DINAVITAL C

MERCK

Atualizado em 08/12/2014

DINAVITAL C

Aspartato de arginina

Ácido ascórbico

Apresentações de Dinavital C

Comprimidos efervescentes. Embalagem contendo 10 comprimidos efervescentes.

USO ORAL

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Dinavital C


Cada comprimido efervescente contém:

ácido ascórbico (vitamina1 C) .................................................. 1g

aspartato de arginina ............................................................... 1g

Excipientes: ácido cítrico, sacarose, bicarbonato de sódio, macrogol, ciclamato de sódio, aroma de pêssego, aroma de maracujá e ácido adípico.

Informações Técnicas Aos Profissionais de Saúde2 de Dinavital C

1. Indicações de Dinavital C

Suplemento vitamínico em dietas restritivas e inadequadas.

2. Resultados de Eficácia de Dinavital C


Foi demonstrado que a arginina exógena, administrada parenteralmente ou como um suplemento dietético, facilita a manutenção da massa corporal magra e melhora a capacidade funcional, sendo esses benefícios compatíveis com as bem documentadas propriedades vasodilatadoras e ações da arginina sobre a secreção do hormônio3 do crescimento(1).

O ácido ascórbico tem um papel coadjuvante4 dos efeitos do aspartato de arginina, uma vez que o ascorbato inativa os radicais superóxido (O2-) e previne a peroxidação lipídica da membrana plasmática5 que, de outra forma, iria diminuir os níveis de NO, tanto por reação direta do O2 - com o NO quanto por interrupção da síntese de NO. Além disso, o ascorbato reduz os níveis de LDL6 oxidado, os quais podem diminuir a síntese e a atividade biológica do NO(2).

Referências

(1) Paddon-Jones D, Børsheim E, Wolfe RR. Potential Ergogenic Effects of Arginine and Creatine Supplementation. J Nutr. 2004 Oct; 134 (10 Suppl): 2888S-2894S

(2) Anitra C. Carr, Ben-Zhan Zhu, Balz Frei. Potential Antiatherogenic Mechanisms of Ascorbate (Vitamin C) and α-Tocopherol (Vitamin E). Circ Res. 2000; 87: 349-354.

3. Características Farmacológicas de Dinavital C

O ácido aspártico e a arginina, constituintes da molécula do aspartato de arginina, são dois aminoácidos alifáticos. A arginina é essencial para o desenvolvimento infantil, estimulando a liberação do hormônio3 de crescimento pela hipófise7. Conhece-se também o papel catalítico da arginina no ciclo de Krebs-Henseleit (gênese da ureia8), assim como o papel do ácido aspártico na regeneração da arginina nesse mesmo ciclo. O aspartato de arginina levando esses dois elementos indispensáveis ao processo urogenético, constitui-se num estimulante dessa função hepática9 de detoxicação do organismo, cujo objetivo é a eliminação de cerca de 80% da escória nitrogenada proveniente do metabolismo10 celular, e de uma certa quantidade de gás carbônico.

O aspartato de arginina, assim, age no sentido de diminuir a hiperamoniemia que acompanha a fadiga11 e o estresse e de aumentar a eliminação do CO2 em excesso, aumentando a resistência orgânica à anóxia12 tissular13. Por outro lado, a arginina e o ácido aspártico tomam parte no ciclo dos ácidos tricarboxílicos, que é a via de oxidação terminal de todos os constituintes orgânicos de origem alimentar e gerador de energia. A arginina é ainda o precurssor fisiológico14 do óxido nítrico (fator relaxante endotélio15-derivado, EDRF) e isto tem sido sugerido como explicação para o efeito hipotensivo observado em indivíduos sadios e pacientes hipertensos aos quais se administram infusões de arginina. Esta ação da arginina irá interessar, particularmente, nos quadros de estresse que se fizerem acompanhar de aumento da pressão arterial16.

A vitamina1 C é indispensável para o perfeito funcionamento de todas as células17. Desempenha importante papel no metabolismo10 celular, participando dos processos de oxidorredução. Através de sua atuação no transporte de elétrons, intervém em diversas reações metabólicas, tais como: hidroxilação de prolina durante a formação de tecido conjuntivo18; oxidação de cadeias laterais de lisina em proteínas19, para fornecer hidroxitrimetilisina para a síntese de carnitina; síntese de noradrenalina20 e de hormônios corticoides pelas suprarrenais; conversão do ácido fólico em sua forma ativa do ácido folínico; metabolismo10 da tirosina21. A vitamina1 C também desempenha importante papel na proteção do organismo contra infecções22, aumentando a função bactericida no sangue23, participando, ainda, da formação de anticorpos24. Possui também a propriedade de neutralizar a ação tóxica de várias toxinas25 bacterianas e de produtos metabólicos. A vitamina1 C tem influências múltiplas sobre o sangue23, os órgãos hematopoiéticos e os vasos sanguíneos26.

Favorece a adesão das células17 endoteliais dos capilares27, a ativação da trombina28 e estimula a atividade da medula óssea29 (produção de trombócitos30, leucócitos31 e eritrócitos32; absorção e aproveitamento do ferro; ativação do ácido fólico). O mau abastecimento orgânico de vitamina1 C pode ocorrer não só em consequência de alimentação deficiente, mas também devido a distúrbios de absorção, doenças infecciosas e ao estresse. A carência de vitamina1 C manifesta-se por cansaço, resistência diminuída a infecções22, sangramentos mucosos e cutâneos, retardo no tempo de cicatrização de feridas, gengivite33, perda de dentes, anemia34 e alterações cutâneas35 (hiperceratose, obstrução de folículos pilosos, etc).

4. Contraindicações de Dinavital C


Dinavital® C está contraindicado em casos de litíase36 urinária oxálica e úrica, insuficiência renal37 e reconhecida hipersensibilidade à arginina ou a qualquer um dos excipientes da formulação.

5. Advertências e Precauções de Dinavital C

Em pacientes submetidos a dietas hipoglicídicas ou hipossódicas é necessário levar em conta que cada comprimido efervescente de Dinavital® C contém 0,4315 g de sacarose e 0,1718 g de sódio.

A vitamina1 C pode interferir com os resultados de alguns exames laboratoriais para a determinação da glicemia38, glicosúria39 e níveis séricos de transaminases, desidrogenase e bilirrubina40. Pode também condicionar resultados falsamente negativos em pesquisas de sangue23 oculto nas fezes. É necessário interromper o uso de vitamina1 C antes desses exames.

Gravidez41 e lactação42

Categoria B. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Os estudos em animais não demonstraram risco fetal, mas também não há estudos controlados em mulheres grávidas. Embora não se conheça teratogenicidade nem efeitos nocivos para o lactente43, grávidas e lactantes44 não devem exceder a posologia recomendada já que o ácido ascórbico atravessa a placenta e é excretado no leite.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas

Os efeitos do Dinavital® C sobre a capacidade de dirigir e operar máquinas são nulos.

6. Interações Medicamentosas de Dinavital C


O uso simultâneo com barbitúricos e/ou salicilatos pode intensificar a excreção urinária de ácido ascórbico, aumentando as necessidades diárias dessa vitamina1. O ácido ascórbico, administrado junto com desferroxamina, pode potencializar os efeitos tóxicos do ferro nos tecidos.

7. Cuidados de Armazenamento de Dinavital C

Conservar em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C) e proteger da umidade. Conservar o tubo sempre bem fechado.

Prazo de validade: 24 meses a partir da data de fabricação impressa na embalagem.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Os comprimidos de Dinavital® C são redondos, brancos a levemente rosados, com superfícies planas e lisas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

8. Posologia e Modo de Usar de Dinavital C


Dissolver o comprimido efervescente em meio copo de água e beber imediatamente após o término da dissolução.

Posologia

Adultos: a dose recomendada é de 1 comprimido efervescente ao dia.

Crianças: com peso de 40 kg ou mais podem fazer uso de 1 comprimido ao dia.

Podem ser utilizadas doses maiores, a critério médico.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco

Não existem cuidados ou recomendações especiais referentes ao uso da vitamina1 C e do aspartato de arginina por pacientes idosos. O emprego em crianças deve respeitar a posologia indicada. Nos pacientes com insuficiência renal37 grave ou que façam hemodiálise45, a dose aconselhável de vitamina1 C não deve ser maior que 100 mg ao dia.

9. Reações Adversas de Dinavital C

As reações adversas, pouco frequentes e de pequena intensidade, compreendem queixas de perturbações digestivas, principalmente diarreia46, pirose47, náusea48 e vômitos49. Pode ocorrer também aumento da diurese50. O uso de doses elevadas de vitamina1 C, por tempo prolongado, pode ocasionar escorbuto51 de rebote. Em pacientes predispostos, o uso de doses de vitamina1 C superiores a 1 g ao dia pode desencadear aparição de litíase36 oxálica ou úrica.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária -NOTIVISA, disponível em www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

10. Superdose de Dinavital C


Não são conhecidos relatos de intoxicações por superdose de vitamina1 C e aspartato de arginina.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas52 procure orientação médica.

Para abrir os tubos de Dinavital® C, force o lacre para baixo e, depois, empurre a tampa para cima.


Dizeres Legais de Dinavital C

M.S. 1.0089.0242

Farmacêutico Responsável: Geraldo César Monteiro de Castro - CRF-RJ nº 14021

Fabricado e embalado por: Blanver Farmoquímica Ltda., Taboão da Serra - SP

Registrado por: MERCK S.A.

CNPJ 33.069.212/0001-84

Estrada dos Bandeirantes, 1099

Rio de Janeiro - RJ - CEP 22710-571

Indústria Brasileira


DINAVITAL C

Aspartato de arginina

Ácido ascórbico

Apresentações de Dinavital C


Comprimidos efervescentes. Embalagem contendo 10 comprimidos efervescentes.

USO ORAL

USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Composição de Dinavital C

Cada comprimido efervescente contém:

ácido ascórbico (vitamina1 C) .................................................. 1g

aspartato de arginina .............................................................. 1g

Excipientes: ácido cítrico, sacarose, bicarbonato de sódio, macrogol, ciclamato de sódio, aroma de pêssego, aroma de maracujá e ácido adípico.

Informações ao Paciente de Dinavital C

1. Para Quê Este Medicamento é Indicado de Dinavital C

Suplemento vitamínico em dietas restritivas e inadequadas.

2. Como Este Medicamento Funciona de Dinavital C


Dinavital® C consiste na associação do aspartato de arginina e do ácido ascórbico (vitamina1 C).

A arginina é um aminoácido, substância formadora das proteínas19. Além de fazer parte das proteínas19, a arginina atua em vários mecanismos importantes do organismo, incluindo divisão celular, cicatrização de feridas, remoção de amônia do corpo, no sistema imunológico53 e na produção de hormônios. A vitamina1 C é utilizada em várias reações bioquímicas nas células17. A sua principal função é a hidroxilação do colágeno54, proteína que dá resistência aos ossos, dentes, tendões55 e paredes dos vasos sanguíneos26. Além disso, é um poderoso antioxidante, sendo usado para transformar os radicais livres de oxigênio em formas inertes. É também usada na síntese de algumas moléculas que servem como hormônios ou neurotransmissores.

3. Quando Não Devo Usar Este Medicamento de Dinavital C

Não tome Dinavital® C se você sofre de cálculos renais ou de doença grave dos rins56 ou ainda se você possui alergia57 à arginina ou a qualquer um dos excipientes da fórmula.

4. o Que Devo Saber Antes de Usar Este Medicamento de Dinavital C


Advertências e precauções

Você não deve tomar doses altas de medicamentos contendo vitamina1 C caso sofra de doenças associadas à retenção de ferro. Não devem tomar este medicamento pacientes com determinadas doenças metabólicas raras. Se você encontra-se em dieta com restrição de sódio ou de açúcar58, deve considerar que cada comprimido efervescente de Dinavital® C contém 0,4315 g de sacarose e 0,1718 g de sódio. A vitamina1 C pode interferir com os resultados de alguns exames de laboratório (glicemia38, glicosúria39, transaminases, desidrogenase, bilirrubina40, pesquisa de sangue23 oculto nas fezes). É necessário interromper o uso de Dinavital® C antes desses exames.

Atenção diabéticos: contém açúcar58.

Gravidez41 e amamentação59

Não são conhecidos efeitos adversos da utilização de Dinavital® C durante a gravidez41 e a amamentação59. Se você está grávida ou amamentando, não tome doses altas, pois a vitamina1 C atravessa a placenta e é excretada no leite materno.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Interações com alimentos, bebidas e outros medicamentos

Alimentos não interferem com os efeitos do Dinavital® C. Evitar tomar o produto juntamente com bebidas alcoólicas. O uso simultâneo de Dinavital® C com determinados medicamentos (barbitúricos, salicilatos) pode causar um aumento nas necessidades diárias de vitamina1 C.

Dinavital® C, se tomado junto com medicamentos à base de substância desferroxamina, pode potencializar os efeitos tóxicos do ferro no organismo.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Direção de veículos e operação de máquinas

Você pode dirigir e lidar com máquinas normalmente durante tratamento com Dinavital® C.

5. Onde, Como e Por Quanto Tempo Posso Guardar Este Medicamento de Dinavital C

Você deve conservar Dinavital® C em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade. Manter o tubo sempre bem fechado.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Os comprimidos de Dinavital® C são redondos, brancos a levemente rosados, com superfícies planas e lisas.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

6. Como Devo Usar Este Medicamento de Dinavital C


Dissolver o comprimido efervescente em meio copo de água e beber imediatamente após o término da dissolução.

Posologia

Adultos: a dose recomendada é de 1 comprimido efervescente ao dia.

Crianças: com peso de 40 kg ou mais podem fazer uso de 1 comprimido ao dia.

Podem ser utilizadas doses maiores, se o médico recomendar.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco

Dinavital® C pode ser tomado por crianças e idosos. Nos pacientes com insuficiência renal37 grave ou que façam hemodiálise45, a dose aconselhável de vitamina1 C não deve ser maior que 100 mg ao dia.

Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas sobre este medicamento, procure orientação do farmacêutico. Não desaparecendo os sintomas52, procure orientação de seu médico ou cirurgião-dentista.

Este medicamento não deve ser mastigado.

7. o Que Devo Fazer Quando Eu Me Esquecer de Usar Este Medicamento de Dinavital C

Tome a dose assim que se lembrar, mas não tome uma dose dobrada para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião dentista.

8. Quais Os Males Que Este Medicamento Pode Me Causar de Dinavital C


Como todos os medicamentos, Dinavital® C pode causar algumas reações desagradáveis; no entanto, estas não ocorrem em todas as pessoas. As reações adversas são geralmente pouco frequentes e de pequena intensidade: azia60, diarreia46, enjoo, vômitos49 e aumento do volume urinário. Em pessoas predispostas, o uso de altas doses de medicamentos contendo vitamina1 C pode ocasionar cálculos urinários.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

9. o Que Fazer Se Alguém Usar Uma Quantidade Maior do Que a Indicada Deste Medicamento de Dinavital C

Não existem relatos de intoxicações com doses excessivas de vitamina1 C e aspartato de arginina.

Em caso de reações adversas intensas e/ou persistentes, suspender o uso do produto e consultar um médico.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os sintomas52 procure orientação médica.

Para abrir os tubos de Dinavital® C, force o lacre para baixo e, depois, empurre a tampa para cima.


Dizeres Legais de Dinavital C


M.S. 1.0089.0242

Farmacêutico Responsável: Geraldo César Monteiro de Castro - CRF-RJ nº 14021

Fabricado e embalado por: Blanver Farmoquímica Ltda., Taboão da Serra - SP

Registrado por: MERCK S.A.

CNPJ 33.069.212/0001-84

Estrada dos Bandeirantes, 1099

Rio de Janeiro - RJ - CEP 22710-571

Indústria Brasileira

DINAVITAL C - Laboratório

MERCK
Estrada dos Bandeirantes, 1099
Rio de Janeiro/RJ - CEP: 22170-571
Tel: 55 (021) 445-1661
Fax: 55 (021) 444-2124
Site: http://www.merck.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "MERCK"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
4 Coadjuvante: Que ou o que coadjuva, auxilia ou concorre para um objetivo comum.
5 Membrana Plasmática: Membrana seletivamente permeável (contendo lipídeos e proteínas) que envolve o citoplasma em células procarióticas e eucarióticas.
6 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
7 Hipófise:
8 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
9 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
10 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
11 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
12 Anóxia: Diminuição acentuada da concentração de oxigênio a nível celular. Pode ser devido a um problema nos mecanismos respiratórios (p. ex. apnéia, edema de glote, etc) ou devido a problemas nas trocas de oxigênio a nível celular.
13 Tissular: Relativo a tecido orgânico.
14 Fisiológico: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
15 Endotélio: Camada de células que reveste interiormente os vasos sanguíneos e os vasos linfáticos.
16 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
17 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
18 Tecido conjuntivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
19 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
20 Noradrenalina: Mediador químico do grupo das catecolaminas, liberado pelas fibras nervosas simpáticas, precursor da adrenalina na parte interna das cápsulas das glândulas suprarrenais.
21 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
22 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
23 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
24 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
25 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
26 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
27 Capilares: Minúsculos vasos que conectam as arteríolas e vênulas.
28 Trombina: Enzima presente no plasma. Ela catalisa a conversão do fibrinogênio em fibrina, participando do processo de coagulação sanguínea.
29 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
30 Trombócitos: Células em formato de discos e que não apresentam núcleo. São formadas no megacariócito e são encontradas no sangue de todos os mamíferos. Encontram-se envolvidas principalmente na coagulação sangüínea. Sinônimos: Trombócitos
31 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
32 Eritrócitos: Células vermelhas do sangue. Os eritrócitos maduros são anucleados, têm forma de disco bicôncavo e contêm HEMOGLOBINA, cuja função é transportar OXIGÊNIO. Sinônimos: Corpúsculos Sanguíneos Vermelhos; Corpúsculos Vermelhos Sanguíneos; Corpúsculos Vermelhos do Sangue; Glóbulos Vermelhos; Hemácias
33 Gengivite: Condição em que as gengivas apresentam-se com sinais inflamatórios e sangramentos.
34 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
35 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
36 Litíase: Estado caracterizado pela formação de cálculos em diferentes regiões do organismo. A composição destes cálculos e os sintomas que provocam variam de acordo com sua localização no organismo (vesícula biliar, ureter, etc.).
37 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
38 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
39 Glicosúria: Presença de glicose na urina.
40 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
41 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
42 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
43 Lactente: Que ou aquele que mama, bebê. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
44 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
45 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
46 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
47 Pirose: Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, ela pode ser acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago; azia.
48 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
49 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
50 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
51 Escorbuto: Doença aguda ou crônica causada pela carência de vitamina C, caracterizada por hemorragias, alteração das gengivas e queda da resistência às infecções.
52 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
53 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
54 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
55 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
56 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
57 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
58 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
59 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
60 Azia: Pirose. Sensação de dor epigástrica semelhante a uma queimadura, geralmente acompanhada de regurgitação de suco gástrico para dentro do esôfago.

Tem alguma dúvida sobre DINAVITAL C?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.