressão sangüínea: Força exercida pelo sangue arterial por unidade de área da parede arterial. É expressa como uma razão (Exemplo: 120/80, lê-se 120 por 80). O primeiro número é a pressão sistólica ou pressão máxima. E o segundo número é a presão diastólica ou mínima.
47 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
48 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
49 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
50 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
51 Inchaço: Inchação, edema.
52 Língua:
53 Diaforese: Sudação, transpiração intensa.
54 Cianose: Coloração azulada da pele e mucosas. Pode significar uma falta de oxigenação nos tecidos.
55 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
56 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
57 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
58 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
59 Maculopapular: Erupção cutânea que se caracteriza pelo aparecimento de manchas e de pápulas de tonalidade avermelhada, geralmente observada no sarampo ou na rubéola.
60 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
61 Alopécia: Redução parcial ou total de pêlos ou cabelos em uma determinada área de pele. Ela apresenta várias causas, podendo ter evolução progressiva, resolução espontânea ou ser controlada com tratamento médico. Quando afeta todos os pêlos do corpo, é chamada de alopécia universal.
62 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
63 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
64 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
65 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
66 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
67 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
68 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
69 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
70 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
71 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
72 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
73 Degeneração: 1. Ato ou efeito de degenerar (-se). 2. Perda ou alteração (no ser vivo) das qualidades de sua espécie; abastardamento. 3. Mudança para um estado pior; decaimento, declínio. 4. No sentido figurado, é o estado de depravação. 5. Degenerescência.
74 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
75 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
76 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
77 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
78 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
79 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
80 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
81 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
82 Disfagia: Sensação consciente da passagem dos alimentos através do esôfago. Pode estar associado a doenças motoras, inflamatórias ou tumorais deste órgão.
83 Neurites: Inflamação de um nervo. Pode manifestar-se por neuralgia, déficit sensitivo, formigamentos e/ou diminuição da força muscular, dependendo das características do nervo afetado (sensitivo ou motor). Esta inflamação pode ter causas infecciosas, traumáticas ou metabólicas.
84 Reincidência: 1. Ato ou efeito de reincidir ou repetir. 2. Obstinação, insistência, teimosia.
85 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
86 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
87 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
88 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
89 Assepsia: É o conjunto de medidas que utilizamos para impedir a penetração de micro-organismos em um ambiente que logicamente não os tem. Logo um ambiente asséptico é aquele que está livre de infecção.
90 Citotóxico: Diz-se das substâncias que são tóxicas às células ou que impedem o crescimento de um tecido celular.
91 Olhos:
92 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.

Tem alguma dúvida sobre ETOPUL?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.