Preço de Kadcyla em Houston/SP: R$ 0,00

Kadcyla

PRODUTOS ROCHE QUÍMICOS E FARMACÊUTICOS S.A.

Atualizado em 24/12/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Kadcyla®
trastuzumabe entansina
Injetável 100 mg e 160 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

liofilizado1 para solução injetável.
Cada embalagem contém um frasco-ampola de uso único

INFUSÃO VIA INTRAVENOSA
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada frasco-ampola de uso único de Kadcyla® 100 mg contém:

trastuzumabe entansina 100 mg
veículo q.s.p. 5 mL

Excipientes: sacarose, ácido succínico, hidróxido de sódio e polissorbato 20.


Cada frasco-ampola de uso único de Kadcyla® 160 mg contém:

trastuzumabe entansina 160 mg
veículo q.s.p. 8 mL

Excipientes: sacarose, ácido succínico, hidróxido de sódio e polissorbato 20.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Kadcyla® foi desenvolvido para ser utilizado sozinho no tratamento de câncer2 de mama3 com receptores positivos para proteína HER2, quando existem metástases4 ou é avançado sem indicação de cirurgia. Além disso, para receber este medicamento, você deve ter recebido antes tratamento com trastuzumabe e um taxano (que são outros medicamentos contra o câncer2).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Kadcyla® é um medicamento que resulta da conjugação (associação) de trastuzumabe, um anticorpo5 (imunoglobulina6 que imita a IgG humana) contra a proteína HER2, com a entansina (DM1), um fármaco7 que inibe uma proteína fundamental para a multiplicação das células8. O anticorpo5 e o fármaco7 são ligados por um ligante que serve para limitar a liberação do conjugado para o resto do corpo, aumentando e direcionando a ação de DM1 nas células8-alvo. Kadcyla® tem os mecanismos de ação de trastuzumabe e de DM1.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Não utilize Kadcyla® se você tiver hipersensibilidade (alergia9) a trastuzumabe entansina ou aos demais componentes da fórmula deste produto.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Antes de iniciar o tratamento com Kadcyla®, é preciso confirmar que este medicamento é adequado ao seu caso, ou seja, confirmar que o tumor10 é HER2-positivo, o que pode ser feito por meio de exames que detectam a expressão exagerada da proteína HER2 ou por meio de amplificação genética.

Toxicidade11 pulmonar: em estudos clínicos com Kadcyla®, foram encontrados casos de pneumopatia intersticial12, que são alterações no tecido13 do pulmão14 que fica entre os alvéolos15, ou pneumonite16, que é inflamação17 do tecido13 pulmonar.

Alguns desses casos evoluíram de forma grave e até mesmo fatal. Os sinais18 e sintomas19 podem ser falta de ar, tosse, fadiga20 e alterações pulmonares (infiltrados) na radiografia de tórax21. Em casos de alterações desse tipo, Kadcyla® precisa ser suspenso. Se você já tem falta de ar, mesmo quando está em repouso, por causa de complicações da sua doença ou de outras doenças, você pode ter maior risco de desenvolver toxicidade11 pulmonar provocado por Kadcyla®.

Hepatotoxicidade22: as alterações do fígado23 podem aparecer principalmente na forma de aumentos de transaminases (enzimas produzidas pelo fígado23) em exames de sangue24, sem que apareçam sintomas19. Em geral, esses aumentos foram transitórios e o fígado23 recupera-se quando o medicamento é suspenso. Seu médico solicitará exames para controle das enzimas do fígado23 antes do início do tratamento e a cada dose de Kadcyla® e poderá reduzir a dose ou mesmo suspender a medicação, de acordo com os níveis encontrados. Alterações graves nas funções do fígado23, incluindo algumas fatais por causa lesões25 no fígado23 induzidas por medicamentos, e a hiperplasia26 nodular regenerativa (uma condição rara do fígado23), foram observadas em pacientes tratados com Kadcyla® em estudos clínicos. A hiperplasia26 nodular regenerativa, caracterizada por uma transformação disseminada benigna do tecido13 do fígado23 em pequenos nódulos, pode levar à hipertensão27 portal (aumento de pressão na veia porta28) sem cirrose29. O diagnóstico30 só pode ser feito por meio de biópsia31 (quando se retira uma pequena amostra do fígado23 através de uma agulha para exame no microscópio), e há suspeita quando o paciente apresenta sinais18 e sintomas19 de aumento da pressão da veia porta28 e/ou cirrose29 do tipo padrão observada na tomografia computadorizada32 (TC) do fígado23, mas não outras manifestações de cirrose29 conjuntamente, nem alteração nas transaminases. Nesses casos, o tratamento com Kadcyla® precisa ser encerrado definitivamente.

Disfunção do ventrículo esquerdo: o tratamento com Kadcyla® aumenta o risco de desenvolver mau funcionamento do ventrículo esquerdo do coração33. Quando o funcionamento fica muito prejudicado, existe o risco de aparecer insuficiência cardíaca congestiva34. Por isso, seu médico vai solicitar provas de função cardíaca como o ecocardiograma35, com verificação da fração de ejeção de ventrículo esquerdo antes do início do tratamento e em intervalos regulares. Se houver alterações, serão seguidas as orientações para modificação da dose ou mesmo suspensão definitiva de Kadcyla®.

Reações relacionadas à infusão: não foi estudado tratamento com Kadcyla® em pacientes que precisaram suspender o tratamento anterior com trastuzumabe, devido às reações relacionadas à infusão, e não se recomenda iniciar o tratamento com Kadcyla® nesses pacientes. As reações relacionadas à infusão de Kadcyla® são caracterizadas por um ou mais dos seguintes sintomas19: rubor, calafrios36, febre37, falta de ar, queda da pressão arterial38, chiado no peito39, espasmo40 dos brônquios41 e pulso acelerado. Em geral, esses sintomas19 não são intensos. Na maioria dos casos, as reações desaparecem depois de algumas horas ou dias depois da infusão. Se ocorrer reação grave, o tratamento com Kadcyla® deve ser interrompido. Se a reação for potencialmente fatal, o tratamento deverá ser descontinuado definitivamente.

Reações de hipersensibilidade (alergia9): você deverá permanecer em observação, especialmente durante a primeira infusão. Como foram observadas reações de alergia9 ou anafilaxia42 graves, medicamentos para tratar essas situações e também equipamento de emergência43 devem estar disponíveis para uso imediato.

Hemorragia44: casos de eventos hemorrágicos45 foram reportados com Kadcyla®. Alguns desses eventos hemorrágicos45 resultaram em óbito46. Em alguns dos casos, os pacientes também estavam recebendo terapia anticoagulante47 ou tinham trombocitopenia48 (redução do número de plaquetas49), em outros não havia fatores de risco adicionais conhecidos. Informe seu médico caso esteja fazendo uso de alguma dessas terapias.

Trombocitopenia48: a redução do número de plaquetas49, também chamada de plaquetopenia50 ou trombocitopenia48, foi descrita em estudos clínicos de Kadcyla®. A maioria dos pacientes ficou com plaquetas49 ≥ 50.000/mm3, sendo que o mínimo ocorreu em torno do Dia 8 de tratamento e, geralmente, houve melhora a partir da dose seguinte. Por isso, seu médico solicitará exame de contagem de plaquetas49 antes de cada aplicação de Kadcyla®. Se as plaquetas49 caírem abaixo de 50.000/mm3, Kadcyla® não será aplicado até que se recuperem para ≥ 75.000/mm3. Kadcyla® não foi estudado em pacientes que já tinham plaquetas49 < 100.000/mm3 antes do tratamento. Em caso de redução no número de plaquetas49, serão seguidas as orientações para modificação da dose ou mesmo suspensão definitiva de Kadcyla®.

Neurotoxicidade: foi reportada neuropatia periférica51 (alteração dos nervos das extremidades), principalmente leve e com mais sintomas19 de alteração de sensibilidade que de intensidade. Se ela for intensa, o tratamento com Kadcyla® deve ser descontinuado temporariamente até que os sintomas19 melhorem ou desapareçam.

Extravasamento: em estudos clínicos com Kadcyla®, foram observadas reações por extravasamento (quando uma parte do medicamento sai da veia e atinge os tecidos vizinhos). Essas reações foram geralmente leves, com vermelhidão, dolorimento, irritação da pele52, dor ou inchaço53 no local da infusão. Essas reações foram observadas mais frequentemente dentro de 24 horas da infusão. O local da infusão deve ser monitorado cuidadosamente para verificar se está havendo infiltração durante a aplicação.

Capacidade para dirigir veículos e operar máquinas

Estudos sobre os efeitos na capacidade de dirigir veículos e operar máquinas não foram realizados.

Gravidez54 e lactação55

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez54.

Kadcyla® não deve ser usado durante a gravidez54, porque pode provocar lesões25 ou mesmo o óbito46 do feto56. Se você tem possibilidade de engravidar, deverá ser orientada sobre a melhor forma de evitar a gravidez54 enquanto estiver recebendo o tratamento com Kadcyla® e até sete meses depois de terminado o tratamento. Se você ficar grávida enquanto estiver recebendo Kadcyla®, informe seu médico imediatamente. Se apesar de estar grávida você precisou receber Kadcyla®, deverá ter acompanhamento especial, com profissionais de diversas áreas, para oferecer o melhor suporte ao seu caso.

Kadcyla® não deve ser usado durante a amamentação57, porque pode provocar reações graves à criança. Você precisa parar de amamentar antes de receber tratamento com Kadcyla®. Se você já terminou o tratamento com Kadcyla® há sete meses ou mais, pode amamentar normalmente, sem risco para a criança.

Uso pediátrico e em idosos

A segurança e a eficácia de Kadcyla® não foram estabelecidas em crianças abaixo de 18 anos, e os dados são insuficientes em pacientes com 75 anos ou mais.

Insuficiência58 dos rins59

A farmacocinética de Kadcyla® em pacientes com comprometimento leve ou moderado do funcionamento dos rins59 foi similar à de pacientes com função normal dos rins59. Dados em pacientes com comprometimento grave do funcionamento dos rins59 são limitados e, portanto, nenhuma recomendação de dose pode ser feita.

Insuficiência58 do fígado23

A farmacocinética de Kadcyla® em pacientes com comprometimento leve ou moderado do funcionamento do fígado23 foi similar à de pacientes com função normal do fígado23. Kadcyla® não foi estudado em pacientes com comprometimento grave do funcionamento do fígado23.

Atenção diabéticos: contém açúcar60.

Até o momento, não há informações de que Kadcyla® (trastuzumabe entansina) possa provocar doping. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

Interações medicamentosas

Não foram feitos estudos formais em seres humanos de interação medicamentosa com Kadcyla®. Os estudos feitos em laboratório sugerem que um dos componentes de Kadcyla®, o DM1, é metabolizado principalmente pelas enzimas CYP3A4 e CYP3A5 e não induz nem inibe o metabolismo61 por P450 in vitro. Essas enzimas do fígado23 são as mais importantes para eliminar diversos fármacos do organismo e, como o DM1 será metabolizado principalmente por uma delas, a enzima62 CYP3A, é preciso tomar cuidado quando for administrado com medicamentos que inibem de forma potente a CYP3A.

A substituição de Kadcyla® por qualquer outro medicamento biológico exige o consentimento do médico prescritor. Seu médico avaliará as possíveis interações entre Kadcyla® e outros medicamentos que você utiliza.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde63.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Os frascos-ampola fechados de Kadcyla® devem ser armazenados sob refrigeração (temperatura entre 2 e 8ºC).

O profissional de saúde63 saberá como armazenar a solução reconstituída e a solução para infusão contendo Kadcyla® reconstituído.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas

Kadcyla® apresenta-se sob forma de pó branco a quase branco.

A solução reconstituída deve ser inspecionada visualmente. A cor da solução reconstituída varia de incolor a marrom- clara e deve estar livre de partículas visíveis, límpida a discretamente opalescente.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

Descarte de medicamentos não utilizados e/ou com data de validade vencida

O descarte de medicamentos no meio ambiente deve ser minimizado. Os medicamentos não devem ser descartados no esgoto e o descarte em lixo doméstico deve ser evitado. Utilize o sistema de coleta local estabelecido, se disponível.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Para evitar erros de medicação, é importante verificar os rótulos do frasco-ampola, para garantir que a droga que está sendo preparada e aplicada é Kadcyla® (trastuzumabe entansina) e não trastuzumabe.

Kadcyla® deve ser aplicado sob a supervisão de um profissional de saúde63 com experiência no tratamento de pacientes com câncer2.

Pacientes tratados com Kadcyla® devem apresentar tumor10 positivo para HER2, definido como um escore de 3+ por imuno-histoquímica (IHQ) ou uma razão > 2,0 por hibridização in situ64 (HIS) avaliados por teste validado.

Kadcyla® precisa ser aplicado com técnica asséptica. Devem ser usados os procedimentos adequados para preparação de quimioterápicos.

O profissional da saúde63 saberá como preparar o medicamento.

Kadcyla® precisa ser reconstituído e diluído por um profissional de saúde63 e administrado em infusão intravenosa (na veia). Não pode ser aplicado em injeção65 intravenosa direta ou em bolus66.

Esquema de dosagem

A dose recomendada de Kadcyla® é de 3,6 mg/kg de peso, administrados em infusão intravenosa, a cada 3 semanas (ciclos de 21 dias), até a progressão da doença ou até que apareça uma toxicidade11 inaceitável.

A dose inicial é aplicada em infusão intravenosa durante 90 minutos. Você precisará permanecer em observação durante a infusão e, por pelo menos, 90 minutos depois da dose inicial, para verificar se aparecem febre37, calafrios36 ou outras reações relacionadas à infusão. O local onde o medicamento foi aplicado também deve ser examinado cuidadosamente, para verificar se houve infiltrado durante a infusão.

Se as primeiras infusões forem bem toleradas, as doses subsequentes de Kadcyla® podem ser aplicadas em infusões durante 30 minutos, e você permanecerá em observação durante o tempo de infusão e, por pelo menos, 30 minutos depois do seu término.

A velocidade de infusão de Kadcyla® deve ser diminuída ou a infusão deve ser interrompida, se você desenvolver sintomas19 relacionados à infusão (vide item “O que devo saber antes de usar este medicamento – Reações relacionadas à infusão”). Se houver uma reação muito grave, Kadcyla® precisará ser interrompido.

A dose máxima de Kadcyla® a ser administrada é 3,6 mg/kg a cada 3 semanas. O medicamento não deve ser administrado em doses maiores que essa quantidade.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Modificações de dose

Para o manejo dos eventos adversos que apresentem sintomas19 clínicos, pode ser necessário, temporariamente, interromper o tratamento com Kadcyla®, reduzir a dose ou descontinuar o tratamento. Seu médico avaliará seu caso e o orientará sobre as modificações de dose.

A dose de Kadcyla® não deve ser aumentada depois de ter sido feita uma redução da dose.

Idosos

Não é necessário ajuste de dose de Kadcyla® para pacientes67 com 65 anos ou mais.

Crianças

A segurança e a eficácia de Kadcyla® não foram estabelecidas em pacientes pediátricos.

Insuficiência58 dos rins59

Não é necessário ajuste da dose inicial de Kadcyla® para pacientes67 com insuficiência renal68 (funcionamento inadequado dos rins59) leve a moderada. Não se sabe ainda se é necessário ajustar a dose em casos graves, porque não há dados suficientes.

Insuficiência58 do fígado23

Não é necessário ajuste da dose inicial de Kadcyla® para pacientes67 com insuficiência hepática69 (funcionamento inadequado do fígado23) leve a moderada. Kadcyla® não foi estudado em pacientes com insuficiência hepática69 grave. Tratamento em pacientes com insuficiência hepática69 deve ser feito com cautela, devido à conhecida toxicidade11 ao fígado23 observada com Kadcyla®.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se uma dose programada for perdida, esta deve ser administrada o mais brevemente possível: não aguarde até o próximo ciclo planejado. O esquema de administração deve ser ajustado para manter um intervalo de 3 semanas entre as doses. A velocidade de infusão pode ser a velocidade tolerada durante a última infusão.

Seu médico saberá quando deve ser aplicada a próxima dose de trastuzumabe entansina.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

A segurança de Kadcyla® foi avaliada em mais de 1.871 pacientes em estudos clínicos. A Tabela 1 resume as reações adversas à droga (RADs) que foram reportadas em associação com o uso de Kadcyla® nos estudos clínicos.

Na tabela, foram usadas as seguintes categorias de frequência: reações muito comuns (ocorrem em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento), reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento), reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento).

Tabela 1 – Resumo de RADs ocorrendo em pacientes tratados com Kadcyla®

 

RAD (MedDRA)

Kadcyla®

Classe de sistema orgânico

Todos os graus (%)

n = 1.871

Graus 3-5 (%)

n = 1.871

Categoria de

frequência

Distúrbios do sangue24 e sistema linfático70

Número baixo de plaquetas49

24,9

8,7

Muito comum

Anemia71

14,6

3,8

Muito comum

Neutropenia72 (diminuição de um tipo de glóbulo branco do sangue24 responsável pelo combate a infecções73, principalmente por bactérias)

8,1

2,6

Comum

Distúrbios do coração33

Disfunção do ventrículo esquerdo (distúrbio do funcionamento da principal parte do coração33 no bombeamento do sangue24 para o corpo)

2,2

0,4

Comum

Distúrbios dos olhos74

Olho75 seco

5,7

0,0

Comum

Lacrimejamento aumentado

4,1

0,0

Comum

Borramento da visão76

4,0

0,0

Comum

Conjuntivite77

3,8

0,0

Comum

Distúrbios gastrintestinais

Náusea78

40,0

0,8

Muito comum

Prisão de ventre

23,7

0,4

Muito comum

Vômito79

19,9

1,0

Muito comum

Diarreia80

19,2

0,7

Muito comum

Boca81 seca

16,0

<0,1

Muito comum

Dor abdominal

15,9

0,9

Muito comum

Aftas

15,4

0,1

Muito comum

digestão82

8,0

0,1

Comum

Distúrbios gerais e do local de administração

Fadiga20

36,8

2,5

Muito comum

Febre37

23,0

0,2

Muito comum

Desânimo

16,3

1,1

Muito comum

Calafrios36

10,3

<0,1

Muito comum

Inchaço53

8,1

0,1

Comum

Distúrbios hepatobiliares83

Insuficiência hepática69

0,1

0,1

Incomum

Hiperplasia26 nodular regenerativa (doença rara, em que existe transformação do tecido13 do fígado23, que fica pequenos nódulos regenerativos. Isto provoca aumento da pressão da veia porta28 sem que exista cirrose29 do fígado23)

0,1

0,0

Incomum

Hipertensão27 portal (aumento da pressão na veia porta28)

0,3

0,1

Incomum

Distúrbios do sistema imunológico84

Alergia9 à droga

2,6

0,1

Comum

Infecções73 e infestações

Infecção85 do trato urinário86

11,9

0,4

Muito comum

Lesões25, envenenamentos e procedimentos

Reação relacionada à infusão

4,0

0,3

Comum

Exames

 

 

 

Transaminases aumentadas

24,2

7,2

Muito comum

Fosfatase alcalina87 (enzima62 do fígado23 que aumenta no sangue24 geralmente quando existe obstrução ao fluxo da bile88) aumentada no sangue24

5,3

0,5

Comum

Distúrbios do metabolismo61 e da nutrição89

Potássio baixo no sangue24

11,0

2,4

Muito comum

Distúrbios musculoesqueléticos e do tecido conectivo90

Dor em músculos91 e ossos

35,5

2,4

Muito comum

Dor nas articulações92

18,9

0,6

Muito comum

Dor nos músculos91

12,9

0,3

Muito comum

Distúrbios do sistema nervoso93

Dor de cabeça94

28,1

0,6

Muito comum

Neuropatia periférica51 (alteração de nervos das

extremidades)

22,8

1,3

Muito comum

Tontura95

9,5

0,2

Comum

Alteração do paladar96

6,4

0,0

Comum

Distúrbios psiquiátricos

Insônia

11,7

0,2

Muito comum 

Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastinais

Sangramento pelo nariz97

24,3

0,4

Muito comum

Tosse

19,5

0,1

Muito comum

Falta de ar

13,4

1,5

Muito comum

Pneumonite16 (inflamação17 de tecidos do pulmão14)

0,7

0,1

Incomum

Distúrbios da pele e tecido subcutâneo98

Erupção99 cutânea100 (alteração da pele52)

12,4

0,3

Muito comum

Coceira

6,0

<0,1

Comum

Distúrbios vasculares101

Hemorragia44

34,8

2,2

Muito comum

Pressão alta

6,5

1,7

Comum

Alterações laboratoriais dos pacientes no estudo clínico TDM4370g/BO21977

As alterações em exames laboratoriais encontradas no estudo clínico referem-se a alterações do figado23 (bilirrubina102 e transaminases aumentadas), de células sanguíneas103 (número baixo de plaquetas49, hemoglobina104 e neutrófilos105) e potássio diminuído. Seu médico avaliará as possíveis alterações laboratoriais.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico ou cirurgião-dentista.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Não existe um antídoto106 conhecido para uma dose excessiva de trastuzumabe entansina. Em caso de superdose, o monitoramento precisará ser rigoroso. Foram reportados casos de superdose em tratamento com trastuzumabe entansina, a maioria associada à redução do número de plaquetas49, e houve um óbito46. No caso fatal, o paciente recebeu trastuzumabe entansina de forma incorreta na dose de 6 mg/kg, e morreu aproximadamente 3 semanas depois do ocorrido. A causa do óbito46 e a existência de relação com Kadcyla® não foram estabelecidas.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

MS - 1.0100.0659
Farm. Resp.: Tatiana Tsiomis Díaz - CRF-RJ nº 6942

Fabricado para
F. Hoffmann-La Roche Ltd, Basileia, Suíça

por Patheon Manufacturing Services, LLC, Greenville, Estados Unidos da América
ou
por F. Hoffmann-La Roche Ltd, Kaiseraugst, Suíça

Embalado por
F. Hoffmann-La Roche Ltd, Kaiseraugst, Suíça

Registrado, importado e distribuído no Brasil por
Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A.
Est. dos Bandeirantes, 2020 CEP 22775-109 - Rio de Janeiro - RJ
CNPJ 33.009.945/0023-39


SAC 0800 7720 289

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
5 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
6 Imunoglobulina: Proteína do soro sanguíneo, sintetizada pelos plasmócitos provenientes dos linfócitos B como reação à entrada de uma substância estranha (antígeno) no organismo; anticorpo.
7 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
8 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
9 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
10 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
11 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
12 Intersticial: Relativo a ou situado em interstícios, que são pequenos espaços entre as partes de um todo ou entre duas coisas contíguas (por exemplo, entre moléculas, células, etc.). Na anatomia geral, diz-se de tecido de sustentação localizado nos interstícios de um órgão, especialmente de vasos sanguíneos e tecido conjuntivo.
13 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
14 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
15 Alvéolos: Pequenas bolsas poliédricas localizadas ao longo das paredes dos sacos alveolares, ductos alveolares e bronquíolos terminais. A troca gasosa entre o ar alveolar e o sangue capilar pulmonar ocorre através das suas paredes. DF
16 Pneumonite: Inflamação dos pulmões que compromete principalmente o espaço que separa um alvéolo de outro (interstício pulmonar). Pode ser produzida por uma infecção viral ou lesão causada por radiação ou exposição a diferentes agentes químicos.
17 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
18 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
19 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
20 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
21 Tórax: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original Sinônimos: Peito; Caixa Torácica
22 Hepatotoxicidade: É um dano no fígado causado por substâncias químicas chamadas hepatotoxinas.
23 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
24 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
25 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
26 Hiperplasia: Aumento do número de células de um tecido. Pode ser conseqüência de um estímulo hormonal fisiológico ou não, anomalias genéticas no tecido de origem, etc.
27 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
28 Veia porta: Veia curta e calibrosa formada pela união das veias mesentérica superior e esplênica.
29 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
32 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
33 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
34 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
35 Ecocardiograma: Método diagnóstico não invasivo que permite visualizar a morfologia e o funcionamento cardíaco, através da emissão e captação de ultra-sons.
36 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
37 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
38 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
39 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
40 Espasmo: 1. Contração involuntária, não ritmada, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosa ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
41 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
42 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
43 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
44 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
45 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
46 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
47 Anticoagulante: Substância ou medicamento que evita a coagulação, especialmente do sangue.
48 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
49 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
50 Plaquetopenia: Plaquetopenia ou trombocitopenia é a diminuição do número de plaquetas (trombócitos) que participam na coagulação. Habitualmente o sangue contém de 150.000 a 350.000 plaquetas por microlitro. Muitas doenças podem reduzir o número de plaquetas, as principais causas são uma produção insuficiente na medula óssea, o sequestro das plaquetas por um baço grande, o aumento do uso dos trombócitos, da sua destruição ou a sua diluição no sangue.
51 Neuropatia periférica: Dano causado aos nervos que afetam os pés, as pernas e as mãos. A neuropatia causa dor, falta de sensibilidade ou formigamentos no local.
52 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
53 Inchaço: Inchação, edema.
54 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
55 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
56 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
57 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
58 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
59 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
60 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
61 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
62 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
63 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
64 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
65 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
66 Bolus: Uma quantidade extra de insulina usada para reduzir um aumento inesperado da glicemia, freqüentemente relacionada a uma refeição rápida.
67 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
68 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
69 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
70 Sistema Linfático: Um sistema de órgãos e tecidos que processa e transporta células imunes e LINFA.
71 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
72 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
73 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
74 Olhos:
75 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
76 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
77 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
78 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
79 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
80 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
81 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
82 Digestão: Dá-se este nome a todo o conjunto de processos enzimáticos, motores e de transporte através dos quais os alimentos são degradados a compostos mais simples para permitir sua melhor absorção.
83 Hepatobiliares: Diz-se do que se refere ao fígado e às vias biliares.
84 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
85 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
86 Trato Urinário:
87 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
88 Bile: Agente emulsificador produzido no FÍGADO e secretado para dentro do DUODENO. Sua composição é formada por s ÁCIDOS E SAIS BILIARES, COLESTEROL e ELETRÓLITOS. A bile auxilia a DIGESTÃO das gorduras no duodeno.
89 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
90 Tecido conectivo: Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
91 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
92 Articulações:
93 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
94 Cabeça:
95 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
96 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
97 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
98 Pele e Tecido Subcutâneo: Revestimento externo do corpo composto por PELE, seus acessórios (CABELO, UNHAS, GLÂNDULAS SEBÁCEAS e GLÂNDULAS SUDORÍPARAS) e seus ductos.
99 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
100 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
101 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
102 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
103 Células Sanguíneas: Células encontradas no líquido corpóreo circulando por toda parte do SISTEMA CARDIOVASCULAR.
104 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
105 Neutrófilos: Leucócitos granulares que apresentam um núcleo composto de três a cinco lóbulos conectados por filamenos delgados de cromatina. O citoplasma contém grânulos finos e inconspícuos que coram-se com corantes neutros.
106 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.

Tem alguma dúvida sobre Kadcyla?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.