CALSAN

NOVARTIS

Atualizado em 03/06/2015

Composição de Calsan

cada comprimido mastigável contém: carbonato decálcio 1.250 mg (500 mg de cálcio elementar).

Posologia e Administração de Calsan

como complemento à dieta : 1 comprimido ao dia. Doses maiores não devem ser tomadas a menos que prescritas por um médico. Os comprimidos devem ser mastigados. - Superdosagem: sintomas1: reações gastrintestinais e (somente em pacientes que recebem altas doses de vitamina2 D) sinais3 e sintomas1 de hipercalcemia, ou seja, diminuição do apetite, náusea4, vômito5, constipação6, dor abdominal, fraqueza muscular, poliúria7, sede, sonolência e confusão; em casos severos, coma8 ou arritmias9 cardíacas. Tratamento: interrupção da medicação; na hipercalcemia severa, infusão i.v. de solução de cloreto de sódio, diurese10 forçada, fosfato oral.

Precauções de Calsan

na presença de hipercalciúria11 leve (acima de 300 mg ou 7,5 mmol por 24 horas), de insuficiência renal12 leve ou moderada, ou de cálculos urinários, os níveis de excreção do cálcio devem ser cuidadosamente controlados e, quando necessário, a dose de Calsan deve ser reduzida ou o tratamento interrompido. Deve-se recomendar aos pacientes com história de formação de cálculos que aumentem a ingestão de líquidos. Devem ser evitadas altas doses de vitamina2 D durante a terapia com o cálcio, a menos que sejam especificamente indicadas. Fenilcetonúricos13 devem ser alertados sobre o conteúdo de aspartamo em Calsan comprimidos mastigáveis. - Gravidez14 e lactação15: Calsan pode ser tomado durante a gravidez14 e a lactação15.

Reações Adversas de Calsan

em casos raros, flatulências, diarréia16 ou constipação6. - Interações medicamentosas: o cálcio oral pode reduzir a absorção entérica das preparações de tetraciclina ou de fluoreto, e um intervalo de pelo menos 3 horas deve ser observado entre as ingestões desses medicamentos. A vitamina2 D aumenta a absorção entérica do cálcio. A absorção intestinal do cálcio a partir dos comprimidos de Calsan pode ser reduzida pela ingestão simultânea de certos alimentos (como o espinafre, ruibarbo, farelo de trigo e outros cereais, leite e derivados do leite). Em doses altas e em combinação com a vitamina2 D, o cálcio pode diminuir a resposta ao verapamil e, possivelmente, a outros antagonistas do cálcio. Em pacientes digitalizados, altas doses de cálcio podem aumentar o risco de arritmias9 cardíacas.

Contra-Indicações de Calsan

hipersensibilidade à preparação. Hipercalcemia (por exemplo: no hiperparatiroidismo, excesso de vitamina2 D, tumores desmineralizantes como os plasmacitomas e as metástases17 ósseas). Hipercalciúria11 severa. Insuficiência renal12 severa.

Indicações de Calsan

aumento da necessidade de cálcio, durante a gravidez14 e a lactação15, e em crianças e adolescentes nos períodos de crescimento rápido. Ingestão inadequada de cálcio na dieta, como resultado de má nutrição18 ou subnutrição. Prevenção e tratamento da osteoporose19. Como suplemento ao tratamento com vitamina2 D no raquitismo20 e na osteomalacia21.

Apresentação de Calsan

embalagem com 30 comprimidos.


CALSAN - Laboratório

NOVARTIS
Av. Prof. Vicente Rao, 90 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04706-900
Tel: 55 (011) 532-7122
Fax: 55 (011) 532-7942
Site: http://www.novartis.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "NOVARTIS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
5 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
6 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
7 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
8 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
9 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
10 Diurese: Diurese é excreção de urina, fenômeno que se dá nos rins. É impróprio usar esse termo na acepção de urina, micção, freqüência miccional ou volume urinário. Um paciente com retenção urinária aguda pode, inicialmente, ter diurese normal.
11 Hipercalciúria: Eliminação de quantidade anormalmente grande de cálcio na urina.
12 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
13 Fenilcetonúricos: Portadores da doença fenilcetonúria.
14 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
15 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
16 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
17 Metástases: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
18 Má nutrição: Qualquer transtorno da alimentação tanto por excesso quanto por falta da mesma.A qualidade dos alimentos deve ser balanceada de acordo com as necessidades fisiológicas de cada um.
19 Osteoporose: Doença óssea caracterizada pela diminuição da formação de matriz óssea que predispõe a pessoa a sofrer fraturas com traumatismos mínimos ou mesmo na ausência deles. É influenciada por hormônios, sendo comum nas mulheres pós-menopausa. A terapia de reposição hormonal, que administra estrógenos a mulheres que não mais o produzem, tem como um dos seus objetivos minimizar esta doença.
20 Raquitismo: Doença decorrente da mineralização inadequada do osso em crescimento, ou seja, da placa epifisária. Está entre as doenças mais comuns da infância em países em desenvolvimento. A causa predominante é a deficiência de vitamina D, seja por exposição insuficiente à luz solar ou baixa ingestão através da dieta; mas a deficiência de cálcio na dieta também pode gerar um quadro de raquitismo. A osteomalácia é o termo usado para descrever uma condição semelhante que ocorre em adultos, geralmente devido à falta de vitamina D.
21 Osteomalácia: Enfraquecimento e desmineralização dos ossos nos adultos devido a uma deficiência em vitamina D (na criança esta situação denomina-se raquitismo). O crescimento do osso normal requer um aporte adequado de cálcio e fósforo através da alimentação, mas o organismo não consegue absorver estes minerais sem que haja uma quantidade suficiente de vitamina D. O organismo obtém esta vitamina de certos alimentos e da ação da luz solar sobre a pele; a sua carência resulta em amolecimento e enfraquecimento dos ossos, que se tornam vulneráveis a fraturas.

Tem alguma dúvida sobre CALSAN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.