Preço de Stavigile em Woodbridge/SP: R$ 39,62

Stavigile

LIBBS FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 22/01/2020

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Stavigile
modafinila
Comprimidos 100 mg e 200 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

Comprimidos simples
Embalagens contendo 10 ou 30 comprimidos

USO ORAL
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada comprimido de Stavigile 100 contém:

modafinila 100 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: lactose1, crospovidona, povidona, lactose1 monoidratada, dióxido de silício, talco, estearilfumarato de sódio.


Cada comprimido de Stavigile 200 contém:

modafinila 200 mg
excipiente q.s.p. 1 comprimido

Excipientes: lactose1, crospovidona, povidona, lactose1 monoidratada, dióxido de silício, talco, estearilfumarato de sódio.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

  • Este medicamento é destinado ao tratamento da narcolepsia, auxiliando na manutenção do estado de vigília (manter-se acordado).
  • A narcolepsia é uma condição que causa sonolência excessiva durante o dia, com a presença de episódios de sono incontroláveis, frequentemente em horas inapropriadas, como, por exemplo, durante a alimentação, a conversação, etc.
  • Este medicamento auxilia no controle da sonolência excessiva causada por esta condição e reduz a probabilidade de ocorrência dos episódios de sono incontroláveis, mas pode também haver outras maneiras para auxiliar a melhora de sua condição, seu médico irá informá-lo.
  • Stavigile® não substitui a quantidade de sono adequada.
  • Siga sempre a orientação do seu médico sobre hábitos de sono adequados.
  • Outros tratamentos que você utiliza para auxiliar sua doença não devem ser interrompidos sem orientação de seu médico.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Stavigile® é um medicamento que tem como substância ativa a modafinila, que age no cérebro2 para aumentar o estado de vigília (estado de se manter acordado). O início de ação ocorre em cerca de 1-2 horas após sua ingestão.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Está contraindicado no caso de reação alérgica3 à modafinila ou a qualquer componente de sua formulação. Também está contraindicado para uso em pacientes com hipertensão4 moderada a grave não controlada e em portadores de arritmias5 cardíacas.

Este medicamento é contraindicado para menores de 18 anos de idade.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

A modafinila pode provocar reações alérgicas na pele6 ou em outros locais. Caso você apresente manchas na pele6, urticária7, feridas na pele6, bolhas na pele6 ou na boca8, inchaço9 nos lábios, olhos10 ou garganta11, falta de ar, dificuldade para engolir ou rouquidão, entre imediatamente em contato com seu médico ou procure um serviço de emergência12, levando a bula deste medicamento.

Avise o seu médico se você apresentar algumas das condições:

  • Tem algum problema no coração13 ou sofre de pressão alta. Seu médico necessitará checá-los regularmente enquanto você estiver usando a modafinila.
  • Doença no fígado14 ou nos rins15. Você pode precisar de redução de dose da modafinila.
  • Apresenta depressão, baixa auto-estima, ansiedade, psicose16 (perda do contato com a realidade) ou mania (hiper- excitamento ou sentimento de extrema felicidade), transtorno bipolar do humor, ou outro transtorno psiquiátrico que você saiba.
  • História prévia de abuso de álcool ou drogas.
  • Alterações do comportamento: muitas pessoas relataram a ocorrência de comportamento agressivo ou pensamentos suicidas enquanto utilizaram este medicamento. Avise seu médico imediatamente se você notar que está se tornando deprimido, agressivo ou hostil em relação às pessoas; tiver pensamentos de suicídio ou notar outras alterações no seu comportamento. Você pode solicitar a alguém da família ou amigo próximo que lhe auxilie na observação do aparecimento de sinais17 de depressão ou outras alterações no seu comportamento.
  • Alterações neurológicas: em algumas pessoas, a modafinila pode causar tontura18 e alterações no raciocínio, dificultar o controle de movimentos ou turvar os olhos10. Certifique-se de suas reações antes da realização de tarefas perigosas ou que exijam atenção e vigília, como operar máquinas e/ou dirigir veículos.

Este medicamento apresente potencial para dependência no tratamento em longo prazo. Se você precisa tomá-lo por um longo período, seu medico irá reavaliar regularmente a manutenção deste tratamento.

Não se sabe o quanto este medicamento pode prejudicar o feto19, portanto, somente o médico poderá avaliar o risco/benefício do uso de Stavigile® durante a gestação.

Converse com seu médico a respeito dos controles contraceptivos (para evitar a gravidez20) que você deve utilizar durante o tratamento com a modafinila (e por até dois meses após sua interrupção). Stavigile® pode aumentar o risco potencial de gravidez20 quando da utilização concomitante com contraceptivos esteroidais ou por pelo menos um mês após a interrupção do tratamento com Stavigile®.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Este medicamento pode causar doping.

Este medicamento contém LACTOSE1.

Avise o seu médico da utilização de qualquer um dos medicamentos a seguir:

  • Para o tratamento de epilepsia21, principalmente fenitoína, carbamazepina ou fenobarbital.
  • Contraceptivos hormonais, incluindo pílulas anticoncepcionais, implantes, dispositivos intrauterinos (DIUs) e adesivos: você pode necessitar utilizar outros métodos contraceptivos durante o tratamento com a modafinila e por até dois meses após a descontinuação da medicação. Converse com seu médico a respeito.
  • omeprazol (para refluxo ácido, indigestão ou úlceras22).
  • Para o tratamento de depressão ou ansiedade, como por exemplo, amitriptilina, citalopram, fluoxetina ou diazepam.
  • Pílulas para dormir.
  • Para o tratamento de distúrbios de coagulação23, como varfarina. Seu médico monitorará seus tempos de coagulação23 durante o tratamento.
  • Ciclosporinas (usados para prevenir a rejeição de órgãos transplantados e também para tratamento de artrite24 ou psoríase25).
  • Antirretrovirais para tratamento de infecções26 do tipo HIV27 (conhecidos como inibidores da protease28).
  • Para o tratamento de pressão alta ou problemas cardíacos (conhecidos como antagonistas dos canais de cálcio), como anlodipino, verapamil ou o betabloqueador: propranolol.
  • Alguns medicamentos para tratamento de colesterol29 alto (conhecidos como estatinas), como por exemplo, atorvastatina, sinvastatina.
  • Qualquer outro medicamento que você utilize inclusive aqueles sem prescrição médica. A ingestão de álcool deve ser evitada durante o tratamento com a modafinila.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde30.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Este medicamento deve ser armazenado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e umidade.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas do produto

  • Stavigile® 100 mg: os comprimidos são brancos, circulares, biconvexos, sem sulco e com gravação.
  • Stavigile® 200 mg: os comprimidos são brancos, circulares, biconvexos, com sulco e com gravação.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Sempre tome Stavigile® conforme as orientações de seu médico. Se tiver alguma dúvida, consulte seu médico ou converse com um farmacêutico.

Os comprimidos devem ser tomados com auxílio de líquido, preferencialmente com água.

A dosagem usual recomendada é de 200 mg ao dia, podendo ser tomada em dose única matinal (pela manhã), ou dividida em duas tomadas (100 mg pela manhã e 100 mg ao meio-dia).

Uso em pacientes idosos (acima de 65 anos de idade): a dosagem usual diária é de 100 mg.

Uso em pacientes com graves problemas nos rins15 ou no fígado14: a dosagem usual diária é de 100 mg. Seu médico irá reavaliar regularmente sobre a manutenção do tratamento.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você se esquecer de tomar uma dose, procure tomá-la assim que possível. Se estiver próximo ao horário da dose seguinte, despreze a dose esquecida e volte ao seu esquema normal. Não tome duas doses ao mesmo tempo.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Dependência/ abstinência: embora este medicamento apresente baixo potencial para dependência e abstinência, existe a possibilidade de ocorrência durante o tratamento em longo prazo. Muitos efeitos da modafinila no cérebro2 são os mesmos que outros medicamentos do tipo “estimulantes”, esses efeitos podem levar ao abuso ou à dependência. Antes de começar a tomar Stavigile®, converse com o médico se você já teve problemas de abuso com outros medicamentos, incluindo estimulantes.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como com outros medicamentos, a modafinila pode causar efeitos indesejáveis, embora nem todas as pessoas os apresentem.

Se você apresentar alguma destas situações, pare de tomar Stavigile® e entre em contato com seu médico imediatamente:

  • Dificuldade repentina para respirar ou inchaço9 no rosto, boca8 ou garganta11.
  • Notar erupções na pele6 ou comichão (especialmente se afetar seu corpo todo). Erupções severas podem causar a formação de bolhas ou descamação31 da pele6, úlceras22 na boca8, nariz32 ou genitais. Podem ocorrer também febre33 e alteração no resultado de exames de sangue34.
  • Sentir alguma alteração na saúde30 mental e bem-estar, incluindo sinais17 de alterações de humor ou pensamentos anormais; agressão ou hostilidade; esquecimento ou confusão; sensação de extrema felicidade; sobre-excitação ou hiperatividade; ansiedade ou nervosismo; depressão, pensamentos ou comportamento suicidas; agitação ou psicose16 (a perda do contato com a realidade pode incluir delírios ou sensações irreais).

Reação muito comum (ocorre em 10% dos pacientes que utilizaram este medicamento): dor de cabeça35.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizaram este medicamento)

  • Tontura18, sonolência, cansaço extremo ou dificuldade para dormir (insônia).
  • Percepção de alteração nos batimentos cardíacos (mais rápidos); dor no peito36; rubor (vermelhidão na face37); boca8 seca.
  • Perda de apetite, sentir-se doente, dor no estomago38, indigestão, diarreia39 ou constipação40.
  • Fraqueza; dormência41 ou formigamento nas mãos42 ou nos pés.
  • Visão43 embaçada; alteração dos testes sanguíneos de enzimas hepáticas44.

Reação incomum (ocorre entre 0,1 % e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Dor nas costas45, dor no pescoço46, dor ou fraqueza muscular, cãibras nas pernas, dor nas juntas, contração muscular ou tremor; vertigem47; dificuldade em mover os músculos48 ou outros problemas relacionados ao movimento, tensão muscular, problemas de coordenação.
  • Sintomas49 da febre do feno50 incluindo coceira/coriza51 no nariz32 ou olhos10 lacrimejantes.
  • Tosse aumentada, asma52 ou falta de ar.
  • Erupção53 na pele6, acne54 ou coceira na pele6; sudorese55.
  • Alterações na pressão sanguínea (alta ou baixa), sinal56 cardíaco anormal (ECG) e batimento cardíaco lento, irregular ou alterado.
  • Dificuldade para engolir, inchaço9 na língua57 ou úlceras22 na boca8.
  • Excesso de gases intestinais, refluxo (volta de fluido estomacal), apetite aumentado, alterações no peso, sede ou alterações no paladar58.
  • Vômito59; enxaqueca60; problemas na fala; diabetes61 (aumento do açúcar62 no sangue34); aumento do colesterol29 no sangue34.
  • Inchaço9 nas mãos42 ou nos pés.
  • Interrupção do sono ou sonhos anormais.
  • Perda de apetite sexual.
  • Sangramento no nariz32, dor de garganta11; sinusite63.
  • Alteração da visão43 ou secura nos olhos10.
  • Alteração na urina64 ou aumento da frequência urinária
  • Alterações menstruais.
  • Alteração nos resultados de testes de sangue34 mostrando a alteração dos glóbulos brancos.

Atenção: este produto é um medicamento que possui nova concentração no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você tomar muitos comprimidos poderá apresentar mal estar, sentir-se agitado, desorientado, confuso ou excitado.

Você pode também ter dificuldade para dormir, diarreia39, alucinações65 (sentir coisas que não são reais), dor no peito36, alteração na velocidade dos batimentos de seu coração13 ou aumento de sua pressão sanguínea.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
ATENÇÃO: PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA
 

MS nº: 1.0033.0145
Farmacêutica responsável: Cintia Delphino de Andrade – CRF-SP nº: 25.125

Registrado por:
Libbs Farmacêutica Ltda.
Rua Josef Kryss, 250 – São Paulo – SP
CNPJ: 61.230.314/0001-75

Fabricado por:
Libbs Farmacêutica Ltda.
Rua Alberto Correia Francfort, 88 – Embu da Artes – SP
Indústria brasileira


SAC 0800 135044

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
4 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
5 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
8 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
9 Inchaço: Inchação, edema.
10 Olhos:
11 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
12 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
13 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
14 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
15 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
16 Psicose: Grupo de doenças psiquiátricas caracterizadas pela incapacidade de avaliar corretamente a realidade. A pessoa psicótica reestrutura sua concepção de realidade em torno de uma idéia delirante, sem ter consciência de sua doença.
17 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
18 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
19 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
20 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
21 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
22 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
23 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
24 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
25 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
26 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
27 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
28 Inibidores da protease: Alguns vírus como o HIV e o vírus da hepatite C dependem de proteases (enzimas que quebram ligações peptídicas entre os aminoácidos das proteínas) no seu ciclo reprodutivo, pois algumas proteínas virais são codificadas em uma longa cadeia peptídica, sendo libertadas por proteases para assumir sua conformação ideal e sua função. Os inibidores da protease são desenvolvidos como meios antivirais, pois impedem a correta estruturação do RNA viral.
29 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
30 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
31 Descamação: 1. Ato ou efeito de descamar(-se); escamação. 2. Na dermatologia, fala-se da eliminação normal ou patológica da camada córnea da pele ou das mucosas. 3. Formação de cascas ou escamas, devido ao intemperismo, sobre uma rocha; esfoliação térmica.
32 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
33 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
34 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
35 Cabeça:
36 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
37 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
38 Estômago: O estômago é o órgão situado logo abaixo do diafragma, mais precisamente entre o esôfago e o duodeno. Ele tem a função de armazenar por pequeno período os alimentos, para que possam ser misturados ao suco gástrico e digeridos.
39 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
40 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
41 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
42 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
43 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
44 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
45 Costas:
46 Pescoço:
47 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
48 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
49 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
50 Febre do Feno: Doença polínica, polinose, rinite alérgica estacional ou febre do feno. Deve-se à sensibilização aos componentes de polens, sendo que os alérgenos de pólen provocam sintomas clínicos quando em contato com a mucosa do aparelho respiratório e a conjuntiva de indivíduos previamente sensibilizados.
51 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
52 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
53 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
54 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
55 Sudorese: Suor excessivo
56 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
57 Língua:
58 Paladar: Paladar ou sabor. Em fisiologia, é a função sensorial que permite a percepção dos sabores pela língua e sua transmissão, através do nervo gustativo ao cérebro, onde são recebidos e analisados.
59 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
60 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
61 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
62 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
63 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
64 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
65 Alucinações: Perturbações mentais que se caracterizam pelo aparecimento de sensações (visuais, auditivas, etc.) atribuídas a causas objetivas que, na realidade, inexistem; sensações sem objeto. Impressões ou noções falsas, sem fundamento na realidade; devaneios, delírios, enganos, ilusões.

Tem alguma dúvida sobre Stavigile?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.