Preço de VASCASE em Ann Arbor/SP: R$ 73,67

VASCASE

ROCHE

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Vascase

cada comprimido contém como principio ativo 1mg, 2,5 mg ou 5,0 mg de cilazapril: 9 (S)-[1(S)-etóxicarbonil-3-fenilpropilamino]-octo hidro-10-oxo-6H-piridazol [1,2a] [1,2]diazepino-1(S)-ácido carboxílico monoidratado.

Posologia e Administração de Vascase

Vascase deve ser administrado uma vez ao dia. Como a ingestão de alimentos não apresenta uma influência clinicamente significativa em sua absorção, o Vascase pode ser administrado antes ou após as refeições. A dose deve ser tomada sempre a mesma hora do dia. Hipertensão1 essencial: o esquema posológico do Vascase é, em geral, de 2,5 a 5,0 mg uma vez ao dia, ao passo que a dose recomendada para os dois primeiros dias é de meio comprimido de 2,5 mg uma vez ao dia. A posologia deverá ser ajustada individualmente de acordo com a resposta da pressão arterial2. Se a pressão arterial2 não for adequadamente controlada com 5 mg de Vascase, uma vez ao dia, uma dose baixa de um diurético3 não poupador de potássio poderá ser administrada concomitantemente, para aumentar o efeito anti-hipertensivo. Hipertensão1 renal4: o tratamento com Vascase deve ser iniciado com uma dose de 0,5 mg ou menos, uma vez que os inibidores da ECA podem determinar, nesses pacientes, maior diminuição da pressão arterial2 do que nos pacientes com hipertensão1 essencial. A dose de manutenção deve ser ajustada individualmente. - Instruções posológicas especiais: pacientes hipertensos sob o uso de diuréticos5: em pacientes sob o uso de diuréticos5, o tratamento com Vascase deve ser iniciado com cautela, uma vez que freqüentemente esses pacientes apresentam hipovolemia6 e parecem mais propensos a apresentar hipotensão7 ao fazerem uso de inibidores da ECA. Sempre que possível, todos os diuréticos5 devem ser descontinuados dois ou três dias antes da administração do Vascase. Se isto não for possível pelas condições do paciente, o tratamento com Vascase deve ser iniciado a uma razão de 0,5 mg diários e a pressão arterial2 monitorada de perto após a primeira dose até sua estabilização. Daí em diante, a dose de manutenção deverá ser ajustada individualmente. Insuficiência renal8: o seguinte esquema posológico é recomendado: clearance de creatinina9 > 40 ml/min: dose inicial 1 mg diariamente; dose máxima 5 mg diariamente. Clearance de creatinina9 10-40 ml/min: dose inicial 0,5 mg diariamente; dose máxima 2,5 diariamente. Clearance de creatinina9 < 10 ml/min: dose inicial 0,25-0,5 mg uma ou duas vezes por semana, de acordo com a resposta da pressão arterial2. Em pacientes sob hemodiálise10, o Vascase só deverá ser administrado nos dias em que a diálise11 não for realizada e a posologia deverá ser ajustada de acordo com a resposta da pressão arterial2. Pacientes idosos: o tratamento com Vascase deve ser iniciado com meio comprimido de 2,5 mg ou menos, ao dia, em função da volemia12 e do estado geral do paciente. Em seguida, a dose de manutenção de Vascase deve ser ajustada em função da resposta individual.

Precauções de Vascase

hipotensão7 sintomática13: ocasionalmente, hipotensão7 sintomática13 tem sido relatada quando do uso de inibidores da ECA, particularmente em pacientes que depletam sódio ou que apresentem volemia12 reduzida em decorrência de vômitos14, diarréia15, pré-tratamento com diuréticos5, dieta baixa em sódio ou após diálise11. Pacientes com insuficiência cardíaca congestiva16, especialmente aqueles que fazem uso de altas doses de diuréticos5 de alça, podem experimentar uma acentuada diminuição na pressão arterial2 em resposta aos inibidores da ECA. Nestes casos, os pacientes devem ser tratados em posição supina, podendo necessitar de infusão salina normal ou de expansores de volume. Após repleção do volume, o tratamento com Vascase pode ser continuado. No entanto, se persistirem os sintomas17, a posologia deverá ser reduzida ou o tratamento descontinuado. Cirrose18 hepática19: Na eventualidade - pouco provável - de pacientes com cirrose18 hepática19 necessitarem de tratamento com o Vascase, o mesmo deverá ser iniciado com cautela em doses de 0,5 mg ou menos, devido à possibilidade de ocorrência de hipotensão7 significativa. Insuficiência renal8: em pacientes com insuficiência renal8, pode ser necessária a redução da posologia em função do clearance da creatinina9. Como ocorre com outros inibidores da ECA, um aumento da uréia20 e/ou da creatinina9 sérica pode ser observado em pacientes hipertensos com estenose21 renal4 arterial unilateral ou bilateral. Estes aumentos são normalmente reversíveis quando da descontinuação de Vascase e/ou de diuréticos5. Uma vez que o potássio sérico pode aumentar em alguns pacientes com disfunção renal4, durante o tratamento com inibidores da ECA, os níveis de potássio devem ser controlados freqüentemente a intervalos regulares, dependendo da função renal4. Cirurgia/anestesia22: o uso de inibidores da ECA em combinação com drogas anestésicas, que também tem efeitos de diminuição da pressão arterial2, pode ocasionar hipotensão7. Se isto ocorrer, expansão de volume por meio de infusão intravenosa ou - se essas medidas não forem eficazes - a infusão de angiotensina II está indicada. Uso durante a lactação23: desconhece-se o fato de Vascase passar para o leite materno, mas tendo em vista que os dados disponíveis em animais mostram a presença do cilazaprilato no leite de rata, toda precaução deve ser tomada, quando o Vascase for administrado a mulheres no período de amamentação24. Uso em pediatria: a segurança e a eficácia do Vascase não foram ainda estabelecidas em crianças. - Achados laboratoriais: alterações clinicamente relevantes nos valores dos testes laboratoriais possíveis ou provavelmente relacionados ao tratamento com Vascase muito raramente têm sido observadas. Aumentos insignificantes e na maioria dos casos reversíveis da creatinina9/uréia20 dos pacientes têm sido observados no tratamento com Vascase. Tais alterações são mais susceptíveis de ocorrer em pacientes com estenose21 da artéria renal25 ou com insuficiência renal8, mas têm sido ocasionalmente observadas também em pacientes com funções renais normais, particularmente naqueles que fazem uso concomitante de diuréticos5. Em alguns pacientes tem sido relatada uma diminuição de hemoglobina26, do hematócrito27 e/ou leucócitos28, mas em nenhum caso foi estabelecida uma relação causal definitivamente ligada ao Vascase. Interações medicamentosas: Vascase tem sido administrado concomitantemente com a digoxina, nitratos e bloqueadores do receptor de H2. Não ocorreram aumentos de concentrações de digoxina no plasma29 e tampouco outras alterações clinicamente significativas. Um efeito aditivo pode ser observado quando Vascase for administrado em combinação com outros agentes que diminuem a pressão arterial2. Os diuréticos5 poupadores de potássio administrados juntamente com Vascase podem levar a aumentos do potássio sérico, particularmente em pacientes com insuficiência renal8. Assim como ocorre com os demais inibidores da ECA, o uso concomitante de Vascase com um antiinflamatório não esteróide pode diminuir o efeito anti-hipertensivo de Vascase. Isto parece não ocorrer em pacientes tratados com Vascase anteriormente à administração de antiinflamatórios não esteróides.

Reações Adversas de Vascase

Vascase é, em geral, bem tolerado. Na maioria dos casos os efeitos adversos foram transitórios, em grau moderado ou leve, não sendo necessária a interrupção do tratamento. Cefaléia30 e vertigens31 foram as reações mais freqüentemente relatadas pelos pacientes em tratamento com Vascase. Outras reações adversas que ocorreram em menos de 2% do total de pacientes tratados foram: fadiga32, hipotensão7, dispepsia33, náuseas34, eritema35 e tosse. Esses efeitos foram observados, no mesmo grau de incidência36, durante tratamento com outros inibidores da ECA. Edema angioneurótico37: assim como ocorre com outros inibidores da ECA, angioedema38 foi relatado, embora raramente, em pacientes sob uso de Vascase. Uma vez que esta síndrome39 pode estar associada com edema40 de laringe41, o uso de Vascase deve ser interrompido e deve ser instituído um tratamento apropriado imediatamente, quando ocorrer envolvimento da face42, lábios, língua43, glote44 e/ou da laringe41. Superdosagem: doses únicas de Vascase de até 160 mg foram administradas a voluntários sadios sem que tenham sido constatados efeitos indesejáveis sobre a pressão arterial2; em pacientes sob tratamento, os dados relativos à superdosagem são escassos. O evento mais provável de ocorrer é hipotensão7, que deve ser tratada por meio de expansores de volume. Se necessário, o cilazaprilato, a forma ativa do Vascase, pode ser parcialmente eliminado do organismo através da hemodiálise10.

Contra-Indicações de Vascase

pacientes hipersensíveis ao cilazapril ou a outros inibidores da ECA, em pacientes com ascite45 e durante a gravidez46.

Indicações de Vascase

tratamento da hipertensão arterial47 essencial e renal4.

Apresentação de Vascase

caixas com 10 e 20 comprimidos.


VASCASE - Laboratório

ROCHE
Av. Engenheiro Billings, 1729 - Jaguaré
São Paulo/SP - CEP: 05321-900
Tel: 0800 7720 289
Fax: 0800 7720 292
Site: http://www.roche.com/
Estrada dos Bandeirantes, 2020
CEP: 22710-104
Rio de Janeiro - RJ

Ver outros medicamentos do laboratório "ROCHE"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
2 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
3 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
6 Hipovolemia: Diminuição do volume de sangue secundário a hemorragias, desidratação ou seqüestro de sangue para um terceiro espaço (p. ex. peritônio).
7 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
8 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
9 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
10 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
11 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
12 Volemia: Volume sanguíneo
13 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
14 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
15 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
16 Insuficiência Cardíaca Congestiva: É uma incapacidade do coração para efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de enfermidades do próprio coração ou de outros órgãos. O músculo cardíaco vai diminuindo sua força para bombear o sangue para todo o organismo.
17 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
18 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
19 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
20 Ureia: 1. Resíduo tóxico produzido pelo organismo, resulta da quebra de proteínas pelo fígado. É normalmente removida do organismo pelos rins e excretada na urina. 2. Substância azotada. Composto orgânico cristalino, incolor, de fórmula CO(NH2)2 (ou CH4N2O), com um ponto de fusão de 132,7 °C.
21 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
22 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
23 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
24 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
25 Artéria Renal: Ramo da aorta abdominal que irriga os rins, glândulas adrenais e ureteres.
26 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
27 Hematócrito: Exame de laboratório que expressa a concentração de glóbulos vermelhos no sangue.
28 Leucócitos: Células sangüíneas brancas. Compreendem tanto os leucócitos granulócitos (BASÓFILOS, EOSINÓFILOS e NEUTRÓFILOS) como os não granulócitos (LINFÓCITOS e MONÓCITOS). Sinônimos: Células Brancas do Sangue; Corpúsculos Sanguíneos Brancos; Corpúsculos Brancos Sanguíneos; Corpúsculos Brancos do Sangue; Células Sanguíneas Brancas
29 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
30 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
31 Vertigens: O termo vem do latim “vertere” e quer dizer rodar. A definição clássica de vertigem é alucinação do movimento. O indivíduo vê os objetos do ambiente rodarem ao seu redor ou seu corpo rodar em relação ao ambiente.
32 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
33 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
34 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
35 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
36 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
37 Edema angioneurótico: Ataques recidivantes de edema transitório que aparecem subitamente em áreas da pele, membranas mucosas e ocasionalmente nas vísceras, geralmente associadas com dermatografismo, urticária, eritema e púrpura.
38 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
39 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
40 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
41 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
42 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
43 Língua:
44 Glote: Aparato vocal da laringe. Consiste das cordas vocais verdadeiras (pregas vocais) e da abertura entre elas (rima da glote).
45 Ascite: Acúmulo anormal de líquido na cavidade peritoneal. Pode estar associada a diferentes doenças como cirrose, insuficiência cardíaca, câncer de ovário, esquistossomose, etc.
46 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
47 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.

Tem alguma dúvida sobre VASCASE?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.